Quinta do Barbusano: Na ilha, entre a floresta e o mar

Barbusano

Ilhas felizes. É este o significado etimológico de “Macaronésia”, palavra de origem grega que representa quatro arquipélagos do Atlântico Norte, a oeste do estreito de Gibraltar, onde se insere o da Madeira. Pela localização e condições edafo-climáticas, são ilhas de uma vegetação única e abundante, com elevadíssimo rácio de espécies vegetais endémicas. Mas havendo a […]

Ilhas felizes. É este o significado etimológico de “Macaronésia”, palavra de origem grega que representa quatro arquipélagos do Atlântico Norte, a oeste do estreito de Gibraltar, onde se insere o da Madeira. Pela localização e condições edafo-climáticas, são ilhas de uma vegetação única e abundante, com elevadíssimo rácio de espécies vegetais endémicas. Mas havendo a oportunidade de visitar a ilha da Madeira, sobretudo a parte norte, não é preciso ler muito sobre isto, é ela que nos mostra. A floresta Laurissilva, que ocupa cerca de 20% do território da ilha (aproximadamente 15 mil hectares), apresenta-nos uma paisagem de um verde intenso que se estende em altitude, numa presença imponente e mística, carácter que se acentua quando é abraçada pelos nevoeiros frequentes das manhãs húmidas e nubladas (quando a ilha está de “capacete”, como dizem os madeirenses…). No município de São Vicente, a Laurissilva — que se divide em três “comunidades” distintas — assume o nome Laurissilva do Barbusano, inspiração para a identidade da Quinta do Barbusano, que tem a floresta como pano de fundo, até aos 450m, e uma vista privilegiada para a capelinha de Nossa Senhora de Fátima, um dos símbolos de São Vicente, situada no topo de uma colina. A caminho da quinta, numa estrada que serpenteia pela montanha, não podemos evitar parar o carro num local já perto da propriedade: a floresta, feminina, enquadra o mar que aparece lá ao fundo, com um V formado por duas escarpas. V de verde, V de Verdelho.

 

O início

António Oliveira, natural de São Vicente, fundou a Quinta do Barbusano em 2006. Antes de fazer vinho ou de ter vinhas, trabalhava com produtos fitofármacos, numa empresa própria que os vendia aos produtores de uva e dava todo o tipo de apoio aos mesmos. Tinha, ainda, outra empresa de preparação de terrenos e plantações agrícolas. Paralelamente, era — e ainda é, embora em menor escala — “ajuntador de uvas”, conceito muito peculiar: as grandes empresas de vinho Madeira têm, em todos os concelhos da Madeira, alguém que fala com os viticultores para entrega de uvas. É como ter uma pessoa de confiança total, encarregue de ser mediador de uvas, entre os viticultores e a empresa. “Há mais de 30 anos que faço esse trabalho e continuo a fazê-lo, mas apenas para a Blandy’s. Nenhuma uva lá entra sem passar por mim e pela minha decisão”, explica António. Entretanto, durante um trabalho que estava a levar a cabo numas vinhas, desafiou o proprietário das mesmas a fazer com ele “algo diferente” em São Vicente, e foi aqui que arrancou o projecto do Barbusano.

 

BARBUSANO

 

Paulo Laureano foi o primeiro enólogo a fazer vinho não fortificado no arquipélago da Madeira

 

 

Na ilha da Madeira, há poucos produtores a fazer vinho não fortificado, e António Oliveira não só é um deles como é, hoje, o maior de todos. Os produtores mais conhecidos de vinho Madeira generoso — como Madeira Wine Company (Blandy’s), Barbeito ou Justino’s — têm as suas marcas de DOC Madeirense e elaboram estes vinhos nas respectivas adegas. Os restantes, incluindo o próprio Barbusano, utilizam a Adega de São Vicente, uma adega “comunitária” criada pelo Instituto do Vinho da Madeira (actual IVBAM – Instituto do Vinho, Bordado e Artesanato da Madeira), que presta serviços de vinificação, sob supervisão de um enólogo residente. Até à última vindima, os produtores a utilizar os serviços desta adega, para vinho não fortificado, eram cerca de 12.
Foi precisamente pela existência desta adega que António conheceu Paulo Laureano, hoje enólogo consultor da Quinta do Barbusano. Paulo foi o primeiro enólogo a fazer vinho não fortificado na Madeira, tendo sido também o primeiro enólogo consultor do Governo Regional, quando da criação da Adega de São Vicente. No projecto do Barbusano, está desde o início. “O Paulo conhece muito bem o terroir da Madeira, os solos, as castas, a maneira de trabalhar dos viticultores, e isto é tudo muito importante”, refere António Oliveira.

As vinhas do António

António é também o maior proprietário de vinha da ilha, com parcelas em várias zonas. A Quinta do Barbusano está rodeada por 12 hectares maioritariamente de Verdelho, a uva em que se focam os brancos do projecto, com alguma Tinta Negra que vai para o rosé. Tudo vinha conduzida em latada. “Na altura, estes 12 hectares tinham 88 parcelas pertencentes a 56 donos. Tive de negociar com todos eles e foi muito difícil”, revela o produtor. “Foi tudo feito em três fases, devido ao capital que era necessário, em primeiro lugar, e em segundo, eram terrenos abandonados, e quando as pessoas começaram a ver ali interesse, plantações e luz, o valor das parcelas circundantes subiu muito”, lembra. Depois de criar a base em São Vicente, António Oliveira alugou terrenos no Arco de São Jorge, parcialmente abandonados, para plantar 2,5 hectares de vinha com uma uva branca de que tinha falta, a Arnsburger (casta trazida da universidade alemã de Geisenheim para a Madeira e que funciona aqui muito bem em lote); outro hectare em Ponta Delgada, com Verdelho e Arnsburger; e na Ribeira da Janela, em Porto Moniz, tem entre 6 e 7 hectares com as tintas Touriga Nacional e Aragonez. Estas duas vão para os vinhos tintos da casa que, apesar de não serem a estrela do produtor (nem da Madeira, na verdade…), “o mercado local pede muito”, diz António. Mas antes de tudo isto estar operacional, durante os primeiros quatro anos, os vinhos do Barbusano foram feitos com uvas compradas. O primeiro de todos originou apenas 4 mil garrafas. Hoje, a empresa já produz 100 mil por ano, incluindo um espumante 100% Verdelho, bem interessante, feito com leveduras livres e remuage manual. Há pouquíssima produção de espumante na Madeira, mas “estão a surgir pequenas produções”, segundo António, que investiu agora no equipamento para dégorgement, que antes tinha de alugar no continente e transportar para a ilha.

 

A caminho da Quinta, numa estrada que serpenteia pela montanha, não podemos evitar parar o carro num local já perto da propriedade: a floresta, feminina, enquadra o mar que aparece lá ao fundo., com um V formado por duas escarpas.

 

O projecto do Porto Santo

Um dos grandes canais de venda dos vinhos Barbusano é o próprio enoturismo da quinta, que desde 2018 recebe sobretudo turistas estrangeiros que procuram experiências vínicas autênticas. E quando se fala em autênticas, é mesmo assim, porque para os que escolhem o programa de provas com almoço, é quase sempre António que está na grelha a fazer as famosas (mas fiéis) espetadas madeirenses.
Porém, com a chegada da pandemia em 2020, a Madeira, que vive do turismo, parou totalmente e, consequentemente, pararam também as vendas. “Estava toda a gente com medo de viajar para outros países, e os portugueses viraram-se para a ilha do Porto Santo. Começaram a dizer-me, ‘vai para o Porto Santo, está a encher e lá vais conseguir vender o vinho’. Assim fiz, e consegui arranjar clientes”, confessa António Oliveira. Como era altura das vindimas, acabou por visitar várias vinhas, a ideia de fazer vinho nesta ilha começou a surgir, e o produtor acabou por consultar João Pedro Machado, enólogo residente da Adega de São Vicente, sobre a viabilidade da casta Caracol, a uva branca da ilha. António recorda: “A opinião dele era que, a solo, não acreditava muito nela, mas que combinada com Verdelho poderia dar um vinho excelente. Verdelho já eu tinha na Madeira, faltava-me o Caracol. Quando falámos com os viticultores do Porto Santo, nessa altura, disseram-me que já estava tudo vendido, e eu aceitei e vim-me embora. Passados uns dias, recebo uma chamada de um deles, a perguntar se eu ainda estava interessado nas uvas. Eu disse que sim, e regressei com o João Pedro ao Porto Santo para ver as ditas uvas e avaliar o estado de maturação. Decidimos comprá-las e, depois de vindimadas, trouxemo-las para a ilha da Madeira”. Note-se que, no ferry que faz a travessia Porto Santo-Funchal, transportar um camião de uvas custa mais de mil euros. A juntar aos mais de quatro euros/quilo que custa a uva Caracol… comprar uvas em Porto Santo fica tudo menos barato. Foi assim que surgiu o primeiro vinho Fonte d’Areia 2021, que juntou Caracol (51%) a Verdelho. “À terceira ou quarta prova do vinho, percebi que ou simplesmente beberíamos uns copos com ele, ou teria de começar a produzir uvas no Porto Santo. O resultado é que já estou com dois hectares próprios de vinha, e planos para plantar mais 1,5 em 2024. À partida, fico-me por aqui”, avança António Oliveira. Além de Caracol (que já entrou numa segunda e bastante melhorada edição do Fonte d’Areia, de 2022) estes dois hectares têm algumas parcelas de uvas tintas, como Syrah, Trincadeira ou Castelão.

O Porto Santo traz outra enorme vantagem ao portefólio do produtor: diferenciação. Ainda que a menos de 70 km de distância entre si, as ilhas da Madeira e Porto Santo poderiam estar em hemisférios distintos. Enquanto alguns locais da Madeira lembram partes do Brasil, com os morros cobertos de vegetação verde e clima húmido subtropical, quem caísse de para-quedas no Porto Santo pensaria estar no norte de África, com colinas áridas despidas de árvores, clima quente e muito seco. A escassez de água e o solo arenoso marcam profundamente a viticultura no Porto Santo, tendo influência decisiva no perfil dos vinhos. E, quem sabe, abrindo uma janela de oportunidade às castas tintas que António Oliveira pretende aproveitar.
O projecto Barbusano continua a crescer e a procura a aumentar. Também por isso, o produtor decidiu fazer uma mudança na imagem dos vinhos. “Os rótulos já vinham de 2008 e estavam muito cansados. Tudo isto tem custos e nós preocupamo-nos, obviamente, também com esta componente, mas, sobretudo da minha parte, há uma ainda maior preocupação pelo que coloco dentro das garrafas. Mas chegou a hora de o fazer e também de lançar novos vinhos”, adianta António. Quanto a próximos objectivos, a vontade é chegar ainda este ano às 150 mil garrafas. Fazer mais espumante é também um desejo, e para isso foram recentemente plantadas Baga e Loureiro na quinta, para bases de espumante.
Pelo que provámos, os vinhos brancos da Madeira são algo muito sério (aqui, palmas para a uva Verdelho), com um potencial nervoso e a pedir para serem mais explorados. A visita a uma garrafa de Barbusano Verdelho branco 2011 confirmou-o, deixando todos de queixo caído. Será esta uma das “next big things” da cena vitivinícola portuguesa?

(Artigo publicado na edição de Agosto de 2023)

 

Herdade da Cardeira: Um blend de sucesso

Herdade da Cardeira

Parece que já ouvimos esta história um milhão de vezes. Em Portugal, gostamos disso. Talvez até demais. Chega alguém de fora, um estrangeiro, apaixona-se por Portugal, a nossa terra, os nossos costumes, o nosso chão, os nossos produtos, o nosso vinho. Apaixona-se por nós. E nós, velhos tugas, agradecemos a atenção, recebemos como só nós […]

Parece que já ouvimos esta história um milhão de vezes. Em Portugal, gostamos disso. Talvez até demais. Chega alguém de fora, um estrangeiro, apaixona-se por Portugal, a nossa terra, os nossos costumes, o nosso chão, os nossos produtos, o nosso vinho. Apaixona-se por nós. E nós, velhos tugas, agradecemos a atenção, recebemos como só nós sabemos, abraçamos os estrangeiros e de repente já não são estrangeiros. E eles sabem, apreciam a nossa hospitalidade e tornam-se verdadeiramente um de nós. Todos ganhamos, todos somos mais felizes de sermos um país assim definido. Definido pela confiança, hospitalidade, versatilidade, pelo quente abraço. Portugal é um abraço.

Foi esse abraço que Erika e Thomas Meier sentiram em 2010, quando um telefonema os trouxe da Suíça. Nunca tinham estado em Portugal, nunca tinham feito vinho, nada disso, ou seja, tudo boas razões para comprar uma adega. Visitaram a Herdade da Cardeira, ao pé de Orada, Borba, apaixonaram-se, e a sua vida mudou. Thomas trabalhava na Ásia, por isso Erika teve de liderar o projecto, mas ambos tinham ideias claras sobre o que queriam fazer: a junção de duas culturas, a Suíça, sob o mote “unidade sim, uniformidade não” e a portuguesa, baseada no orgulho dos seus valores tradicionais e no terroir da Orada. Na Herdade da Cardeira, Erika encontrou Filipe Ladeiras, enólogo. Ambos são músicos, ele fadista, ela pianista, e isso ajudou a encontrarem logo uma harmonia. Mas nunca fizeram música juntos, fiz logo o desafio, vamos ver se acontece. Fado e piano, um clássico sempre elegante.

A herdade tem 100 hectares no total, dos quais 21 são de vinha. As vinhas mais velhas são de 2003-4, e os Meier plantaram mais em 2015. A adega data de 2010, era nova quando compraram a propriedade, vieram estreá-la. Produzem ainda gado em modo biológico, em parceria com uns vizinhos e amigos. Em 2010 todas as uvas iam para a cooperativa, e ainda hoje têm algum excesso de uvas, o que lhes permite manter os padrões de qualidade que desejam nos vinhos da casa. Na produção agrícola, a sustentabilidade é cada vez mais uma preocupação, por exemplo, há mais de 8 anos que não usam herbicidas.

Os encepamentos são tradicionais alentejanos, temperados com algumas castas “novas”. De brancas têm Antão Vaz, Arinto e Verdelho, as tintas são Touriga Nacional, Touriga Franca, Aragonez, Tinta Caiada, Petit Verdot e Cabernet Sauvignon. Todos os anos fazem uma severa monda de cachos, o que torna as uvas bastante caras, exigindo um posicionamento cuidado dos vinhos. O conceituado enólogo Paulo Laureano, o bigodão mais famoso do vinho português, juntou-se à equipa Cardeira a partir de 2018, porque “acreditou no projecto, nos seus objectivos bem definidos, e na paixão dos proprietários.” A produção anual varia entre 60 e 70 mil garrafas, entre brancos (20%) e tintos (80%), sendo que 85% é exportada para a Suíça. Por uma questão de diversificação e também para aumentar o reconhecimento da marca, a aposta será agora em aumentar as vendas no mercado nacional. A quantidade total vai, no entanto, manter-se, por isso vai ser preciso aumentar o valor dos vinhos.

A marca segmenta-se em Cardeira e Cardeira Reserva, com dois tintos e dois brancos logo desde o princípio. Para além destes, e por curiosidade e vontade de experimentação da equipa de enologia, há outros vinhos, como os monocastas, o vinho de talha ou o espumante. Para além do monocasta de Verdelho, os varietais tintos seguem o seguinte princípio: como as castas são vindimadas, fermentadas e estagiadas separadamente, todos os anos são separadas as três melhores barricas da melhor casta e engarrafam-se pouco mais de 700 garrafas. Em 2018 foi o Touriga Nacional, em 2019 Alicante Bouschet, em 2020 Touriga Franca, e em 2021, como foi impossível decidir fizeram-se dois: Alicante Bouschet e Touriga Franca. Em 2022 será Touriga Nacional. Há ainda o Renée’s Rosé, assim chamado porque foi uma ideia da filha Renée do casal, é o único vinho proveniente de um lote que vem já da vinha: Aragonez, Touriga Nacional e Tinta Caiada. Há uma importante aposta em engarrafamentos em magnuns, que tem funcionado cada vez melhor. Com várias colheitas disponíveis, os clientes procuram já colheitas específicas.

Baixa produção, elevada qualidade

As uvas são recebidas e refrigeradas numa câmara, e depois há muita atenção nas macerações para que cada vinho chegue ao estilo desejado. A ênfase é nas castas e nos talhões de onde elas provêm. Apesar de não haver uma pré-definição, o Alicante Bouschet e a Touriga Nacional começam a emergir como as grandes origens dos melhores vinhos, e assim vão para os balseiros de carvalho de 3500 litros. As remontagens são feitas à mão, e a pisa é feita com macacos, ao estilo da Borgonha.
Para os vinhos de talha são usadas talhas antigas, da zona de Portalegre. São apenas 1500 garrafas de tinto, e 300 de branco. Nas talhas apenas entram castas portugueses: Touriga Nacional, Tinta Caiada, Alicante Bouschet, Aragonez, Touriga Franca. No branco um lote de Arinto e Antão Vaz que vêm da vinha.

Nos outros vinhos, excepto o rosé, as castas são colhidas e fermentadas separadamente. Os tintos estagiam ano e meio em garrafa, o reserva dois anos e meio. Só o tinto da talha não vai à barrica, os outros todos vão, são barricas de 300 litros de carvalho francês, com um máximo de 7 anos de uso. O percurso dos vinhos é peculiar: sempre separados, fazem a maloláctica, e com a percepção do que cada vinho oferece vão para a barrica, seis meses para os DOC, 12 meses para o reserva. Feito o blend, voltam para a barrica para terminar o estágio.
Usualmente, a produção por hectare é de 4 a 5 toneladas para os tintos, e 6 para os brancos. Para isso é preciso fazer a monda de cachos, porque apenas controlando a produção na altura da poda, o rendimento seria de 8 a 9 toneladas. Os solos são variados, com argilas vermelhas e calcários, havendo zonas com bastante xisto. Este ano, o granizo de Junho destruiu 30% da produção na Cardeira. Para salvar as vinhas e ajudar à cicatrização das feridas, foi preciso intervir logo no dia seguinte com aplicação de cálcio, aminoácidos e alguns azotos.
A zona da Orada sempre foi considerada especial na região de Borba (recordemos que Borba chegou a ser uma DOC, antes da reestruturação das denominações do Alentejo). Orada fica na parte Norte de Borba, entre a Serra de Ossa e a Serra de Portalegre e tem um microclima específico, com nevoeiros, e noites mais frescas. A zona da Cardeira é especialmente ventosa. Há assim uma grande amplitude térmica diária, fundamental para uma maturação equilibrada, que preserva os ácidos das uvas.

Ao contrário de Estremoz, igualmente incluída na denominação Alentejo-Borba, o prestígio de Orada é ainda só local, com qualidade reconhecida junto dos viticultores e produtores da região. Mas talvez possa agora seguir pelo mesmo caminho de Estremoz, gerando massa crítica para ganhar notoriedade como polo de excelência vínica. Filipe Ladeiras explicou que Orada contribui com 2300ha de vinhas só para a adega cooperativa. Segundo Filipe, durante muito tempo, no concelho de Borba, por questões de ordenamento do território, não se podiam construir edifícios acima de certa dimensão. Algumas adegas foram assim “empurradas” para concelhos vizinhos, como Estremoz.

A estratégia de Erika e Thomas para os vinhos Cardeira é de seguir as suas próprias preferências e gostos pessoais, não perseguir modas ou tendências. Os vinhos são distribuídos por empresas regionais, não vão para a chamada “distribuição moderna”, ou seja, super e hiper mercados. Apesar de não viverem em Portugal a tempo inteiro, estão com muita frequência na Cardeira e envolvem-se na vida local. Erika tem um projecto de abrigo para animais em fim de vida, chegarão em breve dois cavalos e um burro. A adega está também rodeada por algumas pequenas casas muito bonitas, para alojar convidados, e talvez um dia hóspedes. As filhas de Erika e Thomas nadam, por isso foi construída uma pequena piscina, que tem o formato da silhueta que associamos a Portugal.
Paixão, identidade, autenticidade, Portugal. Rigor, dedicação, definição, exigência, Suíça. Pode muito bem ser fórmula de sucesso.

(Artigo publicado na edição de Agosto de 2023)

Vinhos Paulo Laureano distribuídos em exclusivo pela Viborel

Paulo Laureano Viborel

Os vinhos com o nome de um dos mais carismáticos e conceituados enólogos do Alentejo (e de Portugal), Paulo Laureano, começam agora a ser distribuídos pela Viborel, em regime de exclusividade. Paulo Laureano define-se, de acordo com a Viborel, “como um enólogo minimalista, para quem desenhar vinhos é uma paixão, e desvendar os seus aromas […]

Os vinhos com o nome de um dos mais carismáticos e conceituados enólogos do Alentejo (e de Portugal), Paulo Laureano, começam agora a ser distribuídos pela Viborel, em regime de exclusividade.

Paulo Laureano define-se, de acordo com a Viborel, “como um enólogo minimalista, para quem desenhar vinhos é uma paixão, e desvendar os seus aromas e sabores, avaliar e optimizar, são as razões da sua identidade e personalidade, promovendo-os como verdadeiras fontes de prazer. A sua aposta exclusiva nas castas portuguesas traduz a sua maneira de estar, encarando o vinho como factor de cultura e civilização”.

Parras Wines e Paulo Laureano juntam-se em parceria prolongada

Parras Wines Paulo Laureano

[vc_row type=”in_container” full_screen_row_position=”middle” scene_position=”center” text_color=”dark” text_align=”left” overlay_strength=”0.3″ shape_divider_position=”bottom”][vc_column column_padding=”no-extra-padding” column_padding_position=”all” background_color_opacity=”1″ background_hover_color_opacity=”1″ column_shadow=”none” column_border_radius=”none” width=”1/1″ tablet_text_alignment=”default” phone_text_alignment=”default” column_border_width=”none” column_border_style=”solid”][vc_column_text]“Com o objetivo de potenciar marcas, incrementar valor, criar sinergias de produção e optimizar esforços e investimentos nos mercados nacional e internacional”, o grupo Parras Wines — que representa hoje mais de 30 milhões de garrafas, oriundas […]

[vc_row type=”in_container” full_screen_row_position=”middle” scene_position=”center” text_color=”dark” text_align=”left” overlay_strength=”0.3″ shape_divider_position=”bottom”][vc_column column_padding=”no-extra-padding” column_padding_position=”all” background_color_opacity=”1″ background_hover_color_opacity=”1″ column_shadow=”none” column_border_radius=”none” width=”1/1″ tablet_text_alignment=”default” phone_text_alignment=”default” column_border_width=”none” column_border_style=”solid”][vc_column_text]“Com o objetivo de potenciar marcas, incrementar valor, criar sinergias de produção e optimizar esforços e investimentos nos mercados nacional e internacional”, o grupo Parras Wines — que representa hoje mais de 30 milhões de garrafas, oriundas de seis regiões distintas, com presença em 38 mercados — e Paulo Laureano acabam de anunciar uma parceria de desenvolvimento.

Luís Vieira, CEO da Parras, justifica, lembrando a relação pessoal que tem com o produtor alentejano: “A minha amizade com o Paulo já vem de há muito tempo e vai bastante além do negócio e desta parceria que agora estabelecemos. Dizem que não se deve misturar trabalho com afectos, mas, neste caso, estou certo de que o acordo vai trazer muito valor às duas empresas, sob diferentes perspectivas, e que será uma relação para durar muitos e bons anos”.

Paulo Laureano, por sua vez, corrobora, dizendo que “esta parceria com a Parras Wines vem dar ao nosso projecto no Alentejo uma dimensão, estruturação e alcance que, de outra forma, seria impossível. Vai ser possível desenvolver as marcas Paulo Laureano sem abdicar daquilo que sempre foi e será a nossa filosofia de trabalho, terroirs de excelência e castas portuguesas.”.[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row][vc_row type=”in_container” full_screen_row_position=”middle” scene_position=”center” text_color=”dark” text_align=”left” overlay_strength=”0.3″ shape_divider_position=”bottom”][vc_column column_padding=”no-extra-padding” column_padding_position=”all” background_color_opacity=”1″ background_hover_color_opacity=”1″ column_shadow=”none” column_border_radius=”none” width=”1/1″ tablet_text_alignment=”default” phone_text_alignment=”default” column_border_width=”none” column_border_style=”solid”][divider line_type=”Full Width Line” line_thickness=”1″ divider_color=”default”][/vc_column][/vc_row][vc_row type=”in_container” full_screen_row_position=”middle” scene_position=”center” text_color=”dark” text_align=”left” overlay_strength=”0.3″ shape_divider_position=”bottom”][vc_column column_padding=”no-extra-padding” column_padding_position=”all” background_color_opacity=”1″ background_hover_color_opacity=”1″ column_shadow=”none” column_border_radius=”none” width=”1/3″ tablet_text_alignment=”default” phone_text_alignment=”default” column_border_width=”none” column_border_style=”solid”][vc_column_text]

Siga-nos no Instagram

[/vc_column_text][mpc_qrcode preset=”default” url=”url:https%3A%2F%2Fwww.instagram.com%2Fvgrandesescolhas|||” size=”75″ margin_divider=”true” margin_css=”margin-right:55px;margin-left:55px;”][/vc_column][vc_column column_padding=”no-extra-padding” column_padding_position=”all” background_color_opacity=”1″ background_hover_color_opacity=”1″ column_shadow=”none” column_border_radius=”none” width=”1/3″ tablet_text_alignment=”default” phone_text_alignment=”default” column_border_width=”none” column_border_style=”solid”][vc_column_text]

Siga-nos no Facebook

[/vc_column_text][mpc_qrcode preset=”default” url=”url:https%3A%2F%2Fwww.facebook.com%2Fvgrandesescolhas|||” size=”75″ margin_divider=”true” margin_css=”margin-right:55px;margin-left:55px;”][/vc_column][vc_column column_padding=”no-extra-padding” column_padding_position=”all” background_color_opacity=”1″ background_hover_color_opacity=”1″ column_shadow=”none” column_border_radius=”none” width=”1/3″ tablet_text_alignment=”default” phone_text_alignment=”default” column_border_width=”none” column_border_style=”solid”][vc_column_text]

Siga-nos no LinkedIn

[/vc_column_text][mpc_qrcode url=”url:https%3A%2F%2Fwww.linkedin.com%2Fin%2Fvgrandesescolhas%2F|||” size=”75″ margin_divider=”true” margin_css=”margin-right:55px;margin-left:55px;”][/vc_column][/vc_row]

vinho da casa #28 – Paulo Laureano Verdelho Branco 2018

Mouchão amplia equipa de enologia

Herdade do Mouchão

A notícia foi adiantada pelo Mouchão: Hamilton Reis irá juntar-se à actual equipa de produção – já composta por Iain Reynolds Richardson (Enólogo e Sócio-Gerente), João Manuel Alabaça (Adegueiro) e Paulo Laureano (Enólogo Consultor) –  como Enólogo, iniciando funções hoje, dia 8 de Junho de 2020. Paulo Laureano continuará a ter um papel fundamental e […]

A notícia foi adiantada pelo Mouchão: Hamilton Reis irá juntar-se à actual equipa de produção – já composta por Iain Reynolds Richardson (Enólogo e Sócio-Gerente), João Manuel Alabaça (Adegueiro) e Paulo Laureano (Enólogo Consultor) –  como Enólogo, iniciando funções hoje, dia 8 de Junho de 2020. Paulo Laureano continuará a ter um papel fundamental e de continuidade no Mouchão.

Paulo Laureano entrega vinhos de Norte a Sul do país

Paulo Laureano, reconhecido produtor e enólogo a operar, sobretudo, no Alentejo, acaba de lançar a campanha “Os vinhos que nos traduzem”, que passa pela entrega ao domicílio – em várias áreas de Norte a Sul do país – de uma selecção de vinhos que o produtor acredita serem bandeira da sua identidade: Para encomendar, basta […]

Paulo Laureano, reconhecido produtor e enólogo a operar, sobretudo, no Alentejo, acaba de lançar a campanha “Os vinhos que nos traduzem”, que passa pela entrega ao domicílio – em várias áreas de Norte a Sul do país – de uma selecção de vinhos que o produtor acredita serem bandeira da sua identidade:

Para encomendar, basta ligar para o número +351 932 050 127 ou enviar e-mail para comercial@paulolaureano.com. Os preços, na imagem, são por garrafa e já incluem IVA e custo de entrega. No folheto da campanha, a Paulo Laureano Vinus aconselha: “Fique em casa, nós tratamos da diversão e do prazer”. No mesmo folheto, é lançado um desafio: quem aderir à campanha, poderá enviar ao produtor a sua história com um dos vinhos adquiridos. Às cinco melhores, a Paulo Laureano Vinus oferece uma prova alargada e um almoço na sua adega, com direito a levar acompanhante, “porque as coisas boas da vida são para ser partilhadas com quem mais gostamos”. No final do artigo, veja o vídeo da campanha, filmado por Paulo Laureano.

As áreas abrangidas para entrega são as seguintes:

O vídeo da campanha “Os vinhos que nos traduzem”:

Okah Restaurant & Rooftop recebe Paulo Laureano para jantar vínico

Dia 12 de Março, quinta-feira, será dia de jantar vínico no ŌKAH Restaurant & Rooftop, com uma vista privilegiada sobre Lisboa e o rio Tejo. A experiência, que terá início às 20h00, contará com os vinhos do enólogo e produtor Paulo Laureano, harmonizados com as propostas criativas do chef Luís Barradas. A refeição começará com […]

Paulo Laureano.

Dia 12 de Março, quinta-feira, será dia de jantar vínico no ŌKAH Restaurant & Rooftop, com uma vista privilegiada sobre Lisboa e o rio Tejo. A experiência, que terá início às 20h00, contará com os vinhos do enólogo e produtor Paulo Laureano, harmonizados com as propostas criativas do chef Luís Barradas.

A refeição começará com Vieira, Tupinambour e Cogumelos Shimeji. Seguir-se-á o prato de peixe, um Carolino de Lingueirão com Algas do Sado, que fará par com um Verdelho 2018. Para os amantes de carne, será servido Borrego acompanhado de Beringela, Pão Pita e Hortelã, harmonizado com um Alfrocheiro 2016. Lombelo e Pastinaca com Legumes do Poial serão conjugados com um Dolium Tinto 2014. Para terminar, o chef Luís Barradas apresentará um Pudim Abade de Priscos, que Paulo Laureano complementará com um Tinta Grossa 2015.

O jantar tem o valor de €45 por pessoa e as reservas podem ser feitas através do e-mail reservas@okah.pt ou do contacto telefónico 914 110 791.

O espaço do novo edifício do Cais da Rocha Conde de Óbidos, em Alcântara, marca pela sua gastronomia única, com uma filosofia que integra diversas influências da cozinha de Portugal e do Mundo, e que neste jantar irá inspirar-se no vinho.

Chef Luís Barradas.

Paulo Laureano, colecção “Outono/Inverno”

[vc_row type=”in_container” full_screen_row_position=”middle” scene_position=”center” text_color=”dark” text_align=”left” overlay_strength=”0.3″ shape_divider_position=”bottom”][vc_column column_padding=”no-extra-padding” column_padding_position=”all” background_color_opacity=”1″ background_hover_color_opacity=”1″ column_shadow=”none” column_border_radius=”none” width=”1/1″ tablet_text_alignment=”default” phone_text_alignment=”default” column_border_width=”none” column_border_style=”solid”][vc_column_text]Um rosé e quatro tintos constituem as novas propostas de Paulo Laureano. O produtor e enólogo alentejano (que nem é de ir em modas) tem no mercado um portefólio de vinhos que junta coerência, consistência e qualidade. […]

[vc_row type=”in_container” full_screen_row_position=”middle” scene_position=”center” text_color=”dark” text_align=”left” overlay_strength=”0.3″ shape_divider_position=”bottom”][vc_column column_padding=”no-extra-padding” column_padding_position=”all” background_color_opacity=”1″ background_hover_color_opacity=”1″ column_shadow=”none” column_border_radius=”none” width=”1/1″ tablet_text_alignment=”default” phone_text_alignment=”default” column_border_width=”none” column_border_style=”solid”][vc_column_text]Um rosé e quatro tintos constituem as novas propostas de Paulo Laureano. O produtor e enólogo alentejano (que nem é de ir em modas) tem no mercado um portefólio de vinhos que junta coerência, consistência e qualidade.

TEXTO Luís Lopes
FOTOS Ricardo Palma Veiga

O nome, os vinhos e a figura de Paulo Laureano (cujo bigode à “fin de siécle” é imagem de marca) são conhecidos da grande maioria dos apreciadores portugueses. O sucesso estende-se aos mercados de exportação, e sobretudo a países como Angola, Brasil ou EUA, contribuindo para a manutenção de um volume de produção que excede o milhão de garrafas.
Paulo Laureano começou por ser professor e enólogo consultor (chegou a assessorar quase três dezena de adegas e hoje, apesar de ter reduzido bastante essa actividade, continua a apoiar importantes marcas) antes de lançar o seu próprio projecto em 1999. Os vinhos que Paulo Laureano faz actualmente são distintos, no perfil, daqueles que criava quando se iniciou como produtor, num percurso semelhante ao de outros seus congéneres, levando-o a procurar cada vez mais a elegância e a acidez e, cada vez menos, a concentração e a barrica de madeira nova. Desde há muito, porém, que assume como estandarte da sua marca as variedades portuguesas (ou adoptadas, como o Alicante Bouschet), recusando com determinação castas estrangeiras, por muito bons que sejam os resultados no Alentejo, como é o caso da ubíqua Syrah.
Para assegurar a matéria-prima de que precisa, compra uvas a vários viticultores e conta, sobretudo, com os seus 120 hectares de vinha. A quase totalidade (110 hectares), está na região da Vidigueira, ali se encontrando as suas vinhas mais antigas, com Antão Vaz, Roupeiro, Aragonez, Alfrocheiro ou Tinta Grossa. Esta última casta, originária da Vidigueira e quase extinta (os lavradores não gostam da sua exuberância vegetativa e da facilidade com que apodrece) foi por ele pacientemente recuperada, dando origem a um singular e exótico tinto varietal que aparece de novo na colheita de 2015. Os restantes 10 hectares estão na região de Évora e encontram-se desde 2013 em modo orgânico.[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row][vc_row type=”in_container” full_screen_row_position=”middle” scene_position=”center” text_color=”dark” text_align=”left” overlay_strength=”0.3″ shape_divider_position=”bottom”][vc_column column_padding=”no-extra-padding” column_padding_position=”all” background_color_opacity=”1″ background_hover_color_opacity=”1″ column_shadow=”none” column_border_radius=”none” width=”1/1″ tablet_text_alignment=”default” phone_text_alignment=”default” column_border_width=”none” column_border_style=”solid”][image_with_animation image_url=”32758″ alignment=”” animation=”Fade In” border_radius=”none” box_shadow=”none” max_width=”100%”][/vc_column][/vc_row][vc_row type=”in_container” full_screen_row_position=”middle” scene_position=”center” text_color=”dark” text_align=”left” overlay_strength=”0.3″ shape_divider_position=”bottom”][vc_column column_padding=”no-extra-padding” column_padding_position=”all” background_color_opacity=”1″ background_hover_color_opacity=”1″ column_shadow=”none” column_border_radius=”none” width=”1/1″ tablet_text_alignment=”default” phone_text_alignment=”default” column_border_width=”none” column_border_style=”solid”][vc_column_text]O processo de reconversão de convencional para orgânico não foi fácil. A vinha esteve quase a morrer, mas depois recuperou e ganhou resistências que lhe permitem suportar muito bem anos difíceis como este, de 2018. A vinha de Évora dá origem a uma versão orgânica da marca Paulo Laureano Vinhas Velhas, de que foi agora lançado o tinto de 2015. Para o produtor, no entanto, o rótulo orgânico não vale só por si: “O vinho tem de ser, pelo menos, tão bom quanto – e desejavelmente melhor que – o Vinhas Velhas original”, refere. Paulo tem em curso um projecto com a Universidade de Évora para transformar também em orgânico uma das parcelas da sua vinha da Vidigueira.
A linha Genus Generationes é, desde que foi criada, dedicada à família, ostenta os seus nomes e assenta em vinhos que primam pela singularidade, como os Teresa Laureano rosé de 2017 (avermelhado e intenso, ao arrepio das modas) e Miguel Maria Laureano Alfrocheiro de 2015, tal como a Tinta Grossa outra casta difícil (janela de vindima muito curta no clima alentejano) mas muito elegante e que Paulo aprecia particularmente.
A colecção agora apresentada culmina com o Alicante Bouschet de 2014. A casta, há bem mais de um século no Alentejo, dispensa apresentações. E Paulo Laureano, enquanto enólogo consultor do emblemático Mouchão, obriga-se a um muito elevado patamar de exigência no que respeita a monovarietais de Alicante Bouschet. Talvez por isso, o último Alicante com a sua marca datava de 2008. Seis anos depois, achou que tinha outra vez um Alicante à altura. E achou muito bem.[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row][vc_row type=”in_container” full_screen_row_position=”middle” scene_position=”center” text_color=”dark” text_align=”left” overlay_strength=”0.3″ shape_divider_position=”bottom”][vc_column column_padding=”no-extra-padding” column_padding_position=”all” background_color_opacity=”1″ background_hover_color_opacity=”1″ column_shadow=”none” column_border_radius=”none” width=”1/1″ tablet_text_alignment=”default” phone_text_alignment=”default” column_border_width=”none” column_border_style=”solid”][nectar_animated_title heading_tag=”h6″ style=”color-strip-reveal” color=”Accent-Color” text=”Em prova”][vc_column_text]

[/vc_column_text][vc_column_text]

Edição Nº19, Novembro 2018

[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]