Arranca hoje o 11º Festival do Vinho do Douro Superior

O Festival do Vinho do Douro Superior regressa ao EXPOCÔA – Centro de Exposições de Vila Nova de Foz Côa, nos dias 24, 25 e 26 de Maio e conta, este ano, com cerca de 100 expositores. O programa da 11ª edição do evento inclui, para além do reconhecido Concurso de Vinhos do Douro Superior, […]

O Festival do Vinho do Douro Superior regressa ao EXPOCÔA – Centro de Exposições de Vila Nova de Foz Côa, nos dias 24, 25 e 26 de Maio e conta, este ano, com cerca de 100 expositores. O programa da 11ª edição do evento inclui, para além do reconhecido Concurso de Vinhos do Douro Superior, provas comentadas de vinhos e azeites, um colóquio e mostras de produtos regionais do Douro, Trás os Montes e Beira Interior.

A abertura do Festival do Vinho do Douro Superior está marcada para as 18h00 de dia 24 de Maio, sexta-feira, com a presença do Presidente da Câmara Municipal de Foz Côa, João Paulo Sousa. Neste primeiro dia, os visitantes poderão assistir à prova comentada dos “Grandes brancos do Douro Superior”, por Luís Lopes, crítico e editor da revista Grandes Escolhas, e ainda ao espetáculo da fadista Sara Correia (22h00).

No sábado, dia 25, o destaque vai para o Concurso de Vinhos do Douro Superior, que reúne, durante a manhã, alguns dos críticos e outros profissionais mundo vínico mais importantes do país e, este ano, pela primeira vez, importadores de Itália, Reino Unido, Dinamarca e Suécia. Todos os anos participam, nesta competição, vinhos de grande qualidade, de grandes, médios e, sobretudo, pequenos produtores, que, de outra forma, poderiam passar despercebidos.

Em simultâneo será discutido o impacto do enoturismo na região, com o colóquio “Enoturismo – uma aposta para o desenvolvimento sustentado do Douro Superior”, que inclui a participação de António Pé-Curto, doutorado pelo ISCTE, Rui Dias, Catedrático da Universidade de Évora e José Reverendo da Conceição, enólogo e diretor geral da Quinta Vale de Aldeia e Hotel Rural de Longroiva.

A feira abre portas para a população em geral pelas 15h00, estando reservadas, para este dia, duas provas comentadas, uma de “Azeites do Douro Superior e Trás-os-Montes”, por Francisco Pavão, Presidente da Associação dos Produtores em Proteção Integrada de Trás-os-Montes e Alto Douro (APPITAD), e outra dedicada aos “Grandes tintos do Douro Superior”, pelo crítico Fernando Melo. António Zambujo fecha a noite, com um concerto às 22h00.

No último dia do evento será possível assistir ao anúncio dos resultados do 11º Concurso de Vinhos do Douro Superior e à última prova comentada, desta vez sobre “Vinho do Porto”, por Valéria Zeferino. A complementar o programa de atividades, os visitantes do festival poderão provar e comprar os diversos vinhos e produtos locais na zona dos expositores, onde também se encontram tasquinhas com diferentes opções gastronómicas.
O Festival do Vinho do Douro Superior é organizado pela Câmara Municipal de Foz Côa e pela revista Grandes Escolhas, com o objectivo apoiar os produtores e mostrar o trabalho desenvolvido na região.

Douro Superior: Uma viagem por três produtores

Douro Superior

O que leva alguém no seu perfeito juízo a investir as suas poupanças numa região de agricultura muito pobre e, pior ainda, de clima quase a roçar o “desértico”? Na verdade, a terra de onde somos originários é – e continua a ser – um factor importante. Mas tem de haver muito mais, porque senão […]

O que leva alguém no seu perfeito juízo a investir as suas poupanças numa região de agricultura muito pobre e, pior ainda, de clima quase a roçar o “desértico”? Na verdade, a terra de onde somos originários é – e continua a ser – um factor importante. Mas tem de haver muito mais, porque senão teríamos as vilas e aldeias da sub-região cheias de vitalidade. Na verdade, estão a diminuir de população todos os anos, como acontece, aliás, com praticamente todo o interior. Um factor igualmente importante é a qualidade das uvas que daqui saem. E, claro, do vinho que com elas é feito. Não se estranha assim que a actividade vitivinícola seja das mais importantes nos concelhos pertencentes à sub-região do Douro Superior e em especial em Vila Nova de Foz Côa.

Quinta da Vineadouro

A história desta casa de Numão tem mais de 250 anos. O seu actual proprietário, Carlos Lacerda, pertence à sétima geração e quase foi por causa dele que se teria interrompido o ciclo familiar. De facto, a vida de executivo de topo levou-o a abraçar cargos muito exigentes em Portugal e, mais recentemente, na Malásia. Ou seja, não tinha de todo tempo para explorar o património familiar, composto por floresta, olival e vinha, num total de 140 hectares. Triste, mas pragmático, decide vender.

Numa das últimas visitas — já com agência imobiliária e tudo — a mulher, Teresa, convence-o a não vender. “Eu aligeiro a minha carga horária [Teresa é professora universitária de Gestão] e consigo gerir a propriedade”. Carlos aceita e começa em 2015 o nascimento de um dos mais promissores projectos da região. Aconselham-se com quem sabe, lêem muito, e decidem duas coisas: instalar fibra óptica e começar a recuperar a vinha, parte dela com mais de 120 anos. Mas, ao invés de arrancarem, reenxertam com as mesmas castas que lá existiam antes, planta a planta.

Douro Superior

O património inclui as típicas “actuais” do Douro (brancas e tintas) mas também outras como Casculho, Bastardo, Rufete ou Marufo. Há ainda vinha nova, já com rega, apenas para ajudar as plantas jovens. Todas as plantas estão georreferenciadas, pelo que a vindima por castas é tarefa muito facilitada. Uma parte das uvas vai para a cooperativa local, mas o restante passou a ser vinificada em casa. Enquanto a adega da quinta não é recuperada, os vinhos são feitos numa adega vizinha, com o auxílio de dois nomes grandes do ensino da enologia: Manuel Malfeito Ferreira e Virgílio Loureiro. A filosofia de base é, diz-nos Teresa, minimalista, “para deixar falar o lugar”.

Todos os vinhos são da marca Vineadouro, neste momento com referências de brancos, tintos e um Clarete, este numa homenagem aos métodos antigos, onde todas as uvas eram vinificadas em conjunto. Dois dos vinhos são exclusivamente feitos das uvas das parcelas com mais de um século, e ambos têm a designação “Vinhas Velhas”. Na calha está um Marufo (de 2021) e um vinho do Porto, um Tawny 20 Anos. Todos os vinhos estão à venda no site da empresa (vineadouro.com) e Carlos garante que faz entregar em menos de 24 horas.
O casal Lacerda não vai ficar por aqui. A fibra óptica não está aqui por mero capricho de Carlos ou Teresa. Na quinta está a nascer um wine hotel, que Carlos afirma ser “o primeiro EcoTech Resort sustentável do Douro”. Será constituído por pequenas casas, num registo de decoração moderna e muito confortável. Uma das casas já está pronta e, pelo que vimos, o resultado é fenomenal.

Este será, sem dúvida, um dos projectos nacionais a seguir atentamente nos próximos anos. Os vinhos actuais mostram já uma seriedade impressionante, mas apostamos que muita e boas coisas estão ainda por acontecer aqui.

Quinta do Gravançal

Chegar às vinhas deste produtor não é tarefa rápida. Se vier de Foz Côa, tem que atravessar a parede da barragem do Pocinho, sobre o Douro, e virar imediatamente à direita. Depois é seguir uma estrada estreita e muito sinuosa, montanha acima. Nada de novo no Douro, e menos mal que o trânsito é residual. A meio de nada, esperam-nos dois irmãos, Armindo e João Rodrigues. São eles os proprietários das vinhas em encosta que vemos do outro lado do vale, por onde corre o ribeiro do Arroio, um pequeno afluente do Douro. Ao fundo, Vila Nova de Foz Côa.

As vinhas começaram a surgir pela mão do pai, Armindo Rodrigues, que as plantou desde o final da década de 80. Antes, aconselhou-se com amigos, procurando por castas e exposições, entre outras coisas. As primeiras vinhas — com castas misturadas — nasceram assim com exposição predominante a Norte, entre as cotas 150 e 300 metros. Aqui há uma mistura de patamares, nas zonas mais escarpadas, com vinha ao alto, instalada em zonas onde há argila, que segura melhor o solo e assim previne erosões. Com o falecimento do pai, os irmãos continuaram o sonho, mas optaram, em novas plantações, pela separação das castas em talhões.

Douro Superior

A restante vinha fica ali próximo e mais acima, em Peredo dos Castelhanos, uma aldeia trasmontana do concelho de Torre de Moncorvo. Aqui há uma mistura de encosta com zonas de planalto, a mais próxima da adega, nascida em 2018. Parte desta área estava, aliás, em preparação do terreno para nova plantação. No total, a exploração tem assim plantas de Touriga Nacional, Touriga Francesa, Tinta Roriz e Tinta Barroca. Nas castas brancas predomina Rabigato, Viosinho e Malvasia-Fina. Ao todo são perto de 12 hectares de vinha, cuidados especialmente por João, que habita em Torre de Moncorvo.

Armindo, residente no Porto, passa por aqui com menos frequência, mais ao fim-de-semana. Apesar de pequena, a adega está bem equipada, não lhe faltando o frio, especialmente usado nas uvas brancas. Só uma parte das uvas é aqui vinificada. No total, entre 15 a 20 mil garrafas por ano. “Mas podemos crescer até às 50 mil”, diz-nos Armindo. A casa estava, à data da visita, à procura de um enólogo residente, que irá receber ajuda do consultor Rui Cunha. No entanto, Armindo tem conhecimentos de enologia, graças a uma formação ministrada na Universidade Católica do Porto.

A marca principal da casa chama-se Mimus, que tem duplo significado: é o nome de um pássaro da região (Mimus Polyglottos) e, ao mesmo tempo, pretende retractar o cuidado colocado nas uvas, na altura da vindima. A marca de topo, contudo, é a Quinta do Gravançal, que alberga dois Grande Reserva de 2019 (branco e tinto). Além do retalho, os vinhos são vendidos no site da empresa, em quintadogravancal.com, e os preços oscilam entre os 8 e os 24 euros. O negócio está a crescer e já existe mesmo uma casa anexa, com três quartos e piscina, onde se faz enoturismo. Tudo muito bem arranjado, com muito mimo.

Mapa

Dentro dos 3 projectos aqui abordados, o dos vinhos Mapa será certamente o mais conhecido. Não que tenha muitos anos, nada disso. Mas sobretudo porque desde cedo atingiu boa notoriedade sobretudo pela qualidade e consistência dos seus vinhos.

No início da história está Pedro Garcias, irrequieto jornalista e cronista no jornal Público. Desde sempre se mostrou amante da boa mesa e do bom vinho, paixão que partilha com a mulher, Cristina, e com alguns amigos, enófilos militantes. Já datam de há muito os famosos jantares de prova de vinhos, em que cada participante levava as suas garrafas. Pedro chegou mesmo a ter um restaurante.

Douro Superior

Corria o ano de 1999 e o casal descobria uma quinta à venda junto a Vila Nova de Foz Côa, com cerca de 7 hectares de terra. O preço não era exorbitante e decidiram comprar. Juntaram todos os tostões que possuíam, recorreram a crédito e lançaram-se na aventura. No entanto, os primeiros vinhos só nasceram dez anos depois, em 2009. Os vinhos ganharam o nome Mapa e rapidamente começaram a ter notoriedade. Pedro vai rapidamente ganhando conhecimentos e experiência, especialmente na viticultura. Uma das suas vinhas, uma parcela com cerca de 1 hectare, ao pé de Foz Côa, tem largas décadas de idade. Na parte de cima, uma nova plantação: “Estou a plantar Rabigato no cimo desta vinha… Tinha esta casta noutra vinha, mais alta e virada a Norte, mas o Rabigato, que gosta de calor, tinha dificuldade em amadurecer”.

Já com três filhas, o casal vende a quinta original para adquirir uma nova e maior, em Muxagata. A área de vinha aumentou (e muito), mas a aventura está longe de acabar aqui. Mais recentemente vendeu parte das suas vinhas no Douro Superior e usou o dinheiro para adquirir a Quinta de São Bento, na região de Alijó, de onde Pedro é natural. Com um sorriso nos lábios conta-nos: “Estou a preparar-me para as alterações climáticas”. É aqui que está a sua adega e onde trabalha o seu enólogo, Sérgio Mendes. Pedro não lança novas colheitas para o mercado sem estas passarem, pelo menos, 2 a 3 anos em casa. “Dois Invernos ajudam a estabilizar os vinhos”, garante ele.

A produção de vinho sobe, entretanto, bem acima das 50 mil garrafas, entre branco, tinto, rosé e vinho do Porto. Além dos vinhos, Cristina e Pedro produzem azeite de olivais próprios em modo biológico, em Muxagata. Os vinhos sempre se mostraram sérios, mas os cumes têm sido ocupados pelas edições especiais, com designações como Vinha dos Pais, Vinha Clara ou Vinha dos Altos. Com o alargamento da produção e do portefólio, Cristina e Pedro decidem fazer contracto com um distribuidor. A escolha recaiu na conhecida empresa Garcias, uma feliz coincidência de nomes.

(Artigo publicado na edição de Julho de 2023)

 

10º Festival do Vinho do Douro Superior

Com início já este fim-de-semana, de 26 a 28 de Maio, decorre mais uma edição do certame que pretende projetar e promover a identidade da sub-região do Douro Superior como produtora de vinhos de qualidade e com identidade e carácter próprios. Organizado pela Câmara Municipal de Vila Nova de Foz Côa com a produção da […]

Com início já este fim-de-semana, de 26 a 28 de Maio, decorre mais uma edição do certame que pretende projetar e promover a identidade da sub-região do Douro Superior como produtora de vinhos de qualidade e com identidade e carácter próprios.

Organizado pela Câmara Municipal de Vila Nova de Foz Côa com a produção da Grandes Escolhas, o Festival do Vinho do Douro Superior tem contribuído para a afirmação da identidade do Douro Superior e todos os anos tem registado um aumento significativo de expositores, fruto do crescimento e do interesse de produtores de outras regiões que têm vindo a instalar-se na região.

A abertura oficial do festival está agendada para o dia 26 de Maio, pelas 18:00 horas, com a presença da senhora Ministra da Coesão Territorial Ana Abrunhosa que será recebida pelo Presidente do Município de Foz Côa, João Paulo Sousa.

No âmbito do festival, que pretende ser uma mostra de vinhos e produtos regionais exclusivamente do Douro Superior, o programa conta com um conjunto de iniciativas que enriquecem o evento e que atraem muitos visitantes a Vila Nova de Foz Coa durante o fim de semana do evento.

 

Programa do Festival do Vinho do Douro Superior                                                                                                festival douro superior

Dia 26 Maio, Sexta-feira

17h00: Abertura da Feira

18h00: Abertura Oficial do Festival com a presença do Sr. Presidente do Município de Foz Côa, João Paulo Sousa

19h00/20h30: Prova Comentada: “Grandes brancos do Douro Superior”, por Valeria Zeferino

22h00: Encerramento da Feira

22h00: Concerto – Marisa Liz

 

Dia 27 Maio, Sábado

09h00 / 13h00: Concurso de Vinhos do Douro Superior – Prova

10h00 / 13h00: Colóquio subordinado ao tema: “O vinho e o azeite como fator de revitalização das zonas rurais do Douro Superior”, em colaboração com a APPITAD – Associação de Produtores em Proteção Integrada
o Desafios dos setores do azeite e do vinho em Trás-os-Montes e Alto Douro, Francisco Pavão – APPITAD
o Dificuldades e oportunidades nestes territórios, Aida Carvalho – Fundação Côa Parque
o A importância da gastronomia e do vinho na promoção do turismo rural, Ema Martins – Ramos Pinto

Moderação: João Geirinhas – Grandes Escolhas

 

15h00: Abertura da Feira

16h30/18h00: Prova Comentada de Azeites do Douro Superior e Trás-os-Montes, por Francisco Pavão, Presidente da APPITAD

19h00 / 20h30: Prova Comentada: “Grandes tintos do Douro Superior”, por Luís Antunes

22h00: Encerramento da Feira

22h00: Concerto – Rui Veloso

 

Dia 28 de Maio, Domingo

15h00: Abertura da Feira

16h30: Anúncio dos resultados do 10º Concurso de Vinhos do Douro Superior

18h00/19h30: Prova Comentada: “Vinho do Porto”, por Luís Antunes

20h00: Encerramento da Feira

Increva-se nas provas comentadas através do e-mail: inscricoes@grandesescolhas.com

 

Lista dos expositores presentes no Festival:

ADEGA COOPERATRIVA DO VALE DO TEJA
AGUIAR WINES
AMÁVEL COSTA – PORTO
ARTUR RODRIGUES
ÁVIDOS DOURO
CARA – CASA AGRÍCOLA REBELO AFONSO
CARM
CASA AGRÍCOLA PINTO BARBOSA
CASA AGRÍCOLA QUINTA DOS LAGARES
CASA D’ARROCHELLA
CASA FERREIRINHA & PORTO FERREIRA
CAVES DA QUINTA DO POCINHO
COLINAS DO DOURO
CONCEITO VINHO
COOPERATIVA VIT. OLIV. FREIXO NUMÃO
CORTES DO TUA WINES
DUORUM
DUPLO PR
FONTE CERDEIRA
GERAÇÕES DE XISTO
GRAMBEIRA
H. ABRANTES – FAMILY ESTATES                                QUINTA DANIEL
JOÃO NICOLAU DE ALMEIDA & FILHOS
JORGE ROSA VINHOS
JOSÉ CARLOS CÔRTE REAL / VINHOS VILLARÔCO
LUCINDA TODO BOM
MAPA
MÁRCIO LOPES WINEMAKER
MÁRIO J.P. SALGADO E MARIA DE LURDES P.M. SALGADO
MATEUS & SEQUEIRA VINHOS
MATEUS NICOLAU DE ALMEIDA
MIRANDAVINUM
MJP – QUINTA VILA MAIOR / CASA DA PALMEIRA
MONTES ERMOS
MUXAGAT VINHOS
PALATO DO CÔA
PARDALA + ESTRELA DO PEREDO
QUINTA DA BULFATA & ENSEMBLE
QUINTA DA COITADA
QUINTA DA CUCA
QUINTA DA SEQUEIRA
QUINTA DA SILVEIRA
QUINTA DA TERRINCHA
QUINTA DA VINEADOURO
QUINTA DAS MÓS
QUINTA DO COUQUINHO
QUINTA DO CRASTO
QUINTA DO GRAVANÇAL
QUINTA DO POCINHO
QUINTA DO REGUENGO
QUINTA DO VALE MEÃO
QUINTA DO VALLADO
QUINTA DOS CASTELARES / FRONTEIRA
QUINTA VALE D. MARIA
QUINTA VALE D’ALDEIA
QUINTA VALE DE PIOS
RAMOS PINTO
RECANTOS DO VINHO
RESTRITO
ROQUETTE & CAZES
ROZÈS / GRIFO
RUI ROBOREDO MADEIRA
SEBARIGOS
SEGREDOS DO CÔA
SELORES
SOGEVINUS / BURMESTER
SOTERO FERREIRA – ARRIBAS DO CÔA
SYMINGTON FAMILY ESTATES
TAVFER VINHOS
TERRALOGA
VALE DA VEIGA – DOURO WINES
VALE MARIANES
VALLEY CO
VAN ZELLER FAMILY ESTATES & WINES
VINHOS DONA BERTA
VINHOS MÓOS
VINILOURENÇO
SABORES:
AMÊNDOA COBERTA DE MONCORVO
APIMONA
ÁRVORE DA VIDA
CASA PAINOVA
COPO VELOZ
ESSÊNCIA DOS SABORES
FLORMÊNDOA
NOVAIS SABORES DE EXCELÊNCIA
O LAMBÃO
QUEIJARIA DOMINGUES
QUINTA DO CÔNSUL
TRANSMONTANICES

Quinta Vale D. Maria: O Sabor do Douro Superior

sabor douro superior

A Quinta Vale D. Maria expandiu recentemente o seu portfólio para o Douro Superior, com vinhos oriundos da Quinta Vale do Sabor, junto a Torre de Moncorvo. Um branco e dois tintos, agora no mercado. Texto: Mariana Lopes Antes de adquirir a Quinta Vale D. Maria à família Van Zeller, em 2017, a Aveleda já […]

A Quinta Vale D. Maria expandiu recentemente o seu portfólio para o Douro Superior, com vinhos oriundos da Quinta Vale do Sabor, junto a Torre de Moncorvo. Um branco e dois tintos, agora no mercado.

Texto: Mariana Lopes

Antes de adquirir a Quinta Vale D. Maria à família Van Zeller, em 2017, a Aveleda já tinha, em 2016, comprado um conjunto de várias quintas contíguas no Douro Superior, que formam hoje a Quinta Vale do Sabor. Localizada junto à foz do rio que lhe dá nome — o rio Sabor, em Torre de Moncorvo — esta quinta é a segunda da marca Vale D. Maria. Juntas representam, para António Guedes, administrador da Aveleda e descendente da quinta geração da família fundadora da empresa, “a oportunidade de fazer vinhos premium no Douro, de diferentes perfis”.

A nível orográfico, a Quinta Vale do Sabor é, no mínimo, original, perfazendo, numa perspectiva longitudinal, a forma de um “W”, que seria ainda mais visível se se fizesse um corte na vertical e se pudesse contemplar todo o solo e subsolo. Estendendo-se por 43 hectares de vinha (cerca de 140 mil plantas), esta propriedade comporta uma grande diversidade de exposições e tipos de solo, indo dos 170 aos 300 metros de altitude. A maior parte das vinhas contempla idades a partir dos 10 anos, mas há também doze hectares com videiras que já levam 35 anos. Quem nos contou foi a dupla Manuel Soares, director de enologia do grupo Aveleda, e Pedro Barbosa, director de viticultura, que nos acompanhou numa caminhada de reconhecimento do terreno, juntamente com Cristiano Van Zeller, enólogo e administrador da Quinta Vale D. Maria, e António Guedes. “Numa parte do vale a reenxertia já está concluída, e na outra está em curso”, descortinou Pedro. O encepamento inclui castas como as tintas Touriga Francesa, Touriga Nacional, Tinta Roriz, Alicante Bouschet e Baga; ou as brancas Rabigato, Viosinho, Arinto, entre outras. Parte da Touriga Nacional veio das vinhas da Aveleda na Bairrada e em Nelas: “Achámos interessante complementar a Touriga Nacional que está agora no mercado vitícola com uns clones mais antigos…”, explicou António Guedes. E Pedro Barbosa referiu o porquê da ausência de Sousão: “Não gostamos dele aqui. Por sua vez, o Alicante Bouschet dá-se aqui melhor. Mesmo a Touriga Francesa porta-se melhor do que a Nacional nesta quinta, por causa da severidade do calor”. Adicionalmente, a Baga veio da Bairrada, “para complementar os lotes”. Quanto à água para as vinhas, utilizam a da chuva, que é recuperada para dois reservatórios durante o Inverno, e a rega é feita por gravidade. “O respeito pelo terroir e pela sustentabilidade dizem-nos muito. Todos os projetos que temos vindo a desenvolver são pensados numa ótica de longo prazo”, expõe António Guedes.

sabor douro superior

Já o edifício principal, é uma mistura entre pragmatismo e organização, nas zonas de trabalho enológico, e deslumbre e contemplação, na área dedicada às provas, refeições e lazer, com uma varanda invejável para o vale. A adega tem três lagares, já construídos depois de 2016, vinte e sete cubas de armazenagem e 18 de fermentação, de diferentes dimensões. No centro da zona das cubas está uma praça de barricas para fermentação. A cave de estágio, por sua vez, alberga dezenas de barricas de 250, 300 e 500 litros, e também três balseiros para Touriga Nacional e Francesa. “Estamos a apostar cada vez mais nos balseiros, que conferem muita elegância à Touriga Nacional”, adiantou Manuel Soares.

Os vinhos que agora surgem no mercado revelam todo este cuidado. O tinto Vale D. Maria Douro Superior 2018 tem no lote Touriga Nacional, Touriga Francesa, Tinta Roriz, e outras em quantidade residual. Tendo fermentado em inox, estagiou em barricas de carvalho francês de 2º e 3º ano, durante seis meses, e depois voltou a cubas de inox para estagiar mais 13 meses. O Vale D. Maria Vinhas do Sabor tinto 2018 já é composto por Touriga Francesa, Touriga Nacional, Tinta Roriz, Alicante Bouschet e Baga, que fermentam e são pisadas em lagar de granito. O vinho faz maloláctica e estagia depois vinte e um meses em barricas usadas, sendo depois feita uma selecção das melhores barricas. A colheita de 2017 deste vinho está ainda no mercado, a mostrar o potencial de evolução. Já o Vale D. Maria Vinhas do Sabor branco 2019 é um blend de Rabigato, Viosinho e Arinto, que fermenta e estagia nove meses em barrica.

(Artigo publicado na edição de Novembro 2020)

Quinta da Vineadouro cria Programa de Vindimas

Quinta Vineadouro programa vindimas

[vc_row type=”in_container” full_screen_row_position=”middle” scene_position=”center” text_color=”dark” text_align=”left” overlay_strength=”0.3″ shape_divider_position=”bottom”][vc_column column_padding=”no-extra-padding” column_padding_position=”all” background_color_opacity=”1″ background_hover_color_opacity=”1″ column_shadow=”none” column_border_radius=”none” width=”1/1″ tablet_text_alignment=”default” phone_text_alignment=”default” column_border_width=”none” column_border_style=”solid”][vc_column_text]Localizada em Numão, Vila Nova de Foz Côa, no Douro Superior, a Quinta da Vineadouro lançou um Programa de Vindimas, actividade que vem juntar-se à oferta de enoturismo do produtor. Assim, o público terá a oportunidade de, […]

[vc_row type=”in_container” full_screen_row_position=”middle” scene_position=”center” text_color=”dark” text_align=”left” overlay_strength=”0.3″ shape_divider_position=”bottom”][vc_column column_padding=”no-extra-padding” column_padding_position=”all” background_color_opacity=”1″ background_hover_color_opacity=”1″ column_shadow=”none” column_border_radius=”none” width=”1/1″ tablet_text_alignment=”default” phone_text_alignment=”default” column_border_width=”none” column_border_style=”solid”][vc_column_text]Localizada em Numão, Vila Nova de Foz Côa, no Douro Superior, a Quinta da Vineadouro lançou um Programa de Vindimas, actividade que vem juntar-se à oferta de enoturismo do produtor. Assim, o público terá a oportunidade de, no sábado de 18 de Setembro, passar um dia na quinta, com visita, prova e almoço, numa das alturas mais interessantes e alegres do ano vitícola.

As inscrições no Programa de Vindimas da Quinta da Vineadouro (€40 por pessoa), devem ser submetidas até dia 11 de Setembro, através do e-mail geral@vineadouro.com ou do número 912 007 287. As vagas são limitadas, e o produtor lembra que será respeitada a ordem de chegada das inscrições. 

O programa, em detalhe:

11:00 – Chegada à Quinta da Vineadouro
11:15 – Brinde de boas-vindas
11:30 – Breve Apresentação da Quinta
12:00 – Visita às vinhas
13:30 – Almoço com prova de vinhos

Além desta actividade pontual, a Quinta da Vineadouro tem ainda disponíveis diversas experiências — apenas ao fim-de-semana — como provas de vinhos e almoços vínicos na quinta; visita guiada ao Castelo de Numão, seguida de piquenique com prova de vinhos; ou passeio no Douro em barco Rabelo, com os vinhos e petiscos da região. É também possível solicitar ao produtor a realização de experiências totalmente personalizadas.[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row][vc_row type=”in_container” full_screen_row_position=”middle” scene_position=”center” text_color=”dark” text_align=”left” overlay_strength=”0.3″ shape_divider_position=”bottom”][vc_column column_padding=”no-extra-padding” column_padding_position=”all” background_color_opacity=”1″ background_hover_color_opacity=”1″ column_shadow=”none” column_border_radius=”none” width=”1/1″ tablet_text_alignment=”default” phone_text_alignment=”default” column_border_width=”none” column_border_style=”solid”][divider line_type=”Full Width Line” line_thickness=”1″ divider_color=”default”][/vc_column][/vc_row][vc_row type=”in_container” full_screen_row_position=”middle” scene_position=”center” text_color=”dark” text_align=”left” overlay_strength=”0.3″ shape_divider_position=”bottom”][vc_column column_padding=”no-extra-padding” column_padding_position=”all” background_color_opacity=”1″ background_hover_color_opacity=”1″ column_shadow=”none” column_border_radius=”none” width=”1/3″ tablet_text_alignment=”default” phone_text_alignment=”default” column_border_width=”none” column_border_style=”solid”][vc_column_text]

Siga-nos no Instagram

[/vc_column_text][mpc_qrcode preset=”default” url=”url:https%3A%2F%2Fwww.instagram.com%2Fvgrandesescolhas|||” size=”75″ margin_divider=”true” margin_css=”margin-right:55px;margin-left:55px;”][/vc_column][vc_column column_padding=”no-extra-padding” column_padding_position=”all” background_color_opacity=”1″ background_hover_color_opacity=”1″ column_shadow=”none” column_border_radius=”none” width=”1/3″ tablet_text_alignment=”default” phone_text_alignment=”default” column_border_width=”none” column_border_style=”solid”][vc_column_text]

Siga-nos no Facebook

[/vc_column_text][mpc_qrcode preset=”default” url=”url:https%3A%2F%2Fwww.facebook.com%2Fvgrandesescolhas|||” size=”75″ margin_divider=”true” margin_css=”margin-right:55px;margin-left:55px;”][/vc_column][vc_column column_padding=”no-extra-padding” column_padding_position=”all” background_color_opacity=”1″ background_hover_color_opacity=”1″ column_shadow=”none” column_border_radius=”none” width=”1/3″ tablet_text_alignment=”default” phone_text_alignment=”default” column_border_width=”none” column_border_style=”solid”][vc_column_text]

Siga-nos no LinkedIn

[/vc_column_text][mpc_qrcode url=”url:https%3A%2F%2Fwww.linkedin.com%2Fin%2Fvgrandesescolhas%2F|||” size=”75″ margin_divider=”true” margin_css=”margin-right:55px;margin-left:55px;”][/vc_column][/vc_row]

Quinta da Vineadouro lança Road Show digital pelas garrafeiras portuguesas

[vc_row type=”in_container” full_screen_row_position=”middle” scene_position=”center” text_color=”dark” text_align=”left” overlay_strength=”0.3″ shape_divider_position=”bottom”][vc_column column_padding=”no-extra-padding” column_padding_position=”all” background_color_opacity=”1″ background_hover_color_opacity=”1″ column_shadow=”none” column_border_radius=”none” width=”1/1″ tablet_text_alignment=”default” phone_text_alignment=”default” column_border_width=”none” column_border_style=”solid”][vc_column_text]Face às actuais restrições impostas pela pandemia, e com o objectivo de dar a conhecer o seu projecto e vinhos, o produtor Quinta da Vineadouro, — situado em Numão, no Douro Superior — vai arrancar com um […]

[vc_row type=”in_container” full_screen_row_position=”middle” scene_position=”center” text_color=”dark” text_align=”left” overlay_strength=”0.3″ shape_divider_position=”bottom”][vc_column column_padding=”no-extra-padding” column_padding_position=”all” background_color_opacity=”1″ background_hover_color_opacity=”1″ column_shadow=”none” column_border_radius=”none” width=”1/1″ tablet_text_alignment=”default” phone_text_alignment=”default” column_border_width=”none” column_border_style=”solid”][vc_column_text]Face às actuais restrições impostas pela pandemia, e com o objectivo de dar a conhecer o seu projecto e vinhos, o produtor Quinta da Vineadouro, — situado em Numão, no Douro Superior — vai arrancar com um “road show” em formato digital por várias garrafeiras nacionais.

A iniciativa tem a sua primeira etapa marcada para o dia 6 de Março, na Guarda, com a garrafeira Bago a Bago, de Daniel Pires.

Os interessados em assistir, devem efectuar o seu registo até ao dia 3 de Março, através deste formulário, recebendo posteriormente um pack de prova com três garrafas seleccionadas pela equipa Vineadouro (no valor de 60 euros, com portes incluídos) e acesso ao Digital Chat com os produtores Teresa e Carlos Lacerda. [/vc_column_text][/vc_column][/vc_row][vc_row type=”in_container” full_screen_row_position=”middle” scene_position=”center” text_color=”dark” text_align=”left” overlay_strength=”0.3″ shape_divider_position=”bottom”][vc_column column_padding=”no-extra-padding” column_padding_position=”all” background_color_opacity=”1″ background_hover_color_opacity=”1″ column_shadow=”none” column_border_radius=”none” width=”1/1″ tablet_text_alignment=”default” phone_text_alignment=”default” column_border_width=”none” column_border_style=”solid”][divider line_type=”Full Width Line” line_thickness=”1″ divider_color=”default”][/vc_column][/vc_row][vc_row type=”in_container” full_screen_row_position=”middle” scene_position=”center” text_color=”dark” text_align=”left” overlay_strength=”0.3″ shape_divider_position=”bottom”][vc_column column_padding=”no-extra-padding” column_padding_position=”all” background_color_opacity=”1″ background_hover_color_opacity=”1″ column_shadow=”none” column_border_radius=”none” width=”1/2″ tablet_text_alignment=”default” phone_text_alignment=”default” column_border_width=”none” column_border_style=”solid”][vc_column_text]

Siga-nos no Instagram

[/vc_column_text][mpc_qrcode preset=”default” url=”url:https%3A%2F%2Fwww.instagram.com%2Fvgrandesescolhas|||” size=”75″ margin_divider=”true” margin_css=”margin-right:55px;margin-left:55px;”][/vc_column][vc_column column_padding=”no-extra-padding” column_padding_position=”all” background_color_opacity=”1″ background_hover_color_opacity=”1″ column_shadow=”none” column_border_radius=”none” width=”1/2″ tablet_text_alignment=”default” phone_text_alignment=”default” column_border_width=”none” column_border_style=”solid”][vc_column_text]

Siga-nos no Facebook

[/vc_column_text][mpc_qrcode preset=”default” url=”url:https%3A%2F%2Fwww.facebook.com%2Fvgrandesescolhas|||” size=”75″ margin_divider=”true” margin_css=”margin-right:55px;margin-left:55px;”][/vc_column][/vc_row]

Finalmente, Barca-Velha 2011 chega ao mercado em Abril

Depois da decisão — em Outubro passado, por parte da enologia da Casa Ferreirinha — de rearrolhar o Barca-Velha 2011 e adiar o seu lançamento, a equipa liderada por Luís Sottomayor anuncia agora que este icónico tinto tem luz verde para ser comercializado a partir de Abril. O rearrolhamento — uma medida de precaução em linha […]

Depois da decisão — em Outubro passado, por parte da enologia da Casa Ferreirinha — de rearrolhar o Barca-Velha 2011 e adiar o seu lançamento, a equipa liderada por Luís Sottomayor anuncia agora que este icónico tinto tem luz verde para ser comercializado a partir de Abril.

O rearrolhamento — uma medida de precaução em linha com a cultura de excelência da empresa — foi posto em marcha depois da Casa Ferreirinha verificar que havia bastante dificuldade em extrair as rolhas originais das garrafas de 75cl de Barca-Velha 2011. Segundo a declaração de Luís Sottomayor, ainda em Outubro, o objectivo foi “preservar a longevidade do vinho e proteger a sua notoriedade e qualidade irrepreensível”.

Para o presidente da Sogrape, Fernando Cunha Guedes, “entre todos os Barca-Velha, e por todos os episódios que o seu lançamento encerra, 2011 é o maior símbolo de uma busca apaixonada pela perfeição”.  

Colinas do Douro reforça-se ecologicamente com aprovação de fundo ambiental

O produtor Colinas do Douro, que integra a iniciativa europeia Business & Biodiversity — reforça agora o seu compromisso ecológico com a aprovação de um fundo ambiental.  Desde 2010 que esta empresa — que se materializa numa propriedade com 470 hectares situada no Douro Superior — mantém uma acentuada filosofia de consciência ambiental, que lhe […]

O produtor Colinas do Douro, que integra a iniciativa europeia Business & Biodiversity — reforça agora o seu compromisso ecológico com a aprovação de um fundo ambiental. 

Desde 2010 que esta empresa — que se materializa numa propriedade com 470 hectares situada no Douro Superior — mantém uma acentuada filosofia de consciência ambiental, que lhe valeu a assinatura com o Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) de um Memorando de Entendimento, no âmbito do qual foi definido um modelo de gestão que considera a biodiversidade parte integrante da actividade da Colinas do Douro. Na prática, esta filosofia traduz-se num conjunto de acções, como a gestão dos 106 hectares de vinha em modo de Produção Integrada (desde 2010) e 5 hectares em fase final de transição para Biológico; armazenamento de água durante o período das chuvas, numa charca reabilitada em 2018, com 55000m3 de capacidade, o que diminui o gasto de água em período de seca; melhoria e conservação das condições das espécies da fauna e flora e dos seus habitats naturais (como a zona “Santuário para as aves”); ou a colocação de 25 apiários. 

“Quem trabalha com um produto da Natureza, como é o caso da vinha e das uvas, percebe facilmente como tudo isto está interligado, e que o nosso papel enquanto actores em cenários destes é preservar”, afirma Jorge Rosa Santos , enólogo da Colinas do Douro. “Só assim podemos trabalhar para um Mundo melhor, do qual os nossos filhos possam desfrutar, como os nossos pais puderam”.

O memorando que elenca todas as medidas do Plano de Reforço Ecológico de Colinas do Douro pode ser consultado aqui.

Rui Roboredo Madeira assinala 20 anos de Castello d’Alba com novo topo de gama

O enólogo e produtor Rui Roboredo Madeira — autor das marcas durienses Castello d’Alba e Quinta da Pedra Escrita, e também dos vinhos Beyra, da Beira Interior — acaba da lançar o primeiro Castello d’Alba Grande Reserva Tinto, de 2017, o novo topo de gama desta marca do Douro Superior. Este lançamento vem celebrar os […]

O enólogo e produtor Rui Roboredo Madeira — autor das marcas durienses Castello d’Alba e Quinta da Pedra Escrita, e também dos vinhos Beyra, da Beira Interior — acaba da lançar o primeiro Castello d’Alba Grande Reserva Tinto, de 2017, o novo topo de gama desta marca do Douro Superior. Este lançamento vem celebrar os 20 anos de Castello d’Alba, que Rui Madeira encara com orgulho: “Já passaram 20 anos desde o lançamento da marca Castello d’Alba. O que melhor recordo foi termos sido pioneiros na aposta no Douro Superior. Hoje, a realidade mostra-nos que foi uma aposta ganha, seguida por muitos outros produtores, mas há 20 anos estava longe de ser assim”.

E reforça: “Este é um momento histórico para nós e é com muito orgulho que apresentamos o vinho Castello d’Alba Grande Reserva Tinto 2017, o novo topo de gama da marca. Trata-se de um vinho proveniente de uvas de vinhas não irrigadas (viticultura de sequeiro) e com o mínimo de intervenção em termos de enologia, usando apenas leveduras indígenas, em respeito pela origem e pela genuinidade conferida pelas castas do Douro, a que quis imprimir um estilo e personalidade própria”.

O Castello d’Alba Grande Reserva Tinto 2017 tem um p.v.p. recomendado de €25,90 e está disponível no El Corte Inglés, na Garrafeira Soares e no Supermercado Tradicional.

Colinas do Douro cria vinho exclusivo para Intermarché

O produtor Colinas do Douro, do Douro Superior, acaba de lançar um vinho para ser vendido exclusivamente na rede de hipermercados Intermarché, em todo o país, pelo preço de €6. O seu nome é Seixo Amarelo, e é um tinto com oito meses de estágio em barricas de carvalho francês, cujo lote contém Touriga Nacional, […]

O produtor Colinas do Douro, do Douro Superior, acaba de lançar um vinho para ser vendido exclusivamente na rede de hipermercados Intermarché, em todo o país, pelo preço de €6. O seu nome é Seixo Amarelo, e é um tinto com oito meses de estágio em barricas de carvalho francês, cujo lote contém Touriga Nacional, Touriga Francesa, Tinta Roriz, Tinto Cão e Tinta Francisca.

Em comunicado, a Colinas do Douro explica o nome do vinho: “Recebeu o seu nome das rochas graníticas e dos seixos de quartzo de cor amarela que se encontram no solo da propriedade de Colinas do Douro, no Douro Superior. Na verdade, existia aqui uma casa que levava esse mesmo nome: a Casa do Seixo Amarelo, construída em 1840 nas margens da Ribeira de Aguiar, mantém ainda hoje em seu redor uma área de 5 hectares de vinhas velhas, um olival tradicional, uma zona de várzea e uma eira. Atualmente em ruínas, a casa estava integrada num quadro típico de policultura no século XIX em Portugal. Com a criação deste vinho Reserva, consolida-se também a intenção de valorizar esta prática, e de recuperar a própria Casa do Seixo Amarelo”.

Jorge Rosa Santos, director de produção e enologia da empresa, comenta: “Fruto de um trabalho conjunto entre o Departamento de Enologia de Colinas do Douro e a direcção de vinhos do Intermarché, desenvolvemos esta nova parceria, com quem esperamos ter uma relação duradoura”.