Arranca hoje o 11º Festival do Vinho do Douro Superior

O Festival do Vinho do Douro Superior regressa ao EXPOCÔA – Centro de Exposições de Vila Nova de Foz Côa, nos dias 24, 25 e 26 de Maio e conta, este ano, com cerca de 100 expositores. O programa da 11ª edição do evento inclui, para além do reconhecido Concurso de Vinhos do Douro Superior, […]

O Festival do Vinho do Douro Superior regressa ao EXPOCÔA – Centro de Exposições de Vila Nova de Foz Côa, nos dias 24, 25 e 26 de Maio e conta, este ano, com cerca de 100 expositores. O programa da 11ª edição do evento inclui, para além do reconhecido Concurso de Vinhos do Douro Superior, provas comentadas de vinhos e azeites, um colóquio e mostras de produtos regionais do Douro, Trás os Montes e Beira Interior.

A abertura do Festival do Vinho do Douro Superior está marcada para as 18h00 de dia 24 de Maio, sexta-feira, com a presença do Presidente da Câmara Municipal de Foz Côa, João Paulo Sousa. Neste primeiro dia, os visitantes poderão assistir à prova comentada dos “Grandes brancos do Douro Superior”, por Luís Lopes, crítico e editor da revista Grandes Escolhas, e ainda ao espetáculo da fadista Sara Correia (22h00).

No sábado, dia 25, o destaque vai para o Concurso de Vinhos do Douro Superior, que reúne, durante a manhã, alguns dos críticos e outros profissionais mundo vínico mais importantes do país e, este ano, pela primeira vez, importadores de Itália, Reino Unido, Dinamarca e Suécia. Todos os anos participam, nesta competição, vinhos de grande qualidade, de grandes, médios e, sobretudo, pequenos produtores, que, de outra forma, poderiam passar despercebidos.

Em simultâneo será discutido o impacto do enoturismo na região, com o colóquio “Enoturismo – uma aposta para o desenvolvimento sustentado do Douro Superior”, que inclui a participação de António Pé-Curto, doutorado pelo ISCTE, Rui Dias, Catedrático da Universidade de Évora e José Reverendo da Conceição, enólogo e diretor geral da Quinta Vale de Aldeia e Hotel Rural de Longroiva.

A feira abre portas para a população em geral pelas 15h00, estando reservadas, para este dia, duas provas comentadas, uma de “Azeites do Douro Superior e Trás-os-Montes”, por Francisco Pavão, Presidente da Associação dos Produtores em Proteção Integrada de Trás-os-Montes e Alto Douro (APPITAD), e outra dedicada aos “Grandes tintos do Douro Superior”, pelo crítico Fernando Melo. António Zambujo fecha a noite, com um concerto às 22h00.

No último dia do evento será possível assistir ao anúncio dos resultados do 11º Concurso de Vinhos do Douro Superior e à última prova comentada, desta vez sobre “Vinho do Porto”, por Valéria Zeferino. A complementar o programa de atividades, os visitantes do festival poderão provar e comprar os diversos vinhos e produtos locais na zona dos expositores, onde também se encontram tasquinhas com diferentes opções gastronómicas.
O Festival do Vinho do Douro Superior é organizado pela Câmara Municipal de Foz Côa e pela revista Grandes Escolhas, com o objectivo apoiar os produtores e mostrar o trabalho desenvolvido na região.

Roquette & Cazes: Xisto, Douro de traço bordalês

Roquette & Cazes

O evento teve lugar no Porto e destinou-se a mostrar a nova edição do tinto Xisto, um vinho com origem na quinta do Meco (Douro Superior), uma propriedade que pertence à família Cazes e que se situa ao lado da quinta da Cabreira, que pertence à Quinta do Crasto. A ideia desta colaboração é muito […]

O evento teve lugar no Porto e destinou-se a mostrar a nova edição do tinto Xisto, um vinho com origem na quinta do Meco (Douro Superior), uma propriedade que pertence à família Cazes e que se situa ao lado da quinta da Cabreira, que pertence à Quinta do Crasto. A ideia desta colaboração é muito antiga. A família Cazes tem uma relação familiar com Portugal, uma vez que o patriarca Jean-Michel, recentemente falecido, casou com uma portuguesa de Moçambique. Embora sempre a viver em Bordéus, a verdade é que, em casa dos Cazes, a conversa entre os filhos e os visitantes se desenrola em português.

A ideia do projecto nasceu em 2002, mas o primeiro tinto Xisto a entrar no mercado foi da colheita de 2003, quando se entendeu que o vinho tinha o perfil e qualidade desejada. Uma segunda marca – Roquette & Cazes – surgiu em 2006. Mais do que ser um rótulo que surge em anos que não há Xisto, esta marca, com um PVP bem convidativo, poderá ter sempre edição, beneficiando da boa produção da quinta do Douro Superior. Neste momento atinge as 85 000 garrafas, mas Tomás Roquette, que conduziu esta apresentação, não deixou de salientar que em breve poderá chegar às 100 000 garrafas. A empresa, para além da quinta, não tem, como lembrou Tomás, “nada de nada. Nem adega nem equipa própria, nem armazém de barricas, nem estrutura comercial: tudo é alugado ou sub-contratado à quinta do Crasto”. No final, metade do stock é comercializado cá e o resto pela família Cazes.

Selecção exigente

A frequência de saída do tinto Xisto não acompanha a outra marca. “Ainda não conseguimos fazer todos os anos” e desde 2003 não teve edição em 2006, 06, 08, 10, 14, 16 e 17. A seguir a este, agora apresentado (2019), é certo que vai haver um hiato. Temos então dois tintos feitos com castas portuguesas, de vinhas do Douro mas com a expertise da enologia de Bordéus. Daniel Llose, consultor de enologia da família Cazes, e que está neste projecto desde o início, não deixou margem para dúvidas: “é preciso ser capaz de dizer não, quando não estamos 100% seguros da excelência. Por isso, creio que a seguir a este 2019, o que se vislumbra como próxima edição, poderá ser o 2023”. Seguro mesmo é que, nos anos em que não há Xisto, é o Roquette & Cazes que vê a sua quantidade aumentar. Mas Daniel ainda não tem todas as certezas, quando lembra que “após 48 vindimas, a única coisa que sei é que não sei tudo e há que continuar a estar atento. Não se pode fazer copy paste de Bordéus para o Douro”. Também não deixou de ser curiosa a sua tese de que, nos anos abundantes, a vinha está mais equilibrada e, por isso, não é dado adquirido que pouca produção seja sinónimo de qualidade.

Manuel Lobo, enólogo da quinta do Crasto e da Roquette & Cazes, salientou que as vinificações se fazem por casta (nos lotes entram Touriga Nacional, Franca e Tinta Roriz) e por parcela, o que permite uma maior atenção a todos os detalhes, acrescentando que não pára de se “surpreender com a qualidade que se obtém naquela vinha, bem diferente da Cabreira que fica mesmo ao lado.” Coisas do terroir, diríamos nós… O estágio do Xisto em barrica requer um acompanhamento permanente, porque quer a casta quer a barrica podem ter comportamentos imprevisíveis e as provas periódicas destinam-se a despistar desvios.
O momento foi também aproveitado para provar o Xisto 2012, que revelou estar em muito boa forma. Os vinhos são agora distribuídos pela Heritage Wines. Desta edição de Xisto fizeram-se 7412 garrafas e 203 magnuns. O tinto Roquette & Cazes está agora a entrar no mercado.

(Artigo publicado na edição de Abril de 2024)

Chegou o Barca Velha 2015

Barca Velha

O tão aguardado “novo” Barca Velha já aí está, um ícone do Douro curiosamente apresentado no Alentejo. Foi no cenário clássico do Paço Ducal, em Vila Viçosa, que a Sogrape apresentou ontem o Barca Velha 2015, um vinho que, nas palavras do seu enólogo, Luís Sottomayor, conseguiu unir as características dos seus “irmãos mais velhos”: o volume […]

O tão aguardado “novo” Barca Velha já aí está, um ícone do Douro curiosamente apresentado no Alentejo. Foi no cenário clássico do Paço Ducal, em Vila Viçosa, que a Sogrape apresentou ontem o Barca Velha 2015, um vinho que, nas palavras do seu enólogo, Luís Sottomayor, conseguiu unir as características dos seus “irmãos mais velhos”: o volume e a estrutura do 2011 e a harmonia e a frescura do 2008. É, sem sombra de dúvida, um grandíssimo vinho (outra coisa não seria de esperar de uma marca com este histórico e pergaminhos), com muita classe e sofisticação, colocado no mercado em perfeito momento de prova, mas ainda com muito para crescer na garrafa. Como qualquer Barca Velha, o preço acompanha a qualidade e a notoriedade do nome, e até cresceu face a colheitas anteriores, devendo estar no retalho, nesta primeira fase, entre os €800 e €900.

Sogevinus: As novas pepitas da Boavista

sogevinus

A Quinta da Boavista, com uma área de 80 ha, dos quais 36 ha de vinha, está localizada estrategicamente na margem direita do Douro, entre a Régua e o Pinhão. Orgulha-se do seu passado e tem presenteado os enófilos com vinhos DOC Douro de enorme classe. A existência de vinhas velhas na quinta, em particular […]

A Quinta da Boavista, com uma área de 80 ha, dos quais 36 ha de vinha, está localizada estrategicamente na margem direita do Douro, entre a Régua e o Pinhão. Orgulha-se do seu passado e tem presenteado os enófilos com vinhos DOC Douro de enorme classe.
A existência de vinhas velhas na quinta, em particular nas vinhas do Oratório e do Ujo e a intenção de as preservar, levou a Sogevinus a optar pela geolocalização das suas videiras, trabalho que tem tanto de tecnologia avançada (localização por satélite) como de saber empírico acumulado, que hoje só alguns classificadores, já de idade avançada e com trabalho feito na Casa do Douro, são capazes de levar a cabo. Ao que nos disseram, os classificadores não tiveram dúvida alguma na identificação das castas das duas vinhas emblemáticas. Essa tarefa está concluída. Todas as cepas foram identificadas e o resultado é espantoso: 56 castas diferentes na vinha do Oratório e 28 na vinha do Ujo. Este trabalho de minúcia só é possível numa época especial do ano porque, para a identificação das castas, é preciso que as videiras tenham folhas e cachos, os dois elementos que formam o cartão de identidade da casta. A conservação deste património e respectiva variabilidade genética estão assim asseguradas.

 

A Quinta da Boavista irá editar sempre alguns varietais, dependendo do comportamento das castas da propriedade, susceptíveis de serem vinificadas e comercializadas separadamente.

 

Anos quentes e secos

Os vinhos apresentados foram das colheitas de 2020 e 2021, dois anos diferentes, mas com um denominador comum: anos secos e quentes. No caso de 2020, o tempo seco manteve-se durante todo o ciclo e também durante a vindima, com uma (repentina e inexplicável, ao que nos dizem…) desidratação da Touriga Franca, o que ocorreu em Setembro. Já o ano de 2021, ainda que seco, teve chuva na Primavera e permitiu uma maturação lenta. O Verão foi ameno, algo sempre de grande valia, sobretudo para os vinhos brancos. Como resultado das mais recentes alterações climáticas e o gosto do consumidor por brancos com mais frescura e acidez, tudo isso justifica a precocidade das vindimas dos brancos que, aqui, aconteceram ainda em Agosto. Os temores do futuro próximo são óbvios: a precocidade da época da vindima “choca” com hábitos e tradições das pessoas da terra, interfere com as festas das aldeias e pode mesmo levar a que falte mão de obra para tarefas tão indispensáveis como pulverizações de “socorro” a pragas como a cicadela, algo que se verificou na passada vindima.

Para além dos vinhos que já fazem o corpo principal das propostas anuais, a Boavista irá editar sempre alguns varietais, dependendo do comportamento das castas da quinta, susceptíveis de serem vinificadas e comercializadas separadamente. Este ano foi a casta Donzelinho tinto, mas outras estarão na calha.
O branco da Vinha do Levante conheceu agora a segunda edição. As uvas foram vindimadas a meio de Agosto, de vinhas situadas nas cotas altas e viradas a nascente, localização favorável para vinhos brancos. Primeiro a Viosinho, que corresponde a 30% do lote, casta com uma janela de vindima muito apertada e, mais tarde, a Arinto. A fermentação da Viosinho decorreu em barrica nova e usada, a Arinto fez maceração pelicular e fermentou em inox.

Castas antigas

A Donzelinho, que teve a primeira edição em 2017, foi feita exclusivamente em inox, o que acontece com outras castas antigas. É depois da fermentação e estágio que se decide se vai sair como varietal ou se irá integrar lotes com outras castas. O enólogo Ricardo Macedo refere que a casta “tem tudo menos cor”, característica que hoje é aplaudida, mas há 20 anos era altamente penalizadora. A casta fermentou durante duas semanas com as películas mas, mesmo assim, não se consegue outro resultado. “Ela deu tudo o que tinha para dar”. Mas tem a vantagem de ser resistente ao calor, conservando aromas e acidez, factores muito positivos.

No caso do Reserva tinto, a fermentação decorreu em inox e parte em barrica de 500 litros. O estágio em madeira (40% nova) prolongou-se por 18 meses. Ficou dois anos na garrafa antes da comercialização.

Falando dos ícones da empresa, a vindima na Vinha do Oratório foi feita terraço a terraço. Apesar de ter 56 castas diferentes, é de notar que tem sempre cerca de 30% de Touriga Francesa. Fermentado em lagar, teve 18 meses de barrica, 40% nova. A vinha do Ujo tem uma exposição norte e nascente e estende-se por altitude variada, com a vindima a começar de cima para baixo. Fermenta em barrica de 500 litros e estagia na madeira durante dois anos e outros dois em garrafa. Jean-Claude Berrouet, ex-enólogo do Château Pétrus, continua a ser o consultor da Boavista e está sempre presente nas principais decisões enológicas.

(Artigo publicado na edição de Abril de 2024)

 

Muros de Melgaço: 25 anos de sucesso

Muros de Melgaço

António Barreto, cientista social atento às inúmeras mudanças do nosso país, aponta a transição entre as décadas de 80 e 90 do século passado fundamentalmente como um tempo de diversidade: “o aparecimento e afirmação de uma diversidade e de uma pluralidade até aí inexistentes. Ainda há costumes arcaicos na alimentação e no vestir e já […]

António Barreto, cientista social atento às inúmeras mudanças do nosso país, aponta a transição entre as décadas de 80 e 90 do século passado fundamentalmente como um tempo de diversidade: “o aparecimento e afirmação de uma diversidade e de uma pluralidade até aí inexistentes. Ainda há costumes arcaicos na alimentação e no vestir e já há telemóveis, sapatos de marca e garrafas de vinho grande reserva nos rótulos.”.
Como é evidente, as garrafas de vinho com a designação “grande reserva”, a que se referiu António Barreto, também estiveram ligadas a profundas transformações ocorridas neste período, que mudaram radicalmente o panorama vínico nacional.
A entrada oficial de Portugal, na então denominada Comunidade Económica Europeia, em 1986, ocasionou uma enorme torrente de fundos comunitários, que foram usados para revolucionar o sector. Durante a década de 90 assistiu-se a um enorme incremento de um fenómeno que ficaria na história como o tempo dos “vinhos de Quinta” e alastraria pelo país como uma chama imparável. Muitas das marcas nacionais, que são hoje amplamente reconhecidas dentro e fora de portas, foram criadas ou ganharam notoriedade nesta década.
Não podemos esquecer igualmente o facto da consolidação da profissão de enólogo. Muitos fixaram-se num produtor em particular, mas outros, como Anselmo Mendes, preferiram prestar os seus serviços a diversos produtores.

 

Em 1988, Anselmo Mendes teve a visão inovadora de que a casta Alvarinho podia originar vinhos ainda mais nobres e distintos quando fermentados em barricas de carvalho. Mais de 25 anos de colheitas de Muros de Melgaço provam que tinha razão.

 

Experimentalista e inovador

Em 1987, Anselmo Mendes terminou a licenciatura em engenharia agro-industrial no Instituto Superior de Agronomia da Universidade Técnica de Lisboa e rapidamente ingressou no mercado de trabalho para se embrenhar na diversidade avassaladora de transformações de então. Entre 1987 e 1997 colaborou em inúmeros projectos vínicos no Norte de Portugal, ligados ao despontar do movimento dos “vinhos de quinta”, e que, ainda hoje, apresentam raízes fortemente alicerçadas em conceitos ligados à qualidade e à distinção.
Após uma visita à Borgonha, em 1988, encomendou duas barricas de carvalho francês instalando-as em casa dos pais, em Monção, para realizar algumas experiências de fermentação com a Alvarinho, a casta rainha da região que o viu nascer.
O estudo foi de tal forma aprofundado e persistente, que decorreu durante cerca de 10 anos e envolveu a compra de uma quinta. Na altura, Anselmo Mendes era um jovem produtor de vinhos com duas mil garrafas da colheita de 1998 para vender e, com ela, comprovar uma visão inovadora na região: a casta Alvarinho podia originar vinhos ainda mais nobres e distintos quando fermentados em barricas de carvalho.
O impacto alcançado pelas primeiras colheitas da marca Muros de Melgaço permitiu a continuação e o alargamento do estudo da casta usando diferentes tostas e volumes nas barricas de carvalho francês. Este êxito proporcionou, em 2008, estender a sua actividade em dois espaços distintos: a Quinta da Torre, uma propriedade com 12 hectares e uma nova adega no Parque Industrial de Melgaço. Estes novos espaços permitiram dominar a produção de uva e aprofundar as experiências com a casta alargando-os aos solos, podas e outros temas que a mente inventiva de Anselmo Mendes perscrutou. O resto é uma história de sucesso, aqui representada por nove colheitas de Muros de Melgaço, a marca pioneira, incontornável referência entre os grandes Alvarinho de Monção e Melgaço.

 

VERTICAL MUROS DE MELGAÇO

16,5 A

Muros de Melgaço Alvarinho branco 1999

Cobre na cor. Aromas e sabores a fruta cozida, mel e mineralidade. A acidez revelada empresta alguma frescura ao conjunto em notório fim de linha, ainda assim importa sublinhar que, apesar dos 25 anos de idade ainda se bebe com prazer. (13%)

18 A

Muros de Melgaço Alvarinho branco 2002

Coloração acobreada revelando os 22 anos de idade. Notas evidentes a mel, chá, marmelo, funcho e leve fruta cítrica. Numa clara fase descendente, ainda assim fresco e admiravelmente bem preservado para a idade que apresenta. Para beber de joelhos em agradecimento pela forma positiva como evoluiu. (13%)

18,5 A

Muros de Melgaço Alvarinho branco 2009

Este vinho apresenta uma cor dourada e aromas a favo de mel, chá, folhas secas e leve fruta cítrica envolta em leve manteiga e grande tensão. Esta referência iniciou a sua fase descendente. Ainda assim mostra um surpreendente equilíbrio entre untuosidade e frescura. (13%)

18,5 A

Muros de Melgaço Alvarinho branco 2012

Fermentado e envelhecido durante seis meses em barricas de carvalho francês usadas.  Aromas a infusão cítrica e sugestão a pedra molhada. De perfil muito fresco e mineral, muito embora mostre alguma evolução em garrafa que o complexifica grandemente. Um hino à região e à casta. (13%)

18,5 B

Muros de Melgaço Alvarinho branco 2015

De cor dourada. Apontamentos de lima, casca de laranja, pedra molhada e folhas secas. Mostra-se surpreendentemente jovem, muito tenso e fresco. Grande presença de boca, com muito equilíbrio e complexidade. Um grande vinho a mostrar todas as capacidades da casta na região. (12,5%)

18 B

Muros de Melgaço Alvarinho branco 2016

Apresenta uma coloração amarela fruto da nobre evolução em garrafa. As notas aromáticas remetem para leve chá, folhas secas, fruta cítrica, pedra molhada e leve pimenta branca. No palato, a acidez bem vincada eleva a fruta cítrica, as finíssimas especiarias e alguma evolução. (13%)

17,5 B

Muros de Melgaço Alvarinho branco 2018

Coloração amarela clara. Esta referência mostra um belíssimo equilíbrio entre os aromas a flores brancas, casca de laranja, toranja, pimenta branca e pedra molhada. Na boca denota boa ligação entre a delicada fruta cítrica e a leve barrica. Boa precisão e complexidade. (13%)

17,5 B

Muros de Melgaço Alvarinho branco 2020

Aromas florais bem marcados, casca de laranja, algum biscoito, leves especiarias e sílex. Na boca mostra fruta cítrica muito fresca e leves especiarias a amparar o conjunto bastante equilibrado, bem definido e tenso. (13%)

 

(Artigo publicado na edição de Abril de 2024)

 

Quinta da Lapa: Estórias de um lugar no Tejo

Quinta da Lapa

Não basta produzir vinhos de qualidade. Também é necessário construir boas estórias para os ajudar a vender. Esta é a parte que Silvia Canas Costa, a responsável pela área comercial e de comunicação e marketing da Quinta da Lapa gosta mais: “a procura de vinhos que contem estórias”. Foi por isso que se envolveu, pessoalmente, […]

Não basta produzir vinhos de qualidade. Também é necessário construir boas estórias para os ajudar a vender. Esta é a parte que Silvia Canas Costa, a responsável pela área comercial e de comunicação e marketing da Quinta da Lapa gosta mais: “a procura de vinhos que contem estórias”. Foi por isso que se envolveu, pessoalmente, na criação dos rótulos das novas referências Fernão Pirão, Clarete e Castelão Clássico da casa, “três vinhos que reflectem o revisitar das tradições do Tejo, uma região difícil de comercializar, que foi um pouco abandonada durante algum tempo devido a muitos disparates que foram sendo feitos”, diz a responsável, que pertence à família proprietária, defendendo, no entanto, que hoje “está a melhorar muito”. Não só pelo trabalho feito pela Quinta da Lapa, mas também pelos outros produtores e pelos novos projectos que estão a nascer. “É importante estarmos todos a puxar pela região”, defende.
A ideia de lançar um clarete, a primeira inovação que surgiu, resultou de um convite do Professor Virgílio Loureiro, do Instituto Superior de Agronomia, para participar numa prova deste tipo de vinhos. “Depois de o fazer, achei que era bom enveredar também por este caminho”, conta, acrescentando que ela e a sua equipa optaram por o fazer através da co-fermentação de uvas de Castelão com Fernão Pires, 50% de cada. A ideia de produzir um Fernão Pirão veio na sequência do lançamento do clarete, que correu bem, e de conversas com André Magalhães, companheiro de vida de Sílvia, que é chef e proprietário de dois restaurantes em Lisboa, e Jaime Quendera, o enólogo consultor da Quinta da Lapa, “que têm originado novas ideias para a criação de produtos”.
Os rótulos foram construídos para revisitar as tradições, voltar um pouco atrás no tempo. Para os criar, Sílvia Canas Costas inspirou-se num muito antigo, que encontrou após algum trabalho de investigação, para desenhar os desta gama de vinhos.

A arquitecta que gosta de vinho
Sílvia sempre gostou de arte. Como queria ser arquitecta, começou por estudar na Cooperativa Árvore, do Porto, onde esteve durante quatro anos antes de se mudar para a Faculdade de Arquitectura da Universidade Técnica de Lisboa.
Terminou o curso em 1990. Entretanto já tinha começado a trabalhar no atelier do tio, João Fernando Canas, que se dedicava sobretudo à remodelação de casas. Mais tarde montou o seu, com um colega de curso, onde trabalhou durante mais de 15 anos. “Foi lá que criei o projecto de recuperação e remodelação da Quinta da Lapa, que foi sendo feito ao longo dos anos, desde que comprámos a propriedade em 1990, porque envolveu algum investimento que tinha de ser feito de forma sustentada”, conta. Quando a quinta foi adquirida já existia a casa, com o pátio e praticamente todos os edifícios, com excepção da adega. Desde essa altura, até hoje, foi tudo remodelado, numa obra que começou, como não podia deixar de ser, pelos armazéns do vinho.
Uma das primeira coisas que o pai, José Guilherme da Costa, fez quando adquiriu a propriedade, foi a substituição da vinha velha, por ter sido aconselhado a isso. Silvia Canas Costa não sabe qual era a área na altura, mas conta que tinha 32 hectares quando entrou na casa, há 14 anos. “Eram mais castas tintas do que brancas, que eram apenas de Arinto e Trincadeira das Pratas”, conta, acrescentando que não gostava nada do vinho a que esta dava origem e acabou “por substituir estas cepas”.
A casa foi terminada em 2011, quando o pai convidou Sílvia para trabalhar na Quinta. Acedeu com entusiasmo, sobretudo porque sempre gostara, e gosta, de vinho, mas também porque, na altura, já estava “um pouco farta” da actividade de arquitectura, sobretudo pelos processos burocráticos de que depende nas câmaras, para a concessão de licenciamentos. “Foi por tudo isso que decidi iniciar nesta nova vida, que tem sido uma verdadeira aventura até aqui”, explica.
Hoje Sílvia Canas Costa está mais ligada à área comercial da sua empresa. Para poder desempenhar o melhor possível o seu papel, prova muito e procura escutar de forma atenta o que os outros lhe comunicam, para continuar a aprender e perceber melhor o que tem, e como fazer. Mas diz que ainda está longe de saber tudo.
Como continua a precisar de ajuda para fazer bem as coisas, salienta que teve a sorte de encontrar as pessoas certas para isso, como Jaime Quendera, o consultor de enologia da casa desde 2008, e Jorge Ventura, que entrou ao mesmo tempo que ela na Quinta da Lapa para trabalhar na vinha, “e hoje faz um pouco de tudo, incluindo a também a produção de vinhos, a parte comercial e a gestão do pessoal”.
Sílvia Canas Costa diz que as coisas na sua empresa foram melhorando com o tempo. “A vinha está melhor, mais bem cuidada, parte foi reconvertida para castas que escolhemos com mais critério e fizemos alguma reconversão daquela que não estava bem plantada”, explica. Mas defende que ainda vai ser necessário percorrer mais caminho para chegar ao que quer em termos de qualidade.

Dias quentes, noites frias
A Quinta da Lapa tem um terroir único, de solos argilo-calcários e microclima com grandes amplitudes térmicas, onde os dias são quentes e as noites frias. “São condições que contribuem para originar vinhos com grande perfil evolutivo”, diz Jaime Quendera, o enólogo consultor da empresa, salientando que “são frescos, com base na sua acidez natural, têm muita concentração fenólica, boa fruta e uma grande capacidade de evolução com o tempo”.
Todo o trabalho, do campo à adega, é controlado pelos profissionais da empresa, em função de cada casta e talhão de vinha, para que cada vinho produzido tenha um perfil distinto, conforme a casta que lhe deu origem. Ou seja, “a poda, as adubações e todos os trabalhos próprios do maneio das vinhas, tal como a vindima, a fermentação e o estágio, são todos controlados por nós, o que permite que os lotes sejam feitos com o perfil que pretendemos, para produzirmos vinhos gastronómicos, elegantes, com estrutura, boa acidez e longevidade”. O “Cabernet Sauvignon tem um perfil, o Syrah outro e por aí adiante”, conta o enólogo
Nesta casa, os tintos têm de ter pelo menos um ano de estágio em garrafa antes de irem para o mercado, “porque inicialmente são pujantes e intensos, brutos e musculados, com muito tanino e precisam de tempo para ficarem mais elegantes”, explica Jaime Quendera.

quinta da lapa
Nesta casa, os tintos têm de ter pelo menos um ano de estágio em garrafa antes de irem para o mercado.

Enoturismo é aposta
A Quinta da Lapa tem 100 hectares, dos quais 72 hectares de vinha plantada em parcelas com as castas separadas, que são mais de 20. “Temos, também, mais de 20 referências, pois vendemos um bocadinho de tudo”, revela a produtora da Quinta da Lapa, acrescentando que isso tem a ver com a estratégia comercial da empresa, mas também porque gosta de fazer coisas novas, aumentando e diversificando a oferta da casa.
No mercado nacional, onde a empresa vende 70 a 80% dos seus vinhos, para além dos bases de gama, as referências mais vendidas são as das castas estrangeiras, sobretudo para o canal Horeca (Hotéis, restaurantes, cafés e similares).
Lá fora, os principais mercados são os da Europa, como Bélgica, Alemanha e República Checa. “Mas vendemos para muitos outros sítios, não muito para cada país”, diz Sílvia Canas Costa, acrescentando que, no extremo oriente, comercializam vinhos para Japão, Taiwan, Singapura e China, mercado que decresceu muito após a pandemia de Covid-19.
O enoturismo foi um projecto destinado a ser desde que a Quinta da Lapa foi adquirida. “Tínhamos uma casa fantástica e sempre quisemos fazer isso, como forma de recuperar o património e promover o vinho e a região”, conta Sílvia Canas Costa. “Mas foi uma área um pouco difícil de desenvolver, sobretudo por falta de pessoal para isso e porque estive, até há pouco, mais dedicada ao negócio do vinho”, acrescenta, referindo que, agora, está a apostar um pouco mais na promoção do enoturismo da Quinta da Lapa. Para além dos 11 quartos sóbrios e espaçosos com vista para a propriedade, situados num edifício do século XVII, oferece refeições, provas de vinho e visitas à adega. Os turistas procuram-no para passar o fim de semana, com jantar e prova de vinhos. “A não ser no verão, quando prolongam a estadia um pouco mais”.
A falta de oferta próxima de restaurantes e outras atrações têm sido condicionantes ao crescimento da frequência do espaço. “Estamos a meia hora das cidades e vilas mais próximas e a 40 minutos do mar”, explica a produtora, referindo que, por enquanto, ainda há poucos restaurantes à volta, como a Tasquinha do Lagar, na Marmeleira, “que é sedutor e tem bom ambiente e, por isso, recomendamos às pessoas que nos visitam para lá irem”.
É coisa que eu também faço, sempre que vou de fim se semana à minha terra de adoção, a vizinha Assentiz. Há mais coisas na ementa, mas as ostras abertas ao natural e os mexilhões à belga são a minha perdição e aquilo que me faz voltar sempre para além de, é claro, a simpatia do proprietário e as suas boas estórias.

(Artigo publicado na edição de Abril de 2024)

MÁRCIO LOPES COMPRA QUINTA DO MALHÔ A GRUPO FRANCÊS

Márcio Lopes

Invertendo a tendência de aquisição de Quintas no Douro por investidores estrangeiros, o enólogo Márcio Lopes adquiriu a Quinta do Malhô, em Ervedosa do Douro, no Cima Corgo, à Cap Wine Portugal, empresa detida pelo grupo francês Cap Wine International, expandindo a sua posição no Douro e a sua capacidade de vinificação na região para […]

Invertendo a tendência de aquisição de Quintas no Douro por investidores estrangeiros, o enólogo Márcio Lopes adquiriu a Quinta do Malhô, em Ervedosa do Douro, no Cima Corgo, à Cap Wine Portugal, empresa detida pelo grupo francês Cap Wine International, expandindo a sua posição no Douro e a sua capacidade de vinificação na região para meio milhão de litros.

O produtor detinha já a Quinta do Pombal, em Vila Nova de Foz Côa, com cerca de cinco hectares, de onde provêm vinhos como o Proibido Vinha Velha do Pombal e, em Melgaço, na região dos Vinhos Verdes,  o projeto Pequenos Rebentos. Com esta aquisição prevê duplicar, nos próximos cinco anos, a sua capacidade de produção e aumentar em 30% os postos de trabalho.

Para Márcio Lopes, esta Quinta é uma jóia no berço do Douro. O vale onde está inserida é icónico e a sua localização, a par da altitude, são excecionais para a produção de vinhos de altíssimo nível. Esta aquisição é, para nós, um desafio e um grande compromisso com o Douro”. O investimento aumenta a capacidade de vinificação do projeto Proibido e abre portas a um projeto de enoturismo.

O negócio inclui um centro de vinificação, habitações envolventes, lagares e cerca de 20 hectares de vinha, olival e floresta. A maior parte da vinha é muito velha, com cerca de um século, e é constituída apenas por castas tintas. O olival, com cerca de cinco hectares, permitirá, ao produtor, alargar o seu portefólio a uma gama de azeite.  É ainda objetivo a entrada nos Vinhos de Porto de Quinta. São áreas de negócio que já estavam nos planos do produtor e que poderão agora ser desenvolvidas. O processo de aquisição inclui as marcas de vinho Quinta do Malhô, que passarão a integrar o projeto “Proibido”, e stocks de colheitas antigas.

Márcio Lopes, que exporta os seus vinhos para 22 países, foi galardoado, em 2019, pela Grandes Escolhas com o Prémio de Singularidade. Para além disso, o seu Proibido Grande Reserva 2017 foi distinguido, em 2020, como um dos vinhos do top 100 “Melhores descobertas do Mundo” pelo crítico Robert Parker.

Adega do Cartaxo assinala 70 anos com 1954 garrafas de um tinto especial

Adega do Cartaxo

O Adega do Cartaxo 70 Anos – Edição Comemorativa (1954-2024) é um tinto especial, que resulta de um blend das melhores barricas da colheita de 2015 – com estágio de 12 meses em carvalho francês com grão extrafino –, selecionadas pelo enólogo Pedro Gil de entre as que se destinavam aos vinhos Desalmado, Bridão Reserva, […]

O Adega do Cartaxo 70 Anos – Edição Comemorativa (1954-2024) é um tinto especial, que resulta de um blend das melhores barricas da colheita de 2015 – com estágio de 12 meses em carvalho francês com grão extrafino –, selecionadas pelo enólogo Pedro Gil de entre as que se destinavam aos vinhos Desalmado, Bridão Reserva, Bridão Private Collection, Bridão Alicante Bouschet, Bridão Touriga Nacional e Bridão Trincadeira. É, por isso, um vinho com várias castas: Touriga Nacional, Alicante Bouschet, Trincadeira, Cabernet Sauvignon, Merlot, Syrah e Tinta Roriz.  Em 2024, a celebrar sete décadas, a Adega do Cartaxo lança 1954 garrafas de um vinho comemorativo. Não é a primeira vez que o faz. Aquando dos 50 anos, em 2004, lançou-se um Reserva com edição limitada e numerada com a marca Adega do Cartaxo Cinquentenário.

Adega do Cartaxo 70 Anos – Edição Comemorativa (1954-2024) – tinto 2015 – PVP: €70,00

Com vista a aumentar o relacionamento com os enófilos e a notoriedade, a Adega tem vindo a apostar na vertente de enoturismo. Para além da loja de vinhos – que também existe on-line, em www.adegadocartaxo.pt –, promove visitas e provas de vinhos variadas. Em tempo de vindimas, tem um programa especial, que inclui ida à vinha, para o tão desejado corte das uvas, experiência de pisa a pé, almoço e passeio de barco no rio Tejo.

Adega do cartaxo

Messias e Ana Urbano: Celebrar duas décadas com Porto branco

Messias

Se é na Bairrada que as Caves Messias nascem há quase um século (completam 100 anos em 2026), aí fixando a sua sede, certo foi que, bem cedo, estenderam os seus domínios ao Douro e aos vinhos do Porto. Em 1929, Messias Baptista, o fundador das Caves, já era um dos maiores fornecedores de aguardente […]

Se é na Bairrada que as Caves Messias nascem há quase um século (completam 100 anos em 2026), aí fixando a sua sede, certo foi que, bem cedo, estenderam os seus domínios ao Douro e aos vinhos do Porto. Em 1929, Messias Baptista, o fundador das Caves, já era um dos maiores fornecedores de aguardente vínica ao comércio e lavoura duriense para benefício do vinho do Porto. Na década de 30 do século passado, as operações negociais estendiam-se ao Douro e, sobretudo, a Gaia, onde já possuía diversos armazéns onde envelhecia largas centenas de pipas de vinho do Porto. A 5 de Fevereiro de 1943, o Grémio de Exportadores de Vinho do Porto revela, numa publicação, os 84 sócios que o compõem, e Messias Baptista faz parte dessa lista de ilustres comerciantes de vinho do Porto, tendo uma posição que se destaca no Brasil desde 1944, mercado que, para a empresa, sempre foi referencial e, ainda hoje, é um dos mais importantes destinos das suas marcas.
A produção própria de vinho do Porto começa a ser desenhada em 1958, com a aquisição da Quinta do Cachão, em Vale Figueira, São João da Pesqueira, aos herdeiros de Afonso do Vale Coelho Pereira Cabral, entre os quais figuravam nomes como Van Zeller, Olazabal e Sarsfield Cabral. No verão do mesmo ano, a Gonzalez Byass & Companhia compromete-se a vender a Quinta do Rei e, aos cerca de 100 hectares de vinhas do Cachão, a empresa alia as propriedades onde podem ser hoje encontradas a adega e as casas das Caves Messias na Ferradosa.
Casa clássica, onde reinam maioritariamente o Porto Colheita e com indicação de idade, as Caves Messias lançam agora mão do seu espólio de brancos e, de uma só assentada, apresentam cinco referências Porto Messias Branco, respetivamente, 10, 20, 30, 40 e, a categoria mais recentemente aprovada pelo IVDP, o 50 anos. Um espólio que sempre fez parte do seu vasto património de Portos envelhecidos e que, se nalgum momento deixaram de ser enquadrados em estratégias comerciais, passaram a ser guardados até surgir a oportunidade certa para serem dados a conhecer. A intenção aqui, para além da tendência de mercado de uma maior procura dos brancos, foi a valorização estratégica de vinho do Porto, mostrando a sua versatilidade e riqueza intrínseca, associada ao nobre envelhecimento que sofre nos armazéns de Gaia e da Ferradosa.

20 anos de enologia
Ana Urbano, natural de Sangalhos, Bairrada, chega às Caves Messias em 2004. Recém-licenciada em Engenharia Agrícola, pela UTAD, e com uma pós-graduação em enologia, na Universidade Católica, inicia o seu percurso profissional com estágio de vindima nas Caves Borlido e, logo em 2003, acompanha a primeira vindima da Messias na Bairrada, com a supervisão do enólogo sénior António Dias Cardoso. Em fevereiro de 2004 dá-se a sua estreia, sendo contratada pela empresa para os vinhos do Porto, onde chega sem qualquer experiência nesta tipologia de vinhos, o que lhe causa natural ansiedade e insegurança. Era todo um mundo novo com que se deparava e, sobretudo, uma enorme responsabilidade face ao vasto património de vinhos existentes, nas caves de Gaia e nos armazéns da Ferradosa. Como mentora, à data, teve Elizete Beirão, responsável por todo o sector de enologia dos vinhos do Porto da casa, que lhe transmitiu os ensinamentos na definição de perfis, elaboração de lotes e procedimentos específicos de vinificação tendo em conta o estilo da casa. Com ela tinha também Carlos Soeiro, técnico de prova com formação à antiga, ele que tinha desempenhado essas mesmas funções no IVDP. Ali era um pouco o guardador dos segredos e dos tesouros, personificados nos milhões de litros de Porto envelhecidos em casco.
Ana Urbano é, também, e logo desde 2004, a principal coordenadora das vindimas no Douro, sempre em estreita colaboração com João Soares, o responsável por toda a produção e enologia dos vinhos tranquilos da empresa familiar.
O desafio constante e o receio de errar são as forças motrizes da sua permanente busca de formação e conhecimento, que a levam a dedicar-se à investigação sobre vinhos do Porto, não obstante a escassez de bibliografia científica, necessitando de recorrer às investigações e inovações técnicas nos vinhos tranquilos, que depois adapta aos Portos, sua única e intensa devoção.
Num sector tão clássico, entende que há sempre margem para melhorar, sobretudo quando se inicia todo o processo de elaboração a montante, através da escolha da melhor uva, das vinhas mais aptas à produção de uva de qualidade para vinho do Porto. O equilíbrio, traduzido num perfil que se define na frescura e num teor alcoólico não demasiado elevado, é o parâmetro que define a qualidade e singularidade dos Porto Messias. Para obter este resultado, Ana Urbano vai articulando a tradição com as mais inovadoras técnicas que foi desenvolvendo ao longo das últimas duas décadas. Depois, é toda uma arte de alquimia para alcançar a profundidade e complexidade.

 

O portefólio de Portos brancos resulta também de uma mudança nos hábitos de consumo e da necessidade de cativar novas gerações

 

O advento do Porto branco
O surgimento e alargamento do portefólio de Portos brancos resulta também de uma mudança nos hábitos de consumo e da necessidade de cativar novas gerações para um vinho fino distinto e nobre que, sem mudar a sua essência, adapta-se aos novos tempos. Sente-se uma maior procura pelos brancos, sobretudo com mais idade e evolução. E mesmo essa busca por vinhos mais complexos, reflecte a existência de um consumidor mais experimentado e cada vez mais jovem, desmistificando o conceito de que o Porto era apenas um vinho de elites. O Porto Rosé e a tendência Porto Tónico são o exemplo manifesto da democratização do consumo.
O lançamento dos Porto Messias Branco, em cinco referências resulta de uma interpretação do mercado e das suas novas necessidades. Da busca de uma experiência única, de prova de vinhos que envelhecem em casco durante dezenas de anos, criando singularidades de prova inéditas, vinhos que resultam de um enorme poder de previsão do futuro, daquilo em que o vinho se transformará no fim de todo o processo de envelhecimento. Nesta seleção dos melhores lotes, a enóloga olha para o vinho como um todo, procurando captar todas as suas virtudes e fragilidades. O perfeccionismo latente ao modo como encara a arte de lotear, leva-a a uma constante busca pela excelência, que é sempre uma utopia inalcançável, sendo assombrada pela constante dúvida de saber se o apreciador compreenderá o que pretende transmitir com cada vinho. Neste lançamento conjunto, realça a revolução tranquila que se opera com as novas categorias 50 anos e Very Very Old (VVO), esta para vinhos cuja idade média é igual ou superior a 80 anos.
O prestígio internacional do vinho do Porto passa pela qualidade expressa nas diversas categorias, mas com especial ênfase nas categorias especiais, pois serão elas que definirão o vinho do Porto como produto único no mundo.
Ana Urbano assume a enorme responsabilidade que lhe é confiada há 20 anos. Ser a guardiã de um espólio que conta com cinco milhões de litros, cabendo-lhe, não apenas a sua elaboração, mas, igualmente, a sua preservação para que as gerações de enólogos que lhe seguirão possam dar continuidade a este trabalho nas quase centenárias Caves Messias.

(Artigo publicado na edição de Abril de 2024)

 

Adega de Redondo: Aqui nasceu o Porta da Ravessa

ADEGA DE REDONDO

A serra está sempre presente no horizonte, mas aqui, ao contrário de outras serras de outras zonas do Alentejo, quase não existem vinhas nas suas encostas. Há, de qualquer forma, uma influência evidente em termos de clima e a explicação é-nos dada por Mariana Cavaca, a enóloga da adega, que há vários anos assumiu a […]

A serra está sempre presente no horizonte, mas aqui, ao contrário de outras serras de outras zonas do Alentejo, quase não existem vinhas nas suas encostas. Há, de qualquer forma, uma influência evidente em termos de clima e a explicação é-nos dada por Mariana Cavaca, a enóloga da adega, que há vários anos assumiu a direcção de enologia. Diz-nos que ali conseguem “ter vinhos com mais frescura, mais elegância do que noutras zonas, onde os vinhos tendem a ser mais encorpados e estruturados, porque aqui temos noites mais frescas e isso faz a diferença”. Estamos, apesar desta frescura, em terras de clima quente e isso tem vantagens (menos pressão das doenças da vinha), mas também desvantagens – falta de água e baixa produção por hectare. A adega também recebe uvas de Cuba e de Caia (integradas em marcas de Vinho Regional), mas Mariana confessa que são substancialmente diferentes das que aqui se produzem. A falta de água reflecte-se depois nas produções que se conseguem, muito abaixo do que seria expectável em castas que produzem bem, como a Alicante Bouschet e a Arinto.

 

Tem-se verificado um aumento exponencial da produção do rosé, que hoje atinge as 300.000 garrafas. É sobretudo devido ao rosé que se tem mantido a casta Castelão.

 

Uma marca a apoiar o desporto
A marca Porta da Ravessa foi, durante anos e anos, um nome obrigatório no Alentejo, tendo atingido produções que chegaram a sete milhões de garrafas e o ciclismo foi uma das modalidades que mais apoio teve. Hoje ainda representa cerca de três milhões de garrafas e a diferença explica-se pela concorrência que, entretanto, se desenvolveu. Foi, no entanto, decidido manter a marca e alargar o leque de vinhos que usam o nome emblemático. Foram esses, essencialmente, que foram objecto da nossa prova.
Um dos vinhos provados tem o epíteto de Vinhas Velhas, mas a enóloga lembra-nos que “temos poucas vinhas velhas por aqui, porque quase tudo foi reestruturado e, por isso, só ocasionalmente é possível fazer esse vinho”. Fica-nos a dúvida: quais as castas que melhor podem representar o perfil dos vinhos do Redondo? A resposta não foi de rajada, mas veio: nos brancos o Antão Vaz, Rabo de Ovelha, Verdelho e Fernão Pires; outrora com mais presença, mas a perder fôlego temos Roupeiro, Rabo de Ovelha e a tinta Moreto Já no que respeita ao melhor lote para brancos, a resposta é imediata: Antão Vaz e Arinto, resposta esta que, cremos, poderá também ser dada noutras regiões do vasto Alentejo.
As castas da moda também aqui marcam presença, com crescimento da Touriga Nacional, Touriga Franca, Syrah e Alicante Bouschet. Quanto a estilos de vinho, tem-se verificado um aumento exponencial da produção do rosé, que hoje atinge as 300.000 garrafas. É sobretudo devido ao rosé, confirma a enóloga, que se tem mantido a casta Castelão mas, logo adianta, “a Castelão dá para fazer tudo!”
A adega tem vinhos nas grandes superfícies a €1,80. Isso faz-nos logo pensar na rentabilidade de um negócio deste tipo e Nuno P. Almeida confessa: “só se consegue com uma rentabilização do pessoal, uma organização minuciosa que tire partido das 55 pessoas que aqui trabalham e um planeamento também ele minucioso dos trabalhos de adega, sobretudo na vindima, quando chegam a entrar 600 toneladas de uva por dia”. Neste capítulo, Mariana acrescenta que, “quando marcamos o dia para entrada de uvas Verdelho, por exemplo, eu tenho sempre uma prensa pronta e destinada apenas a receber Verdelho e isso, tal como com outras castas, obriga a uma calendarização das tarefas. Mas a verdade é que não há um litro de vinho nesta adega que seja movimentado, seja para filtrar seja para engarrafar ou outro que não tenha a minha aprovação”.

 

A vindima obriga a um planeamento minucioso dos trabalhos da adega, porque chegam a entrar 600 toneladas de uva por dia.

 

Sustentabilidade e história vínica
Visitámos a adega em Março, num dos momentos-chave para os associados. É agora que se paga a terceira tranche da vindima de 2022; a de 2023, também em três fases, será paga até Março do ano que vem. As uvas pagam-se por grau/quilo, por serem DOC ou IG, e um reforço por casta. Tudo somado estamos a falar de um preço médio a rondar os 39 cêntimos/quilo, sendo certo que as uvas com direito a DOC são mais bem pagas que outras.
Por aqui, desde 2019 caminha-se no sentido do selo da sustentabilidade mas, dizem-nos, não é fácil porque é preciso garantir que 60% dos viticultores cumprem os requisitos e “a burocracia que envolve é desanimadora. Mas temos de conseguir, porque até para concorrer a alguns tenders (Concursos que ocorrem sobretudo nos países nórdicos, em que os potenciais candidatos são convidados a oferecerem propostas de venda dos seus produtos) é preciso o selo”.
Tínhamos alguma curiosidade em provar alguns vinhos velhos da adega. Ficámos a saber que foi um sarilho para encontrar algumas garrafas. Nada de estranhar, porque a regra do “vender tudo até à última garrafa” é norma em muitas casas de produtores e empresas deste país. Também por aqui (Alentejo) não há tradição de se partilharem garrafas entre as adegas cooperativas. Dar o conhecer os melhores vinhos e dialogar com outros só pode trazer benefícios mas… Isso ainda vai ter de esperar, dizemos nós. Ainda assim, duas boas notícias: a promessa que irão passar a deixar de lado uma quantidade mínima de garrafas das marcas mais emblemáticas (digamos, 10 dúzias…!) e a prova de um vinho que não tinha rótulo, mas que era um Garrafeira de 2001. Resultado? Um tinto notável e cheio de saúde, que nos ajudou na reclamação que fizemos por não haver cuidado com os velhotes…

 

(Artigo publicado na edição de Abril de 2024)