Filipe Wang: O Sommelier do Ano

Filipe Wang

Filipe Wang representa bem a sua geração, enquanto profissional com excelente formação. Parte dessa formação ocorreu no estrangeiro, e teve experiência profissional nos melhores locais, também fora e, mais recentemente, dentro do país, revelando enorme vocação e descrição. Com a restauração a correr-lhe no sangue – os seus pais têm um restaurante – centra a […]

Filipe Wang representa bem a sua geração, enquanto profissional com excelente formação. Parte dessa formação ocorreu no estrangeiro, e teve experiência profissional nos melhores locais, também fora e, mais recentemente, dentro do país, revelando enorme vocação e descrição. Com a restauração a correr-lhe no sangue – os seus pais têm um restaurante – centra a sua formação na gestão hoteleira e logo na Suíça, na prestigiada Swiss hotel management school. A sua primeira experiência no terreno é na fervilhante capital inglesa em 2016, e logo no Dinner, o mediático restaurante londrino do não menos mediático Heston Blumenthal (então um dos 50 melhores restaurantes do mundo na lista Pellegrino), ainda não como sommelier mas já de olho nos vinhos. De tal forma que, pouco depois, seria convidado para oficiar no Launceston Place, também em Londres, agora na fileira do vinho e sob a responsabilidade de Piotr Pietras MS, um dos mais premiados sommeliers da sua geração. Volta a Portugal, em meados de 2019, para o conceituado (e estrelado) Alma do chef Henrique Sá Pessoa e logo como head sommelier, gerindo toda a operação dos vinhos. O maior desafio ainda estava para vir… e surgiu no final de 2021, quando é chamado para colaborar na abertura do Kabuki em Lisboa, a delegação lusitana de um dos mais icónicos restaurantes madrilenos, um dos fundadores da chamada cozinha de fusão. Aqui se mantém, na gestão de uma sala com clientes exigentes –situada no hotel Ritz, agora com uma estrela Michelin –, e que organiza vários eventos de vinho por ano.

Com efeito, Filipe tem sido responsável para que o Kabuki seja cada vez mais uma casa também reconhecida, precisamente, pelo serviço de vinhos, e procurada por enófilos apaixonados. Depois, a quarta-feira é o dia semanal em que os clientes são convidados a trazer uma garrafa de casa sem cobrança de qualquer taxa ou encargo; um luxo num restaurante de tão elevado nível! A carreira de Filipe está no seu melhor momento, em velocidade cruzeiro, revelando-se tranquila sem perder ambição. Apaixonado por todos os tipos de vinho – com brancos à cabeça e depois champagnes – a serenidade e a boa disposição são atributos que manifestamente lhe são reconhecidos. A enorme competência ainda mais! N.O.G.

TEJO: ODE WINERY

Ode Winery

Muitas interpretações ao longo dos séculos tem tido esta Ode, dirigida a uma mulher, Leucónoe. Na verdade, diz tão somente que não sabemos que vida nos espera para além da morte, os deuses sabem o que nos convém ainda que não o entendamos, por isso, aproveita o dia que passa. No fundo, tecnicamente, Ode é […]

Muitas interpretações ao longo dos séculos tem tido esta Ode, dirigida a uma mulher, Leucónoe. Na verdade, diz tão somente que não sabemos que vida nos espera para além da morte, os deuses sabem o que nos convém ainda que não o entendamos, por isso, aproveita o dia que passa. No fundo, tecnicamente, Ode é uma composição poética lírica, que se caracteriza pela eloquência e elevação de estilo, sobre um determinado assunto solene ou digno de registo, podendo versar sobre os temas mais diversos, sejam eles heroicos, amorosos, trágicos ou, porque não, vínicos! É também uma palavra quase universal, entendível por uma imensidão de idiomas.

Uma Ode ao Tejo?
Fundada por uma família local em 1902, em Vila Chã de Ourique, ampliada e completamente remodelada em 2000, com a utilização e integração dos melhores equipamentos de processamento e armazenamento, e novas instalações de enoturismo, a agora baptizada Ode Winery passou por vários momentos até ser adquirida, em 2022, pelo Grupo Immerso Collective.
A Immerso Collective é uma empresa com foco no luxo e sustentabilidade, criada por David Clarkin, australiano, o qual conta com mais de trinta anos de experiência em investimento e desenvolvimento imobiliário de futuro, nos mercados asiático e australiano, e Andrew Homan, igualmente australiano, advogado de formação mas com vasta experiência em diferentes indústrias, nomeadamente na gestão de fundos de investimento imobiliários. Os projectos desenvolvidos pela Immerso, pretendem sempre dinamizar a região e a comunidade em que se inserem de forma integrada, desde propriedades comerciais e residenciais a ofertas mais direcionadas para o turismo, numa perfeita ligação entre o cuidado e respeito pelo ambiente e os altos padrões de luxo e conforto. A empresa começou a operar em 2021 em Portugal, primeiro país europeu em que está presente, com a aquisição da agora designada Ode Winery, Farm & Living.
Por sua vez, Jim Cawood, também ele australiano, é o “Director of Wines and Good Times” da Ode, conforme consta no seu cartão profissional. Anfitrião por excelência, apaixonado pelo projecto e pelo terroir Ode, tem mais de 30 anos de experiência em todas as vertentes do negócio do vinho, tendo sido sommelier, importador, distribuidor e retalhista, e também produtor em Espanha.
Jim confessou-nos que um dos motivos que os levou a apostar neste terroir onde está inserida a Ode foi a sua semelhança com o clima e o pH dos solos de Hunter Valley, situado a norte de Sydney, no Estado de Nova Gales do Sul, uma das principais regiões vinícolas da Austrália, com uma longa história ligada à viticultura que remonta ao Século XIX, reconhecida internacionalmente pelas variedades Sémillon e Shiraz.

Ode Winery

O solo rico em calcário, onde estão implantadas as vinhas da Ode, permite o cultivo de uma grande variedade de castas, desde as locais Arinto, Fernão Pires, Alvarinho, Touriga Nacional, Tinta Barroca, a variedades internacionais como a Sémillon, Viognier, Pinot Gris, Alicante Bouschet, Cabernet Sauvignon, Merlot e Syrah. A menos de uma hora de Lisboa, a Ode Winery localiza-se em pleno coração ribatejano, no concelho do Cartaxo e nasce em 2022 com o objectivo de dar outra dimensão à região, à sua cultura do vinho e, sobretudo, com o desejo de elevar o patamar qualitativo e a percepção do consumidor sobre a realidade dos vinhos do Tejo.
Integrado num projeto maior, designado Ode Winery, Farm & Living, tem cerca de 96 hectares, onde estão inseridos os 22 hectares de vinha, responsáveis por dez vinhos produzidos até ao momento, cinco brancos e cinco tintos, que marcam pelo seu carácter diferenciado, equilíbrio, e boa qualidade da fruta, aliada uma acidez fresca vinda do Tejo, sempre ali tão próximo.
Neste momento, a ODE Winery apresenta dez referências: os brancos Ode Semillon 2022, Ode Viognier 2022, Ode Fernão Pires 2022, Ode Arinto 2022, Ode Enóloga Arinto Fernão Pires 2022; e os tintos Ode Touriga Nacional 2022, Ode Quarteto 2022, Ode Lagares Touriga Nacional 2022, Ode Amphora Alicante Bouschet 2022, Ode Única Touriga Nacional 2023.
Num país com tradição de lote, na Ode a cultura é claramente internacional e monovarietal, o que não deixa de ser extremamente interessante também, vermos castas como a Viognier, por exemplo, tradicionalmente com baixa acidez, a receberem uma vida nova e toda uma frescura vinda do Tejo.

Ode Winery
Sob a coordenação da enóloga Maria Vicente, a Ode Winery segue os princípios orgânicos, sustentáveis e regenerativos.

Sob a coordenação da enóloga Maria Vicente, com mais de 20 colheitas no seu percurso profissional, sendo a maioria delas no Tejo, a Ode Winery segue os princípios orgânicos, sustentáveis e regenerativos para garantir solos saudáveis, matéria orgânica positiva e um ambiente livre de doenças, estando a Certificação Orgânica e Biológica prevista para 2025.
Para além da vinha e adega, complementam o projecto Ode as vertentes Farm & Living. A Ode Farm simboliza o respeito pelo ambiente, com foco na sustentabilidade, conservação e desperdício mínimo. É na quinta que são cultivadas não só as vinhas, mas também outros produtos utilizados no espaço de restauração da Ode Winery, Farm & Living, seguindo os valores da agricultura sintrópica, uma abordagem inovadora à agricultura sustentável. Este método regenerativo enfatiza a diversificação de espécies vegetais, que imitam a estrutura e a função dos ecossistemas naturais para gerar ciclos de crescimento autossustentáveis. Na Ode Farm, os visitantes podem, não só ver a utilização de práticas sustentáveis, mas também vivê-las. A Ode Living integra não só o espaço de eventos, um salão com mais de 1000m², como o restaurante Cellar Door, de inspiração asiática, onde se juntam os sabores portugueses, asiáticos e do mundo na cozinha, oferecendo uma experiência diferente do habitual nesta região. Adicionalmente, no Cellar Door o menu e os ingredientes são de acordo com a estação do ano, e vários dos ingredientes utilizados são plantados na quinta, numa aposta num conceito de “farm to table” – da quinta para a mesa. Para dar suporte a todas estas valências está projectado um resort de luxo, com vários modelos de alojamento. Tudo a menos de uma hora de Lisboa! E, nem de propósito, no próprio dia em que decorria a nossa visita, recebeu-se a notícia de que a aprovação do projecto havia finalmente sido emitida pelas entidades competentes. Um dia para recordar, portanto!

(Artigo publicado na edição de Março de 2024)

Santos & Seixo: Dar mais sentido à vida

Santos & Seixo

Foi a constatação da vida como conceito efémero e de inexorável finitude que levou Pedro Seixo à reflexão sobre o sentido de uma existência dedica-da a uma actividade profissional que, não obstante ser desafiante, não per-petuava princípios, nem criava raízes. Estava quase com 40 anos e sentia-se precocemente envelhecido. Interiormente, desejava dar maior sentido à […]

Foi a constatação da vida como conceito efémero e de inexorável finitude que levou Pedro Seixo à reflexão sobre o sentido de uma existência dedica-da a uma actividade profissional que, não obstante ser desafiante, não per-petuava princípios, nem criava raízes. Estava quase com 40 anos e sentia-se precocemente envelhecido. Interiormente, desejava dar maior sentido à vi-da, criando algo, uma marca perene para deixar aos filhos.
Para esta aventura desafiou uma amiga de juventude da sua mãe, a investi-dora Alzira Santos, amante de longas viagens e grande apreciadora de vi-nhos, que se desalentava por não ver os vinhos portugueses nas prateleiras mundiais. Bastou uma breve conversa e um plano meticulosamente gizado, para colocar, nas mãos de Pedro Seixo, a responsabilidade de se afirmar no leme de um barco em constante crescimento, dando-lhe, como única res-ponsabilidade, a obrigação de rectidão em todos os passos de um negócio que se tornou projecto de vida, levando os vinhos portugueses mais longe e de modo coerente e sustentado. A Santos & Seixo nasceu oficialmente em 2014. Hoje, a empresa produz no Alentejo, Vinhos Verdes, Tejo e, também, no Douro, visitado agora pela Grandes Escolhas. É onde palpita o coração desta empresa, que pretende ser um dos grandes referenciais dos vinhos portugueses na próxima década.

Santos & SeixoQuinta de Cevêr
A história começou a construir-se nela própria. Situada em Santa Marta de Penaguião, a Quinta de Cevêr foi adquirida em 2018 à família Mergulhão, que a mantinha desde 1878 e por onde passaram cinco gerações de viticul-tores. Pedro Seixo, com ligação próxima à família, quis manter todo o espó-lio da casa, preservando, assim, uma conectividade à herança passada, man-tendo incólume todo o acervo mobiliário do século XIX e biblioteca, crian-do uma sensação de viagem ao passado ao circular-se na casa, hoje alocada à componente de enoturismo, com oito quartos disponíveis, piscina e uma série de comodidades que permitem usufruir do saber receber duriense.
Com 20 hectares de vinhas, dispersas em quatro parcelas, é aqui que a San-tos & Seixo privilegia a criação de tintos, aproveitando as características dos solos e as cotas mais baixas, onde há maior constância de temperaturas ele-vadas no processo de maturação até à vindima da uva. O encepamento vi-gente segue o alinhamento tradicional duriense, com presença de Touriga Franca, Tinta Amarela, Sousão e Touriga Nacional que, nas cotas mais altas, potencia a criação de rosés de rara elegância e fineza, mais frescos e com uma acidez potencial mais elevada, do qual o “Duas Famílias” rosé é refe-rencial. A Alicante Bouschet é, também, uma aposta para os tintos do futu-ro, a pensar nas condicionantes do aquecimento global, que no Baixo Cor-go é bastante menos notório do que nas outras duas sub-regiões. Não pro-duzindo ainda uva suficiente para suprir as necessidades, a empresa recorre a viticultores locais, que fornecem 25% da que chega à adega.
Para Pedro Seixo, os vinhos Douro DOC são o caminho mais sensato para a especificidade deste território duriense, colocando de parte os vinhos do Porto. O trajecto ascendente do volume de exportação dá-lhe a confiança necessária.
Hoje a sua empresa já exporta 65% da sua produção total, tendo, como mercados mais influentes, o polaco e brasileiro. Contudo, a aposta é na di-versificação e, sobretudo, nos mercados emergentes, dos quais destaca Isra-el e Índia, entre outros países asiáticos onde a consistência das vendas se mostra forte. Como exemplo do potencial de crescimento, referencia o Bra-sil onde, sem a barreira linguística e com uma forte tendência de consumo, se criam as condições favoráveis ao aumento das vendas. “Começámos com um valor de exportações para o Brasil de 10 mil euros anuais e, no fim de 2023, atingimos já os 600 mil euros, com previsão para chegarmos a um milhão a breve trecho”, refere Pedro Seixo. “Contudo, é um mercado muito exigente em termos pessoais. Por norma, vou ao Brasil por altura do Car-naval e arrendo uma casa onde faço a maioria das minhas reuniões com os clientes, dou a cara pelo nosso negócio e mostro como produzimos vinhos de imensa qualidade. É com muito regozijo que recebo, destes meus clien-tes, palavras de elogio sincero pelo trabalho que desenvolvemos com mar-cas tão recentes, às quais acrescentamos história”, reitera o líder da empresa.
O “Duas Famílias” Folgasão, edição limitada a 600 garrafas, retrata um pouco essa relação emocional que se cria entre as pessoas e o vinho. Foi um pedido especial que fez à sua equipa de enologia, no projecto que o juntou a Alzira Santos: a criação de vinhos singulares, de produção restrita, que despertem emoções para além da racionalidade financeira. Para Pedro Sei-xo, os membros da sua equipa de enologia são representantes exemplares de uma nova geração de enólogos nacionais, que busca a elegância escon-dida no Douro alterando culturalmente a forma de interpretar a região e a vinificação, encontrando respostas de contemporaneidade em vinhos que, mais que lembrados, virão a ser recordados.

 

Ser Santos & Seixo
Da conversa com Pedro Seixo, o rosto visível da Santos & Seixo, surgiu a curiosidade de conhecer a intervenção da sua sócia e investidora no projeto, Alzira Santos. A resposta resume, na perfeição, aquela que é a postura da empresa no mercado dos vinhos. “A participação da minha sócia no dia a dia da empresa é muito reduzida. Mas ela deu-me os ensinamentos básicos que me regulam todos os dias: ser sério, não pactuar com esquemas, mos-trar rectidão em todos os procedimentos e dar, ao mundo, vinhos portugue-ses que nos orgulhem pessoal e colectivamente, enquanto País”.

 

 

Santos & Seixo
Quinta do Outeiro

Quinta do Outeiro
É na improbabilidade que surgem tantas vezes as melhores oportunidades e se firmam os negócios mais consistentes. A aquisição da Quinta do Outeiro, também ela situada em Santa Marta de Penaguião, nasce de um acaso e de uma visita aconselhada pelo enólogo que prestava apoio à empresa.
Acompanhado pelos filhos e sem qualquer pretensão de compra, Pedro Seixo enamora-se pela propriedade e pelo imponente Solar que a encima. Logo ali, no alto, vislumbra todo o projecto vitivinícola e o seu potencial enoturístico.
Perante a relutância inicial da proprietária, a veemência negocial de Pedro Seixo ajuda a concretizar a aquisição. E, logo de seguida, o empresário ar-regaça as mangas para o projecto mais ambicioso do universo da empresa.
A primeira vinificação ocorre em 2021, com as obras de recuperação das adegas em curso. Mais uma vez, impera a vontade de preservação e, ao in-vés de se demolir para construir de novo, houve uma delicada obra de re-cuperação dos grandes armazéns de xisto, implicando a movimentação dos antigos lagares de granito no interior do edifício para montar a bateria de cubas troncocónicas, ideais para a construção de tintos reserva, e as verti-cais de inox que conferem modernidade e eficácia à adega que, nos perío-dos entre vindimas, é operada apenas por dois colaboradores.
Foram igualmente preservados dois dos vários toneis existentes na adega antiga, de modo a mostrar aos visitantes um pouco das práticas do século passado, transmitindo um ideal de continuidade e sentido da história. Todos os depósitos foram especificamente concebidos para a dimensão da adega, procurando-se uma conjugação natural entre o tradicional e o contemporâ-neo, centrando a produção dos vinhos tintos mais exclusivos nos lagares de pedra, com pisa a pé, procurando aportar ao vinho um sentido de terroir. Com esta prática, e segundo Rui Lopes, enólogo consultor, acentua-se a di-ferenciação dos vinhos entre as três sub-regiões durienses, trazendo-lhes um cunho de maior identidade e personalidade.
No dia-a-dia, é Alexandra Guedes, enóloga residente, quem comanda as operações, vivendo com intensidade o decurso das obras, as operações na vinha e na adega. São 30 hectares contínuos, com solos diversos, entre os xistosos pobres e os ricos em matéria orgânica, que se estendem pela encos-ta e vale contíguos à adega. Da sala de refeições, que também acolhe clien-tes nacionais e estrangeiros, avista-se a nova plantação de sete hectares de vinha que se ergue na encosta oposta. Aqui já estamos entre as cotas dos 450 aos 550 metros, altitudes óptimas para a produção de brancos de cariz mais fresco e acidez mais elevada. Neste Douro do futuro, crê-se que castas como a Viosinho, Rabigato, Côdega, Gouveio e Folgasão marcarão vinhos mais elegantes e desafiantes para o consumidor. Na Gaivosa, freguesia da Cumieira, não muito longe do Outeiro, ficam as restantes parcelas de vinha, quatro delas mais pequenas (entre os dois e três hectares) e uma de maior dimensão, com oito hectares, em cota mais baixa, reservada para a produ-ção de uva para tintos de qualidade superior. Actualmente, a adega possui capacidade para vinificar um milhão de quilos, que ainda não é toda usada. Mas isso deverá ocorrer nos anos mais próximos, dada a dimensão dos in-vestimentos e o crescimento das vendas. Há ainda espaço para as pequenas experiências e micro-vinificações, destinadas sobretudo ao estudo das po-tencialidades de cada casta naquele território do Baixo Corgo.

 

O enoturismo é olhado como pedra basilar deste projeto no futuro, visando potenciar uma maior ligação do consumidor de vinho ao território

 

Um olhar sobre o futuro
O enoturismo é olhado como pedra basilar do projeto no futuro, visando potenciar uma maior ligação do consumidor de vinho ao território. É um convite a permanecer para conhecer o passado, presente e futuro de uma sub-região que se afirma, de modo categórico, como baluarte do Douro.
Em mente, e para iniciar em breve, está a reconversão do Solar numa uni-dade de boutique hotel, com 11 quartos com vista privilegiada para o patri-mónio vitícola da Santos & Seixo. Exclusividade e qualidade é o lema que pretende levar a Santa Marta de Penaguião o turista apreciador de vinho, revelando um outro Douro que fica para além das margens do rio principal.
Com uma produção actual anual de 400 mil garrafas, encontra-se igualmen-te em curso a criação de uma nova unidade de engarrafamento na Zona In-dustrial de Santa Marta de Penaguião, que tornará as operações mais efici-entes e deverá abrir a porta à prestação de serviços externos a outros produ-tores da região.

(Artigo publicado na edição de Março de 2024)

Tintos de 2014: A perfeição num ano imperfeito

tintos 2014

O ano em si até nem correu mal. De vários relatórios do ano vitícola concluímos que as temperaturas se mantiveram relativamente amenas, com alguma oscilação, mas sem ondas de calor no verão. A Sogrape, que tem produção no Douro, Alentejo, Dão e Vinhos Verdes refere que “a chuva foi uma constante ao longo do ano, […]

O ano em si até nem correu mal. De vários relatórios do ano vitícola concluímos que as temperaturas se mantiveram relativamente amenas, com alguma oscilação, mas sem ondas de calor no verão.
A Sogrape, que tem produção no Douro, Alentejo, Dão e Vinhos Verdes refere que “a chuva foi uma constante ao longo do ano, marcando também presença na época de vindima na maior parte das regiões vitivinícolas”.
A humidade elevada originou uma maior pressão de doenças criptogâmicas (míldio, oídio e podridão), obrigando à realização de um maior número de intervenções na vinha (desfollha, desponta) e tratamentos fitossanitários.
O mês de Agosto foi particularmente seco, mas boas reservas de água no solo permitiram que as videiras não entrassem em stress hídrico, ao mesmo tempo que as temperaturas amenas e noites frescas contribuiram para uma boa e equilibrada maturação das uvas e até faziam esperar uma vindima fantástica. A chuva de Setembro é que estragou as expectativas de muitos viticultores.
Em alguns locais choveu o dobro da média ou mais. Aqui, factores como a proximidade do litoral e orografia podem complicar ainda mais. Na Bairrada, por exemplo, não foi um ano feliz. Alguns dos produtores habituais nesta prova não mandaram vinhos. A Baga não teve hipótese de amadurecer antes das chuvas.

Antes ou depois da chuva

Tive a sorte de acompanhar a vindima de 2014 com as mãos na massa, na Quinta do Vallado. Durante duas semanas fiz controlo de maturação, selecção de uvas no tapete de escolha, remontagens manuais, pisa a pé, controlo de fermentações, análises de mostos e tudo que se faz numa adega. Lembro-me que cheguei à quinta no dia 8 de Setembro e já tinha chovido dois dias antes. A apanha de uva foi intermitente em função das chuvas. No tapete de escolha a selecção foi exigente, mas dependia muito dos locais e das parcelas de onde vinha a uva. E isto claramente constitui o factor diferenciador, sobretudo no Douro, onde as diferentes altitudes e exposições modificam significativamente as condições da região.
De um modo geral, a vindima 2014 ficou dividida em antes e depois da chuva. E aqui o terroir e a casta tiveram um papel preponderante.
O produtor e enólogo Rui Reguinga, que tem as vinhas no calhau rolado em Almeirim, não teve qualquer problema na vindima. Explica que aquela zona “é muito quente, ainda por cima o calhau rolado acaba por acelerar a maturação, o que permitiu colher as uvas maduras e em óptimas condições antes das chuvas”.
Na Herdade do Mouchão, no Alentejo, começou a chover a partir da segunda semana de Setembro, mas o melhor Alicante Bouschet da vinha dos Carapetos, implantada em solos de aluvião bem drenados, foi vindimado antes das primeiras chuvas. Estas uvas são a espinha dorsal do Mouchão 2014, que mostrou uma qualidade estrondosa nesta prova.
Francisco Olazabal conta que na Quinta do Vale Meão, Douro Superior, começou a chover no dia 7 de Setembro, mas eles conseguiram apanhar a maior parte das parcelas que entram no lote entre o 29 de Agosto e 6 de Setembro. As uvas apanhadas mais tarde estavam maduras e não foram muito afectadas pelas chuvas. O resultado está na prova.

tintos 2014

2014 foi o ano em que vingou o terroir e as decisões acertadas.

 

Decisões acertadas

Mas nem todos tiveram a sorte de apanhar as uvas antes das chuvas e tiveram que gerir a vindima em função do estado da maturação das uvas e do seu sexto sentido, tomando decisões rápidas e, por vezes, arriscadas.
Sandra Tavares (Wine & Soul) relata que o ano estava a correr muito bem. As uvas para o Pintas foram apanhadas antes da chuva, mas as vinhas da Quinta da Manoella ficam numa zona mais fresca e ainda não tinham sido colhidas. Quando souberam da previsão das chuvas, fizeram mais desfolha para os cachos ficarem mais expostos e secarem mais rápido. Optaram por vindimar à chuva e nunca pararam a vindima. O objectivo era colher tudo o mais depressa possível, porque as uvas demoram a absorver a água. Os solos drenam bem e as uvas não ficaram muito diluídas. O facto de serem vinhas velhas também ajudou. “Acabam por ser mais calibradas, mais resistentes às adversidades do tempo”. Tiveram atenção redobrada na selecção de uvas, naturalmente.
Segundo o enólogo da Quinta do Noval, Carlos Agrellos, no caso deles as uvas provêm das vinhas expostas a sul e a poente e, com esta localização, estavam quase maduras. A primeira parcela de Touriga Nacional foi colhida a 14 de Setembro e outra parcela no dia seguinte – as duas juntas fazem 80% do lote. A chuva não as afectou muito. Pela Touriga Franca tiveram que esperar até dia 5 de Outubro. Foi colhida já depois das chuvas. Conseguiu recuperar. “Era o risco total, mas valeu a pena”. Diria que estamos perante “um ano mais sóbrio, do que full-bodied” – conclui Carlos. Na adega fizeram delestage mais vezes para extrair mais estrutura (as uvas que entraram no lote estavam em óptimas condições sanitárias).
Jorge Moreira (Poeira) partilha a sua experiência da vindima 2014. “Quando os bagos começaram a rachar com as chuvas, primeiro pensei vindimar, mas depois resolvi esperar porque as uvas ainda não estavam maduras”. Com as vinhas viradas a norte, confessa que nunca consegue vindimar antes de 20 de Setembro. “Os vinhos acabaram por ter um pouco de diluição” – continua – “mas no Douro, com a tradição do Porto Vintage, medimos a qualidade pela concentração, estrutura e um pouco de sobrematuração. Nos anos 90 era o que procurávamos, mas o tempo ensinou-nos que os anos mais frescos, com pH mais baixo, evoluem melhor, pois temos estrutura na mesma. Por isto, no Douro é preferível ter maturação a menos do que a mais. Nos anos menos maduros tem de se ter mais cuidado com as extracções para não extrair taninos verdes.”
Manuel Vieira, enólogo consultor na Caminhos Cruzados, conta que também tiveram que esperar que a chuva passasse. A Touriga Nacional (maior parte das vinhas velhas do Teixuga) é uma casta importante no Dão, porque tem elasticidade suficiente na película para aguentar as chuvas sem rebentar (ao contrário da Alfrocheiro, por exemplo). Com vindima adiada para os finais de Setembro, obtiveram mostos com pH baixo, acidez alta e grau alcoólico mais baixo o que é normal.

Uma década depois

Há duas conclusões fundamentais que podemos retirar desta prova. Primeiro, as generalizações são sempre uma abordagem redutora no que toca à produção de vinho, porque muitas vezes o terroir sobrepõe-se às condições climatéricas, e ainda mais nos anos difíceis. Agora, passada uma década e com os vinhos provados, podemos constatar que mesmo num ano imperfeito como o 2014, existem muitos vinhos próximos da perfeição, cheios de vida e força. Depois, concluímos que com pH mais baixo e acidez mais alta estes vinhos acabam por ter uma evolução mais lenta (alguns parecem bem mais novos do que uma década de vida sugeriria), não pecam por falta de estrutura, e mesmo, perdendo algum corpo, vencem pela elegância.

Domínio do Açor e Herdade da Cardeira: Os produtores revelação do ano

Produtor revelação

A história começou em 2020, quando um grupo de amigos brasileiros, apreciadores e colecionadores de vinho, se juntaram na ambição de encontrar uma elegância borgonhesa em Portugal. Onde iriam parar? Ao Dão, claro. A tarefa de encontrar o local certo coube a Guilherme Corrêa, experiente sommelier brasileiro há alguns anos sedeado no nosso país onde […]

A história começou em 2020, quando um grupo de amigos brasileiros, apreciadores e colecionadores de vinho, se juntaram na ambição de encontrar uma elegância borgonhesa em Portugal. Onde iriam parar? Ao Dão, claro. A tarefa de encontrar o local certo coube a Guilherme Corrêa, experiente sommelier brasileiro há alguns anos sedeado no nosso país onde já lançou vários negócios. A outrora chamada Quinta Mendes Pereira, situada em Oliveira do Conde, Carregal do Sal, foi o alvo selecionado. Rodeada de floresta, com um importante património de vinhas velhas, tinha tudo o que ambicionavam. Com o apoio de consultoria do famoso especialista de solos, o chileno Pedro Parra, e do enólogo Luís Lopes, com provas dadas no Dão, lançaram-se a criar brancos e tintos assentes na elegância, mais do que na potência. Os primeiros vinhos sob a marca Domínio do Açor nasceram em 2021 e desde logo conquistaram os apreciadores com vinhos de perfil “artesanal”, muito cuidados, e que expressam um Dão leve, fresco e vibrante como poucos.

Entre Oliveira do Conde (Carregal do Sal) e Orada (Borba) há um mundo de distância em termos de terroir e perfis de vinho. Mas a busca incondicional da excelência está sempre lá.

produtor revelação
Domínio do Açor

O projecto da Herdade da Cardeira, localizada em Orada, Borba, iniciou-se dez anos antes. Mas o casal suíço Erika e Thomas Meier levou tempo a fazer desta propriedade de 100 hectares, hoje com 21ha de vinha, aquilo que hoje é. Logo após a aquisição, Erika iniciou um curso de três anos em viticultura e enologia, e tornou-se a principal força motriz da Cardeira. O casal vê a propriedade como muito mais do que um simples investimento. É o seu espaço, o seu canto de felicidade, onde participam em todos os trabalhos que o vinho implica, da vinha à adega. A produção com a marca da casa iniciou-se apenas em 2016, contando com Filipe Ladeiras como enólogo residente e Paulo Laureano como consultor. As uvas da Cardeira, sempre vindimadas à mão, são objecto de muita seleção de modo a manter a produtividade baixa, não excedendo as quatro a seis toneladas por hectare. No total, enchem apenas 50 mil garrafas por ano, vendidas para Suíça e Luxemburgo, sobretudo, só recentemente iniciando a distribuição mais alargada em Portugal. A tremenda consistência qualitativa dos seus varietais (Verdelho e Touriga Franca) e Reservas branco e tinto, para além de um espumante e um “Talha”, impressionaram fortemente os nossos provadores. L.L.

Francisco Antunes: O enólogo do ano

francisco antunes

Deixem-me abrir, desde já, com uma declaração de interesse: sou desde há mais de trinta anos amigo de Francisco Antunes. Talvez por isso mesmo, ele não tenha recebido mais cedo, como justamente mereceria, o reconhecimento “oficial” por parte das revistas que tive o privilégio de dirigir. A sua personalidade discreta no plano profissional (que contrasta […]

Deixem-me abrir, desde já, com uma declaração de interesse: sou desde há mais de trinta anos amigo de Francisco Antunes. Talvez por isso mesmo, ele não tenha recebido mais cedo, como justamente mereceria, o reconhecimento “oficial” por parte das revistas que tive o privilégio de dirigir. A sua personalidade discreta no plano profissional (que contrasta com a exuberância pessoal, sobretudo quando falamos/vemos futebol…) também terá contribuído alguma coisa. O “Xico”, é verdade, não se põe em bicos de pés. E também não precisa, não apenas pela sua envergadura física como pela dimensão enquanto enólogo: os seus pares têm um respeito enorme pelo Francisco Antunes e muitos “famosos” não têm problema em confessar que a ele recorrem quando se deparam com um problema técnico invulgar.
Aos 64 anos de idade, Francisco Antunes alia uma sólida base teórica (engenharia agrícola pela Universidade de Évora, Diploma Nacional de Enólogo pelo Instituto de Enologia de Bordéus, entre muitos outros “canudos”) à experiência de inúmeras vindimas em diferentes regiões. O pai, médico, era produtor de vinho em Azeitão, e ali começou a interessar-se por este mundo. A carreira profissional passou por Pegões, Extremadura espanhola e Douro, até aterrar definitivamente na Aliança (depois integrada na Bacalhôa) enquanto director de enologia, tendo aí responsabilidades em regiões tão distintas quanto Douro, Dão, Alentejo e Bairrada. Paralelamente, nunca abdicou de ensinar, tendo pelas suas turmas da Escola de Viticultura e Enologia da Bairrada passado centenas de jovens profissionais.
Porém, este não é um prémio de carreira. O que aqui destacamos é o presente, não o passado. Em 2023, fruto do trabalho, conhecimento e talento de Francisco Antunes, a Grandes Escolhas teve oportunidade de provar extraordinárias aguardentes (Aliança XO 20 e 40 anos), soberbos espumantes (Aliança Grande Reserva branco 2018 e Aliança Grande Reserva Pinot Noir branco 2018) e, talvez o mais inesperado, um notável Bairrada Bical de 2021 (Bacalhôa 1931 Vinhas Velhas) que acabámos por votar como o melhor branco do ano. Digam lá: se não fosse agora, quando seria a vez de Francisco Antunes? L.L.

O TGV e as vinhas da Bairrada

TGV Bairrada

É um dos grandes projectos estruturantes dos próximos anos em Portugal, para além do futuro aeroporto de Lisboa. A construção da linha de caminho de ferro entre Lisboa e o Porto, onde irão circular comboios de alta velocidade (Comummente chamados TGV, sigla da designação francesa Train à Grande Vitesse) e de mercadorias, já começou. Muito […]

É um dos grandes projectos estruturantes dos próximos anos em Portugal, para além do futuro aeroporto de Lisboa. A construção da linha de caminho de ferro entre Lisboa e o Porto, onde irão circular comboios de alta velocidade (Comummente chamados TGV, sigla da designação francesa Train à Grande Vitesse) e de mercadorias, já começou.
Muito se tem especulado sobre este tema, a nível político e não só. Devido ao seu custo, que deverá ascender aos seis mil, ou oito mil milhões de euros se a linha se prolongar até Valença para ligar depois a Vigo, em Espanha. Mas também por haver outras opções mais lógicas, como a ligação da capital a Madrid. E há quem não concorde com o traçado escolhido ou forma como foi estabelecido. Tem sido assim quase sempre em Portugal, seja por razões que vão das tricas políticas às mais terrenas, aquelas que afectam as pessoas e os seus bens, como a destruição de casas, terrenos agrícolas ou edifícios empresariais. É isso que irá acontecer na Bairrada durante a fase de construção, e depois da implantação da obra.

TGV Bairrada

12 milhões de passageiros
Os custos da obra foram anunciados por Frederico Francisco, secretário de Estado das Infraestruturas, à agência Lusa, no dia do lançamento do concurso para a sua primeira fase. O governante também disse que as previsões do governo apontam para o transporte de 12 milhões de passageiros entre Lisboa e Porto anualmente por esta via, que serão retirados aos transportes aéreo e terrestre, contribuindo para a diminuição de emissões e para a sustentabilidade ambiental do país. E, por consequência, para se atingirem as metas estabelecidas de emissões da União Europeia neste campo. É, por isso, que “é difícil de estar contra esta obra do ponto de vista institucional”, diz Pedro Soares, presidente da Comissão Vitivinícola da Bairrada (CVBairrada). Mas o número de passageiros “é muito semelhante aquele com que os políticos justificaram a construção da A8, que não se sabe onde estão”, salienta Mário Sérgio Nuno, proprietário da Quinta das Bágeiras, defendendo que em Portugal se aposta sobretudo em grandes obras mediáticas, e pouco nas pequenas, como a ligação ferroviária entre Sangalhos e Aveiro, onde se demora o mesmo tempo que há 40 anos, ou seja, muito. Ou seja, e como todos sabemos ou podemos constatar, há coisas feitas, mas ainda há muito para fazer entre aquilo que é necessário para o nosso país e as suas pessoas.

 

TGV Bairrada

“Substituir a vista de mar de vinhas verdes pela de um viaduto ferroviário é devastador, com a agravante de a linha não passar abaixo da cota das vinhas. Será uma ferida na paisagem” – Manuel Pinheiro, CEO da Global Wines

 

 

Um pedacinho de ferrovia
E fazer um investimento deste tipo, sem prever ligações a Vigo, a norte, que ainda está apenas esboçada, e Madrid, a capital do país vizinho, “significa que teremos apenas um pedacinho de ferrovia e que Portugal não poderá tirar todo o potencial de um investimento deste tipo, que é muito significativo para os cofres do país”, realça o presidente da CVBairrada.
Mas são sobretudo as opções para a implementação da linha ferroviária tomadas, certamente, com base no seu custo/benefício, mas sem consulta de quem está, vive e desenvolve os seus negócios no terreno, que estão em causa para Pedro Soares. Pelo menos “não foi isso que aconteceu com produtores da Bairrada que vão ser afectados de forma directa, ou indirecta, como a Adega Campolargo, a Quinta do Encontro, do Grupo Global Wines, ou as Colinas de São Lourenço, do Grupo Fladgate Partnership”. Apesar de ir ocupar apenas o equivalente a 250 hectares de vinha, é preciso não esquecer que a obra irá acrescentar, a uma paisagem que é um dos postais da região, uma linha de comboio.

 

Uma paisagem alterada
“O traçado escolhido não só prejudica e coloca em causa empresas e postos de trabalho, como inviabiliza qualquer estratégia enoturística da Bairrada, enquanto região demarcada”, defende Manuel Pinheiro, CEO da Global Wines. “Há vinhas que irão ser cortadas e algumas vinhas velhas passarão a ter aterros ou viadutos com uma linha por cima, o que irá transformar a capacidade de sedução da região”, salienta Mário Sérgio Nuno, da Quinta das Bágeiras. Pedro Soares acrescenta que “muitos dos cartões postais, que são hoje o seu valor imaterial, vão desparecer, e muitas fotografias que usamos na comunicação para a sua promoção já não a vão representar, porque o horizonte vai estar parcialmente preenchido por uma linha em aterro ou em viaduto”. Para além disso, a obra será também prejudicial para a Bairrada por afectar vários enoturismos, “que são veículos de divulgação e valorização dos territórios, das empresas e das suas marcas, e também constituem, em alguns casos, importantes fontes de receita através das vendas à porta”, salienta o responsável da CVBairrada. E não é só a faixa de terreno dedicada à alta velocidade que será afectada diretamente, porque haverá também vinhas, caminhos à volta e cursos de água que serão alterados durante a construção da obra.

 

“Os governos poderiam, talvez, usar as linhas de caminho de ferro já implantadas ou as estradas e autoestradas já construídas para implantar a linha do TGV. Mas não, tem de ser feita uma obra nova” – Mário Sérgio Nuno, proprietário da Quinta das Bágeiras    TGV Bairrada

 

As melhores soluções
É verdade que não é possível falar com todas as pessoas e empresas individualmente quando se projecta uma obra desta dimensão. Mas se tem de ser construída, e a Bairrada tem de ser atravessada, isso deveria ser feito após as entidades promotoras, e quem faz o projecto, falarem directamente com quem vai ser prejudicado para procurar, e encontrar, as melhores soluções em conjunto. “É isso que tem faltado”, conta Pedro Soares, referindo que esteve apenas “em duas ou três reuniões a reboque da Câmara da Anadia, e numa sessão pública de esclarecimento” com esse tema. “O processo de consulta podia e deveria ter sido mais relevante”, defende Manuel Pinheiro.
Sabe-se, hoje, que serão afectados cerca de 250 hectares de vinha na Bairrada. Mas, segundo Pedro Soares, ninguém procurou saber se havia, no seio dela, por exemplo um terroir específico, uma parcela especial que dê origem, hoje, a uma marca de um vinho de qualidade que é único por ter essa origem, que existe após ter dado muito trabalho na vinha e na adega para o encontrar, e muito esforço para comunicar a sua diferença ao mercado até se tornar um símbolo daquilo que a empresa que o produz faz bem, e pode agora desaparecer. “Será que não se deve pagar ao produtor, não apenas pelo terreno, mas também pela marca que desapareceu?”, questiona o responsável. São estas e outras perguntas que ainda estão por responder, numa altura em que as obras do futuro TGV entre Lisboa e o Porto estão a arrancar. Estamos a falar de algo que tem uma componente imaterial muito significativa, como algumas vinhas velhas, cujo valor tem a ver com a qualidade do vinho e a história e imagem da marca que tem no mercado.
“Sabemos quais são os valores pensados para indemnizações e a forma como foram calculados, mas não se pode pensar, aqui, da mesma forma como se faz para valorizar cada metro quadrado urbano”, defende Pedro Soares, acrescentando ainda que, para fazer as avaliações, deveria ser criada uma equipa multidisciplinar para avaliar os terrenos integrando todas as condições, “para fornecer as recomendações necessárias para mitigar o impacto brutal que vamos ter na nossa região”.

 

TGV Bairrada

 

“Muitas fotografias que usamos na comunicação para a sua promoção já não a vão representar, porque o horizonte vai estar parcialmente preenchido por uma linha em aterro ou em viaduto” – Pedro Soares, presidente da CVBairrada

 

 

 

(Artigo publicado na edição de Março de 2024)

CAS’AMARO: Vinho e turismo como vectores de negócio

CAS’AMARO

O projecto Cas’Amaro começou a ser construído há oito anos, com a aquisição do Casal da Vinha Grande, perto de Alenquer, por Paulo Amaro, porque este empresário, com negócios na área do imobiliário e da distribuição de instrumentos médicos e hospitalares, achou que seria um bom investimento imobiliário. A propriedade fica entre a Quinta de […]

O projecto Cas’Amaro começou a ser construído há oito anos, com a aquisição do Casal da Vinha Grande, perto de Alenquer, por Paulo Amaro, porque este empresário, com negócios na área do imobiliário e da distribuição de instrumentos médicos e hospitalares, achou que seria um bom investimento imobiliário.
A propriedade fica entre a Quinta de Chocapalha e a Quinta do Pinto e quando Paulo Amaro se apercebeu que tinha, no meio, uma adega antiga, sentiu que havia ali potencial para o negócio de enoturismo. Por isso, decidiu transformá-la numa unidade de luxo, hoje com três quartos, e plantar, há volta, cinco hectares de vinha, para lhe dar o melhor cenário envolvente, tal como está previsto para o resto dos investimentos no sector vitivinícola da Cas’Amaro em Portugal.

Visão objectiva
A paixão pelo vinho enquanto enófilo ajudou, mas foi a sua visão objectiva em relação a esta área de negócio que o levou a não ficar por aqui. “Depois, e muito rapidamente, a um ritmo quase compulsivo, foram compradas mais quatro propriedades em outras tantas regiões vitivinícolas portuguesas”, conta Rui Costa, diretor-geral da empresa há pouco mais de meio ano. Para além disso foi adquirida, ainda na Região de Lisboa, mais “uma vinha com dois hectares de Castelão com 30 anos, que temos estado a mimar para lhe aumentar a produtividade, pois tinha estado abandonada”, explica o responsável, acrescentando que a empresa está a plantar mais outra vinha, na zona da Abrigada, com as castas Vital e Ramisco, para acrescentar diversidade ao encepamento actual, baseado apenas em castas locais.
A única adega da empresa fica no concelho de Alenquer e começou a funcionar em 2021, dois anos após o lançamento dos primeiros vinhos. Ocupa o espaço de uma outra, com quase 100 anos, totalmente reconvertida e modernizada para permitir aos enólogos da casa, Ricardo Santos, o diretor de enologia da Cas’Amaro, e Gilberto Marques, que coordena a vinificação da empresa em Lisboa depois de se ter mudado da Quinta de Pancas, nas melhores condições possíveis.
A operação seguinte foi a aquisição da Herdade do Monte de Castelête, no Alentejo. Com 70 hectares, dos quais 48 de montado e 22 de vinha, fica perto de Estremoz, e tem um monte que a empresa está a transformar numa unidade de enoturismo, que inclui alojamento.
“Uma das preocupações na aquisição das propriedades foi que, para além da vinha, tivessem também um edificado atractivo, possível de reconverter em unidades de enoturismo”, diz Rui Costa, explicando que foi essa a filosofia base seguida na aquisição da Quinta da Fontalta, no concelho de Santa Comba Dão, que inclui um solar e 16 hectares de vinha, e também na propriedade da Região dos Vinhos Verdes, que inclui um solar muito antigo e apenas seis hectares de vinha, de um total de 40 hectares. “É uma quinta tradicional do Minho, que fica num vale estreito e comprido, com uma parcela de floresta e muito espaço para crescer”, conta o gestor, salientando que irão ser plantados, no local, mais dois hectares de vinha Alvarinho, processo que deverá ser moroso e dispendioso devido à quantidade de pedra que existe no solo.
No Douro, a Cas’Amaro adquiriu as Quintas de S. João e S. Joaquim, com 18 hectares de vinha e socalcos virados uma para a outra. Apesar de uma das propriedades possuir uma adega, não tinha condições para se vinificar. Por isso, os primeiros vinhos do Douro e Portos produzidos nesta região foram vinificados em Cheleiros, e está a ser pensada a construção de uma adega em Armamar.

 

A equipa da Cas’Amaro está a construir um projecto que une a produção de vinhos a um conceito de enoturismo que alia, ao vinho, a arquitectura, o design e a arte

Produção sustentável
Os projectos desta empresa estão a ser desenvolvidos segundo dois eixos. O primeiro é a produção de vinhos de qualidade, preferencialmente de modo biológico e sustentável, destinados sobretudo aos mercados externos. O segundo é o enoturismo, porque é a forma de se conseguir o equilíbrio financeiro de um projecto vínico a produzir em zonas tão distintas do território nacional, com áreas pequenas área de vinha, que irão perfazer um total de 76 hectares. “No alojamento, no restaurante ou mesmo no wine bar, onde vendemos apenas vinho a copo, as margens são mais apetecíveis, o que torna a combinação muito mais viável do que apenas a produção e comercialização de vinho”, explica Rui Costa.
Apenas está terminado o projecto de enoturismo da região de Lisboa, que inclui, para além do restaurante e da unidade de alojamento em Alenquer, uma outra em Lisboa, o Madalena Orquídea Living, um alojamento local com apartamentos T2, um café brunch e um restaurante vínico por baixo. Todos estes projectos foram desenvolvidos por Paulo Amaro desde 2016, antes de criar, a meio do ano passado, “uma estrutura de gestão, marketing, viticultura e enologia, coerente com a sua visão de futuro para as propriedades e a empresa, cujo caminho está a ser implementado agora”, conta Rui Costa. Para além dele, a equipa inclui dois profissionais que gerem os projectos em desenvolvimento, Rui Vasco e António Sousa, que são os homens de campo para tudo o que diz respeito a obras, desde a construção e reconversão de edifícios até à plantação e reconversão da vinha. A empresa tem mais cinco viticultores a tempo inteiro, um por cada uma das suas cinco quintas. Quando há trabalhos mais específicos a realizar, é contratado pessoal local, “o que nos tem permitido fugir àquela mão de obra mais massificada, que às vezes estraga mais do que faz”, defende Rui Costa, acrescentando que a sua empresa paga um pouco acima da média para conseguir ter essas pessoas.

Adega própria apenas em Lisboa
Como a empresa só tem adega na Região de Lisboa, vinifica em instalações de parceiros nas outras. No Dão, na Adega das Boas Quintas, de Nuno Cancela de Abreu; no Alentejo, na Adega do Monte Branco, de Luís Louro; no Douro, na Adega Dona Matilde, com o apoio do seu enólogo, João Pissarra e, na Região dos Vinhos Verdes, na AB Valley Wines, de António Sousa. “São as adegas mais próximas das nossas vinhas e são geridas por pessoas com quem nos conseguimos identificar, com as quais criámos métodos de trabalho”, explica o gestor, salientando que, assim, é possível Ricardo Santos, o director de enologia, fazer um acompanhamento mais próximo de todo o processo, o que é essencial para se produzir, todos os anos, o perfil de vinho definido pela sua equipa para cada região.
Em frente à adega, em Alenquer, fica um restaurante vínico, com sala de provas, que passa a wine bar a partir do final da noite, cuja frequência tem estado esgotada este ano. A procura deve-se, sobretudo, ao trabalho que Rui Costa tem realizado para encontrar clientes para as áreas de vinhos e enoturismo da empresa.
Depois de ter constatado que é lá fora que estão a maior parte dos potenciais clientes, tem frequentado feiras de turismo para contactar operadores que tragam estrangeiros a Portugal, para mostrar a oferta da Cas’Amaro. Foi isso que aconteceu na Fitur deste ano, em Madrid, de onde tinha acabado de chegar quando se realizou esta entrevista. “Os nossos espaços oferecem algo mais do que apenas o habitual no enoturismo, pois também reflectem o interesse de Paulo Amaro pela arquitectura, design e arte, o que os torna ainda mais atractivos”, realça o gestor da empresa. “Quem dorme na nossa casa de Alenquer em Outubro e volta em Fevereiro, vê exposições diferentes, tal como acontece no restaurante, porque há sempre algo de novo a acontecer”, acrescenta.
Para apresentar a casa e os seus vinhos está a apostar também nas principais feiras de vinhos nacionais e em algumas das internacionais. “O objectivo é encontrar bons parceiros, que se apaixonem pelos nossos vinhos e apreciem o seu perfil”, salienta acrescenta que pretende estar muitas vezes com eles para os ajudar a vender nos seus mercados. Com esse objectivo vai estar, com os enólogos da empresa, três vezes em São Paulo, no Brasil, em 2024, em articulação com outras iniciativas nacionais, para ajudar os seus importadores a apresentar os vinhos da Cas’Amaro aos seus clientes. E como é que este investimento vai ser pago? “Cada pessoa a quem vendermos uma garrafa de vinho é um potencial cliente dos alojamentos e dos restaurantes da empresa, onde teremos sempre um retorno significativo”, explica Rui Costa.

 

O projecto começou, em 2016, com a compra do Casal da Vinha Grande, em Alenquer, cuja adega foi transformada num espaço de alojamento com três quartos, preparado para servir refeições aos hóspedes

 

Um vinho de cinco tourigas
Para além do Brasil, e do Reino Unido, onde a empresa já começou a vender vinho, o gestor quer apostar na Holanda, Bélgica e países escandinavos, para além da Coreia do Sul. “Os Estados Unidos irão ficar para mais tarde, quando percebermos bem esse mercado”, diz.
Para este ano Rui Costa prevê que a Cas’Amaro deverá vender 36 mil garrafas e ter 150 mil euros de facturação com a venda de vinho, mais 110 mil no enoturismo, o que representa um crescimento exponencial em relação ao ano anterior. Por enquanto, o objectivo da empresa é explorar todo o potencial dos seus 76 hectares de vinha, que ainda está longe de ser atingido porque uma parte está a ser reconvertida e outra ainda está ou vai ser plantada. Sempre com castas locais, de preferência, e algumas de implantação nacional, como o Arinto ou a Touriga Nacional. No futuro, Rui Costa diz que “gostaria de fazer um vinho de cinco Tourigas, com uvas das cinco regiões”. Mas isso ainda é apenas um sonho.

Os terroirs da empresa

A Cas’Amaro investiu em cinco regiões nacionais, com o objectivo de produzir vinhos e criar equipamentos de enoturismo, incluindo alojamento e restauração, que está ou irá construir nos próximos anos. O objetivo é que os dois negócios, o do vinho e o do enoturismo, estejam em pleno funcionamento em 2030.

Cas’Amaro Vinhos Verdes
Inclui a Quinta do Bustelo, com 40 hectares, em Marco de Canavezes.
Área de vinha – 6ha, mais 2ha que deverão ser plantados este ano
Castas – Arinto, Alvarinho, Loureiro e Azal
Vinhos – Bustelo Alvarinho 2023, Bustelo Arinto 2023, Bustelo Arinto e Loureiro 2023

Cas’Amaro Douro
Inclui a Quinta de São João e a Quinta de São Joaquim, com um total de 39 hectares, no concelho de Armamar.
Área de Vinha – 18ha
Castas – Touriga Nacional, Tinta Roriz, Tinta Amarela, Tinta Barroca, Maria Gomes, Malvasia e Códega do Larinho
Vinhos – Acidentado e Enfeitado (Ainda não estão no mercado)

Cas’Amaro Dão
A Quinta da Fontalta tem 17 hectares e fica no concelho de Santa Comba Dão.
Área de vinha – 15ha
Castas: Touriga Nacional, Alfrocheiro, Jaén, Tinta Roriz, Encruzado, Malvasia Fina e Cerceal Branco
Vinhos: Caminho Branco 2022, Caminho Tinto 2022 100% Touriga Nacional e Mitologia Reserva 2022 100% Encruzado

Cas’Amaro Lisboa
A empresa possui o Casal da Vinha Grande, dois hectares de vinha na Labrugeira e mais seis na Abrigada.
Área de vinha – 7ha mais 6ha em plantação
Castas – Arinto, Fernão Pires, Sercial, Rabo de Ovelha, Touriga Nacional, Camarate, Bastardo e Tinta Miúda
Vinhos – Falatório branco, rosé, tinto e varietal de Bastardo, Madame Pió branco, monocastas de Arinto e Sercial e tinto

Cas’Amaro Alentejo
A Herdade Monte do Castelête tem 70 hectares e fica no concelho de Estremoz.
Área de vinha – 22ha
Castas – Antão Vaz, Roupeiro, Touriga Nacional, Trincadeira e Tinta Caiada
Vinhos – Implante e Castelete (No mercado a partir de Março)

(Artigo publicado na edição de Março de 2024)

Domingos Soares Franco: Reformo-me muito confiante na 7ª geração!

Domingos Soares Franco

Chegada a hora de passar a pasta da enologia na José Maria da Fonseca, Domingos Soares Franco aceitou partilhar connosco algumas memórias e momentos das 40 vindimas que fez na empresa, de que também é sócio. Não escolheu ser enólogo, ainda que as vinhas e o vinho sempre o tenham cativado. A atracção pelo campo […]

Chegada a hora de passar a pasta da enologia na José Maria da Fonseca, Domingos Soares Franco aceitou partilhar connosco algumas memórias e momentos das 40 vindimas que fez na empresa, de que também é sócio. Não escolheu ser enólogo, ainda que as vinhas e o vinho sempre o tenham cativado. A atracção pelo campo era proporcional à aversão à cidade e onde se sentia bem era entre vinhas, cavalos e ovelhas. Foi assim natural a intenção de se inscrever no Instituto Superior de Agronomia (ISA) após terminar o liceu em 1974. A escola era o local onde a viticultura e a enologia lhe poderiam interessar. E foi assim que tudo começou.

Estivemos com ele na sede em Azeitão e fomos à casa dos segredos, a adega velha onde há pó e teias de aranha em quantidade. E o segredo é tão grande que o próprio esteve 10 minutos a tentar abrir a porta. Isto das fechaduras seculares tem inúmeras vantagens anti-roubo… O receio do “tédio da reforma” não existe já que, como afirmou “tenho imensa coisa para fazer”. Boas notícias.

Foi fácil entrar no ISA?

Não, naqueles tempos conturbados, o facto de eu ser Soares Franco, e da família que detinha a José Maria da Fonseca, foi quanto bastou para me barrarem a entrada. O meu pai levou-me então a França e, quer em Bordéus, Montpellier ou Dijon era possível entrar, mas tinha de recuar dois anos por não falar francês e isso eu não queria. Geisenheim tinha problema idêntico, porque não falo alemão e fiquei à deriva. Em 1975 estávamos com o nosso sócio americano da Internacional Vinhos e ele propôs que eu fosse para os Estados Unidos da América, inicialmente para Connecticut e posteriormente para a Califórnia, em duas universidades. Terminei os estudos em Davis em enologia e viticultura, incluindo uma pós-graduação, e fiz tudo excepto uma cadeira sobre fenóis que me recomendaram que não tinha interesse. Mais tarde arrependi-me de não fazer. Fiz também, a conselho do meu pai, um trabalho sobre moscatéis.

Fez algum estágio em adegas?

Não, porque na altura era proibidíssimo. Era preciso visto de trabalho. Nem dizendo que não queria ser remunerado era razão suficiente. Assim, a aplicação dos conhecimentos que lá adquiri só pude pôr em prática aqui.

Que universo de enologia encontrou aqui, comparado com o que tinha conhecimento por lá?

Aqui estávamos no grau zero. Eu falava em sulfurosos remanescentes, em polifenóis ninguém falava. Pedi que me fornecessem 24 estirpes de leveduras para trabalhar com as nossas castas e ninguém percebia para que era aquilo. A maneira de pensar de lá não era aplicável cá, de todo. Filtros, prensas era tudo diferente. Fui eu que trouxe da Alemanha a primeira prensa pneumática. Trabalhos de vinificações por casta aqui era assunto pouco trabalhado. Era tudo diferente. Andei uns anos a batalhar aqui, porque vinha de uma escola americana e por cá havia sobretudo enólogos com escola francesa, como o José Maria Soares Franco ou o Nuno Cancela de Abreu, por exemplo. O meu pai sempre me disse que não devia esquecer as raízes, mas devia ir na crista da onda. Quando tive oportunidade, fui a uma prova organizada pelo nosso importador dos Estados Unidos, para conhecer os gostos e as tendências, e fui a Seattle. Fiquei por lá uma semana, andei a visitar adegas e fiquei deslumbrado.

Como era a enologia aqui nos inícios de 80? Já havia inox?

Não, era tudo em cimento e, um pouco mais tarde, com revestimento a resina epoxy. Começámos, na época, a controlar as temperaturas de fermentação. Por lá (estado de Washington) descobri também a importância da elegância nos vinhos, sem abusos de álcool ou madeira, sem açúcares residuais e comecei a ir por aí, que era um sentido diferente da Califórnia. Por cá trocávamos ideias entre os enólogos, mas como havia muito o conceito do segredo, a partilha não era fácil, sobretudo com os então chamados técnicos.

E em que ponto deixa agora a enologia, por comparação com os anos 80, agora que já existe uma nova equipa? Também não há pontos de contacto?

Há pontos de contacto, sim. Nomeadamente nos moscatéis, onde o método há muito estipulado. No entanto, há muito tempo que andava com a ideia de fazer um moscatel diferente para comemorar os 200 anos da empresa, daqui a 10 anos. Falei com o Paulo Horta (enólogo, entretanto também reformado) e combinámos fazer algo fora do baralho. Uma fermentação em que o mosto, ao arrancar, já fosse com cinco graus de álcool, com o objectivo de matar as leveduras que não interessam. Não com aguardente, mas sim com moscatel velho. Foi isso que fizemos e o resultado era o que esperava. Foi aí que chamei a nova equipa para a sala de provas, para eles perceberem o conceito. Creio que estão a assimilar bem, mas estão também atentos à vertente do consumidor. O gosto está sempre a mudar e isso torna difícil as decisões, porque pode alterar-se de repente e o vinho não se faz para amanhã. É preciso preparem-se, e eles estão a assimilar isso muito bem.

Vou ajudando durante a prova, mas os métodos de hoje são diferentes. Eu revejo-me mais nas técnicas actuais, mas não podemos perder as raízes. Veja o que se passa com alguns brancos, que estão mais próximo do que se fazia antigamente. Os consumidores estão fartos dos aromas de fruta, da banana e do ananás. Querem coisas mais originais.

A propósito de vinhos originais, recordo-me que a José Maria da Fonseca teve uma colecção de vinhos com iniciais enigmáticas, que alegravam o portefólio exactamente por esse lado meio obscuro. DA, AP, EV, VB, TE, CO, entre muitas outras. Porque é que acabaram com eles?

Tenho pena, mas fui eu que acabei com isso. Estava a tornar-se muito confuso para o consumidor. Os últimos a morrer foram o CO (clara de ovo) e o RA (Região Algeruz), mas vamos recuperá-los proximamente, ambos com Castelão. Vamos fazê-los à antiga, mas são vinhos que, por serem difíceis em novos, demoram tempo e, por isso, não vão surgir tão cedo. É um pouco o que acontece com o Periquita Clássico, que também foi reeditado na colheita de 2014 e até com um toque de brett (é à antiga, não é?), só com madeira usada.

Deixou algum vinho por fazer, ou que tenha pena de não ter feito?

Andei durante anos atrás da ideia, da procura de selecionar o meu melhor vinho. Mas acho que, com estes vinhos que vou lançar (da colheita de 2017, o tinto, de 2021, o branco, e de 1998, o Moscatel), consegui isso. O que queria e quero, sobretudo, é elegância e, com isto, fecho a porta.

O último vinho que vai fazer, o vinho da despedida, o tal legado de 40 anos…

Ao longo de 40 anos fui variando muito o estilo de vinhos e acabei por apostar mais na elegância. O vinho que fiz agora tem uma finesse e uma subtileza fora do normal. O meu pai sempre me disse: quando te reformares, sai pela porta grande e com chave de ouro. Eu sinto que aquele vinho é a minha chave de ouro. São 7000 garrafas de tinto, 3000 de branco e 3000 de moscatel, individuais ou caixas de três. Há um ano que ando à volta do rótulo, sem olhar a despesas, do papel à embalagem. Vou fechar a carreira com uma apresentação deste vinho.

No caso do moscatel, acha que está encontrado e esgotado o modelo ou ainda há algo mais para descobrir?

Ainda se podem fazer pequenas alterações na forma de fazer, que ninguém está a fazer, como a adição de moscatel velho para o arranque, como falámos. Mas faltam-nos competidores para nos espicaçarem e alguns concorrentes estão a ir por caminho errado, por exemplo no moscatel roxo.

Só há 50 ha de vinhas e o preço deveria ser puxado para cima. Mas quando há empresas da região a puxá-lo para baixo, não vamos a lado nenhum. Continuamos a ter falta e ainda compramos muito a lavradores (há três anos foi cerca de 90% do roxo), o que acontece também no moscatel normal. E estamos a falar de uma casta com uma produtividade que pode chegar às 15 ton/ha. Mas também é verdade que, com essas quantidades, o produto final sofre, porque lhe falta complexidade.

Lembra-se de algum vinho que fez na casa e que lhe encheu todas as medidas? Porque só calhou bem uma vez, por exemplo, ou outra razão…

Um moscatel que fiz metade com Cognac e metade Armagnac e parei a fermentação com essa aguardente. Só vai sair agora. Quanto a ano de colheita acho que não volta a haver um 2011. Na nossa casa, e desse ano, o J ou o José de Sousa. A excelência era perceptível logo em Março e fiquei muito entusiasmado. Foram poucas as vezes que tive essa sensação e não me enganei em muitas delas (o Paulo Hortas diz que só falhei quatro ou cinco vezes) e até me lembro de ter telefonado ao David Guimaraens, da Fladgate, a dizer-lhe que queria reservar duas caixas do vintage 2011, e que ele me respondeu que ainda nem tinha começado a vindima. “Não faz mal, reserva-me duas caixas, que o ano é extraordinário!”, respondi-lhe eu. Como 2011 não me lembro de nenhum ano. Mais recentemente gostei muito do 2015 e do 2018.

Domingos Soares Franco

 

No José de Sousa retomámos a vinificação nos potes (talhas). Comprámos tudo o que encontrámos, na altura a 100$ (50 cêntimos) cada talha.

 

Qual o moscatel que mais o marcou?

(sem hesitar) O 1955. Costumo dizer que é um puzzle de 1000 peças em que todas encaixam e a última quase que encaixa também.

Diga-nos três vinhos portugueses, sem ser da casa, que lhe encheram as medidas. E também generosos e, já agora, estrangeiros.

Quinta da Leda 2011, Vale Meão 2011, Mouchão 1963. Do Porto, recordo o Vintage Taylor’s 2000. Da Madeira sou grande fã dos vinhos do Ricardo Diogo, da Barbeito. Dos vinhos de fora relembro-me do Henschke Hill of Grace, um Shiraz australiano que me ficou na memória (Nota: preço variável, mas sempre próximo dos €700 a garrafa), e de um Chardonnay, também australiano, da Mornington Peninsula (Nota: esta é uma região que conta com 60 adegas).

Mesmo numa empresa familiar, não há por vezes conflitos entre a enologia e o marketing?

Sim. Mas como também sou dono, acabo por fazer mesmo que “eles” não queiram (risos). Mas é verdade que alguns vinhos saíram antes do tempo…

Foi assim que nasceu o Pasmados branco Garrafeira, uma novidade agora no mercado?

Foi, porque o estilo mais evoluído que tinha era difícil de vender. Agora é mais fácil, porque há mais ambiente para um estilo em que a cor quase sugere que está passado, apesar de na boca ser óptimo.

Mas há flutuações no mercado, há marcas que hoje vendem muito e amanhã não, como o Periquita. Hoje vende quanto?

Cerca de três milhões de garrafas, mas já vendeu quatro e tal, sobretudo no mercado nórdico e Brasil. O Periquita Reserva canibalizou o outro. Na Suécia vendemos em garrafa mas, na Noruega, é em bag-in-box e na Finlândia querem em lata. Voltamos aos pacotes de leite…

A marca Lancers ainda tem peso na facturação?

É a nossa terceira marca, a seguir ao Periquita e ao Moscatel Alambre. Agora representa um milhão e meio de garrafas, mas já foram 16 milhões. Não creio que vá morrer. Ainda acho um produto interessante e faz parte da história. Aqui já só fazemos o normal. O espumoso encomendamos fora, na Bairrada. O perfil mudou e acho que está aceitável. Gosto de o beber, mas antigamente tinha vergonha de o mostrar. Actualmente a empresa depende do mercado externo, que representa 55% da facturação. E a tendência vai ser para subir.

Domingos Soares Franco

 

 

O Lancers mudou de perfil e acho que está aceitável. Eu gosto de o beber, mas antigamente tinha vergonha de o mostrar.

 

 

A José Maria da Fonseca teve uma grande presença no Dão, com a marca Terras Altas mas, creio, não tinham vinhas por lá…

Não produzíamos. Abastecíamo-nos nas adegas e comprávamos a granel ao Alfredo Cruz, que era o grande regulador do mercado e vendia para todas as empresas (Sogrape, Aliança, Borges). Mas, a partir de 2005, abandonámos a marca. Primeiro o branco e depois o tinto. Chegámos a vender um milhão de litros, mas nunca quisemos investir em vinhas na região.

Mas estiveram também na Casa da Ínsua, embora não fossem proprietários. Como era essa relação?

Fora a José de Sousa, só tivemos uma aventura no Dão, na Casa da Ínsua, que fazíamos e comercializávamos. Era uma relação antiga, que vinha do tempo do meu tio António, nos anos 60, e durou até aos anos 90. Quando se percebeu que era preciso investir em nova adega e não havia grande vontade do proprietário, entendemos que não havia condições para continuar nos mesmos moldes e saímos. Em meados de 80 pensámos investir no Alentejo e o meu irmão já estava tentado a fazê-lo em Portalegre. Mas acabámos por ficar em Reguengos e o meu primo Jorge Avilez ficou em Portalegre. Fazíamos lá os vinhos e comercializávamos. Também aqui, a certa altura resolvemos separar as águas e ficámos apenas em Reguengos.

No José de Sousa não mudaram nada nos encepamentos?

Nada. Mas como a casta Aragonez era especialmente atreita a doenças do lenho (esca), decidi nunca mais plantar Aragonez no Alentejo. O José de Sousa só vem da vinha velha com as castas antigas. As outras marcas já têm outras castas.

Mas tiveram de mudar muita coisa na enologia quando chegaram?

Tudo, tudo. Passei a fazer só nos potes e abandonei os balseiros. Comprámos tudo o que encontrámos, na altura a 100$ (cerca de 50 cêntimos) cada talha. Mantivemos as três castas, mas alterámos a parte da enologia. Os vinhos não tinham data (só na caixa) e tenho provado coisas muito boas. Como o engenheiro Manuel Vieira na altura estava pouco familiarizado com os potes, e fui perguntar ao antigo adegueiro para perceber como se fazia.

E a aventura no Douro (marca Domini) não correu bem?

Era muito longe. Para se lá chegar era um sarilho. Sem adega era complicado. Acabámos a entregar as uvas à Fladgate e a propriedade está à venda.

Não tem pena que não haja na família um sucessor para a enologia? E numa empresa familiar há, na mesma, linhas vermelhas que cada departamento não pode ultrapassar?

Sim, tenho pena de não ter sucessor, mas não há nada a fazer. Temos um acordo familiar em que as funções estão estabelecidas. Há metas e todos os anos os objectivos são revistos.

Está tranquilo com a sucessão aqui na José Maria da Fonseca?

Muito tranquilo e confiante. Na sétima geração dão-se muito bem uns com os outros, o que é uma vantagem.

Vai encontrar com que se entreter?

Tenho tanta mas tanta coisa na quinta, ovelhas, pássaros, voltei a montar a cavalo, a caçar…

Então pode-se dizer que parte sem dor?

Sim, sem dúvida.

 

Vou terminar a carreira com uma apresentação de três vinhos. Fecho com chave de ouro.

Dalva também é nome de aguardente

dalva aguardente

A C. da Silva é uma empresa de Vinho do Porto que hoje integra o grupo Granvinhos. A fundação remonta a 1933, quando Clemente da Silva regressou do Brasil e fundou a empresa, beneficiando dos stocks de uma outra, velha e entretanto extinta empresa de Porto, a Corrêa Ribeiro & Filhos, com carácter familiar e […]

A C. da Silva é uma empresa de Vinho do Porto que hoje integra o grupo Granvinhos. A fundação remonta a 1933, quando Clemente da Silva regressou do Brasil e fundou a empresa, beneficiando dos stocks de uma outra, velha e entretanto extinta empresa de Porto, a Corrêa Ribeiro & Filhos, com carácter familiar e ligada à sua mulher, cuja origem remontava a 1862. Foi possível, assim, criar os stocks para se arrancar com o negócio.
A marca Dalva, que resulta da contracção de “da Silva”, foi então criada e tornou-se o nome emblemático da casa. A empresa C. da Silva, inicialmente apenas ligada ao Vinho do Porto, expandiu os negócios para os cinco continentes, onde ainda hoje marca presença, com grande foco na distribuição. Tal como outras empresas do Douro, chegou também a ter marcas no Dão, ainda que não fosse lá produtora.
Desde a fundação da casa que o negócio de brandy se estendeu a zonas tão longínquas como Nova Zelândia e Austrália. Marcas como Dalva, C. da Silva, Saint Clair ou The Douro Fathers eram famosas, e o Dalva Brandy Extra Special circulava, via importador americano, entre as tropas daquele país durante a segunda guerra mundial.
Tradição também das empresas de Porto eram as aguardentes que envelheciam em cascos de Vinho do Porto. Tinham acesso fácil à aguardente e os cascos não faltavam. O negócio, no entanto, decresceu muito nas últimas décadas.
Hoje bebem-se menos espirituosos, mas estes renasceram recentemente sob a forma de produtos de grande prestígio, com preço condicente com a vetusta idade que muitos têm. Foi assim que várias casas voltaram a interessar-se pelo negócio, colocando, no mercado, espirituosos com 30 e mais anos – como é o caso deste – com uma enorme qualidade e preço equilibrado, sobretudo se comparado com os das suas congéneres de Cognac com a mesma idade.
Fazer uma boa aguardente velha é uma arte. É feita de paciência e tempo, enquanto se espera que o longo estágio em casco faça a sua parte, harmonizando tudo e conferindo complexidade, aquilo que mais se aprecia. Cascos de diferente capacidade, loteamento de aguardentes de idades diversas e lento desdobramento são tarefas que exigem bom nariz e acompanhamento permanente. Deste lote engarrafaram-se 1000 garrafas em 2021 e o stock existente permitirá novos lançamentos nas próximas décadas. Além do mercado interno, a C. da Silva tem, como principais destinos de espirituosos, a Coreia do Sul, França e Bélgica.

(Artigo publicado na edição de Fevereiro de 2024)