Adega de Vidigueira celebra 64 anos com marca de homenagem aos seus associados

Os festejos decorreram em família num evento muito especial, que teve lugar na Casa das Talhas, onde sócios e colaboradores ficaram a conhecer em primeira mão os três “Vidigueira Escolha dos Sócios”

A Adega Cooperativa de Vidigueira, Cuba e Alvito assinalou o seu 64ª aniversário com o lançamento de uma nova marca de vinhos, uma homenagem aos seus quase 300 sócios e ao terroir da Vidigueira. Os festejos decorreram em família num evento muito especial, que teve lugar na Casa das Talhas, onde sócios e colaboradores ficaram […]

A Adega Cooperativa de Vidigueira, Cuba e Alvito assinalou o seu 64ª aniversário com o lançamento de uma nova marca de vinhos, uma homenagem aos seus quase 300 sócios e ao terroir da Vidigueira. Os festejos decorreram em família num evento muito especial, que teve lugar na Casa das Talhas, onde sócios e colaboradores ficaram a conhecer em primeira mão os três “Vidigueira Escolha dos Sócios”, apresentados por Cláudia Paiva da Wine Crush Consulting, responsável pela criação do branding e pelo enólogo Vasco Moura Fernandes.

Vidigueira Escolha dos Sócios é um tributo aos cooperadores que, ao longo de seis décadas, têm contribuído para a qualidade e notoriedade dos vinhos da sub-região da Vidigueira.

Fundada em 1960, a Adega Cooperativa de Vidigueira, Cuba e Alvito tornou-se num símbolo de tradição e excelência vínica no coração do Alentejo. Para José Miguel Almeida, presidente da Adega desde 2012, “recordar memórias da adega é retomar a um passado de viticultura muito particular deste território, no qual as pessoas se uniram para criar uma estrutura produtiva e construir uma marca em torno de uma região.”

Com o lançamento da nova marca, a cooperativa reafirma o seu compromisso com a inovação e a valorização dos seus sócios, destacando o seu papel fundamental na construção da identidade da Cooperativa.

A gama “Vidigueira Escolha dos Sócios” inclui três referências: Branco, Tinto e o monocasta Antão Vaz, a casta mais mítica da Vidigueira e musa inspiradora da Adega, já que está presente em todos os vinhos brancos do seu portefólio.

Novas propostas culinárias na Caminhos Cruzados

Miguel Vidal, o chef residente da Caminhos Cruzados, empresa produtora de vinhos do Dão, apresentou recentemente um novo leque de propostas culinárias na ementa de atividades de vinho e comida desta casa, sediada em Nelas.

Miguel Vidal, o chef residente da Caminhos Cruzados, empresa produtora de vinhos do Dão, apresentou recentemente um novo leque de propostas culinárias na ementa de atividades de vinho e comida desta casa, sediada em Nelas. As novas propostas, para o Verão de 2024, são um Creme de Cogumelos ou Cogumelos Recheados com Chouriço e Broa, […]

Miguel Vidal, o chef residente da Caminhos Cruzados, empresa produtora de vinhos do Dão, apresentou recentemente um novo leque de propostas culinárias na ementa de atividades de vinho e comida desta casa, sediada em Nelas.

As novas propostas, para o Verão de 2024, são um Creme de Cogumelos ou Cogumelos Recheados com Chouriço e Broa, como primeiros pratos, Carolos de Milho e Chouriço com Lombinho em Vinha-d’alhos ou Polvo Panado com Arroz do Mesmo, como pratos e a sobremesa de 200 Folhas com Puré de Castanha e Doce de Ovos. Para as mais recentes propostas culinárias de Miguel Vidal, onde predomina o que é endógeno, são também sugeridos os vinhos da Caminhos Cruzados, tal como acontecia já com os pratos que já constavam da ementa, como Escabeche de Truta, Bacalhau com Broa, Vitela em Púcara de Barro Preto ou Arroz de Carqueja com Vinha d’Alhos. Para além disso, Miguel Vidal está também disponível para o conceito “tailor made”, ou seja, para criar pratos à medida dos desejos gastronómicos dos clientes, mediante reserva com alguma antecedência.

Natural de Aveiro, o chef mudou-se para Viseu há mais de uma década. Passou pela cozinha de restaurantes como Ceia dos Malandros, 100 Papas na Língua e DeRaiz, antes de abrir o seu próprio espaço, o restaurante Terracota, com Anselmo Pires. Em 2023 tornou-se chef residente da Caminhos Cruzados.

Três produtos e uma festa em Torres Vedras

A iniciativa, do município de Torres Vedras, para valorização destes produtos torreenses, realizou-se nas antigas instalações do Instituto da Vinha e do Vinho.

Vinho, pastel de feijão e uvada voltaram a dar mote à quarta edição do Reserva – Fórum de Inovação e Gastronomia. A iniciativa, do município de Torres Vedras, para valorização destes produtos torreenses, realizou-se nas antigas instalações do Instituto da Vinha e do Vinho. O Reserva incluiu debates, demonstrações culinárias e concursos gastronómicos, além de […]

Vinho, pastel de feijão e uvada voltaram a dar mote à quarta edição do Reserva – Fórum de Inovação e Gastronomia. A iniciativa, do município de Torres Vedras, para valorização destes produtos torreenses, realizou-se nas antigas instalações do Instituto da Vinha e do Vinho.

O Reserva incluiu debates, demonstrações culinárias e concursos gastronómicos, além de animação musical. A Câmara torreense calcula que tenham estado presentes 2.000 pessoas – acima de 2023. A quase totalidade dos produtores de vinho, estabelecidos no concelho, esteve no evento, assim como as casas que se dedicam ao fabrico da uvada e dos pastéis de feijão. Os confeiteiros não são muitos, mas constituem um número positivo, uma vez que há poucos anos se temeu pelo seu desaparecimento.

Sérgio Valente, da Casa Benjamim, iniciou em 2017 o actual negócio e, conjuntamente com a Destilaria, criou o Feijin, um bolo inspirado no pastel de feijão com o gin Inseparable, de A Destilaria. Este confeiteiro adianta a necessidade do pastel de feijão – IG e em processo de passar para IGP – evoluir do mercado regional para locais de maior consumo, nacional e de exportação. Em 2019, a iguaria chegou a ser escolhida pela Lufthansa/TAP para integrar os menus, representando cerca de um milhão de unidades. Porém, foi afastado na reformulação dos cardápios. Nádia Santos, da Colegiada de Nossa Senhora da Anunciação da Lourinhã, afirma que o bolo tem uma excelente ligação com a aguardente – a demonstração fez-se com uma XO Lourinhã. “Tem uma crocância que é muito interessante. Inicialmente brilha mais o pastel e no final a aguardente”.

Joaquim Gomes é funcionário dos Correios e, no tempo que sobra, trabalha na sua confeitaria Terras de Dinossauros, dedicada à produção de licores e uvada. Temendo pelo desaparecimento deste doce, começou, em 2012, a produzi-lo. Conta que a uvada requer atenção contínua, pois o mosto ferve de cinco a seis horas. Depois da redução é acrescentada maçã e há uma nova fervura, de três horas, com pau de canela.

Do lado vínico, Paula Fernandes, enóloga da Quinta da Boa Esperança, elogia a iniciativa, uma vez que permite a comunicação entre produtores e potencia sinergias. Maria Ana Santos, da Quinta da Cidadoura, considera que é “uma rampa de lançamento”, pois permite promover a região na restauração.

De acordo com a vereadora do Turismo, o Reserva tem ajudado na valorização dos vinhos do concelho. Dulcineia Ramos indica que o valor médio do rótulo passou de 3,37 euros em 2019 – ano da primeira edição – para seis euros actualmente. A autarca refere a vontade de criar um repositório de receitas que represente o concelho. O prémio Gastronomia e Inovação foi ganho por Pedro Trindade e Félix Ferreira, da Escola Seminfor, com o prato “polvo do mar à terra”. O restaurante o Átrio, de Torres Vedras, venceu os prémios de uvada e de pastel de feijão. João Barbosa

Menin Douro Estates inaugura adega

Desenhada por um coletivo de arquitetos portugueses e brasileiros, é um edifício de estilo industrial, construído de forma a integrar-se totalmente na paisagem do Douro vinhateiro.

A Menin Douro Estates, empresa produtora de vinhos do Douro e do Porto, inaugurou recentemente a sua adega, que é também sala de visitas para quem quer conhecer melhor os vinhos da empresa. Desenhada por um colectivo de arquitectos portugueses e brasileiros, é um edifício de estilo industrial, construído de forma a integrar-se totalmente na […]

A Menin Douro Estates, empresa produtora de vinhos do Douro e do Porto, inaugurou recentemente a sua adega, que é também sala de visitas para quem quer conhecer melhor os vinhos da empresa.

Desenhada por um colectivo de arquitectos portugueses e brasileiros, é um edifício de estilo industrial, construído de forma a integrar-se totalmente na paisagem do Douro vinhateiro. A preocupação com o ambiente não se revela apenas na integração na paisagem, mas também no método de reciclagem de água, no uso de painéis fotovoltaicos, que suprem quase todas as necessidades energéticas da adega e o recurso a um tecto verde.

Entre os materiais usados, destacam-se as paredes em xisto, o betão, pintado, no interior, num tom que remete para a cor do vinho, e o inox. Todos os quatro andares estão ligados por uma escada em elipse, um dos elementos arquitectónicos em destaque em todo o espaço.

A sala de visitas da Menin Douro Estates inclui, além de uma sala de provas com vista para a de barricas, uma loja. Este espaço funciona como ponto de partida e chegada dos vários programas de enoturismo disponíveis na propriedade. São quatro packs, que se distinguem entre si pela duração do percurso e pela selecção de vinhos à prova.

Além de um passeio pelas vinhas e pela adega, com explicação do processo de produção, é possível visitar a casa do século XVIII, entretanto totalmente restaurada, e a capela. Fundamental também é a passagem pelo Jardim das Castas, uma espécie de laboratório vivo onde todas as 54 variedades de vinhas velhas encontradas na propriedade foram plantadas e estão a ser estudadas.

Depois de 23 anos dedicada à Lavradores de Feitoria, empresa produtora de vinhos do Douro, Olga Martins decidiu deixar a empresa de vinhos que viu nascer,  para assumir, a 100%, o seu projecto familiar de vinhos, o Poeira.

Há muito que o marido, o enólogo Jorge Moreira, a desafiava a assumir a gestão e promoção dos vinhos Poeira. Mas a decisão de deixar a Lavradores de Feitoria não foi fácil. A um ano de celebrar meio século de vida e com a empresa em velocidade de cruzeiro, Olga Martins sentiu que era chegada de hora mudar, apesar de a sua ligação à Lavradores de Feitoria se manter como accionista da empresa. “O meu lema de vida é dar sempre o meu melhor em tudo o que faço, respeitando todos os que se cruzam no meu caminho”, conta a gestora, acrescentando que “foi assim durante estes anos na Lavradores de Feitoria, em que aprendi muito sobretudo com o Fernando Albuquerque e o Dirk Niepoort, a quem estarei sempre grata”. Agora, sentiu que estava na hora de encerrar este ciclo e, por isso, não aceitou o convite para continuar, nas últimas eleições da empresa.

O projecto de vinhos Poeira nasceu, no Douro, em 2001. Nesse ano, Jorge Moreira decidiu fazer um interregno na sua carreira como enólogo da Real Companhia Velha, para criar vinhos com o seu cunho pessoal. Olga Martins esteve sempre ligada ao projecto, de forma mais discreta, tendo mesmo um vinho da sua autoria: o She by Poeira

Descubra os vinhos distinguidos na 16ª Edição do Concurso de Vinhos do Algarve

Concurso de Vinhos do Algarve

A XVI edição do Concurso de Vinhos do Algarve decorreu no Convento de S. José, em Lagoa, com o apoio do município e a direcção técnica da Comissão Vitivinícola do Algarve. Foram provados 117 Vinhos do Algarve, de 32 produtores, entre brancos, rosés e tintos, dos quais foram distinguidos 38 com 27 medalhas de Prata, […]

A XVI edição do Concurso de Vinhos do Algarve decorreu no Convento de S. José, em Lagoa, com o apoio do município e a direcção técnica da Comissão Vitivinícola do Algarve.

Foram provados 117 Vinhos do Algarve, de 32 produtores, entre brancos, rosés e tintos, dos quais foram distinguidos 38 com 27 medalhas de Prata, 10 medalhas de Ouro e, o grande vencedor, com a Grande Medalha de Ouro.

O grande vencedor do XVI Concurso de Vinhos do Algarve foi o Dialog Tinto 2018, do produtor Quinta dos Vales.

Os resultados do Concurso foram divulgados  em cerimónia que teve lugar no Clubhouse Pestana Vale da Pinta, que juntou vários produtores e entidades.

O Concurso de Vinhos do Algarve tem, por objectivo, promover a produção de vinhos engarrafados e estimular a produção de vinhos de qualidade na região, distinguindo e promovendo os melhores vinhos produzidos na Região do Algarve.

Conheça AQUI a lista dos premiados do concurso.

Anúncio de vencedores do Concurso Escolha de Mercado

concurso

Já são conhecidos os resultados do concurso Escolha do Mercado 2024, aquele que é o maior concurso de vinhos brancos portugueses no Mundo. Este ano com mais de 570 vinhos inscritos e com 52 jurados. O concurso divide-se  em três categorias: PVP até €7; entre 7 e €15; e superior a €15. Em cada uma […]

Já são conhecidos os resultados do concurso Escolha do Mercado 2024, aquele que é o maior concurso de vinhos brancos portugueses no Mundo. Este ano com mais de 570 vinhos inscritos e com 52 jurados.

O concurso divide-se  em três categorias: PVP até €7; entre 7 e €15; e superior a €15. Em cada uma destas categorias foi atribuído o “Prémio Escolha do Mercado” aos vinhos mais bem classificados e, entre estes, os três brancos com classificação mais elevada receberam o “Grande Prémio Escolha do Mercado”.

Clique em baixo para aceder a toda a informação:

Resultados

Garrafeira Nacional chega à cidade invicta

Garrafeira Nacional

Situada numa das artérias mais emblemáticas da cidade do Porto, a Rua das Flores, a Garrafeira Nacional instala-se num edifício histórico, respeitando a arquitectura tradicional e contribuindo para a dinamização da zona. O projecto da nova loja contou com um investimento de cerca de 2,5 milhões de euros tornando possível trazer a beleza vinhateira ao […]

Situada numa das artérias mais emblemáticas da cidade do Porto, a Rua das Flores, a Garrafeira Nacional instala-se num edifício histórico, respeitando a arquitectura tradicional e contribuindo para a dinamização da zona. O projecto da nova loja contou com um investimento de cerca de 2,5 milhões de euros tornando possível trazer a beleza vinhateira ao seu interior.

Para Jaime Vaz, CEO da Garrafeira Nacional, a decisão de rumar o negócio a norte, há muito ambicionada, mas condicionada pela pandemia, justifica-se devido à crescente exigência do público, que espera encontrar uma oferta diversificada de vinhos e destilados de qualidade superior. “Queremos preservar a tradição ainda que adaptada aos tempos modernos e proporcionar experiências personalizadas, garantindo um serviço de excelência desde o primeiro momento a todos aqueles que nos procuram”, realça o responsável, deixando o convite à visita do espaço.

Para complementar a experiência de compra, a Garrafeira Nacional – Flores dispõe de uma área dedicada ao serviço de vinho a copo, com uma selecção de 32 referências distintas, dos fortificados aos tranquilos, incluindo vinhos do Porto com mais de 100 anos. Além disso, a loja vai promover sessões de prova e masterclasses, em sala exclusiva para o efeito.

35 sommeliers internacionais de visita ao Dão

sommeliers dão

Os especialistas trabalham como Chefe Sommelier ou Sommelier em restaurantes com estrelas Michelin e restaurantes de topo um pouco toda a Europa, tendo assim a oportunidade de conhecerem melhor a região e, sobretudo, os vinhos produzidos no Dão. Os produtores presentes foram os seguintes: Adega de Penalva do Castelo, Adega de Silgueiros, ALLGO, Boas Quintas, […]

Os especialistas trabalham como Chefe Sommelier ou Sommelier em restaurantes com estrelas Michelin e restaurantes de topo um pouco toda a Europa, tendo assim a oportunidade de conhecerem melhor a região e, sobretudo, os vinhos produzidos no Dão.

Os produtores presentes foram os seguintes: Adega de Penalva do Castelo, Adega de Silgueiros, ALLGO, Boas Quintas, Caminhos Cruzados, Carvalhão Torto, Casa Américo, Casa de Mouraz, Casa dos Amados, Chão de São Francisco, Global Wines, Ladeira da Santa, Lusus, Pedra Cancela, Quinta da Alameda, Quinta da Bica, Quinta da Bordaleira, Quinta da Cerca, Quinta dos Carvalhais, Quinta da Espinhosa, Quinta do Escudial, Quinta da Fata, Quinta da Gandara, Quinta da Ramalhosa, Quinta da Vegia, Quinta das Marias, Quinta das Mestras, Quinta das Queimas, Quinta do Covão, Quinta do Mondego, Quinta do Perdigão, Quinta do Sobral, Quinta dos Penassais, Quinta dos Roques, Soito Wines, Taboadella, Textura Wines, UDACA e Vinha Paz.

Esta viagem a Portugal, entre 19 e 26 de Maio, teve como objectivo dar a conhecer as diferentes regiões de vinho e proporcionar experiências marcantes, não só com a qualidade superior do vinho português, mas também com as várias paisagens e locais vínicos do nosso país.

 

Arranca hoje o 11º Festival do Vinho do Douro Superior

O Festival do Vinho do Douro Superior regressa ao EXPOCÔA – Centro de Exposições de Vila Nova de Foz Côa, nos dias 24, 25 e 26 de Maio e conta, este ano, com cerca de 100 expositores. O programa da 11ª edição do evento inclui, para além do reconhecido Concurso de Vinhos do Douro Superior, […]

O Festival do Vinho do Douro Superior regressa ao EXPOCÔA – Centro de Exposições de Vila Nova de Foz Côa, nos dias 24, 25 e 26 de Maio e conta, este ano, com cerca de 100 expositores. O programa da 11ª edição do evento inclui, para além do reconhecido Concurso de Vinhos do Douro Superior, provas comentadas de vinhos e azeites, um colóquio e mostras de produtos regionais do Douro, Trás os Montes e Beira Interior.

A abertura do Festival do Vinho do Douro Superior está marcada para as 18h00 de dia 24 de Maio, sexta-feira, com a presença do Presidente da Câmara Municipal de Foz Côa, João Paulo Sousa. Neste primeiro dia, os visitantes poderão assistir à prova comentada dos “Grandes brancos do Douro Superior”, por Luís Lopes, crítico e editor da revista Grandes Escolhas, e ainda ao espetáculo da fadista Sara Correia (22h00).

No sábado, dia 25, o destaque vai para o Concurso de Vinhos do Douro Superior, que reúne, durante a manhã, alguns dos críticos e outros profissionais mundo vínico mais importantes do país e, este ano, pela primeira vez, importadores de Itália, Reino Unido, Dinamarca e Suécia. Todos os anos participam, nesta competição, vinhos de grande qualidade, de grandes, médios e, sobretudo, pequenos produtores, que, de outra forma, poderiam passar despercebidos.

Em simultâneo será discutido o impacto do enoturismo na região, com o colóquio “Enoturismo – uma aposta para o desenvolvimento sustentado do Douro Superior”, que inclui a participação de António Pé-Curto, doutorado pelo ISCTE, Rui Dias, Catedrático da Universidade de Évora e José Reverendo da Conceição, enólogo e diretor geral da Quinta Vale de Aldeia e Hotel Rural de Longroiva.

A feira abre portas para a população em geral pelas 15h00, estando reservadas, para este dia, duas provas comentadas, uma de “Azeites do Douro Superior e Trás-os-Montes”, por Francisco Pavão, Presidente da Associação dos Produtores em Proteção Integrada de Trás-os-Montes e Alto Douro (APPITAD), e outra dedicada aos “Grandes tintos do Douro Superior”, pelo crítico Fernando Melo. António Zambujo fecha a noite, com um concerto às 22h00.

No último dia do evento será possível assistir ao anúncio dos resultados do 11º Concurso de Vinhos do Douro Superior e à última prova comentada, desta vez sobre “Vinho do Porto”, por Valéria Zeferino. A complementar o programa de atividades, os visitantes do festival poderão provar e comprar os diversos vinhos e produtos locais na zona dos expositores, onde também se encontram tasquinhas com diferentes opções gastronómicas.
O Festival do Vinho do Douro Superior é organizado pela Câmara Municipal de Foz Côa e pela revista Grandes Escolhas, com o objectivo apoiar os produtores e mostrar o trabalho desenvolvido na região.