José Maria da Fonseca renova imagem do icónico Moscatel Roxo 20 Anos

Moscatel Roxo

No ano em que celebra 190 anos, a José Maria da Fonseca, mais antigo produtor de vinhos de mesa e moscatéis em Portugal, aposta na renovação de imagem do packaging do Moscatel Roxo 20 anos, que passa agora a integrar a gama de moscatéis Alambre. A mudança tem como objectivo reforçar a identidade e o […]

No ano em que celebra 190 anos, a José Maria da Fonseca, mais antigo produtor de vinhos de mesa e moscatéis em Portugal, aposta na renovação de imagem do packaging do Moscatel Roxo 20 anos, que passa agora a integrar a gama de moscatéis Alambre. A mudança tem como objectivo reforçar a identidade e o posicionamento da produtora de Azeitão, assente na sua singularidade e legado histórico.

O Moscatel Roxo é um vinho generoso produzido unicamente na região da Península de Setúbal, onde a casta que lhe dá origem – o Moscatel Roxo de Setúbal – esteve praticamente extinta na segunda metade do século passado. Foi Fernando Soares Franco – 5ª geração da família – grande entusiasta pela viticultura e pela casta Moscatel Roxo de Setúbal em particular, que empreendeu esforços, nas décadas de 70 e 80, para salvá-la da extinção. Reconhecido a nível nacional e internacional, o Moscatel Roxo 20 anos da José Maria da Fonseca é um lote de 4 colheitas, em que a colheita mais nova tem 23 anos e a mais antiga 80, sendo que estagia em cascos de madeira usada, tendo como objectivo um longo processo oxidativo, nas caves da José Maria da Fonseca em Azeitão.

Moscatel Roxo

José Maria da Fonseca celebra 190 anos de história

Fundada em 1834, a José Maria da Fonseca (JMF) celebra o seu 190º aniversário este ano, entre outros, com a renovação da sua imagem corporativa. O seu logótipo dá agora especial destaque ao ano de fundação, 1834, às sete gerações da família que a geriram, e inclui uma assinatura alusiva à data. Além disso, os […]

Fundada em 1834, a José Maria da Fonseca (JMF) celebra o seu 190º aniversário este ano, entre outros, com a renovação da sua imagem corporativa. O seu logótipo dá agora especial destaque ao ano de fundação, 1834, às sete gerações da família que a geriram, e inclui uma assinatura alusiva à data. Além disso, os rótulos das principais marcas terão um selo comemorativo dos 190 anos.

Ao longo do ano de 2024, a empresa vai assinalar a data com um conjunto de iniciativas direcionadas a profissionais e consumidores, incluindo vários lançamentos, eventos e uma campanha de comunicação para assinalar este marco histórico.

Criada pelo empresário cujo nome permanece na designação da empresa até aos dias de hoje, a JMF é gerida actualmente pela sétima geração da família, que inclui três elementos em cargos executivos – António Maria, Francisco (Co-CEO’s) e Sofia Soares Franco, responsável pela Comunicação Institucional, Enoturismo e Eventos desta casa. Segundo António Maria Soares Franco, “este aniversário não é apenas uma celebração do passado, é uma afirmação do nosso compromisso contínuo para com todos os nossos clientes, colaboradores e parceiros e as gerações futuras. Daí a nossa aposta em políticas de sustentabilidade e o nosso compromisso em continuar a contribuir para um planeta mais saudável”.

Vinhos da WineStone serão distribuídos pela José Maria da Fonseca Distribuição

WineStone José Maria Fonseca

A WineStone, empresa do Grupo José de Mello dedicada ao sector dos vinhos, confiou a distribuição nacional das novas marcas do seu portefólio — Quinta do Côtto (Douro) e Paço de Teixeiró (Vinhos Verdes) — à José Maria da Fonseca Distribuição, empresa que já assegurava a comercialização dos vinhos da Ravasqueira (Alentejo). “Com o objectivo […]

A WineStone, empresa do Grupo José de Mello dedicada ao sector dos vinhos, confiou a distribuição nacional das novas marcas do seu portefólio — Quinta do Côtto (Douro) e Paço de Teixeiró (Vinhos Verdes) — à José Maria da Fonseca Distribuição, empresa que já assegurava a comercialização dos vinhos da Ravasqueira (Alentejo).

Com o objectivo de relançar duas marcas clássicas portuguesas, a WineStone decidiu apostar na consolidação com a José Maria da Fonseca Distribuição. Parceiros que nos têm dado provas de consistência e capacidade de valorização das marcas que trabalham. Estamos confiantes que as marcas Quinta do Côtto e Paço de Teixeiró estão prontas para um novo ciclo com grande ambição, que começa já em Janeiro.”, refere Pedro Pereira Gonçalves, CEO da WineStone. “A nossa ambição de crescimento só pode ser concretizada se tivermos connosco parceiros com o mesmo foco, comprometidos em criar valor, gerar notoriedade e potenciar o prestígio dos nossos vinhos no mercado nacional”, sublinha.

Paulo Costa, director geral da José Maria da Fonseca Distribuição, afirma: “A renovação e reforço da nossa parceria são prova do trabalho efectuado desde 2018 com a Ravasqueira, e agregam valor à nossa oferta comercial com vinhos de inegável reputação e excelente qualidade, que complementam estrategicamente o nosso portefólio”.
A José Maria da Fonseca Distribuição, criada em 2015, assegura a comercialização em território nacional de vinhos de produtores de referência como José Maria da Fonseca, Lima&Smith ou Quinta da Lagoalva, para além da Ravasqueira. Ao portefólio, juntam-se ainda os Champagnes Henriot e a cachaça Ypioca.

Vinhos de 2022 da José Maria da Fonseca recebem certificação FAIR’N GREEN

José Maria Fonseca certificação

A José Maria da Fonseca recebeu, recentemente, a certificação de sustentabilidade FAIR’N GREEN para todos os seus vinhos da colheita de 2022. Esta é a única empresa portuguesa a integrar a lista de 130 produtores com a certificação FAIR’N GREEN, um projecto iniciado em 2013 por produtores de vinho alemães. António Soares Franco, presidente da […]

A José Maria da Fonseca recebeu, recentemente, a certificação de sustentabilidade FAIR’N GREEN para todos os seus vinhos da colheita de 2022. Esta é a única empresa portuguesa a integrar a lista de 130 produtores com a certificação FAIR’N GREEN, um projecto iniciado em 2013 por produtores de vinho alemães.

António Soares Franco, presidente da José Maria da Fonseca, comenta: “Depois da certificação que alcançámos no ano passado com o Periquita Reserva, uma das nossas grandes referências, quisemos expandir a certificação de sustentabilidade FAIR’N GREEN à totalidade do nosso portefólio. Se queremos continuar a preservar os recursos naturais, tal como fazemos há várias décadas, o caminho a percorrer teria de ser este. Estamos muito felizes com esta certificação, mas conscientes de que ela nos traz mais responsabilidades na adopção de práticas mais conscientes e amigas do ecossistema”.

No âmbito das políticas e práticas sustentáveis, a José Maria da Fonseca afirma que apostou recentemente “na instalação de um sistema solar fotovoltaico para autoconsumo, na Quinta da Bassaqueira, em Vila Nogueira de Azeitão, que irá permitir a poupança energética de 38%. Este sistema irá também evitar a emissão de 250 toneladas de CO2 por ano, que equivalem a 55 hectares de floresta ou à retirada de 139 carros da estrada por ano”. Ainda neste campo, o produtor refere que mantém práticas como “a redução de consumos de água, com objectivos e metas anuais, incluindo o tratamento e reutilização de todas as águas residuais”, e que “a empresa não faz descargas da sua Estação de Tratamento de Águas Residuais (ETAR) no meio hídrico desde 2007”.

Enoturismo de Outono: Depois da vindima, o descanso…

Enoturismo Outono

Numa altura em que as vindimas ou já acabaram, ou estão quase no fim (dependendo da região e do tipo de vinho), chegou uma nova fase do enoturismo: relaxar, de copo na mão. As vantagens do enoturismo no Outono e Inverno são várias, sobretudo porque estamos em “época baixa”, o que se traduz em menos […]

Numa altura em que as vindimas ou já acabaram, ou estão quase no fim (dependendo da região e do tipo de vinho), chegou uma nova fase do enoturismo: relaxar, de copo na mão. As vantagens do enoturismo no Outono e Inverno são várias, sobretudo porque estamos em “época baixa”, o que se traduz em menos gente e preços geralmente mais baixos, mas também por toda a magia que só estas estações podem trazer, como a paleta de cores quentes, do vermelho ao castanho, que invade as vinhas, ou o cheiro a lareira e fumeiro que paira no ar, e também a paz que transmite o descanso dos vinhos numa sala de barricas ou de tonéis. Aqui ficam cinco sugestões de destino, com e sem alojamento, para os enófilos “fugirem” do buliço do dia-a-dia, nesta época que agora se inicia.

 Texto: Mariana Lopes  Fotos: D.R.

VINHO VERDE
Quinta da Lixa/Monverde Wine Experience Hotel

O Monverde Wine Experience Hotel pertence à Quinta da Lixa (Vila Cova da Lixa, concelho de Felgueiras) e localiza-se apenas a 2,5km desta, em linha recta, na Quinta de Sanguinhedo, em Telões, Amarante. Embora a Quinta da Lixa tenha já um bom programa de provas e visitas, é no Monverde que a oferta premium de enoturismo tem lugar, com a vantagem de estarmos perante um alojamento de luxo, que inclui SPA (centrado na vinoterapia) e um restaurante ao mesmo nível. Aqui, há seis provas de vinho — que vão dos 18 aos 60 euros por pessoa — e cinco experiências, mas apenas uma, bastante “family friendly”, está disponível na época Outono/Inverno.

PROVAS

EXPERIÊNCIA DE OUTONO

Monverde Wine Experience Hotel                                                                           

enoturismo outono
Quinta da Lixa

Website: www.monverde.pt

Localização: Quinta de Sanguinhedo 166, Castanheiro Redondo
4600-761 Telões, Amarante

Contactos: +351255143100 / geral@monverde.pt

DOURO

Quinta de Ventozelo

No concelho de São João da Pesqueira, entre o Pinhão e Ervedosa do Douro, a Quinta de Ventozelo estende-se por uma totalidade de 400 hectares, 200 de vinha. Nos últimos anos, a empresa tem feito grandes investimentos não só a nível da produção, mas também na sua oferta hoteleira e de enoturismo. Hoje, a propriedade tem 29 quartos (recentemente reabilitados, distribuídos por sete edificações distintas), o restaurante e wine bar Cantina de Ventozelo (consultoria do chef Miguel Castro e Silva), provas de vinho (com preços dos 14 aos 40 euros), 7 percursos pedestres com extensões e graus de dificuldade variados e audio-guia (€25), experiências na natureza e actividades cinegéticas, como caçadas fotográficas. No Outono, é também possível participar na apanha da azeitona. Mas é no mais recente Centro Interpretativo/Núcleo Museológico que reside a individualidade e inovação do enoturismo da Quinta de Ventozelo…

CENTRO INTERPRETATIVO/NÚCLEO MUSEOLÓGICO

Este centro, inserido num edifício da quinta construído no século XVIII, foi criado para proporcionar aos visitantes um conhecimento mais aprofundado da região do Douro — do seu património natural, material e imaterial — através de uma experiência sensorial de descoberta de Ventozelo e da sua história. Natalia Fauvrelle, museóloga responsável pelo Centro Interpretativo, explica: “Procurou-se um discurso expositivo, que combinasse o lúdico com o conhecimento e com o rigor científico. Por exemplo, os retratos dos proprietários da Quinta no século XVIII são expostos mostrando o cuidado que houve no seu estudo e restauro. Depois, temos experiências tão simples como andar, a subir e descer dentro do percurso da exposição, de modo a ter a perceção dos declives de que é feita a quinta, e toda a região. Segue-se o mais tradicional desafio de apreensão de aromas e um espaço onde o visitante se pode sentar e contemplar o céu ao longo do dia. Também há um espaço onde se pode ouvir Ventozelo, o silêncio e os seus sons característicos”. Segue-se um passeio que contempla também a capela de Nossa Senhora dos Prazeres, os lagares e a adega, o alambique, as hortas biológicas, os pomares e o jardim das aromáticas, onde também se pode provar o Gin de Ventozelo). Tudo isto é feito com audio-guia e inclui prova de dois vinhos do Porto e um do Douro.

PROVAS

Quinta de Ventozelo

Website: www.quintadeventozelo.pt

Localização: Ervedosa do Douro

5130-135 S. João da Pesqueira

Contactos Enoturismo: +351254732167 / hotel@quintadeventozelo.pt

LISBOA

Quinta do Sanguinhal/Quinta das Cerejeiras

 No Bombarral, a família Pereira da Fonseca detém três propriedades desde o início do século XX, totalizando 140 hectares, sob a “umbrela” Companhia Agrícola do Sanguinhal: Quinta do Sanguinhal, Quinta das Cerejeiras e Quinta de S. Francisco. Nestas três propriedades, a família sempre produziu vinho, vinificando as quintas separadamente, nas respectivas adegas. Mais recentemente, a empresa criou programas de enoturismo para as Quintas do Sanguinhal e das Cerejeiras, focados em proporcionar uma descoberta não só de carácter vínico, mas também histórico, religioso e arquitectónico. Todos os programas podem ser reservados e pagos directamente no website da Companhia Agrícola do Sanguinhal, o que é muito prático.

QUINTA DO SANGUINHAL

Esta propriedade proporciona uma visita completa e guiada (+ prova de vinhos), que passa pelos jardins do século XIX, pelas vinhas, pela destilaria do séc. XIX (onde se produziram aguardentes vínicas e bagaceiras durante 100 anos), por “um dos maiores e mais antigos lagares da Península Ibérica” (com prensas de fuso e vara, a mais antiga a datar de 1871), e pela cave de envelhecimento, “uma das mais antigas da região de Lisboa ainda em utilização” com 36 tonéis de carvalho português e mogno. Aqui, há duas variações do programa:

QUINTA DAS CEREJEIRAS

A visita, com prova de vinhos, da Quinta das Cerejeiras, contempla o exterior da casa de Abel Pereira da Fonseca (fundador da Companhia Agrícola do Sanguinhal), projetada pelo arquitecto Norte Junior (primeira metade do século XX), a capela Madre de Deus (século XVI) com as paredes e abóbada forradas a azulejos do século XVII, o jardim da casa e o núcleo museológico, composto por uma adega com tonéis de carvalho e vários objectos e equipamentos antigos, ligados à história da produção de vinho da empresa. No momento da escrita deste artigo, estava disponível uma modalidade: visita guiada e prova de 2 vinhos da Quinta das Cerejeiras, com duração de 30 a 45 minutos (€5 pax).

enoturismo Outono
Quinta do sanguinhal

Website: www.sanguinhal.pt

Localizações:                                                                             

2540-216 Bombarral

Quinta das Cerejeiras
2544-909 Bombarral

Contactos Enoturismo: +351262609199 / +351914493231 / enoturismo@sanguinhal.pt / ana.reis@sanguinhal.pt

PENÍNSULA DE SETÚBAL

Casa Museu José Maria da Fonseca

 A José Maria da Fonseca foi fundada há mais de 180 anos, estando hoje na sétima geração da família Soares Franco. A sua Casa Museu, em Vila Nogueira de Azeitão, actual local do enoturismo da empresa, foi residência da família até aos anos 70, tendo sido construída no século XIX e restaurada em 1923, pelo arquitecto suíço Ernesto Korrodi. Visitá-la, é também entrar em toda a mística da produção e estágio dos moscatéis, onde os cheiros e e as madeiras velhas combinam na perfeição com a estação outonal. Há muitas e distintas provas disponíveis, e todas incluem a visita, que tem início na Sala Museu, com uma breve explicação sobre a história da empresa, seguindo-se passagem pelo jardim e descoberta das três adegas: a Adega da Mata, onde estagia o vinho Periquita; a Adega dos Teares Novos, palco da Confraria do Periquita; e a Adega dos Teares Velhos, onde repousam os moscatéis mais antigos da José Maria da Fonseca.

Há várias modalidades de prova que conjugam vinhos brancos, tintos e Moscatéis de Setúbal: as Premium, dos 8 aos 19 euros; e as Super Premium, dos 18 aos 36 euros. Mas são as Provas Especiais, o Programa Família e a Experiência “Um dia com a nossa Família”, que se destacam neste Outono.

PROVAS ESPECIAIS (incluem visita):

PROGRAMA FAMÍLIA:

EXPERIÊNCIA “UM DIA COM A NOSSA FAMÍLIA”:

Casa Museu José Maria da Fonseca                                                         

Enoturismo Outono
Fachada da Casa Museu José Maria da Fonseca

Website: www.jmf.pt

Localização: Rua José Augusto Coelho 12A
2925-538 Azeitão

Contactos Enoturismo: +351212198940 / enoturismo@jmfonseca.pt

ALENTEJO

Herdade do Rocim

 A Herdade do Rocim é já uma referência incontornável da região da Vidigueira, quer pela qualidade e diversidade dos vinhos como pela beleza da propriedade e da sua moderna (mas perfeitamente integrada na paisagem) adega. A oferta de enoturismo do Rocim, por sua vez, convida a imergir na cultura vitivinícola tradicional alentejana, com propostas muito interessantes e originais, entre as quais se destaca a Amphora Wine Tour e a sugestão do produtor para esta estação: Brunch de Outono ou Bucha Alentejana de Outono.

PROVAS:

BRUNCH DE OUTONO OU BUCHA ALENTEJANA DE OUTONO:

AMPHORA WINE TOUR:

Herdade do Rocim                                                                                     

Website: www.rocim.pt

Localização: Estrada Nacional 387
7940-909 Cuba

Contactos Enoturismo: enoturismo@herdadedorocim.com / +351935683517

 

Confraria do Periquita reuniu-se para o XXIV Capítulo

Confraria Periquita

A Confraria do Periquita, reuniu-se no passado dia 31 de maio, em Azeitão, para a realização do XXIV Capítulo. Com mais de 100 pessoas reunidas na Casa Museu José Maria da Fonseca, a Confraria da marca de vinho de mesa mais antiga em Portugal entronizou 19 novos Confrades e Confreiras de várias nacionalidades.  Além de […]

A Confraria do Periquita, reuniu-se no passado dia 31 de maio, em Azeitão, para a realização do XXIV Capítulo. Com mais de 100 pessoas reunidas na Casa Museu José Maria da Fonseca, a Confraria da marca de vinho de mesa mais antiga em Portugal entronizou 19 novos Confrades e Confreiras de várias nacionalidades.

 Além de portugueses, esta edição contou com Confrades e Confreiras oriundos do Brasil, Noruega, Suécia, EUA e Luxemburgo. Com o Primeiro Capítulo realizado a 31 de Maio de 1993, a Confraria do Periquita reúne-se actualmente em anos pares para “promover o Prestígio e a Tradição do Vinho do mesmo nome, divulgar as suas características singulares de Aromas e Sabores e proporcionar Momentos de Glória a todos os seus apreciadores”.

A Adega dos Teares Novos, na Casa Museu José Maria da Fonseca, foi palco de mais um jantar  que terminou com um concerto do músico Francisco Rebelo de Andrade. A Confraria conta com mais de 240 membros já entronizados, incluindo o ex-Presidente da República Jorge Sampaio, Ana Maria Braga, Fafá de Belém, Ricardo Pereira, os chefs Leonel Pereira, Rui Paula, Marlene Vieira e Hélder Chagas.

FAIR’N GREEN é uma certificação de sustentabilidade e a José Maria da Fonseca é a primeira empresa de vinho portuguesa a recebê-la para um dos seus produtos. Esta certificação começou com um projecto para produtores de vinho alemães, em 2013, mas já certificou quase 100 empresas em 7 países.

A primeira referência da José Maria da Fonseca a integrar a certificação FAIR’N GREEN é um dos seus vinhos mais emblemáticos, o Periquita Reserva, cuja produção anual é de cerca de um milhão de litros.

António Soares Franco, presidente da empresa produtora, afirma: “A sustentabilidade faz parte do DNA da José Maria da Fonseca há várias décadas. Por ser uma empresa de sete gerações, vemos a sustentabilidade como a única forma de as próximas gerações da família terem uma empresa viável e gerida com responsabilidade nas áreas de meio ambiente, social e económica. Com base na nossa filosofia, era lógico expandirmos para uma certificação de sustentabilidade holística, que nos ajuda a melhorar sistematicamente ao longo do tempo”.

Por sua vez, Keith Ulrich, fundador e presidente do conselho da associação FAIR’N GREEN, declara: “Damos as boas-vindas ao nosso primeiro membro português. Somos uma rede crescente de produtores de vinho inovadores e dinâmicos que não quer somente esperar pelas decisões políticas para dar os próximos passos, mas que quer ajudar a transformar a viticultura, de forma a que esta se torne mais sustentável a partir de dentro. A beleza de trabalhar com todos os tipos de empresas em várias regiões e países é que podemos realmente criar novos conhecimentos: as pequenas empresas costumam ser altamente inovadoras, as grandes empresas podem trazer inovações em escala. Acreditamos firmemente que a nossa abordagem orientada para consultoria trará os melhores efeitos no longo prazo. Estamos empenhados em contribuir para a mudança no mundo real, não apenas em validar pontos de uma checklist”.

No âmbito das suas políticas e práticas sustentáveis, a José Maria da Fonseca instalou recentemente um sistema solar fotovoltaico para autoconsumo, na Quinta da Bassaqueira, em Vila Nogueira de Azeitão, que, segundo a própria, irá permitir uma poupança energética de 38%. Implementado e gerido pela ENGIE Hemera, “este sistema irá também evitar a emissão de 250 toneladas de CO² por ano, que equivalem a 55 hectares de floresta ou à retirada de 139 carros da estrada por ano”. 

Champagnes Henriot chegam a Portugal pela José Maria da Fonseca Distribuição

Champagnes Henriot

A José Maria da Fonseca Distribuição vai passar a representar e distribuir, em Portugal, os champagnes Henriot, da Maison & Domaines Henriot. Os champagnes Henriot são produzidos há 8 gerações — pela casa com o mesmo nome fundada em 1808 — a partir de 35 hectares que incluem vinhas Grand Cru e Premier Cru, nas […]

A José Maria da Fonseca Distribuição vai passar a representar e distribuir, em Portugal, os champagnes Henriot, da Maison & Domaines Henriot.

Os champagnes Henriot são produzidos há 8 gerações — pela casa com o mesmo nome fundada em 1808 — a partir de 35 hectares que incluem vinhas Grand Cru e Premier Cru, nas zonas de Côte des Blancs e Montagne de Reims.

Esta é uma aposta quem vem reforçar portefólio da José Maria da Fonseca Distribuição, e alargar a oferta de produtos da distribuidora. António Maria Soares Franco, administrador da José Maria da Fonseca com o pelouro do Marketing e Vendas, refere: “Este alargamento de portefólio na categoria de champagnes, com um produtor internacional, resulta de um objectivo de alargar a oferta aos nossos clientes, com produtos de alta qualidade e com uma filosofia alinhada com a José Maria da Fonseca. Os champagnes Henriot são de um estilo único, não só pela sua história familiar, como também pelos seus terroirs caracterizados pelos solos calcários da Côte des Blancs”.