CONCURSO BRANCOS DE PORTUGAL - A ESCOLHA DO MERCADO

A primeira edição do maior concurso de brancos portugueses foi um sucesso

Organizado pela Grandes Escolhas, o Concurso Brancos de Portugal – A Escolha do Mercado — realizado a 13, 14 e 15 de Julho — foi a primeira edição de um concurso de vinhos que coloca responsáveis por lojas de vinho/garrafeiras, restaurantes, wine bars e também sommeliers, na posição de jurados. Foram cerca de 25 provadores, divididos pelas três sessões, um grupo de luxo que incluiu profissionais de espaços muito importantes do canal HoReCa e retalho, como os restaurantes JNcQUOI, Churrasqueira D. Pedro, Fidalgo, Alma, Grupo Cabana, Eneko Lisboa, Burro Velho, Feitoria, Meat Me, Dux, Sem Dúvida e 100 Maneiras; as garrafeiras Empor Spirits & Wine, 5 Estrelas, Néctar das Avenidas, Garrafeira Nacional, Wines 9297 e Napoleão; e os wine bars Mr. Santos e The Corkscrew.Com 532 amostras inscritas por produtores nacionais, este foi, e é, o maior concurso de vinhos brancos de Portugal e do Mundo. Para assegurar a pertinência e justiça da competição, todos estes vinhos foram divididos por três categorias correspondentes a segmentos de preço: Categoria A – até €5; Categoria B – de 5 a €12; e Categoria C – acima de €12. Dois galardões foram atribuídos em cada uma das categorias: Prémio Escolha do Mercado e Grande Prémio Escolha do Mercado, este último para os três melhores vinhos em cada classe de preço. Veja aqui os premiados.

Nelson Guerreiro, da Garrafeira Nacional, comentou: 

“Em termos profissionais, é interessante saber os resultados de forma a comparar com o nosso trabalho interno na Garrafeira Nacional e com a maneira como recomendamos vinhos aos nossos clientes. Também é importante para direcionar (para as lojas ou a nossa distribuição) algumas tendências e novos projetos que, por vezes, não têm a visibilidade merecida. Cabe a nós, profissionais, fazer essa divulgação. Em relação aos brancos portugueses (sendo eu um “brancófilio” assumido) estou convicto de que estamos à altura de qualquer país do mundo, e a evolução dos últimos 10/15 anos vem confirmar que podemos produzir vinhos de classe mundial, e também vinhos de volume com qualidade distinta. Isso ficou bem visível neste concurso”.

Carla Paralta, à frente da Garrafeira 5 Estrelas com a irmã Mariana (que também integrou o júri), confessou:

“Os concursos são sempre importantes para nós, enquanto garrafeira. Cada vez mais, o consumidor e o produtor gostam de saber e ser premiados, respectivamente. Tem havido uma procura enorme de vinhos brancos, e a qualidade destes tem melhorado muito. Hoje em dia, o consumidor já compra brancos para qualquer circunstância, enquanto antes comprava para uma situação específica, como um jantar com marisco ou um almoço com peixe assado”.

Ivo Peralta, actualmente sommelier no restaurante JNcQUOI, deu a sua perspectiva enquanto profissional do serviço de vinhos:

“Este concurso permite a sommeliers provar vinhos que, normalmente, não provam, com preços até aos 5 euros. Para nós, que vamos provando os vinhos de diversas categorias, e neste concurso foram muito bem dividas de forma a não haver penalizações, acho que é útil para percebermos realmente o que anda no mercado. Os vinhos, quando postos em prova cega, como estes, causam outro impacto e fazem-nos perceber realmente qual o seu valor. Qualidades, defeitos e feitios vêm ao de cima. De forma geral, é também um ótimo instrumento para os restaurantes sem sommelier encontrarem ‘balizas’ e classificações, para colocarem vinhos em carta. Sabemos que nem todos os restaurantes têm capacidade para suportar um sommelier e, desde sempre, a revista Grandes Escolhas colocou-se no papel de auxiliar esses pequenos restaurantes, com os seus guias. O consumidor português continua a preferir tintos, quando se pergunta “branco ou tinto?”, mas é um facto que os produtores têm feito por mostrar a qualidade dos brancos. A aposta na viticultura de precisão contribui para isso e a qualidade da uva branca tem crescido, e o sentido de terroir, ‘sense of place’, começa a estar presente”.

Por sua vez, Vanessa Neves, da loja EMPOR Spirits & Wine, afirmou:

“Esta competição será muito importante para os consumidores fazerem uma escolha mais assertiva, e também terem conhecimento para poderem sentir-se mais confortáveis quando vêm a uma garrafeira fazer uma compra. Para nós, será também uma excelente ferramenta de escolha, pois muitas vezes não compramos vinhos por estarmos“tendenciosos” em relação a algumas marcas e posicionamentos no mercado e, assim, podemos basear-nos também na prova dos nossos colegas.

Fiquei muito impressionada quando recebi o convite, principalmente pelo facto de terem convidado pessoas que nem sempre estão em provas deste estilo, que provam muito para trabalhar e escolher que vinhos colocam na carta ou nas prateleiras, mas que nunca ou pouco tinham participado em provas mais técnicas, obtendo-se assim um resultado mais abrangente do que o normal”.

A Grandes Escolhas agradece a todos os profissionais que aceitaram integrar o júri do Concurso Brancos de Portugal – A Escolha do Mercado, e reconhece o esforço feito neste tempo de incerteza e insegurança e o facto de, em alguns casos, terem usado a sua folga para o efeito.