Messias e Ana Urbano: Celebrar duas décadas com Porto branco

Messias

Se é na Bairrada que as Caves Messias nascem há quase um século (completam 100 anos em 2026), aí fixando a sua sede, certo foi que, bem cedo, estenderam os seus domínios ao Douro e aos vinhos do Porto. Em 1929, Messias Baptista, o fundador das Caves, já era um dos maiores fornecedores de aguardente […]

Se é na Bairrada que as Caves Messias nascem há quase um século (completam 100 anos em 2026), aí fixando a sua sede, certo foi que, bem cedo, estenderam os seus domínios ao Douro e aos vinhos do Porto. Em 1929, Messias Baptista, o fundador das Caves, já era um dos maiores fornecedores de aguardente vínica ao comércio e lavoura duriense para benefício do vinho do Porto. Na década de 30 do século passado, as operações negociais estendiam-se ao Douro e, sobretudo, a Gaia, onde já possuía diversos armazéns onde envelhecia largas centenas de pipas de vinho do Porto. A 5 de Fevereiro de 1943, o Grémio de Exportadores de Vinho do Porto revela, numa publicação, os 84 sócios que o compõem, e Messias Baptista faz parte dessa lista de ilustres comerciantes de vinho do Porto, tendo uma posição que se destaca no Brasil desde 1944, mercado que, para a empresa, sempre foi referencial e, ainda hoje, é um dos mais importantes destinos das suas marcas.
A produção própria de vinho do Porto começa a ser desenhada em 1958, com a aquisição da Quinta do Cachão, em Vale Figueira, São João da Pesqueira, aos herdeiros de Afonso do Vale Coelho Pereira Cabral, entre os quais figuravam nomes como Van Zeller, Olazabal e Sarsfield Cabral. No verão do mesmo ano, a Gonzalez Byass & Companhia compromete-se a vender a Quinta do Rei e, aos cerca de 100 hectares de vinhas do Cachão, a empresa alia as propriedades onde podem ser hoje encontradas a adega e as casas das Caves Messias na Ferradosa.
Casa clássica, onde reinam maioritariamente o Porto Colheita e com indicação de idade, as Caves Messias lançam agora mão do seu espólio de brancos e, de uma só assentada, apresentam cinco referências Porto Messias Branco, respetivamente, 10, 20, 30, 40 e, a categoria mais recentemente aprovada pelo IVDP, o 50 anos. Um espólio que sempre fez parte do seu vasto património de Portos envelhecidos e que, se nalgum momento deixaram de ser enquadrados em estratégias comerciais, passaram a ser guardados até surgir a oportunidade certa para serem dados a conhecer. A intenção aqui, para além da tendência de mercado de uma maior procura dos brancos, foi a valorização estratégica de vinho do Porto, mostrando a sua versatilidade e riqueza intrínseca, associada ao nobre envelhecimento que sofre nos armazéns de Gaia e da Ferradosa.

20 anos de enologia
Ana Urbano, natural de Sangalhos, Bairrada, chega às Caves Messias em 2004. Recém-licenciada em Engenharia Agrícola, pela UTAD, e com uma pós-graduação em enologia, na Universidade Católica, inicia o seu percurso profissional com estágio de vindima nas Caves Borlido e, logo em 2003, acompanha a primeira vindima da Messias na Bairrada, com a supervisão do enólogo sénior António Dias Cardoso. Em fevereiro de 2004 dá-se a sua estreia, sendo contratada pela empresa para os vinhos do Porto, onde chega sem qualquer experiência nesta tipologia de vinhos, o que lhe causa natural ansiedade e insegurança. Era todo um mundo novo com que se deparava e, sobretudo, uma enorme responsabilidade face ao vasto património de vinhos existentes, nas caves de Gaia e nos armazéns da Ferradosa. Como mentora, à data, teve Elizete Beirão, responsável por todo o sector de enologia dos vinhos do Porto da casa, que lhe transmitiu os ensinamentos na definição de perfis, elaboração de lotes e procedimentos específicos de vinificação tendo em conta o estilo da casa. Com ela tinha também Carlos Soeiro, técnico de prova com formação à antiga, ele que tinha desempenhado essas mesmas funções no IVDP. Ali era um pouco o guardador dos segredos e dos tesouros, personificados nos milhões de litros de Porto envelhecidos em casco.
Ana Urbano é, também, e logo desde 2004, a principal coordenadora das vindimas no Douro, sempre em estreita colaboração com João Soares, o responsável por toda a produção e enologia dos vinhos tranquilos da empresa familiar.
O desafio constante e o receio de errar são as forças motrizes da sua permanente busca de formação e conhecimento, que a levam a dedicar-se à investigação sobre vinhos do Porto, não obstante a escassez de bibliografia científica, necessitando de recorrer às investigações e inovações técnicas nos vinhos tranquilos, que depois adapta aos Portos, sua única e intensa devoção.
Num sector tão clássico, entende que há sempre margem para melhorar, sobretudo quando se inicia todo o processo de elaboração a montante, através da escolha da melhor uva, das vinhas mais aptas à produção de uva de qualidade para vinho do Porto. O equilíbrio, traduzido num perfil que se define na frescura e num teor alcoólico não demasiado elevado, é o parâmetro que define a qualidade e singularidade dos Porto Messias. Para obter este resultado, Ana Urbano vai articulando a tradição com as mais inovadoras técnicas que foi desenvolvendo ao longo das últimas duas décadas. Depois, é toda uma arte de alquimia para alcançar a profundidade e complexidade.

 

O portefólio de Portos brancos resulta também de uma mudança nos hábitos de consumo e da necessidade de cativar novas gerações

 

O advento do Porto branco
O surgimento e alargamento do portefólio de Portos brancos resulta também de uma mudança nos hábitos de consumo e da necessidade de cativar novas gerações para um vinho fino distinto e nobre que, sem mudar a sua essência, adapta-se aos novos tempos. Sente-se uma maior procura pelos brancos, sobretudo com mais idade e evolução. E mesmo essa busca por vinhos mais complexos, reflecte a existência de um consumidor mais experimentado e cada vez mais jovem, desmistificando o conceito de que o Porto era apenas um vinho de elites. O Porto Rosé e a tendência Porto Tónico são o exemplo manifesto da democratização do consumo.
O lançamento dos Porto Messias Branco, em cinco referências resulta de uma interpretação do mercado e das suas novas necessidades. Da busca de uma experiência única, de prova de vinhos que envelhecem em casco durante dezenas de anos, criando singularidades de prova inéditas, vinhos que resultam de um enorme poder de previsão do futuro, daquilo em que o vinho se transformará no fim de todo o processo de envelhecimento. Nesta seleção dos melhores lotes, a enóloga olha para o vinho como um todo, procurando captar todas as suas virtudes e fragilidades. O perfeccionismo latente ao modo como encara a arte de lotear, leva-a a uma constante busca pela excelência, que é sempre uma utopia inalcançável, sendo assombrada pela constante dúvida de saber se o apreciador compreenderá o que pretende transmitir com cada vinho. Neste lançamento conjunto, realça a revolução tranquila que se opera com as novas categorias 50 anos e Very Very Old (VVO), esta para vinhos cuja idade média é igual ou superior a 80 anos.
O prestígio internacional do vinho do Porto passa pela qualidade expressa nas diversas categorias, mas com especial ênfase nas categorias especiais, pois serão elas que definirão o vinho do Porto como produto único no mundo.
Ana Urbano assume a enorme responsabilidade que lhe é confiada há 20 anos. Ser a guardiã de um espólio que conta com cinco milhões de litros, cabendo-lhe, não apenas a sua elaboração, mas, igualmente, a sua preservação para que as gerações de enólogos que lhe seguirão possam dar continuidade a este trabalho nas quase centenárias Caves Messias.

(Artigo publicado na edição de Abril de 2024)

 

Quinta do Noval declara Porto Vintage 2022

Quinta do Noval

Christian Seely, diretor Geral da Quinta do Noval anunciou recentemente a declaração dos Vinhos do Porto Quinta do Noval Nacional Vintage 2022, Quinta do Noval Vintage 2022 e Quinta do Passadouro Vintage 2022. Segundo o responsável, “2022 foi um ano de extremos, muito quente e muito seco”. A região enfrentou ondas de calor recorrentes no […]

Christian Seely, diretor Geral da Quinta do Noval anunciou recentemente a declaração dos Vinhos do Porto Quinta do Noval Nacional Vintage 2022, Quinta do Noval Vintage 2022 e Quinta do Passadouro Vintage 2022.

Segundo o responsável, “2022 foi um ano de extremos, muito quente e muito seco”. A região enfrentou ondas de calor recorrentes no início de julho e de agosto, com períodos prolongados de temperaturas superiores a 40°C, que chegaram a atingir um pico de 45,5°C em meados de Julho. Foram “condições semelhantes às que originaram as grandes colheitas de 2017 e 1945 e, tal como nesses anos, 2022 evidenciou a notável capacidade de resistência do nosso terroir e das nossas castas durienses”, conta Christian Seely, acrescentando que as videiras se mantiveram saudáveis ao longo do ano, isentas de stress hídrico e com muito pouca incidência de doenças.

O Quinta do Noval Vintage foi, como sempre, produzido com base numa seleção muito rigorosa dos melhores vinhos do ano. “Destaca-se pela sua grande concentração e pureza, sendo profundo, especiado e aromático, uma expressão muito característica do terroir da Noval”, diz Christian Seely. As 2600 caixas produzidas representam apenas 6,6% da produção total de vinho do Porto dos 155 hectares da sua vinha.

O lote que deu origem ao Quinta do Passadouro Vintage 2022 é composto por uvas de três pequenas parcelas no vale do Pinhão, e “o vinho resultante destaca-se pelo seu estilo distinto, sendo puro, floral e aromático, mas com a riqueza característica da colheita de 2022.”

Sogevinus lança quatro novos vintage da colheita de 2022

Sogevinus

O grupo Sogevinus anunciou recentemente o lançamento de quatro novos Vintage 2022. Além dos Single Quinta, Kopke Quinta de São Luiz e Burmester Quinta do Arnozelo, também as casas Barros e Cálem declararam vintages do mesmo ano. Os mais recentes lançamentos refletem o longo legado das quatro marcas. De acordo com os registos do Instituto […]

O grupo Sogevinus anunciou recentemente o lançamento de quatro novos Vintage 2022. Além dos Single Quinta, Kopke Quinta de São Luiz e Burmester Quinta do Arnozelo, também as casas Barros e Cálem declararam vintages do mesmo ano.

Os mais recentes lançamentos refletem o longo legado das quatro marcas. De acordo com os registos do Instituto dos Vinhos do Douro e do Porto (IVDP), a Burmester produz vintages desde 1788 e a Kopke desde 1820. Também a Barros, marca histórica assente na portugalidade, e a Cálem, que celebra 165 anos em 2024, contam com vintages declarados ao longo de décadas. As suas primeiras colheitas remontam ao início do século XX.

O quarteto de novos vintages resulta de um ano quente e seco e de uma vindima com uma janela de maturação mais curta, onde o detalhe aplicado a cada parcela e o controlo permanente das uvas foram decisivos para alcançar vinhos com perfis clássicos e intemporais, com grande potencial de guarda. Todos eles envelheceram dois anos nas caves de Gaia antes de serem engarrafados, e são o reflexo do local que lhes dá origem.

Vinhos de precisão e de dedicação, traçados pelo terroir, incluindo a mão do homem, os quatro vintages da Sogevinus apresentam-se na forma de edições limitadas, disponíveis a partir de Setembro. Do Vintage da Kopke foram produzidos 9.500 litros, da Burmester 8.000 litros e, dos outros dois, 4.000 litros.

Extravaganza 2024: a prova continua!

Extravaganza

Em Portugal temos alguns dos melhores vinhos generosos do Mundo. Certamente! E também ótimos eventos dedicados a este tipo de vinho, os casos do Nobre Gosto, em Oeiras, organizado por esta revista e daquele que é o mais antigo, elitista e quase familiar Extravaganza, em Sintra. Já passou algum tempo da sua última edição, mas […]

Em Portugal temos alguns dos melhores vinhos generosos do Mundo. Certamente! E também ótimos eventos dedicados a este tipo de vinho, os casos do Nobre Gosto, em Oeiras, organizado por esta revista e daquele que é o mais antigo, elitista e quase familiar Extravaganza, em Sintra. Já passou algum tempo da sua última edição, mas muitos dos vinhos provados ainda não saíram da nossa cabeça, tanta era a sua qualidade. Depois de eventos dedicados ao Vinho Madeira e Moscatel, a edição de 2024 voltou a centrar-se no Vinho do Porto, paixão maior do organizador, mentor e entusiasta Paulo Cruz. O local, sempre escolhido na vila de Sintra, voltou a ser a Casa dos Penedos, e o evento espraiou-se por três dias.

O primeiro foi totalmente dedicado à empresa J. H. Andresen, com a apresentação dos vinhos a cargo de Carlos Flores, que lidera a companhia (o enólogo é o experiente Álvaro Van Zeller). Foram provados mais de uma dezena de vinhos, de 1991 (o mais recente) a 1900, todos colheitas e todos a grande nível. A par dos vetustos 1910 e 1900, ambos verdadeiramente do outro mundo, destaque maior para os excelentes 1975 e 1963, complexos e cheios de acidez vibrantes.

O segundo dia esteve a cargo da brigada da bem conhecida empresa Symington, com a apresentação capitaneada pelo chefe de enologia Charles Symington, bem secundado por Gonçalo Brito da área comercial. Entre tawnies e vintages, mais novos e mais antigos, destaque para duas garrafas impecáveis de Dow’s vintage 1963, a fazer jus à fama, e o novo lançamento Graham Porto tawny 50 anos, um verdadeiro monumento!

Por fim, no terceiro e último dia de prova, foi a vez da empresa Rozés apresentar as suas categorias especiais, a cargo do enólogo (e enólogo do ano de vinhos generosos para a nossa revista) Manuel Henrique Silva, com a participação especial de António Saraiva, o administrador da empresa, em vários instantes de conversa. Também nesta prova houve muitos momentos altos, desde logo com um fantástico LBV 1983 a dar ares de vintage clássico, e dois magníficos colheitas, de 1950 e 1935! Nota ainda para um brunch vínico no início do segundo dia de provas, organizado pelo enófilo e grande conhecedor Paulo Bento, um momento de grande convívio em redor de garrafas raras. N.O.G.

Vinalda consolida portefólio do Douro com vinhos da Porto Réccua

A Vinalda celebrou uma parceria com a Porto Réccua Vinhos, para a distribuição, em Portugal e no mundo, das marcas Cabeça de Burro, Réccua Porto, Réccua Douro e, a mais jovem, Réccua Cocktails.

A Vinalda celebrou uma parceria com a Porto Réccua Vinhos, para a distribuição, em Portugal e no mundo, das marcas Cabeça de Burro, Réccua Porto, Réccua Douro e, a mais jovem, Réccua Cocktails. Criada em 2013 por iniciativa das Caves Vale do Rodo, que reuniu as Adegas Cooperativas da Régua, Tabuaço e Armamar, a Porto […]

A Vinalda celebrou uma parceria com a Porto Réccua Vinhos, para a distribuição, em Portugal e no mundo, das marcas Cabeça de Burro, Réccua Porto, Réccua Douro e, a mais jovem, Réccua Cocktails.

Criada em 2013 por iniciativa das Caves Vale do Rodo, que reuniu as Adegas Cooperativas da Régua, Tabuaço e Armamar, a Porto Réccua Vinhos foi constituída para gerir a vertente comercial dos vinhos engarrafados produzidos pela casa-mãe. A maioria do capital é detida pelas Caves e o restante por um grupo de sócios e trabalhadores, num total de 200 acionistas. Neste modelo de negócio, a cooperativa, que junta cerca de 800 viticultores, produz uvas para as marcas comercializadas pela Porto Réccua, que elabora e engarrafa os vinhos.

“É com grande expetativa que a Porto Réccua Vinhos se associa à Vinalda”, diz António Lencastre, presidente da Porto Réccua Vinhos, acrescentando que está certo que a parceria irá catapultar as duas marcas de referência da empresa – Cabeça de Burro e Porto Réccua – “para os lugares cimeiros do mercado nacional, em todos os seus canais, bem como no mercado internacional”, acrescenta. Por seu turno, Bruno Amaral, administrador da Vinalda, garante que “o portefólio da Porto Réccua Vinhos vem ao encontro do que a Vinalda estava à procura para completar a carteira de vinhos do Douro e Porto: marcas de qualidade, que o consumidor reconhece”.

Graham’s promoveu maior prova de vinho do Porto de sempre

Graham’s

A Graham’s promoveu prova de vinho do Porto com a participação de 536 pessoas, em Viborg, na Dinamarca, o que assegurou o reconhecimento do evento pelo livro de recordes da Guinness. A iniciativa esteve englobada na celebração do 40º aniversário da Dahls Vinhandel, retalhista de vinhos dinamarquesa, parceira da Graham’s. O planeamento do evento este […]

A Graham’s promoveu prova de vinho do Porto com a participação de 536 pessoas, em Viborg, na Dinamarca, o que assegurou o reconhecimento do evento pelo livro de recordes da Guinness.

A iniciativa esteve englobada na celebração do 40º aniversário da Dahls Vinhandel, retalhista de vinhos dinamarquesa, parceira da Graham’s.

O planeamento do evento este a cargo de Gustavo Devesas, regional manager da Symington no Norte da Europa, que selecionou, para o efeito, algumas das principais referências do catálogo da marca. Os vinhos do Porto Graham’s The Tawny, Tawny 20 Anos, Graham’s Six Grapes e Quinta dos Malvedos Vintage 2012 compuseram a lista de opções ao dispor dos mais de 500 participantes.

Joanne Brent, Guinness World Records adjudicator, marcou presença na celebração para testemunhar a “maior prova de vinho do Porto” alguma vez registada, que ultrapassou o anterior recorde de 293 pessoas, no Lisbon Bar Show. Johnny Symington, chairman do grupo Symington, também presenciou o feito, destacando “a capacidade única do vinho do Porto para reunir e aproximar pessoas, em qualquer parte do mundo”.

Sogrape declara Vintage 2022 para Porto Ferreira, Sandeman e Offley

Sogrape vintage

A Sogrape fez a declaração de Vintage 2022 para a Porto Ferreira, Sandeman e Offley, as suas três casas de Vinho do Porto, depois de um ano vitícola com condições climatéricas favoráveis a uma maturação longa e equilibrada das uvas, que deram origem a vinhos cuja qualidade reflete a autenticidade e estilo de cada marca, […]

A Sogrape fez a declaração de Vintage 2022 para a Porto Ferreira, Sandeman e Offley, as suas três casas de Vinho do Porto, depois de um ano vitícola com condições climatéricas favoráveis a uma maturação longa e equilibrada das uvas, que deram origem a vinhos cuja qualidade reflete a autenticidade e estilo de cada marca, anuncia a empresa.

A região do Douro viveu um Inverno chuvoso, seguido de uma primavera e Verão amenos. Com alguma chuva em Abril e Junho, e sem ondas de calor, houve, assim, uma série de factores meteorológicos favoráveis à maturação das uvas. Em Setembro, alguns episódios de precipitação impuseram uma gestão precisa na data de colheita, de forma a garantir a qualidade pretendida em cada parcela. Luís de Sottomayor, diretor de Enologia da Sogrape, responsável pelos vinhos do Douro e Porto, assina estes três Vintages de 2022, e destaca vinhos com boa acidez, muito elegantes, que respeitam o histórico de excelência de colheitas anteriores. “O Porto Ferreira Quinta do Porto Vintage 2022 e o Sandeman Quinta do Seixo Vintage 2022 refletem a tipicidade do terroir de onde provêm”, salienta, acrescentando que “o primeiro é um vinho repleto de estrutura, profundidade e intensidade, enquanto o segundo se destaca pelo seu perfil elegante, harmonioso e complexo. O Offley Vintage 2022 também reflecte as características do ano climático, sendo um vinho com volume excepcional e estrutura assinalável”.

Para Fernando da Cunha Guedes, “mais do que um marco no tempo e de um anúncio promissor, cada declaração de vintage é a celebração do melhor que a natureza nos oferece em anos excepcionais”. Sandeman Quinta do Seixo Vintage 2022, Porto Ferreira Quinta do Porto Vintage 2022 e Offley Vintage 2022 chegarão ao mercado em Setembro.

Barros celebra 50 anos de liberdade em colaboração com artista portuguesa

barros

A Barros, casa de vinho do Porto fundada em 1913, celebrou o 50º aniversário do 25 de abril com o lançamento de uma edição especial da colheita de 1974. Em parceria com a artista portuguesa Teresa Rego, a marca criou um packaging especial, para celebrar os 50 anos deste evento histórico para  o país. A […]

A Barros, casa de vinho do Porto fundada em 1913, celebrou o 50º aniversário do 25 de abril com o lançamento de uma edição especial da colheita de 1974. Em parceria com a artista portuguesa Teresa Rego, a marca criou um packaging especial, para celebrar os 50 anos deste evento histórico para  o país.

A iniciativa, que alia o talento e a arte de Teresa Rego ao vinho do Porto, salienta a liberdade, representada numa ilustração que celebra Abril sem barreiras ou restrições. A ilustração desenvolvida ganha vida na garrafa, no rótulo,  contra-rótulo e na caixa individual. Nela estão representados valores como a jovialidade e a vivacidade, através das cores que, juntas, dão fôlego a uma desconstrução descontraída e arrojada da data.

Cada garrafa desta coleção, também ela ilustrada, é uma homenagem ao estilo revolucionário que transformou Portugal e um convite a todos os que desejam apreciar e celebrar a história através de uma colheita icónica. Um tributo da casa Barros ao verdadeiro talento português. De edição limitada e exclusiva.

Barros

 

Kopke lança Library Collection de vinhos do Porto com 100 anos

A Kopke lançou, no mercado, a Library Collection, uma edição especial com três vinhos com 100 anos, composta por um Porto Very Very Old Tawny, um Vermute e um Quinado, estes criado a partir de uma base de vinho do Porto. Integram a “livraria” histórica da Kopke, a casa mais antiga de vinho do Porto, […]

A Kopke lançou, no mercado, a Library Collection, uma edição especial com três vinhos com 100 anos, composta por um Porto Very Very Old Tawny, um Vermute e um Quinado, estes criado a partir de uma base de vinho do Porto. Integram a “livraria” histórica da Kopke, a casa mais antiga de vinho do Porto, cuja fundação data de 1638, ou seja, têm estado em repouso há muito tempo nas suas caves de Vila Nova de Gaia.

Segundo Carlos Alves, diretor de viticultura e enologia do Grupo Sogevinus,  onde a empresa está integrada, são vinhos que estão em barrica há mais de um século, que são apenas lançados em edições especiais, como esta, ou são guardados como memória, sobretudo quando as quantidades já são muito pequenas, para servirem de exemplo a quem faz hoje os Vinhos do Porto desta casa.

“Para produzir esta edição também foi feito um pequeno trabalho de investigação, que permitiu contar melhor a história destes vinhos que nasceram no Douro e desceram o rio para ficarem armazenados nas caves da Kopke”, contou Carlos Alves durante o lançamento, que decorreu na sala do tribunal do Palácio da Bolsa, no Porto. A The Library Collection, que é comercializada numa caixa em formato de livro com três garrafas de 37,5 cl é, assim, uma edição que pretende mostrar o resultado de tradições e métodos ancestrais.

Após uma demorada imersão ao espólio de vinhos antigos e raros da Kopke, detentora de uma autêntica biblioteca vínica, as três referências históricas foram resgatadas pela sua equipa de enologia para comemorar o longo percurso deste produtor de vinhos do Porto. Os três seleccionados, cuja curadoria tem atravessado gerações, contam histórias passadas de forma singular. O Very Very Old Tawny, um lote criado por Carlos Alves com vinhos do Porto de 1890 a 1930, mostra nariz expressivo e intenso, fresco e complexo, onde se salientam notas de chá preto, caramelo, turfa, um pouco de verniz e madeira, resultantes dos anos de envelhecimento em pipas. A boca, fresca, tem volume e doçura, e um final onde se salientam notas de frutos secos e açúcar queimado. Um vinho maravilhoso, para apreciar numa pausa bem longa, como todas as coisas boas o devem ser.

Foi lançado também um Vermute, criado a partir de uma receita secreta que remonta ao começo do século passado, que permaneceu em cave, quase intocado, durante mais de 100 anos. No seu aroma complexo e atractivo, para além de notas de Porto envelhecido em cascos, salientam-se alguns frutos secos, turfa, água oxigenada e acetona. É um vermute que nunca foi replicado, porque a receita que lhe deu origem se perdeu, e só existe um pequeno volume ainda em barricas. Uma raridade e uma tentação pela sua qualidade ao fim de tanto tempo.

A terceira novidade deste lançamento foi um Quinado, género outrora abandonado, agora resgatado para completar esta tríade desta edição limitada, cuja caixa está à venda por três mil euros. É um vinho também distinto, que mostra aromas de frutos secos, acetona e madeira encerada e uma boca doce, com persistência de notas de bolacha maria, lápis aparado e castanhas e um final longo e ligeiramente amargo. Este tipo de vinho, feito com base em Vinho do Porto, levava quinino e era vendido para as antigas colónias portugueses, onde servia ao mesmo tempo de bebida e de medicamento para a malária. J.M.D.

IVDP distinguiu empresas e pessoas no Port Wine Day 2023

IVDP Port Wine Day

No âmbito das celebrações do Port Wine Day 2023, assinalado a 10 de Setembro, o Instituto dos Vinhos do Douro e do Porto (IVDP) voltou a distinguir empresas e pessoas cujos projectos se revelaram casos de sucesso nas áreas do enoturismo e da vitivinicultura. Este ano, os prémios foram atribuídos sob a égide “Douro + […]

No âmbito das celebrações do Port Wine Day 2023, assinalado a 10 de Setembro, o Instituto dos Vinhos do Douro e do Porto (IVDP) voltou a distinguir empresas e pessoas cujos projectos se revelaram casos de sucesso nas áreas do enoturismo e da vitivinicultura.

Este ano, os prémios foram atribuídos sob a égide “Douro + Sustentável”, nas categorias Enologia, Viticultura, Enoturismo e Revelação: Jorge Lourenço, enólogo da empresa Vinilourenço, venceu na categoria Enologia; o projecto i-GRAPE, da Sogrape, foi distinguido em Viticultura; à Quinta de S. Luiz, da Sogevinus, foi entregue o prémio de Enoturismo; e na categoria Revelação, venceu a enóloga Rita Marques, produtora dos vinhos Conceito.

IVDP Port Wine Day 2023
Gilberto Igrejas, presidente do IVDP.

“A sustentabilidade é a chave para garantir que este tesouro perdure. As mudanças climáticas, a pressão sobre os recursos naturais e os desafios sócio-económicos são realidades que não podemos ignorar. Através destas distinções, queremos inspirar toda a comunidade do Douro a abraçar a sustentabilidade como um valor central em todas as nossas actividades. Queremos incentivar a inovação, o respeito pela natureza e o compromisso com as gerações futuras. O Douro merece continuar a ser um lugar mágico, onde a tradição se une à vanguarda, e onde os vinhos são verdadeiras obras de arte que reflectem o terroir único da nossa região. É esse trabalho, empenho e dedicação que hoje estamos aqui a homenagear”, referiu Gilberto Igrejas, presidente do IVDP, entidade impulsionadora do Port Wine Day.