Parceiros Na Criação lança DOTE, um branco que casa duas regiões

[vc_row type=”in_container” full_screen_row_position=”middle” scene_position=”center” text_color=”dark” text_align=”left” overlay_strength=”0.3″ shape_divider_position=”bottom”][vc_column column_padding=”no-extra-padding” column_padding_position=”all” background_color_opacity=”1″ background_hover_color_opacity=”1″ column_shadow=”none” column_border_radius=”none” width=”1/1″ tablet_text_alignment=”default” phone_text_alignment=”default” column_border_width=”none” column_border_style=”solid”][vc_column_text]O casal Joana Pratas e João Nápoles de Carvalho, que forma a Parceiros Na Criação (PNC), acaba de lançar o DOTE, um branco de duas regiões: DOuro, o “berço” de João, e TEjo, onde nasceu Joana. O […]

[vc_row type=”in_container” full_screen_row_position=”middle” scene_position=”center” text_color=”dark” text_align=”left” overlay_strength=”0.3″ shape_divider_position=”bottom”][vc_column column_padding=”no-extra-padding” column_padding_position=”all” background_color_opacity=”1″ background_hover_color_opacity=”1″ column_shadow=”none” column_border_radius=”none” width=”1/1″ tablet_text_alignment=”default” phone_text_alignment=”default” column_border_width=”none” column_border_style=”solid”][vc_column_text]O casal Joana Pratas e João Nápoles de Carvalho, que forma a Parceiros Na Criação (PNC), acaba de lançar o DOTE, um branco de duas regiões: DOuro, o “berço” de João, e TEjo, onde nasceu Joana.

O nome é também inspirado nos primórdios do projecto. Situada em Barcos, no concelho de Tabuaço, a Quinta de Monte Travesso foi oferecida, à avó paterna de João, como dote de casamento. É nesta propriedade que a dupla vive e dá vida à PNC, um projecto familiar que conta com a participação activa dos seus filhos, a Maria Teresa e o António Maria. É numa parcela de vinhas velhas (1977) desta quinta, a Vinha da Casa, que têm origem as uvas durienses integrantes do Parceiros na Criação DOTE 2018, enquanto o Fernão Pires, do Tejo, é de uma vinha de um primo de Joana, no Cartaxo. Este branco, que vem estrear a marca de vinhos com o nome da empresa e do qual foram produzidas 1300 garrafas, tem um p.v.p. de 20 euros, e fermenta e estagia em barricas de carvalho húngaro. Está disponível para compra na loja online Viva o Vinho, e através de contacto directo com o produtor*.

Parceiros na vida e no vinho, Joana Pratas e João Nápoles de Carvalho têm já no seu portefólio vinhos e azeite com as marcas Casa da Esteira (nome da casa onde vivem), Esteira e h’OUR (colheitas antigas).

*Joana Pratas: +351937790005
João Nápoles de Carvalho: +351937403965
info@parceirosnacriacao.pt[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row][vc_row type=”in_container” full_screen_row_position=”middle” scene_position=”center” text_color=”dark” text_align=”left” overlay_strength=”0.3″ shape_divider_position=”bottom”][vc_column column_padding=”no-extra-padding” column_padding_position=”all” background_color_opacity=”1″ background_hover_color_opacity=”1″ column_shadow=”none” column_border_radius=”none” width=”1/1″ tablet_text_alignment=”default” phone_text_alignment=”default” column_border_width=”none” column_border_style=”solid”][divider line_type=”Full Width Line” line_thickness=”1″ divider_color=”default”][/vc_column][/vc_row][vc_row type=”in_container” full_screen_row_position=”middle” scene_position=”center” text_color=”dark” text_align=”left” overlay_strength=”0.3″ shape_divider_position=”bottom”][vc_column column_padding=”no-extra-padding” column_padding_position=”all” background_color_opacity=”1″ background_hover_color_opacity=”1″ column_shadow=”none” column_border_radius=”none” width=”1/2″ tablet_text_alignment=”default” phone_text_alignment=”default” column_border_width=”none” column_border_style=”solid”][vc_column_text]

Siga-nos no Instagram

[/vc_column_text][mpc_qrcode preset=”default” url=”url:https%3A%2F%2Fwww.instagram.com%2Fvgrandesescolhas|||” size=”75″ margin_divider=”true” margin_css=”margin-right:55px;margin-left:55px;”][/vc_column][vc_column column_padding=”no-extra-padding” column_padding_position=”all” background_color_opacity=”1″ background_hover_color_opacity=”1″ column_shadow=”none” column_border_radius=”none” width=”1/2″ tablet_text_alignment=”default” phone_text_alignment=”default” column_border_width=”none” column_border_style=”solid”][vc_column_text]

Siga-nos no Facebook

[/vc_column_text][mpc_qrcode preset=”default” url=”url:https%3A%2F%2Fwww.facebook.com%2Fvgrandesescolhas|||” size=”75″ margin_divider=”true” margin_css=”margin-right:55px;margin-left:55px;”][/vc_column][/vc_row]

Tapada do Chaves lança nova colheita, de vinhas com 120 anos

[vc_row type=”in_container” full_screen_row_position=”middle” scene_position=”center” text_color=”dark” text_align=”left” overlay_strength=”0.3″ shape_divider_position=”bottom”][vc_column column_padding=”no-extra-padding” column_padding_position=”all” background_color_opacity=”1″ background_hover_color_opacity=”1″ column_shadow=”none” column_border_radius=”none” width=”1/1″ tablet_text_alignment=”default” phone_text_alignment=”default” column_border_width=”none” column_border_style=”solid”][vc_column_text]São das vinhas mais velhas da região do Alentejo, plantadas na sub-região de Portalegre há 120 anos. É delas que vêm as uvas de Trincadeira e Grand Noir do Tapada do Chaves Vinhas Velhas tinto, agora lançado […]

[vc_row type=”in_container” full_screen_row_position=”middle” scene_position=”center” text_color=”dark” text_align=”left” overlay_strength=”0.3″ shape_divider_position=”bottom”][vc_column column_padding=”no-extra-padding” column_padding_position=”all” background_color_opacity=”1″ background_hover_color_opacity=”1″ column_shadow=”none” column_border_radius=”none” width=”1/1″ tablet_text_alignment=”default” phone_text_alignment=”default” column_border_width=”none” column_border_style=”solid”][vc_column_text]São das vinhas mais velhas da região do Alentejo, plantadas na sub-região de Portalegre há 120 anos. É delas que vêm as uvas de Trincadeira e Grand Noir do Tapada do Chaves Vinhas Velhas tinto, agora lançado na colheita de 2013. 

A vinificação deste vinho muito especial passa por uma fermentação alcoólica com as leveduras indígenas da uva, em cuba de inox, antes de uma maceração de 30 dias, que precede o estágio de 18 meses em barricas de carvalho português e francês, e outro de 24 meses em garrafa. 

A Fundação Eugénio de Almeida, que adquiriu a Tapada do Chaves em 2017, explica que o ano vitícola de 2013 se caracterizou “por um Inverno e Primavera com elevada pluviosidade, o que permitiu repor parte das reservas de água no solo, mas também por ondas de calor que condicionaram o ciclo vegetativo das videiras. Tal refletiu-se em maturações lentas, mas de elevado potencial qualitativo”.

O Tapada do Chaves Vinhas Velhas tinto 2013 está disponível em garrafeiras, restaurantes habituais e na loja online da marca, com um preço recomendado de 110 euros. [/vc_column_text][/vc_column][/vc_row][vc_row type=”in_container” full_screen_row_position=”middle” scene_position=”center” text_color=”dark” text_align=”left” overlay_strength=”0.3″ shape_divider_position=”bottom”][vc_column column_padding=”no-extra-padding” column_padding_position=”all” background_color_opacity=”1″ background_hover_color_opacity=”1″ column_shadow=”none” column_border_radius=”none” width=”1/1″ tablet_text_alignment=”default” phone_text_alignment=”default” column_border_width=”none” column_border_style=”solid”][divider line_type=”Full Width Line” line_thickness=”1″ divider_color=”default”][/vc_column][/vc_row][vc_row type=”in_container” full_screen_row_position=”middle” scene_position=”center” text_color=”dark” text_align=”left” overlay_strength=”0.3″ shape_divider_position=”bottom”][vc_column column_padding=”no-extra-padding” column_padding_position=”all” background_color_opacity=”1″ background_hover_color_opacity=”1″ column_shadow=”none” column_border_radius=”none” width=”1/2″ tablet_text_alignment=”default” phone_text_alignment=”default” column_border_width=”none” column_border_style=”solid”][vc_column_text]

Siga-nos no Instagram

[/vc_column_text][mpc_qrcode preset=”default” url=”url:https%3A%2F%2Fwww.instagram.com%2Fvgrandesescolhas|||” size=”75″ margin_divider=”true” margin_css=”margin-right:55px;margin-left:55px;”][/vc_column][vc_column column_padding=”no-extra-padding” column_padding_position=”all” background_color_opacity=”1″ background_hover_color_opacity=”1″ column_shadow=”none” column_border_radius=”none” width=”1/2″ tablet_text_alignment=”default” phone_text_alignment=”default” column_border_width=”none” column_border_style=”solid”][vc_column_text]

Siga-nos no Facebook

[/vc_column_text][mpc_qrcode preset=”default” url=”url:https%3A%2F%2Fwww.facebook.com%2Fvgrandesescolhas|||” size=”75″ margin_divider=”true” margin_css=”margin-right:55px;margin-left:55px;”][/vc_column][/vc_row]

Quinta do Crasto lança Vinha da Ponte 2016

O tinto Vinha da Ponte é um dos vinhos mais especiais da Quinta do Crasto. Com origem numa das duas mais velhas vinhas da quinta (para cima dos 100 anos), com uma grande diversidade de castas e muito baixo rendimento por cepa, é uma autêntica preciosidade apenas produzida em anos de qualidade excepcional.  O nome, […]

O tinto Vinha da Ponte é um dos vinhos mais especiais da Quinta do Crasto. Com origem numa das duas mais velhas vinhas da quinta (para cima dos 100 anos), com uma grande diversidade de castas e muito baixo rendimento por cepa, é uma autêntica preciosidade apenas produzida em anos de qualidade excepcional. 

O nome, por sua vez, vem de uma ponte romana que ainda se mantém preservada na propriedade, junto a esta vinha. 

O Quinta do Crasto Vinha da Ponte 2016 — um vinho de luxo que viu o seu primeiro exemplar em 1998 e, até hoje, teve apenas nove edições — estagia em barricas novas de carvalho francês durante vinte meses, as quais são depois seleccionadas para que apenas as melhores integrem o lote final. 

Já disponível nas principais garrafeiras nacionais, o Vinha da Ponte 2016 tem um p.v.p. recomendado de €199, com distribuição em Portugal exclusiva da Heritage Wines. 

vinho da casa #34 – Quinta do Paral Vinhas Velhas tinto 2017

vinho da casa #22 – Quinta do Boição Vinhas Velhas tinto 2015

vinho da casa #13 – Quinta do Crasto Vinhas Velhas Reserva tinto 2017

vinho da casa #7 – Luis Pato Vinhas Velhas tinto 2017

Vinhas Velhas ou Vinhas Antigas?

Julgo que nunca os rótulos e contra-rótulos das garrafas falaram tanto de vinha velha como hoje. Intensamente arrancadas nas últimas décadas, as vinhas velhas são agora uma espécie de pequeno “luxo” para quem procura estatuto e preço. TEXTO: João Afonso Um dos tópicos mais interessantes da vitivinicultura, e por inerência, no comércio de vinho que […]

Julgo que nunca os rótulos e contra-rótulos das garrafas falaram tanto de vinha velha como hoje. Intensamente arrancadas nas últimas décadas, as vinhas velhas são agora uma espécie de pequeno “luxo” para quem procura estatuto e preço.

TEXTO: João Afonso

Um dos tópicos mais interessantes da vitivinicultura, e por inerência, no comércio de vinho que lhe está ligado, é o conceito de “vinha velha”.
Interessante porque, em primeiro lugar, a maioria das pessoas atribui este conceito à unidade “tempo de existência” da vinha; e em segundo lugar porque os conceitos regionais deste pressuposto se confundem. Por exemplo, na sub-região de Monção e Melgaço, assim como no Alentejo, o conceito tem um valor, enquanto no Douro ou no Dão tem um valor totalmente diferente. Um vinha com 30 anos será uma vinha velha nas primeiras regiões e apenas uma vinha adulta nas segundas. Mas, apesar desta ambiguidade, nos rótulos o termo “vinha velha” procura chamar a atenção do consumidor para algo raro e especial que produz um vinho também ele especial e raro.

É também curioso observar como evolui o pensamento vitícola e as modas de consumo que o repercutem. Até aos anos 80, a “vinha velha” era um conceito pouco ou nada explorado pela vitivinicultura nacional. Normalmente, uma vinha velha era sinónimo de pouca produção e, portanto, de prejuízo para quem dela tentava colher o “pão” que punha à mesa. A partir da década de 90 foram as vinhas modernas, a maioria delas, se não mesmo a totalidade, já regada, com (poucas) castas de clones selecionados, plantadas por talhão, que deslumbrou todo sector vitícola e enológico nacional, assim como os enófilos fiéis e praticantes. Agora passadas quase duas décadas do virar do século e de mais de 3 décadas de modernidade, sugere-se, pela quantidade de rótulos com o termo “Vinha Velha” (no singular ou no plural) que o vinho de maior valorização vem da tal vinha velha que muitos desprezaram antes de todo o movimento renovador.

Escrevo em Abril de 2019. E nesta data ainda me é possível definir com alguma precisão (cultural e não temporal) o que eu entendo ser uma vinha velha. Mas não sei se em Abril de 2069, se alguém decidir escrever sobre o tema, o poderá fazer nas mesmas condições. No Douro ainda existem cerca de 15.000 hectares de vinhas ditas “velhas”. Na Beira de Pinhel, nos Trás-os-Montes de Bouça (Mirandela) a Rebordelo, na Serra de S. Mamede, na Bairrada e Dão, ainda podemos encontrar vinhas velhas (aqui não existem dados cadastrais) mas daqui a 50 anos o panorama será obrigatoriamente diferente e o conceito de “Vinha Velha” poderá ser ou será bastante diferente daquele que hoje defendo. Tudo dependerá do modo com as presentes gerações protegerem a diversidade ampelográfica e genética recolhida e construída pelas gerações que nos antecederam. Se não o fizermos, o meu colega jornalista de 2069 escreverá sobre vinhas velhas de um modo bem diferente do meu. E muito provavelmente é o que acontecerá! “Tudo tende a desaparecer” como dizia muito bem, o realizador Wim Wenders numa entrevista recente sobre cultura portuguesa.

Defendo para este conceito uma identidade portuguesa com fundamento histórico. Mas existem exceções em Portugal de vinhas velhas com castas estrangeiras. Vinhas com mais de 50 anos (se aceitarmos que 50 anos é uma idade “velha” para uma vinha) das castas francesas Syrah e Cabernet Sauvignon. E num conceito simples e restrito de “tempo” temos de aceitar que estas vinhas são velhas. Aliás até há muita vinhas de Syrah com envelhecimento precoce (perdoem a ironia) um pouco por todo o mundo, mas adiante, que este é outro assunto um pouco mais alarmante.

Se nos cingirmos ao conceito de “tempo”, o conceito de vinha velha é muito discutível e não possui, na minha opinião, suficiente robustez. Temos de o tornar mais completo, mais rico, para lhe darmos solidez e o tornarmos realmente único e especial. Será que há mais valia de “tempo” e “história” num vinho de Touriga Nacional vindo de uma vinha de 30 anos, regada, com clones selecionados, que o proprietário assegura que é “velha” porque foi plantada há 30 anos?

A “Vinha Velha” que aqui tento apresentar e defender é, como referi, uma “Vinha Velha Portuguesa”, ou será que devo escrever “Vinha Velha Mediterrânica” porque não é só em Portugal que ainda existem vinhas multifacetadas com uma incrível diversidade de castas brancas e tintas dentro do seu (por vezes muito pequeno) perímetro, numa coleção varietal selecionada “empiricamente” pelos nossos avós e bisavós, e por vezes mesmo, pelo acaso dos garfos que estavam mais “à mão” do enxertador que enxertava o “pau” (garfo) de videira europeia no cavalo americano.

Estas vinhas, de condução em taça, não aramadas, não regadas, sem clones selecionados, normalmente muito baixas (para não puxarem muito pela “bomba” de fluidos da planta) eram a maioria das vezes, acompanhadas de outras culturas, normal¬mente oliveiras, por vezes mais algumas árvores de fruto como macieira, pereira, ou no caso de vinhas de altitude, cerejeira e castanheiro.

Note-se que na consociação com olival a combinação é perfeita pois as raízes superficiais da oliveira não competem com as raízes profundas da videira. E era feita uma ocupação de solo com duas das três principais culturas mediterrânicas (vinha, olival, e trigo). Brilhante estratagema dos antigos viticultores.

Estas “Vinhas Antigas”, termo que prefiro a “Vinha Velha”, eram custosas de trabalhar. Tudo feito à mão, pulverizações com o pulverizador às costas, erva gadanhada e dada ao gado assim que o calor a fazia crescer (ainda no começo do ciclo vegetativo da videira), e mais tarde, antes calor a sério, vinha lavrada com homem, arado e macho; e nalguns casos de vinhas desordenadas ou não alinhadas, mais alguém à frente a conduzir o macho ou mula, entre o aperto das videiras, para que os flancos deste não batessem ou arrancassem os tenros rebentos primaveris. Estas vinhas consociadas, tinham também a grande vantagem, nas regiões do interior com maior insolação e mais expostas às altas temperaturas de Verão, de usufruírem da sombra das oliveiras nas horas de maior aperto de calor.

De um pequeno pedaço de terra tirava-se alguma fruta, azeito¬na, azeite, vinho e aguardente (depois de destilado o bagaço). É este modo de vitivinicultura (ou melhor dizendo, policultura), que terminou com a implantação da agro-indústria nos anos 50 do século passado, que no meu entender melhor se enquadra no conceito de “vinha velha”; sempre sinónimo de vinha multi varie¬tal, à partida não aramada, mas sempre de sequeiro, sem clones seleccionados e de preferência consociada com outras culturas.

Provar vinhos destas vinhas é sempre muito estimulante. Cada vinha tem uma coleção de castas diferente que contribui com um carácter diferente para o vinho que dela se faz. Não é que as vinhas novas não façam vinhos diferentes, claro que sim! Mas os vinhos tirados de vinhas realmente velhas (ou melhor, de vinhas antigas) têm um carácter único, especial, mais insondável e obviamente menos focado no tantas vezes cansativo e banal “fruto”!
Os vinhos de Vinhas Velhas ou de Vinhas Antigas, são vinhos que espelham a fantástica expressão de terroir mediterrânico, que nada tem a ver com o mais famoso e caro terroir francófono, mas que em nada lhe fica atrás.

Defendo inclusivamente um futuro com certificações especiais para este tipo de vinhas e de vinhos. São património nacional. Devem ser protegidos!

Encruzado, a ilustre joia do Dão

[vc_row type=”in_container” full_screen_row_position=”middle” scene_position=”center” text_color=”dark” text_align=”left” overlay_strength=”0.3″ shape_divider_position=”bottom”][vc_column column_padding=”no-extra-padding” column_padding_position=”all” background_color_opacity=”1″ background_hover_color_opacity=”1″ column_shadow=”none” column_border_radius=”none” width=”1/1″ tablet_text_alignment=”default” phone_text_alignment=”default” column_border_width=”none” column_border_style=”solid”][vc_column_text]A casta Encruzado é certamente uma das mais promissoras variedades brancas portuguesas, originando vinhos elegantes, equilibrados, complexos e longevos. E pode vir a ser uma das bandeiras de Portugal nos mercados de todo o mundo. TEXTO Dirceu […]

[vc_row type=”in_container” full_screen_row_position=”middle” scene_position=”center” text_color=”dark” text_align=”left” overlay_strength=”0.3″ shape_divider_position=”bottom”][vc_column column_padding=”no-extra-padding” column_padding_position=”all” background_color_opacity=”1″ background_hover_color_opacity=”1″ column_shadow=”none” column_border_radius=”none” width=”1/1″ tablet_text_alignment=”default” phone_text_alignment=”default” column_border_width=”none” column_border_style=”solid”][vc_column_text]A casta Encruzado é certamente uma das mais promissoras variedades brancas portuguesas, originando vinhos elegantes, equilibrados, complexos e longevos. E pode vir a ser uma das bandeiras de Portugal nos mercados de todo o mundo.

TEXTO Dirceu Vianna Junior MW
FOTOS Ricardo Palma Veiga

Eu estava participando numa degustação em Londres, há uns meses. O final da tarde se aproximava e após o dia todo degustando vinhos de várias partes do mundo estava quase na hora de ir embora quando um amigo chegou, aproximou-se para cumprimentar e aproveitou para pedir algumas dicas do que ele deveria degustar, visto que a sessão estava prestes a encerrar, portanto o tempo era curto. Sem hesitar disse que eu mesmo o levaria até a mesa do meu vinho favorito daquele dia. Ele aceitou e lá fomos nós. Ele estava com um ar curioso, provavelmente pensando no que eu lhe iria apresentar e eu estava interessado em surpreendê-lo e observar a sua reação. Passamos pelas mesas de alguns ícones italianos, produtores de Borgonha, excelentes Champagnes, vários vinhos de bons produtores do Novo Mundo e chegamos ao destino.
O vinho que lhe dei a provar era branco. Na minha opinião, exibia extrema elegância, equilíbrio e complexidade. Era encorpado, denso, com textura cremosa, e possuía uma combinação de frutas cítricas, frutas de caroço, avelã e apontamentos florais e minerais. A madeira estava muito bem casada e o final de boca era persistente, com uma frescura incrível. O meu amigo degustou em silêncio, fechou os olhos e após alguns segundos soltou entusiásticos elogios a um grande vinho. Concordou que realmente era um vinho fabuloso e ainda brincou… “Depois desse vinho, acho melhor ir para casa.”
Confesso que fiquei contente por tê-lo deixado devidamente impressionado. O meu amigo era o carismático e conhecido jornalista Oz Clarke; o vinho era da região do Dão; a casta, Encruzado.
O meu entusiasmo por essa casta já havia sido instituído alguns anos antes, quando tive a responsabilidade e honra de selecionar 50 Grandes Vinhos Portugueses para o mercado brasileiro a convite da ViniPortugal, com o objetivo de ajudar a educar e promover os vinhos de Portugal no Brasil. Foi a primeira vez que tive a oportunidade de degustar múltiplos exemplos dessa casta de uma só vez. Confesso que fiquei tão impressionado com a qualidade quanto pela escassa área de superfície plantada que essa casta ocupava naquela época. Desde então as plantações não evoluíram muito. De acordo com a Comissão Vitivinícola da Região do Dão, existem somente 226,47 hectares de vinhedos plantados na região. Estes números podem estar desactualizados, mas é um facto que a disponibilidade de uva Encruzado é hoje muito inferior à procura.[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row][vc_row type=”in_container” full_screen_row_position=”middle” scene_position=”center” text_color=”dark” text_align=”left” overlay_strength=”0.3″ shape_divider_position=”bottom”][vc_column column_padding=”no-extra-padding” column_padding_position=”all” background_color_opacity=”1″ background_hover_color_opacity=”1″ column_shadow=”none” column_border_radius=”none” width=”1/1″ tablet_text_alignment=”default” phone_text_alignment=”default” column_border_width=”none” column_border_style=”solid”][image_with_animation image_url=”29025″ alignment=”” animation=”Fade In” border_radius=”none” box_shadow=”none” max_width=”100%”][/vc_column][/vc_row][vc_row type=”in_container” full_screen_row_position=”middle” scene_position=”center” text_color=”dark” text_align=”left” overlay_strength=”0.3″ shape_divider_position=”bottom”][vc_column column_padding=”no-extra-padding” column_padding_position=”all” background_color_opacity=”1″ background_hover_color_opacity=”1″ column_shadow=”none” column_border_radius=”none” width=”1/1″ tablet_text_alignment=”default” phone_text_alignment=”default” column_border_width=”none” column_border_style=”solid”][vc_column_text]Uma casta recente
É importante levar em consideração que historicamente essa casta aparecia somente em vinhedos mistos. Foi apenas na década dos anos 1950 que o eng. Alberto Cardoso de Vilhena, pesquisador do Centro de Estudos Vitivinícolas de Nelas, iniciou um projeto que incluia plantações desta variedade em parcelas únicas e instituiu micro-vinificações para explorar essa casta separadamente.
Manuel Vieira, carismático e habilidoso enólogo que por muitos anos foi responsável pelo projeto da empresa Sogrape na região do Dão (hoje apoia a vinícola Caminhos Cruzados), lembra-se das suas impressões durante uma prova feita no início da década de 90, quando teve a oportunidade de degustar alguns ensaios do engenheiro Vilhena, incluindo amostras das colheitas da década de 60. Recorda-se muito bem dos vinhos, que, apesar de já estarem em garrafa por décadas, apresentavam um perfil elegante, complexo e ainda bastante vivo. A longevidade desses brancos impressionou não somente Manuel Vieira como também o responsável da Sogrape, Fernando Guedes, e o enólogo José Maria Soares Franco, que estavam presentes. Esse admirável e excepcional trabalho feito por Alberto Vilhena ajudou a moldar os vinhos do Dão e sua influência perdura até aos dias de hoje.
Pouco sabemos sobre a origem e história do Encruzado. Até hoje não foi possível encontrar qualquer menção na literatura do século XIX, mas Manuel Vieira ainda não desistiu e recentemente decidiu formar um grupo para investigar em maiores detalhes o passado dessa ilustre casta. Os indícios mais antigos que temos conhecimento até o momento vêm de um período próximo da II Guerra Mundial, quando a casta aparece mencionada em conexão com a região de Viseu. Nesse contexto, podemos considerar que o Encruzado foi um descobrimento extremamente recente em comparação com castas como, por exemplo, Khikhvi, Rkatsiteli ou Mtsvane Kakhuri, plantadas na Geórgia e com relatos históricos que se estendem desde o ano 5 AC.
Apesar de as variedades portuguesas frequentemente co-existirem em regiões distintas, essa casta raramente aparece fora da região do Dão. Além de aparecer nos vinhos de classificação Dão DOC, é teoricamente possível encontrar Encruzado de plantações recentes nos vinhos regionais de Beiras, Terras do Sado e Alentejo, mas isso raramente ocorre.[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row][vc_row type=”in_container” full_screen_row_position=”middle” equal_height=”yes” scene_position=”center” text_color=”dark” text_align=”left” overlay_strength=”0.3″ shape_divider_position=”bottom” shape_type=””][vc_column column_padding=”no-extra-padding” column_padding_position=”all” background_color_opacity=”1″ background_hover_color_opacity=”1″ column_shadow=”none” column_border_radius=”none” width=”1/2″ tablet_text_alignment=”default” phone_text_alignment=”default” column_border_width=”none” column_border_style=”solid”][vc_column_text]Boa na vinha, óptima na adega
De acordo com Nuno Cancela de Abreu, enólogo da empresa Boas Quintas (marca Fonte do Ouro), o Encruzado é uma casta fácil do ponto de vista da viticultura. É fácil de conduzir, tem produções regulares capazes de atingir facilmente sete toneladas por hectare e resiste bem às doenças. Maria Castro, da Quinta da Pellada, concorda que a casta seja resistente às doenças, mas revela que na sua propriedade a planta apresenta vigor moderado e um nível de produção ligeiramente mais baixo. Ambos concordam que a principal desvantagem é o facto de os rebentos novos partirem com facilidade com o vento, por vezes causando grandes prejuízos.
De acordo com Peter Eckert, proprietário da Quinta das Marias, a maturação em clima temperado é regular e lenta. O clima da região do Dão, com os dias quentes e as noites frias, ajuda a proporcionar condições ideais para uma boa síntese de precursores aromáticos e manutenção da acidez. De acordo com Maria Castro, em solos graníticos, que não retêm muito bem a água, é necessária alguma chuva durante o período do desenvolvimento vegetativo para evitar que a planta sofra stress hídrico. Os cachos são tipicamente pequenos, mas aparecem em grande número. O bago é médio, ligeiramente achatado, envolvido por uma película firme, apresenta cor verde com tons amarelos e no seu interior uma polpa mole.[/vc_column_text][/vc_column][vc_column column_padding=”no-extra-padding” column_padding_position=”all” background_color_opacity=”1″ background_hover_color_opacity=”1″ column_shadow=”none” column_border_radius=”none” width=”1/2″ tablet_text_alignment=”default” phone_text_alignment=”default” column_border_width=”none” column_border_style=”solid”][divider line_type=”No Line” custom_height=”20″][image_with_animation image_url=”29026″ alignment=”” animation=”Fade In” border_radius=”none” box_shadow=”none” max_width=”100%”][/vc_column][/vc_row][vc_row type=”in_container” full_screen_row_position=”middle” scene_position=”center” text_color=”dark” text_align=”left” overlay_strength=”0.3″ shape_divider_position=”bottom”][vc_column column_padding=”no-extra-padding” column_padding_position=”all” background_color_opacity=”1″ background_hover_color_opacity=”1″ column_shadow=”none” column_border_radius=”none” width=”1/1″ tablet_text_alignment=”default” phone_text_alignment=”default” column_border_width=”none” column_border_style=”solid”][vc_column_text]A casta tipicamente amadurece muito bem e revela bom equilíbrio entre açúcar e acidez. A literatura indica que a maturação é precoce, ocorrendo simultaneamente com a casta Fernão Pires, mas Nuno Cancela de Abreu observa que nos seus vinhedos a maturação é mais tardia em comparação com as outras castas brancas do Dão.
Na adega a grande desvantagem, de acordo com Nuno Cancela de Abreu, é a facilidade com que se oxida, tanto ao nível do mosto como no vinho. No entanto, a evolução da tecnologia, com a utilização de gás inerte, melhores prensas e controlo de temperaturas, ajuda a proteger a qualidade e a fermentação acontece sem sobressaltos. Já para Maria Castro, a casta não é especialmente oxidativa, podendo às vezes até ser um pouco redutiva, e opta na Pellada por uma intervenção mínima, com o mosto mais inteiro possível e sem batonnage. Para Manuel Viera, a Encruzado, após a fermentação, mostra-se neutra, levemente vegetal, subtil e sem muito interesse. O segredo é ter paciência.
Paulo Nunes, enólogo responsável pelos vinhos da Casa da Passarella, adianta que a grande vantagem do Encruzado é a sua plasticidade, ou seja, a sua capacidade de responder de forma positiva a diferentes abordagens e métodos de vinificação. Para Peter Eckert, a Encruzado é uma casta bastante versátil, capaz de fazer bons vinhos em lote, mas prefere quando é 100% varietal. Desde 2006, produz um estilo mais fresco e linear fermentado em cubas de inox, e um estilo mais encorpado e denso fermentado e envelhecido em combinação de barricas novas e velhas de 225 litros. Peter Eckert opta por engarrafar ambos separadamente. Apesar de gostar de usar as borras e fazer batonnage em ambos os vinhos, a tendência que vem seguindo é diminuir a frequência dessas intervenções. Em relação à madeira, prefere vinhos que respeitem a sua origem, sem que a barrica se sobreponha. Em barrica ou inox, os dois estilos de Quinta das Marias Encruzado são igualmente bem aceites pelo mercado, mas Peter Eckert reconhece que o vinho com estágio em barrica tem mais sucesso em provas cegas e concursos.
Nuno Cancela de Abreu diz que a vinificação é fácil tanto em inox quanto em barrica, mas prefere a fermentação em madeira nova com batonnage para lhe dar volume, complexidade e assegurar potencial máximo, o que certamente possibilita evolução positiva e longeva na garrafa. Manuel Vieira assegura que tempo em garrafa é necessário para revelar as qualidades e personalidade da casta, mas é possível notar que o vinho às vezes se fecha após um tempo e renasce após quatro ou cinco anos. Uma coisa é certa: o Encruzado quando vinificado sem madeira e sem tempo de garrafa raramente é um vinho interessante. Para revelar o seu carácter e demonstrar o seu potencial é necessário o uso da madeira ou é preciso dar tempo para que o vinho se desenvolva. De preferência, ambos.[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row][vc_row type=”in_container” full_screen_row_position=”middle” scene_position=”center” text_color=”dark” text_align=”left” overlay_strength=”0.3″ shape_divider_position=”bottom”][vc_column column_padding=”no-extra-padding” column_padding_position=”all” background_color_opacity=”1″ background_hover_color_opacity=”1″ column_shadow=”none” column_border_radius=”none” width=”1/1″ tablet_text_alignment=”default” phone_text_alignment=”default” column_border_width=”none” column_border_style=”solid”][vc_column_text]Personalidade e longevidade
Encruzado, bem como o Alvarinho e Arinto, cria vinhos com muita personalidade, harmonia e complexidade. Essas castas são capazes de produzir brancos longevos e que reflectem precisamente as suas origens. Desde o meu primeiro encontro com o Encruzado até hoje, continuo intrigado pelo facto dessa casta, que é capaz de fazer alguns dos melhores e mais longevos vinhos brancos de Portugal, não ser mais plantada na região do Dão. É que, apesar do entusiasmo dos produtores locais, a área de Encruzado é ainda diminuta quando comparada com Malvasia Fina, ou outras castas regionais.
Portugal é um país que a maioria dos consumidores internacionais associa a vinhos fortificados e vinhos tintos. Com a capacidade que Portugal tem de elaborar vinhos brancos de alta qualidade e surpreender os apreciadores com seu potencial de guarda, como aconteceu no caso do critico Oz Clarke, não deveria apostar mais em variedades como o Encruzado? Certamente seria divertido para quem educa, prazeroso para quem bebe e lucrativo para quem produz. O Encruzado é uma grande joia do património ampelográfico português e pode ser um importante trunfo para o reconhecimento internacional dos brancos deste país.[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row][vc_row type=”in_container” full_screen_row_position=”middle” scene_position=”center” text_color=”dark” text_align=”left” overlay_strength=”0.3″ shape_divider_position=”bottom”][vc_column column_padding=”no-extra-padding” column_padding_position=”all” background_color_opacity=”1″ background_hover_color_opacity=”1″ column_shadow=”none” column_border_radius=”none” width=”1/1″ tablet_text_alignment=”default” phone_text_alignment=”default” column_border_width=”none” column_border_style=”solid”][heading]Em Prova[/heading][/vc_column][/vc_row][vc_row type=”in_container” full_screen_row_position=”middle” scene_position=”center” text_color=”dark” text_align=”left” overlay_strength=”0.3″ shape_divider_position=”bottom”][vc_column column_padding=”no-extra-padding” column_padding_position=”all” background_color_opacity=”1″ background_hover_color_opacity=”1″ column_shadow=”none” column_border_radius=”none” width=”1/1″ tablet_text_alignment=”default” phone_text_alignment=”default” column_border_width=”none” column_border_style=”solid”][vc_column_text]

[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row][vc_row type=”in_container” full_screen_row_position=”middle” scene_position=”center” text_color=”dark” text_align=”left” overlay_strength=”0.3″ shape_divider_position=”bottom”][vc_column column_padding=”no-extra-padding” column_padding_position=”all” background_color_opacity=”1″ background_hover_color_opacity=”1″ column_shadow=”none” column_border_radius=”none” width=”1/1″ tablet_text_alignment=”default” phone_text_alignment=”default” column_border_width=”none” column_border_style=”solid”][vc_column_text]

Edição Nº 16, Agosto 2018

[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]

Segredos do Douro Superior

[vc_row type=”in_container” full_screen_row_position=”middle” scene_position=”center” text_color=”dark” text_align=”left” overlay_strength=”0.3″ shape_divider_position=”bottom”][vc_column column_padding=”no-extra-padding” column_padding_position=”all” background_color_opacity=”1″ background_hover_color_opacity=”1″ column_shadow=”none” column_border_radius=”none” width=”1/1″ tablet_text_alignment=”default” phone_text_alignment=”default” column_border_width=”none” column_border_style=”solid”][vc_column_text]A mais remota sub-região do Douro tem uma identidade muito própria, que se reflecte na paisagem, no clima, nos solos e, obviamente, nos vinhos. A diversidade de estilos é grande e se a opulência e intensidade de […]

[vc_row type=”in_container” full_screen_row_position=”middle” scene_position=”center” text_color=”dark” text_align=”left” overlay_strength=”0.3″ shape_divider_position=”bottom”][vc_column column_padding=”no-extra-padding” column_padding_position=”all” background_color_opacity=”1″ background_hover_color_opacity=”1″ column_shadow=”none” column_border_radius=”none” width=”1/1″ tablet_text_alignment=”default” phone_text_alignment=”default” column_border_width=”none” column_border_style=”solid”][vc_column_text]A mais remota sub-região do Douro tem uma identidade muito própria, que se reflecte na paisagem, no clima, nos solos e, obviamente, nos vinhos. A diversidade de estilos é grande e se a opulência e intensidade de aromas e sabores já seria esperada, a frescura, elegância e mineralidade de muitos tintos e brancos é uma grata surpresa.

TEXTO Dirceu Vianna Junior MW
FOTOS Ricardo Palma Veiga

Além de grandes vinhos, a região do Douro ostenta extrema diversidade e lindas paisagens. O Douro distribui-se por três sub-regiões, diferenciadas principalmente pelo clima e pela evolução dos seus aspectos históricos e culturais que se desenvolveram através dos séculos. Das três sub-regiões, o Douro Superior, devido à sua posição geográfica mais remota, aparenta estar ligeiramente isolado, tirando partido de uma menor intervenção humana para revelar toda a sua biodiversidade.
Apesar do percurso oferecer uma paisagem agradável, a viagem entre a cidade do Porto e Vila Nova de Foz Côa, centro geográfico da região do Douro Superior, é longa, mais de duas horas. A região permaneceu praticamente isolada até ao século XVIII. O inicio da expansão aconteceu somente em 1780, no reinado de D. Maria, quando o monólito de granito existente no rio, e que impedia a navegação, foi removido. Com o rio navegável a região tornou-se mais acessível, mas mesmo assim o acesso nunca foi fácil. Uma viagem desde a cidade do Porto até Barca d’Alva, no ano de 1848, durava praticamente o dia todo. Hoje, apesar da viagem por estrada ser muito mais fácil e rápida que no passado, ainda existe a percepção de que a região continua um pouco afastada em comparação com outros centros vinhateiros, como Mesão Frio, Régua ou Pinhão.
A região do Douro Superior estende-se desde o Cachão da Valeira, na borda do Cima Corgo, e prossegue até à fronteira com Espanha. É uma região árida e agreste. O facto de ser mais afastada ajuda a que sua paisagem e biodiversidade sejam melhor preservadas. E isso contribui para o carácter, charme e personalidade da região.
Fazendo uma comparação das sub-regiões do Douro com regiões produtoras de vinhos franceses, se uma visita ao Cima Corgo, com suas famosas e magníficas quintas, seria equivalente a uma visita aos belos chateaux de Bordeaux, então visitar um pequeno produtor no Douro Superior corresponde a uma visita à Borgonha. As pessoas são simples, amigáveis e hospitaleiras. As refeições que seguem as visitas muitas vezes ocorrem nas mesas dos próprios produtores e são eventos íntimos, informais, que reúnem amigos e representam uma experiência cultural e gastronómica real e verdadeira.[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row][vc_row type=”in_container” full_screen_row_position=”middle” scene_position=”center” text_color=”dark” text_align=”left” overlay_strength=”0.3″ shape_divider_position=”bottom”][vc_column column_padding=”no-extra-padding” column_padding_position=”all” background_color_opacity=”1″ background_hover_color_opacity=”1″ column_shadow=”none” column_border_radius=”none” width=”1/1″ tablet_text_alignment=”default” phone_text_alignment=”default” column_border_width=”none” column_border_style=”solid”][image_with_animation image_url=”27967″ alignment=”” animation=”Fade In” border_radius=”none” box_shadow=”none” max_width=”100%”][/vc_column][/vc_row][vc_row type=”in_container” full_screen_row_position=”middle” scene_position=”center” text_color=”dark” text_align=”left” overlay_strength=”0.3″ shape_divider_position=”bottom”][vc_column column_padding=”no-extra-padding” column_padding_position=”all” background_color_opacity=”1″ background_hover_color_opacity=”1″ column_shadow=”none” column_border_radius=”none” width=”1/1″ tablet_text_alignment=”default” phone_text_alignment=”default” column_border_width=”none” column_border_style=”solid”][vc_column_text]O clima da sub-região do Douro Superior é continental, notoriamente quente e mais seco. Manuel Carvalho, jornalista e crítico de vinhos com amplo conhecimento dos vinhos do Douro, observa que a fruta do Douro Superior é tipicamente mais madura, com bastante intensidade e as vezes pode até lembrar um pouco o estilo frutado de um vinho do Alentejo. Dirk Niepoort é mais radical e acredita que os vinhos da região são caracteristicamente pesados e demasiadamente alcoólicos, embora não descarte a qualidade de alguns vinhos de zonas mais altas e em locais onde solos graníticos predominam. Mas será de estereotipar assim uma região tão vasta e diversa?
Devido à posição geográfica, existe maior amplitude entre o calor do dia e o frescor das noites, deixando assim a vinha descansar e ajudando até certo ponto a fruta a preservar a sua acidez. O clima é mais estável e uniforme ao longo do ano, sobretudo na época da colheita. Para João Nicolau de Almeida, da Quinta do Monte Xisto, essas amplitudes térmicas mais acentuadas contribuem para que o solo, predominantemente xisto, esteja mais desfeito e mais evoluído, tornando mais fácil trabalhar. Nas regiões mais altas, encontra-se também granito e até mesmo manchas de calcário, como refere Carlos Magalhães, do Palato do Côa, que cita os solos de Muxagata como exemplo. Para Ana Almeida, enóloga da propriedade Cortes do Tua, esta mistura de solos ajuda a conferir frescura e mineralidade aos seus vinhos, especialmente os brancos.
Em comparação com as outras sub-regiões, a morfologia do terreno apresenta inclinações mais suaves, o que torna mais fácil mecanizar. Outra vantagem, de acordo com João Nicolau de Almeida, é a possibilidade de haver plantações de maior densidade e assim uma melhor concentração de aromas e sabores. Além disso, essa topografia menos acidentada resulta em menos problemas de erosão.[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row][vc_row type=”in_container” full_screen_row_position=”middle” equal_height=”yes” scene_position=”center” text_color=”dark” text_align=”left” overlay_strength=”0.3″ shape_divider_position=”bottom” shape_type=””][vc_column column_padding=”no-extra-padding” column_padding_position=”all” background_color_opacity=”1″ background_hover_color_opacity=”1″ column_shadow=”none” column_border_radius=”none” width=”1/2″ tablet_text_alignment=”default” phone_text_alignment=”default” column_border_width=”none” column_border_style=”solid”][vc_column_text]Altitude faz a diferença
O Douro Superior é a maior das regiões demarcadas do Douro, englobando uma área total de 110.000 hectares, mas apenas 10.200 hectares estão plantados. Isso significa que os vinhedos cobrem apenas 9,3% da região. Tal como as outras sub-regiões, o Douro Superior também é uma região fragmentada. Apesar de a região se ter desenvolvido mais tarde, existem, de acordo com o Instituto do Vinho do Douro e do Porto, 3.458 produtores de uva em actividade.
Uma das grandes vantagens do Douro Superior, de acordo com Carlos Magalhaes, é o seu clima mais constante em comparação com as outras sub-regiões. Isso significa que as plantas necessitam de menos intervenções na vinha para manter a saúde fitossanitária. Clima consistente permite ter mais homogeneidade nos vinhos produzidos, isto é, está menos dependente dos fatores climáticos que nas outras sub-regiões. Outra vantagem é que esse clima favorece a adaptação para a viticultura orgânica e biodinâmica. Mas nem tudo são vantagens: João Nicolau de Almeida alerta para o problema do escaldão, devido ao extremo de temperaturas e excesso de sol, ainda que isso possa ser menorizado com o tipo de condução da vinha.
Para fugir do calor excessivo existem outras possibilidades.[/vc_column_text][/vc_column][vc_column column_padding=”no-extra-padding” column_padding_position=”all” background_color_opacity=”1″ background_hover_color_opacity=”1″ column_shadow=”none” column_border_radius=”none” width=”1/2″ tablet_text_alignment=”default” phone_text_alignment=”default” column_border_width=”none” column_border_style=”solid”][image_with_animation image_url=”27968″ alignment=”” animation=”Fade In” border_radius=”none” box_shadow=”none” max_width=”100%”][/vc_column][/vc_row][vc_row type=”in_container” full_screen_row_position=”middle” scene_position=”center” text_color=”dark” text_align=”left” overlay_strength=”0.3″ shape_divider_position=”bottom”][vc_column column_padding=”no-extra-padding” column_padding_position=”all” background_color_opacity=”1″ background_hover_color_opacity=”1″ column_shadow=”none” column_border_radius=”none” width=”1/1″ tablet_text_alignment=”default” phone_text_alignment=”default” column_border_width=”none” column_border_style=”solid”][vc_column_text]Segundo Ana Almeida, um dos segredos é a altitude. Em zonas altas é possível obter vinhos com muito equilíbrio entre acidez e álcool, o que nas outras sub-regiões é mais difícil. Para João Nicolau de Almeida, as vinhas viradas ao norte proporcionam fruta com menos volume e boca, mais acidez e fabulosas notas de mineralidade, o que permite elaborar lotes interessantes e equilibrados. Além disso, os vinhos tintos apresentam cor profunda e estável ao longo do envelhecimento, proporcionando longevidade ao vinho. Os taninos dos vinhos tintos são firmes, intensos, mas ao mesmo tempo maduros e sofisticados.
O Douro Superior é uma região rica em castas autóctones. Entre as principais variedades tintas sobressaem a Touriga Franca, Tinta Roriz, Touriga Nacional, Tinta Barroca, Tinto Cão, Trincadeira e Sousão. Entre as brancas destacam-se a Malvasia Fina, Viosinho, Gouveio, Rabigato e Moscatel Galego. Para Ana Almeida, essa diversidade manifesta-se principalmente nas vinhas velhas de plantações mistas como, por exemplo, em Pombal-Carrazeda de Ansiães, onde dezenas de castas brancas estão dispersas numa única parcela.
[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row][vc_row type=”in_container” full_screen_row_position=”middle” scene_position=”center” text_color=”dark” text_align=”left” overlay_strength=”0.3″ shape_divider_position=”bottom”][vc_column column_padding=”no-extra-padding” column_padding_position=”all” background_color_opacity=”1″ background_hover_color_opacity=”1″ column_shadow=”none” column_border_radius=”none” width=”1/1″ tablet_text_alignment=”default” phone_text_alignment=”default” column_border_width=”none” column_border_style=”solid”][vc_column_text]Desafios e oportunidades
Um dos principais desafios para a região no futuro próximo serão as alterações climáticas. Com certeza, as dificuldades impostas devido a estas alterações vão provocar formas distintas de trabalhar na vinha. Para Ana Almeida, o sistema de rega será cada vez mais imprescindível. Para Teresa Ameztoy, da casa Ramos Pinto, proprietária da emblemática Quinta da Ervamoira, o caminho passa por respeitar ainda mais o ambiente, minimizando o uso de herbicidas e pesticidas nos vinhedos. Mas o trabalho de campo exige mão-de-obra capacitada.
Eis outro desafio significativo e decisivo para o futuro da região: fixar população no interior para trabalhar não somente no campo, mas também em indústrias adjacentes. Essa também é uma preocupação de Teresa Ameztoy. O turismo na região do Douro é um fenómeno recente, mas no Douro Superior essa vertente está percetivelmente atrasada e o seu desenvolvimento representa uma oportunidade para a região como um todo. Melhor infraestrutura certamente ajudará a atrair mais gente a esta bela região. Hotéis adequados, bons restaurantes e lojas comercializando os melhores vinhos da região serão fundamentais para projetar ainda mais a imagem do Douro Superior.
A percepção geral de um consumidor menos envolvido ou de um apreciador que vive fora de Portugal é que o Douro Superior seria uma região remota, agreste e árida. Devido ao seu clima mais seco, os vinhos serão mais maduros e pelo facto de haver menos chuva os vinhos tornam-se positivamente consistentes. Até certo ponto isso faz sentido.
Mas o que muitos ainda não descobriram é que a região é capaz de produzir vinhos tintos elegantes, menos pesados e sem perder o carácter. E é também possível encontrar bons exemplos de rosé, como o Palato do Côa 2017 de Carlos Magalhães, onde predomina a Touriga Nacional, e até mesmo ser surpreendido por um espumante fresco, vivo com bela textura, notas tropicais, florais e minerais, elaborado com a casta Códega do Larinho (Montes Ermos). Esse vinho da colheita de 2017, feito pela Adega Cooperativa de Freixo de Espada à Cinta, realmente ajuda quebrar o preconceito de que o Douro Superior não é capaz de fazer vinhos frescos e elegantes.
Na verdade, o maior segredo que esta região guarda é sua capacidade de surpreender o apreciador com vinhos brancos elegantes, minerais, com baixo nível de álcool e extraordinária frescura. E pronto, os segredos foram revelados![/vc_column_text][/vc_column][/vc_row][vc_row type=”in_container” full_screen_row_position=”middle” scene_position=”center” text_color=”dark” text_align=”left” overlay_strength=”0.3″ shape_divider_position=”bottom”][vc_column column_padding=”no-extra-padding” column_padding_position=”all” background_color_opacity=”1″ background_hover_color_opacity=”1″ column_shadow=”none” column_border_radius=”none” width=”1/1″ tablet_text_alignment=”default” phone_text_alignment=”default” column_border_width=”none” column_border_style=”solid”][heading]Em Prova[/heading][/vc_column][/vc_row][vc_row type=”in_container” full_screen_row_position=”middle” scene_position=”center” text_color=”dark” text_align=”left” overlay_strength=”0.3″ shape_divider_position=”bottom”][vc_column column_padding=”no-extra-padding” column_padding_position=”all” background_color_opacity=”1″ background_hover_color_opacity=”1″ column_shadow=”none” column_border_radius=”none” width=”1/1″ tablet_text_alignment=”default” phone_text_alignment=”default” column_border_width=”none” column_border_style=”solid”][vc_column_text]

[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row][vc_row type=”in_container” full_screen_row_position=”middle” scene_position=”center” text_color=”dark” text_align=”left” overlay_strength=”0.3″ shape_divider_position=”bottom”][vc_column column_padding=”no-extra-padding” column_padding_position=”all” background_color_opacity=”1″ background_hover_color_opacity=”1″ column_shadow=”none” column_border_radius=”none” width=”1/1″ tablet_text_alignment=”default” phone_text_alignment=”default” column_border_width=”none” column_border_style=”solid”][vc_column_text]

Edição Nº 15, Julho 2018

[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]