Compra da Caminhos Cruzados dá origem ao “Terras e Terroir”

Os empresários Paulo Pereira e o casal Maria do Céu e Álvaro Lopes, acabam de investir num novo projecto, ligado ao mundo da vitivinicultura, com a aquisição da empresa Caminhos Cruzados (na foto), produtor de vinhos do Dão sediado em Nelas. Com este negócio os empresários fundam o Grupo Terras e Terroir, que passa também […]

Os empresários Paulo Pereira e o casal Maria do Céu e Álvaro Lopes, acabam de investir num novo projecto, ligado ao mundo da vitivinicultura, com a aquisição da empresa Caminhos Cruzados (na foto), produtor de vinhos do Dão sediado em Nelas. Com este negócio os empresários fundam o Grupo Terras e Terroir, que passa também a integrar as durienses Quinta da Pacheca, em Lamego, e a Quinta de São José do Barrilário, em Armamar.

Do Douro ao Dão, o mundo da viticultura já há alguns anos que se transformou numa das grandes paixões de Maria do Céu, do seu marido Álvaro Lopes, assim como do sócio Paulo Pereira, unidos pelos negócios desde 1999. Depois de em 2012 terem adquirido a Quinta da Pacheca e em 2017 Quinta de São José do Barrilário, avançam agora para uma empresa que granjeou notoriedade na região do Dão. “Temos uma real paixão por produtos de origem portuguesa e por tudo aquilo que é mais genuíno, e uma dessas coisas é o vinho, secularmente ligado à nossa história e às nossas raízes”, referem os empresários, acrescentado que com o investimento feito agora na Caminhos Cruzados pretendem “criar sinergias entre as empresas do Grupo, bem como estender o nosso know-how económico e técnico a outras regiões do País”.

Com uma rede de distribuição consolidada, quer a nível nacional quer no mercado externo, o Grupo Terras e Terroir entende que pode oferecer à Caminhos Cruzados “um modelo de gestão mais profissional, alguma folga financeira e um projeto integrado que vai fazer cimentar a posição das marcas no mercado”. Segundo os novos proprietários, grande parte da actual equipa da Caminhos Cruzados, cerca de 15 pessoas no total, irá manter-se na empresa.

Maniche lança vinhos “Dezoito by Maniche”, produzidos pela Quinta da Pacheca

Nuno Ribeiro, conhecido no mundo do futebol como Maniche, lançou recentemente dois vinhos em seu nome, produzidos na duriense Quinta da Pacheca. Dezoito by Maniche tinto 2018 e Dezoito by Maniche branco 2019 são as duas primeiras referências deste que é “um apaixonado pelo mundo vínico”, como diz a Pacheca em comunicado. O projecto de […]

Nuno Ribeiro, conhecido no mundo do futebol como Maniche, lançou recentemente dois vinhos em seu nome, produzidos na duriense Quinta da Pacheca. Dezoito by Maniche tinto 2018 e Dezoito by Maniche branco 2019 são as duas primeiras referências deste que é “um apaixonado pelo mundo vínico”, como diz a Pacheca em comunicado.

O projecto de vinhos “Dezoito by Maniche” já tem vindo a ser trabalhado desde 2016, entre o ex-futebolista e a equipa de enologia da Quinta da Pacheca, liderada por Maria Serpa Pimentel. Maniche acompanhou, segundo o comunicado, todos os passos do processo de produção destes vinhos, com destaque para a escolha das castas, a vindima, a pisa em lagar e o estágio em barrica. O craque confessa que isso “também ajudou a aumentar a minha literacia vínica para embarcar com a máxima confiança nesta aventura que é criar uma marca de vinhos própria”.

O Dezoito by Maniche branco 2019 é feito de Viosinho e Moscatel Galego, e a Pacheca sugere peixes grelhados, ou assados, e queijos para harmonizar. Já o tinto 2018 tem Touriga Francesa e Tinta Roriz no lote e a companhia sugerida são carnes grelhadas ou assadas.

Estes dois vinhos têm um p.v.p. recomendado de 19,99 euros e estão disponíveis “nas melhores garrafeiras de todo o país”, bem como na loja online de Maniche, ainda em fase de conclusão.

Quinta da Pacheca cria SPA de Verão… no meio das vinhas

Imagine tratamentos terapêuticos (literalmente) no meio das vinhas. Agora é possível, com o Spa de Verão criado pela Quinta da Pacheca, no Douro – mais conhecida pelos seus vinhos e pelos quartos em barricas gigantes de luxo – que vai proporcionar contacto directo com a natureza e distanciamento social, como mandam os tempos. No cardápio […]

Imagine tratamentos terapêuticos (literalmente) no meio das vinhas. Agora é possível, com o Spa de Verão criado pela Quinta da Pacheca, no Douro – mais conhecida pelos seus vinhos e pelos quartos em barricas gigantes de luxo – que vai proporcionar contacto directo com a natureza e distanciamento social, como mandam os tempos.

No cardápio deste Spa nos vinhedos inclui várias experiencias de relaxamento, como três massagens muito diferentes: “A Chakra Divine Massage, com uma duração de 50 minutos, é uma massagem de corpo inteiro com movimentos suaves, usando óleo de Frangipani Monoi, que devolve o equilíbrio físico e emocional, ao mesmo que tempo que hidrata a pele. Tem um preço de 80 euros. Pelo mesmo valor, pode optar pela reflexologia podal, uma terapia ancestral que através da massagem e pressão em pontos específicos da planta dos pés, estimula determinados órgãos internos. Esta terapia ajuda a relaxar e a melhoria o seu bem-estar-geral. A Special Head Massage, que dura vinte minutos e tem um custo de 40 euros, alivia o stress acumulado no couro cabeludo, pescoço e ombros, libertando energia acumulada e aliviando a tensão postural.”, esclarece a Quinta da Pacheca, em comunicado de imprensa.

Além do Spa de Verão, os 75 hectares de vinha da propriedade também estão disponíveis para passeios pedestres e piqueniques.

Quinta da Pacheca brilha nos prémios Best of Wine Tourism

O complexo enoturístico da Quinta da Pacheca, em pleno Douro vinhateiro, é o vencedor absoluto português dos prémios «Best of Wine Tourism 2020», uma competição a nível mundial promovida pela “Rede de Capitais de Grandes Vinhedos – Great Wine Capitals Global Network”. O prémio foi atribuído pelo júri internacional, numa cerimónia que teve lugar na […]

O complexo enoturístico da Quinta da Pacheca, em pleno Douro vinhateiro, é o vencedor absoluto português dos prémios «Best of Wine Tourism 2020», uma competição a nível mundial promovida pela “Rede de Capitais de Grandes Vinhedos – Great Wine Capitals Global Network”.

O prémio foi atribuído pelo júri internacional, numa cerimónia que teve lugar na cidade francesa de Bordéus, seguindo-se agora a etapa da eleição do preferido do público, cuja votação termina a 21 de Novembro.

O projecto enoturístico da empresa conheceu um impulso maior em 2018, com a inauguração dos wine barrels, suites em forma de pipos gigantes, que são já um ex-libris na oferta de estadia na região. Dentro de poucos meses, a Quinta da Pacheca estará equipada com uma nova ala do actual The Wine House Hotel, dotada de mais 24 quartos. Completarão a oferta um spa com tratamentos de vinoterapia, uma piscina exterior, um novo restaurante e uma nova sala de provas, com maior capacidade de lotação.

Quinta da Pacheca 2.0

Não é fácil um produtor tradicional suplantar-se e tornar-se um produtor moderno e cheio de novidades. Em poucos anos foi isso que a Quinta da Pacheca conseguiu alcançar. Sem renegar um passado consistente, e sem alienar uma marca que é um símbolo de qualidade, a Quinta da Pacheca está hoje melhor do que nunca.   […]

Não é fácil um produtor tradicional suplantar-se e tornar-se um produtor moderno e cheio de novidades. Em poucos anos foi isso que a Quinta da Pacheca conseguiu alcançar. Sem renegar um passado consistente, e sem alienar uma marca que é um símbolo de qualidade, a Quinta da Pacheca está hoje melhor do que nunca.

 

TEXTO Nuno de Oliveira Garcia FOTOS Cortesia do produtor

NUM primeiro olhar, pouca coisa mudou… Mantêm-se José Serpa Pimentel no pelouro comercial e Maria Serpa Pimentel na área da enologia. Todavia, mal os vinhos caem nos copos, há um mar de diferenças em relação ao passado recente. Novos vinhos, muitos vinhos novos, brancos e rosés como antes nunca tínhamos provado e tintos muito aprumados, ambiciosos mesmo, de grande categoria.

A Quinta da Pacheca é uma marca sólida da região duriense. Bem próxima da Régua, do outro lado da margem, é uma propriedade de prestígio com 57 hectares sitos não muito longe da fronteira entre o Baixo e o Cima Corgo, com referências desde 1738. Há alguns anos, esteve na liderança da primeira vaga do turismo na região, com a alienação de terrenos para o então Aquapura (Vale de Abraão) e com a inauguração de um pequeno hotel de charme na propriedade (The Wine House Hotel) que nunca teve o sucesso que merecia. Os primeiros passos estavam, contudo, lançados com a mais nova geração da família Serpa Pimentel aos comandos de todo o projeto, e os vinhos – então essencialmente tintos, dada a localização a baixa altitude e num terroir quente – não desapontavam. Um feliz golpe de asa viria, contudo, a surgir um pouco depois, com o investimento realizado pelos empresários Maria do Céu Goncalves e Paulo Pereira. Podemos mesmo afirmar que esse acontecimento mudou para melhor quase tudo no projeto, mantendo-se muita da moldura e do capital humano já existente. O hotel melhorou o seu já óptimo nível, e passou a ter mais visibilidade, e os vinhos também viram a qualidade a aumentar.

A verdade é que a Quinta da Pacheca deixou de ser autossuficiente, e isso fez com que se procurassem novas vinhas e quintas, inclusivamente em pleno Cima Corgo (junto ao rio Pinhão) e mesmo do Douro Superior (muito próximo de Foz Côa). Esta nova política permitiu não só ir buscar uvas brancas a cotas altas junto a Sabrosa (como sucede com tantos outros produtores), como utilizar uvas tintas de terroirs muito diferentes, inclusivamente do Douro Superior. Não que isso seja uma novidade, pois essa é a opção – e a razão do sucesso – de vários dos melhores viticultores da região (em DOC e em Portos, diga- se). E, assim, os vinhos Quinta da Pacheca passaram a ter apenas a marca Pacheca (o que, ademais, facilita nos mercados internacionais), e a qualidade dos néctares aumentou e muito!

Não há dúvida de que ser um produtor duriense permite ir buscar o que melhor faz a região, e que não faz sentido estar-se circunscrito aos limites de uma quinta. Basta pensar que são raríssimos (menos de meia dúzia, com a Quinta da Gaivosa e a Quinta do Vallado à cabeça) os casos de uma única propriedade na região capaz de fazer, simultaneamente, grandes brancos e tintos. Em suma: vida longa para a nova vida da Quinta da Pacheca é o que desejamos!