Ferreira e Ach. Brito juntam-se em edição especial de Dona Antónia

Ferreira Ach. Brito

A Ferreira, casa de vinho do Porto do grupo Sogrape, e a Ach. Brito, centenária produtora de sabonetes, anunciaram o lançamento de uma edição especial de Dona Antónia Porto Tawny 10 Anos. As duas marcas icónicas nacionais, ambas de raízes familiares, juntaram-se para criar um pack em que a garrafa deste vinho do Porto Dona […]

A Ferreira, casa de vinho do Porto do grupo Sogrape, e a Ach. Brito, centenária produtora de sabonetes, anunciaram o lançamento de uma edição especial de Dona Antónia Porto Tawny 10 Anos.

As duas marcas icónicas nacionais, ambas de raízes familiares, juntaram-se para criar um pack em que a garrafa deste vinho do Porto Dona Antónia vem acompanhada de um sabonete de lavanda, mesmo a tempo da celebração do Dia da Mãe. De acordo com o comunicado da Ferreira, este foi o aroma escolhido “por estar presente nas mais belas paisagens do Douro. A tonalidade suave e delicada desta flor, simbolicamente ligada à tranquilidade, traduz-se numa verdadeira viagem sensorial à qual se junta a riqueza aromática de um Tawny 10 Anos”.

Com um p.v.p. de €18,89, a edição especial de Ferreira e Ach. Brito poderá ser adquirida em vários locais, online ou físicos: vinhoemcasa.com; garrafeiras, lojas de conveniência e mercearias, nas plataformas de entrega Glovo e Bolt, e na loja das Caves Ferreira, onde é também possível adquirir o sabonete avulso.

Ferreira Ach. Brito

“Esta é uma parceria que espelha os valores da Ferreira, a força dos negócios familiares e a portugalidade de uma Casa que sempre esteve em mãos portuguesas”, afirma Raquel Seabra, administradora da Sogrape. “Juntarmo-nos à Ach. Brito, permitiu-nos conceber um produto elegante e autêntico que, enquanto celebra elementos tradicionais do nosso país, homenageia Dona Antónia e todas as mães e mulheres portuguesas”, conclui.

Já Aquiles Brito, administrador da Ach. Brito, afirma: “É com muito gosto que a Ach. Brito se associa à Ferreira, aliando, assim, o saber fazer de duas empresas portuguesas à celebração de uma figura feminina icónica do nosso país. A fórmula que desenvolvemos para este sabonete de lavanda, enriquecido com óleo de oliva, foi pensada para as mães e mulheres portuguesas e é uma ode à portugalidade e à qualidade dos produtos destas duas Casas centenárias”.

Graham’s lança Colecção do Bicentenário

Graham's Bicentenário

Duzentos anos de Graham’s: um marco histórico que as especiais circunstâncias do ano de 2020 impediram que fosse devidamente comemorado, mas que agora a família Symington resolveu assinalar, com vinho, claro. São seis Porto Colheita e seis Porto Vintage de excepcional qualidade e raridade, reunidos num armário concebido especialmente para o efeito e que é […]

Duzentos anos de Graham’s: um marco histórico que as especiais circunstâncias do ano de 2020 impediram que fosse devidamente comemorado, mas que agora a família Symington resolveu assinalar, com vinho, claro. São seis Porto Colheita e seis Porto Vintage de excepcional qualidade e raridade, reunidos num armário concebido especialmente para o efeito e que é só por si uma obra de arte. 

Os vinhos foram selecionados por membros da terceira, quarta e quinta gerações da família Symington. Os seis Vintage contemplam exemplares de anos que correspondem a algumas das mais importantes declarações dos últimos dois séculos, incluindo os famosos 1963, 1994 e 2011. Já os seis Colheita (ou Tawny Single Harvest como a Symington prefere chamar) foram engarrafados exclusivamente para a colecção, incluindo o 1982, engarrafado pela primeira vez para assinalar o nascimento do príncipe George e dois vinhos nunca lançados, 2000 e 2006. 

Graham's Bicentenário
©Graham’s

A Coleção Bicentenário da Graham’s é reunida num móvel-armário elaborado a partir de raríssima madeira de pau-rosa, certificada pelo “Forest Stewardship Council” (FSC), trabalhada por marceneiros portugueses da empresa WeWood. Além dos vinhos, este “cabinet” contempla também um decantador de vidro soprado – de fabrico manual – e um conjunto de copos idealizados por Jancis Robinson em parceria com o designer britânico, Richard Brendon; um saca-rolhas concebido para retirar rolhas de vinhos finos e, finalmente, um funil decantador feito por encomenda pela Ourivesaria Coutinho, do Porto. Fizeram-se apenas 30 Coleções do Bicentenário, sendo que a primeira será leiloada pela Christie’s de Londres, no próximo mês de dezembro. As receitas angariadas com o leilão irão reverter para duas associações de solidariedade escolhidas pela família Symington: a “Scottish Wildlife Trust” e a Santa Casa da Misericórdia de Carrazeda de Ansiães. As restantes 29 edições do “cabinet” serão produzidas por encomenda, com entregas a partir de janeiro de 2023.

Taylor’s lança Golden Age, um Very Old Tawny 50 Anos

Taylor's Golden Age

Taylor’s Golden Age é a mais recente novidade da casa de vinho do Porto do grupo The Fladgate Partnership, um Very Old Tawny da (recentemente criada) categoria 50 Anos, que envelheceu, segundo a empresa, durante meio século em cascos velhos de carvalho, nas caves da Taylor’s. Com grossas paredes de granito, estas caves em Vila […]

Taylor’s Golden Age é a mais recente novidade da casa de vinho do Porto do grupo The Fladgate Partnership, um Very Old Tawny da (recentemente criada) categoria 50 Anos, que envelheceu, segundo a empresa, durante meio século em cascos velhos de carvalho, nas caves da Taylor’s. Com grossas paredes de granito, estas caves em Vila Nova de Gaia têm tectos muito altos e conservam uma temperatura baixa e constante ao longo do ano, factores ideais para o envelhecimento do vinho do Porto. “Muito importante é também a proximidade das caves ao rio Douro e ao oceano Atlântico, que fornecem a humidade necessária a um bom envelhecimento, pois limitam a evaporação”, explica o produtor, em comunicado.

Adrian Bridge, director-geral da Taylor’s, refere: “Desde que, há uma década, lançámos os Taylor’s Single Harvest com 50 anos, temos assistido ao crescente interesse por vinhos excepcionais com meio século. Estamos muito entusiasmados com o lançamento do Taylor’s Golden Age, um vinho maravilhoso, que é o presente perfeito para uma pessoa ou ocasião especial”.

Taylor's Golden Age
David Guimaraens, enólogo da Taylor’s. ©The Fladgate Partnership

Para David Guimaraens, enólogo da Taylor’s: “É nos tawnies que um provador de vinho do Porto demonstra a sua mestria na arte do lote. Para construir um Tawny de 50 anos partimos de componentes de vinhos velhos, que foram deixados pelo menos pela geração que nos antecedeu, mas também temos a grande responsabilidade de deixar os vinhos base para as gerações que nos seguirão”.

De acordo com a Taylor’s, o Golden Age — apresentado na clássica garrafa fosca associada aos tawnies de idade da casa, e acondicionado numa elegante caixa de carvalho — está pronto a ser consumido, recomendando-se uma temperatura de serviço entre os 12 e os 16ºC. Estará disponível nas melhores garrafeiras do país no final de Março de 2022, por um p.v.p. de €250.

Quinta da Côrte lança Tawny 30 Anos super-exclusivo

Quinta Côrte Tawny 30

[vc_row type=”in_container” full_screen_row_position=”middle” scene_position=”center” text_color=”dark” text_align=”left” overlay_strength=”0.3″ shape_divider_position=”bottom”][vc_column column_padding=”no-extra-padding” column_padding_position=”all” background_color_opacity=”1″ background_hover_color_opacity=”1″ column_shadow=”none” column_border_radius=”none” width=”1/1″ tablet_text_alignment=”default” phone_text_alignment=”default” column_border_width=”none” column_border_style=”solid”][vc_column_text]São apenas 220 garrafas de um vinho do Porto Tawny, o Quinta da Côrte Tawny 30 Anos Pipa 28, destinado a verdadeiros apreciadores desta categoria. A Quinta da Côrte — localizada em Valença do Douro, concelho de […]

[vc_row type=”in_container” full_screen_row_position=”middle” scene_position=”center” text_color=”dark” text_align=”left” overlay_strength=”0.3″ shape_divider_position=”bottom”][vc_column column_padding=”no-extra-padding” column_padding_position=”all” background_color_opacity=”1″ background_hover_color_opacity=”1″ column_shadow=”none” column_border_radius=”none” width=”1/1″ tablet_text_alignment=”default” phone_text_alignment=”default” column_border_width=”none” column_border_style=”solid”][vc_column_text]São apenas 220 garrafas de um vinho do Porto Tawny, o Quinta da Côrte Tawny 30 Anos Pipa 28, destinado a verdadeiros apreciadores desta categoria.

A Quinta da Côrte — localizada em Valença do Douro, concelho de Tabuaço, na sub-região do Cima Corgo — foi adquirida em 2012 por Phillipe Austruy, empresário francês que atribuiu a Marta Casanova os pelouros da enologia e da direcção-geral do projecto. A partir de 2013 e durante vários anos, Marta explorou a antiga adega de vinho do Porto da Quinta, tendo estudado e provado todos os vinhos que repousavam nas 50 pipas existentes. “Tratei cada pipa individualmente. Retirei o vinho para arejar, corrigi com aguardente (os que precisavam), classifiquei-os e lavei por dentro e por fora cada pipa. Depois, voltei a pôr o vinho de volta na sua pipa de origem”, explica a enóloga. Seis meses depois, voltou a provar todos os vinhos e, segundo a mesma, “a diferença foi notória”, e esses vinhos passaram a servir de base para os Tawny da Quinta da Côrte.

No entanto, no meio de todas as pipas, houve uma que surpreendeu Marta Casanova ainda mais, a nº 28: “Mantive o vinho na mesma pipa, só arejando de vez em quando, e deixei evoluir. Cada vez que provava dizia ‘não, este não vai entrar nos lotes de 10 e 20 Anos, este tem ser mais especial e único!’”, conta. Foi precisamente este vinho que deu origem ao Quinta da Côrte Porto Tawny 30 Anos Pipa 28, um Tawny que, de acordo com Marta, “foi aprovado como 30 Anos pelo IVDP, mas parece ter muito mais”.

Resultando de um lote com idade média superior a 80 anos — de várias castas, entre elas as tradicionais Tinta Barroca, Tinta Roriz, Rufete e Tinta Amarela — este vinho apresenta-se, pelas palavras da enóloga “de cor dourada com reflexos de acaju, com grande classe, e seduz imediatamente pela complexidade dos seus aromas: passas de corinto, alcaçuz, canela, citrinos cristalizados, café, castanha de caju, caramelo, nozes… Por isso, é ideal para harmonizar com charutos ou sobremesas frescas, e doces à base de laranja, ou apenas para desfrutar de um copo e poder apreciar a sua qualidade em pleno”.

O Quinta da Côrte Porto Tawny 30 Anos Pipa 28 tem um p.v.p. de €525.[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row][vc_row type=”in_container” full_screen_row_position=”middle” scene_position=”center” text_color=”dark” text_align=”left” overlay_strength=”0.3″ shape_divider_position=”bottom”][vc_column column_padding=”no-extra-padding” column_padding_position=”all” background_color_opacity=”1″ background_hover_color_opacity=”1″ column_shadow=”none” column_border_radius=”none” width=”1/1″ tablet_text_alignment=”default” phone_text_alignment=”default” column_border_width=”none” column_border_style=”solid”][divider line_type=”Full Width Line” line_thickness=”1″ divider_color=”default”][/vc_column][/vc_row][vc_row type=”in_container” full_screen_row_position=”middle” scene_position=”center” text_color=”dark” text_align=”left” overlay_strength=”0.3″ shape_divider_position=”bottom”][vc_column column_padding=”no-extra-padding” column_padding_position=”all” background_color_opacity=”1″ background_hover_color_opacity=”1″ column_shadow=”none” column_border_radius=”none” width=”1/3″ tablet_text_alignment=”default” phone_text_alignment=”default” column_border_width=”none” column_border_style=”solid”][vc_column_text]

Siga-nos no Instagram

[/vc_column_text][mpc_qrcode preset=”default” url=”url:https%3A%2F%2Fwww.instagram.com%2Fvgrandesescolhas|||” size=”75″ margin_divider=”true” margin_css=”margin-right:55px;margin-left:55px;”][/vc_column][vc_column column_padding=”no-extra-padding” column_padding_position=”all” background_color_opacity=”1″ background_hover_color_opacity=”1″ column_shadow=”none” column_border_radius=”none” width=”1/3″ tablet_text_alignment=”default” phone_text_alignment=”default” column_border_width=”none” column_border_style=”solid”][vc_column_text]

Siga-nos no Facebook

[/vc_column_text][mpc_qrcode preset=”default” url=”url:https%3A%2F%2Fwww.facebook.com%2Fvgrandesescolhas|||” size=”75″ margin_divider=”true” margin_css=”margin-right:55px;margin-left:55px;”][/vc_column][vc_column column_padding=”no-extra-padding” column_padding_position=”all” background_color_opacity=”1″ background_hover_color_opacity=”1″ column_shadow=”none” column_border_radius=”none” width=”1/3″ tablet_text_alignment=”default” phone_text_alignment=”default” column_border_width=”none” column_border_style=”solid”][vc_column_text]

Siga-nos no LinkedIn

[/vc_column_text][mpc_qrcode url=”url:https%3A%2F%2Fwww.linkedin.com%2Fin%2Fvgrandesescolhas%2F|||” size=”75″ margin_divider=”true” margin_css=”margin-right:55px;margin-left:55px;”][/vc_column][/vc_row]

Taylor’s lança Single Harvest de 1896, um vinho do Porto raro

Taylor's Single Harvest 1896

[vc_row type=”in_container” full_screen_row_position=”middle” scene_position=”center” text_color=”dark” text_align=”left” overlay_strength=”0.3″ shape_divider_position=”bottom”][vc_column column_padding=”no-extra-padding” column_padding_position=”all” background_color_opacity=”1″ background_hover_color_opacity=”1″ column_shadow=”none” column_border_radius=”none” width=”1/1″ tablet_text_alignment=”default” phone_text_alignment=”default” column_border_width=”none” column_border_style=”solid”][vc_column_text]A Taylor’s — reconhecida casa de vinho do Porto do grupo The Fladgate Partnership, estabelecida em 1692 — acaba de anunciar o lançamento de um vinho raro, o Taylor’s Single Harvest Tawny 1896. Segundo o produtor, esta […]

[vc_row type=”in_container” full_screen_row_position=”middle” scene_position=”center” text_color=”dark” text_align=”left” overlay_strength=”0.3″ shape_divider_position=”bottom”][vc_column column_padding=”no-extra-padding” column_padding_position=”all” background_color_opacity=”1″ background_hover_color_opacity=”1″ column_shadow=”none” column_border_radius=”none” width=”1/1″ tablet_text_alignment=”default” phone_text_alignment=”default” column_border_width=”none” column_border_style=”solid”][vc_column_text]A Taylor’s — reconhecida casa de vinho do Porto do grupo The Fladgate Partnership, estabelecida em 1692 — acaba de anunciar o lançamento de um vinho raro, o Taylor’s Single Harvest Tawny 1896. Segundo o produtor, esta foi “uma das melhores vindimas do século XIX”.

Este vinho do Porto, que envelheceu durante 125 anos nas caves em Vila Nova de Gaia, é um dos lançados apenas em raras ocasiões, por escolha da família, como Edição Limitada. São apenas 1700 unidades — apresentadas em decanter personalizado de cristal escocês — que estarão disponíveis já este mês em lojas da especialidade, por 4800 euros. Cada embalagem contém, ainda, um certificado personalizado e assinado por Adrian Bridge, director-geral da Taylor’s, tudo protegido por uma luxuosa caixa de madeira de cerejeira.

Adrian Bridge comenta, sobre o Taylor’s Single Harvest 1896: “O lançamento de um vinho tão antigo, valioso e único ocorre apenas algumas vezes numa geração. É, pela sua natureza, um evento histórico por direito próprio que a Taylor’s tem o orgulho de partilhar com amantes do vinho e coleccionadores de vinhos raros.” E remata: “Provar este vinho é uma experiência única na vida”.

Ao longo dos anos, a empresa lançou uma série de edições limitadas de vinhos do Porto valiosos, antigos. Estas incluem o Taylor’s SCION de 1855 e o Taylor’s Single Harvest 1863. O Single Harvest 1896 é o mais recente desses lançamentos de vinhos raros do século XIX.[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row][vc_row type=”in_container” full_screen_row_position=”middle” scene_position=”center” text_color=”dark” text_align=”left” overlay_strength=”0.3″ shape_divider_position=”bottom”][vc_column column_padding=”no-extra-padding” column_padding_position=”all” background_color_opacity=”1″ background_hover_color_opacity=”1″ column_shadow=”none” column_border_radius=”none” width=”1/1″ tablet_text_alignment=”default” phone_text_alignment=”default” column_border_width=”none” column_border_style=”solid”][divider line_type=”Full Width Line” line_thickness=”1″ divider_color=”default”][/vc_column][/vc_row][vc_row type=”in_container” full_screen_row_position=”middle” scene_position=”center” text_color=”dark” text_align=”left” overlay_strength=”0.3″ shape_divider_position=”bottom”][vc_column column_padding=”no-extra-padding” column_padding_position=”all” background_color_opacity=”1″ background_hover_color_opacity=”1″ column_shadow=”none” column_border_radius=”none” width=”1/3″ tablet_text_alignment=”default” phone_text_alignment=”default” column_border_width=”none” column_border_style=”solid”][vc_column_text]

Siga-nos no Instagram

[/vc_column_text][mpc_qrcode preset=”default” url=”url:https%3A%2F%2Fwww.instagram.com%2Fvgrandesescolhas|||” size=”75″ margin_divider=”true” margin_css=”margin-right:55px;margin-left:55px;”][/vc_column][vc_column column_padding=”no-extra-padding” column_padding_position=”all” background_color_opacity=”1″ background_hover_color_opacity=”1″ column_shadow=”none” column_border_radius=”none” width=”1/3″ tablet_text_alignment=”default” phone_text_alignment=”default” column_border_width=”none” column_border_style=”solid”][vc_column_text]

Siga-nos no Facebook

[/vc_column_text][mpc_qrcode preset=”default” url=”url:https%3A%2F%2Fwww.facebook.com%2Fvgrandesescolhas|||” size=”75″ margin_divider=”true” margin_css=”margin-right:55px;margin-left:55px;”][/vc_column][vc_column column_padding=”no-extra-padding” column_padding_position=”all” background_color_opacity=”1″ background_hover_color_opacity=”1″ column_shadow=”none” column_border_radius=”none” width=”1/3″ tablet_text_alignment=”default” phone_text_alignment=”default” column_border_width=”none” column_border_style=”solid”][vc_column_text]

Siga-nos no LinkedIn

[/vc_column_text][mpc_qrcode url=”url:https%3A%2F%2Fwww.linkedin.com%2Fin%2Fvgrandesescolhas%2F|||” size=”75″ margin_divider=”true” margin_css=”margin-right:55px;margin-left:55px;”][/vc_column][/vc_row]

Taylor’s lança edição limitada com realizador de “The King’s Man”

A Taylor’s e Matthew Vaughn, realizador do filme da 20th Century Studios “The Kings’s Man”, acabam de anunciar o lançamento do vinho do Porto Taylor’s Very Old Tawny – Kingsman Edition. Este filme tem estreia mundial marcada para 12 de Fevereiro de 2021. Em comunicado, a Taylor’s explica que, na época retratada no filme, o […]

A Taylor’s e Matthew Vaughn, realizador do filme da 20th Century Studios “The Kings’s Man”, acabam de anunciar o lançamento do vinho do Porto Taylor’s Very Old Tawny – Kingsman Edition. Este filme tem estreia mundial marcada para 12 de Fevereiro de 2021.

Em comunicado, a Taylor’s explica que, na época retratada no filme, o vinho do Porto era uma bebida muito importante: “Durante a Grande Guerra, o vinho do Porto tinha-se estabelecido firmemente na sociedade britânica como um dos melhores de todos os vinhos, rodeado de rituais e de um certo grau de reverência. Não era apenas na Grã-Bretanha que o Vinho do Porto era tido em grande estima. Por exemplo, era o vinho preferido do Imperador Nicolau II da Rússia. Como oficial do exército e membro da aristocracia, o Duque de Oxford, personagem do The King’s Man, estaria muito familiarizado com o vinho do Porto. Durante a Grande Guerra, grandes quantidades de vinho do Porto foram enviadas para o exército britânico e francês, estacionados na frente.

Durante o conflito, milhares de caixas de vinho do Porto Taylor’s foram fornecidas às cantinas do exército britânico. O governo britânico considerava o vinho do Porto tão essencial para a moral dos soldados que, por vezes, fazia encomendas e considerava desviá-las para o exército para evitar escassez”.

Taylor’s Kingsman Edition é um muito velho e raro vinho do Porto Tawny, envelhecido durante quase nove décadas em velhos cascos de carvalho. Para criar esta edição exclusiva e limitada, a Taylor’s decidiu libertar alguns vinhos raros e muito valiosos das suas extensas reservas de vinho do Porto que envelhecem em casco. Estas reservas incluem um pequeno tesouro de vinhos sem preço e historicamente importantes, cada um representando um volume muito pequeno. Algumas “jóias raras” desta coleção, utilizadas apenas em circunstâncias excepcionais, foram cuidadosamente seleccionadas para produzir o Kingsman Edition. Com uma idade média de quase 90 anos, este vinho exclusivo alcançou uma grande complexidade durante o seu longo envelhecimento.

Adrian Bridge, director-geral da Taylor’s, refere que “Este Taylor’s edição limitada não apelará apenas aos devotos de Kingsman. É também um vinho do Porto excecional de muita idade que irá fazer as delícias de colecionadores e apreciadores de vinhos raros. Os nossos provadores com a sua perícia e experiência criaram um lote único, envelhecido durante quase nove décadas em velhos cascos de carvalho que exibe uma enorme complexidade, que apenas o Vinho do Porto consegue alcançar”.

Deste Very Old Tawny foram produzidas apenas 700 garrafas, que estarão disponíveis no mercado a partir de Setembro de 2021, com um p.v.p. recomendado de 2900 euros, num packaging de luxo.

vinho da casa #11 – Taylor’s Porto Tawny 10 Anos

Tawny 10 Anos: Muito Porto por pouco dinheiro

[vc_row type=”in_container” full_screen_row_position=”middle” scene_position=”center” text_color=”dark” text_align=”left” overlay_strength=”0.3″ shape_divider_position=”bottom”][vc_column column_padding=”no-extra-padding” column_padding_position=”all” background_color_opacity=”1″ background_hover_color_opacity=”1″ column_shadow=”none” column_border_radius=”none” width=”1/1″ tablet_text_alignment=”default” phone_text_alignment=”default” column_border_width=”none” column_border_style=”solid”][vc_column_text] As categorias especiais de Porto abrangem vários tipos de vinho. Numa delas estão incluídos os vinhos com indicação de idade, 10, 20, 30 e 40 anos. Sendo o Tawny 10 anos o primeiro degrau dessa escala, […]

[vc_row type=”in_container” full_screen_row_position=”middle” scene_position=”center” text_color=”dark” text_align=”left” overlay_strength=”0.3″ shape_divider_position=”bottom”][vc_column column_padding=”no-extra-padding” column_padding_position=”all” background_color_opacity=”1″ background_hover_color_opacity=”1″ column_shadow=”none” column_border_radius=”none” width=”1/1″ tablet_text_alignment=”default” phone_text_alignment=”default” column_border_width=”none” column_border_style=”solid”][vc_column_text]

As categorias especiais de Porto abrangem vários tipos de vinho. Numa delas estão incluídos os vinhos com indicação de idade, 10, 20, 30 e 40 anos. Sendo o Tawny 10 anos o primeiro degrau dessa escala, um consumidor mais exigente poderia olhar com alguma desconfiança para a categoria. Pois não há qualquer razão para isso. Os 10 anos estão cada vez melhores e mais afinados, oferecendo muita qualidade por um preço bastante moderado.

TEXTO João Paulo Martins FOTOS Mário Cerdeira

Apesar da história e fama antiga de que muito justamente se reclama, o Vinho do Porto só muito lentamente – ao longo de dois séculos – foi criando as normas específicas para os variados tipos de vinho que se podem fazer com as mesmas uvas. Assim, e no que concerne às categorias especiais apenas em 1 de Janeiro de 1974 entraram em vigor as novas regras. Muito recentemente, portanto. No essencial, esta legislação visou tornar mais fácil a compreensão, por parte do consumidor, dos tipos diferentes de vinho generoso. Como exemplo diga-se que, antes daquela data, praticamente todas as empresas vendiam tawnies com cerca de 10 anos, mas tinham nomes fantasiosos, com frequência em inglês que, como se imagina, só eram entendidos por iniciados; o vulgar consumidor ou sabia o que estava a comprar ou comprava pelo preço.

[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row][vc_row type=”in_container” full_screen_row_position=”middle” scene_position=”center” text_color=”dark” text_align=”left” overlay_strength=”0.3″ shape_divider_position=”bottom”][vc_column column_padding=”no-extra-padding” column_padding_position=”all” background_color_opacity=”1″ background_hover_color_opacity=”1″ column_shadow=”none” column_border_radius=”none” width=”1/1″ tablet_text_alignment=”default” phone_text_alignment=”default” column_border_width=”none” column_border_style=”solid”][image_with_animation image_url=”37068″ alignment=”” animation=”Fade In” border_radius=”none” box_shadow=”none” max_width=”100%”][/vc_column][/vc_row][vc_row type=”in_container” full_screen_row_position=”middle” scene_position=”center” text_color=”dark” text_align=”left” overlay_strength=”0.3″ shape_divider_position=”bottom”][vc_column column_padding=”no-extra-padding” column_padding_position=”all” background_color_opacity=”1″ background_hover_color_opacity=”1″ column_shadow=”none” column_border_radius=”none” width=”1/1″ tablet_text_alignment=”default” phone_text_alignment=”default” column_border_width=”none” column_border_style=”solid”][vc_column_text]

A partir de então a indicação de idade passou a ter de estar bem à vista no rótulo, não havendo por isso lugar para equívocos: um 10 anos deixa de se confundir com qualquer outra idade. Estamos então a falar de um vinho originalmente tinto que envelheceu em casco por um período não inferior a 10 anos. Referimos a questão da cor porque actualmente há vinhos do Porto brancos velhos com indicação de idade – 10, 20, 30 e 40 anos – mas não podem ostentar a designação tawny, uma vez que ela apenas se aplica a vinhos tintos. Por norma e prática corrente no sector, aquela indicação da idade não é matemática, ou seja, o vinho poderá ter uma média de 10 anos, entrando no lote vinhos de diferentes idades. Não é regra, mas é o que mais habitualmente acontece. Empresas várias com quem falámos dizem-nos que são os vinhos entre os 8 e 15 anos de idade que normalmente entram neste lote. Podemos falar assim num sistema a que, em Jerez, se chamaria de solera: a uma base vão-se acrescentando vinhos e o lote vai sendo engarrafado à medida das necessidades. Cria-se assim um modelo de vinho que cada casa tenta reproduzir todos os anos, procurando que o lote exprima bem o “estilo da casa”. Por esta razão, se comprarmos uma determinada marca agora ou daqui a cinco anos é bem provável que encontremos o mesmo estilo: a mesma tonalidade, a mesma concentração, o mesmo perfil de aromas e prova de boca equivalente.
Pode dizer-se que tudo começa na adega: é aí, após prova dos vinhos da última vindima, que se decide o destino a dar a cada lote: uns irão para ruby e nesse caso será preciso preservar ao máximo a cor e evitar a oxidação; outros destinar-se-ão a vintage e LBV, também esses preservados ao máximo da luz e da oxidação. Face à quantidade disponível, ainda há que decidir os que irão para casco, dirigidos a futuros tawnies com indicação de idade. Contrariamente àquilo que se poderia pensar, os tawnies mais velhos têm origem em vinhos inicialmente tão bons e tão carregados de cor como os que são seleccionados para vintage. É depois pela evolução que apresentam que se vai decidindo se continuam mais tempo em casco (que se estenderá por décadas) ou se são, entretanto, vendidos como tawny Reserva (à roda dos 6/7 anos de idade) ou como tawny 10 anos. Dados os volumes que são movimentados nestas categorias é também frequente que os produtores adquiram vinhos no mercado. Aqui as adegas cooperativas são frequentes fornecedores, bem como empresas que dispõem de grandes stocks (como a Barão de Vilar) que vendem lotes a pequenos produtores que querem ter um 10 anos no mercado, mas que não têm stock para isso.

[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row][vc_row type=”in_container” full_screen_row_position=”middle” scene_position=”center” text_color=”dark” text_align=”left” overlay_strength=”0.3″ shape_divider_position=”bottom”][vc_column column_padding=”no-extra-padding” column_padding_position=”all” background_color_opacity=”1″ background_hover_color_opacity=”1″ column_shadow=”none” column_border_radius=”none” width=”1/1″ tablet_text_alignment=”default” phone_text_alignment=”default” column_border_width=”none” column_border_style=”solid”][image_with_animation image_url=”37067″ alignment=”” animation=”Fade In” border_radius=”none” box_shadow=”none” max_width=”100%”][/vc_column][/vc_row][vc_row type=”in_container” full_screen_row_position=”middle” scene_position=”center” text_color=”dark” text_align=”left” overlay_strength=”0.3″ shape_divider_position=”bottom”][vc_column column_padding=”no-extra-padding” column_padding_position=”all” background_color_opacity=”1″ background_hover_color_opacity=”1″ column_shadow=”none” column_border_radius=”none” width=”1/1″ tablet_text_alignment=”default” phone_text_alignment=”default” column_border_width=”none” column_border_style=”solid”][nectar_animated_title heading_tag=”h6″ style=”color-strip-reveal” color=”Accent-Color” text=”Grandes e pequenos, perfis diferenciados”][vc_column_text]

Esta gama de vinhos do Porto faz parte do portefólio de praticamente todos os produtores, sejam grandes casas ou produtores-engarrafadores. Pelo facto de estarmos então a falar de volumes de comercialização muitíssimo diferentes, é também normal que se encontrem nos pequenos produtores vinhos que, não raramente, têm idade superior a 10 anos. Isso não obsta a que tenham na mesma a certificação junto do Instituto dos Vinhos do Douro e Porto (IVDP). Bento Amaral, do IVDP, confirmou à Grandes Escolhas que já há muitos anos a cor deixou de ser factor de exclusão sendo por isso normal que se encontrem vinhos que, cromaticamente, estão em campos opostos, como foi o caso, neste conjunto de vinhos provados, da Ramos Pinto (mais carregado de cor) e o Reccua (muito mais aberto). “Neste momento é sobretudo a prova que nos interessa, mais do que a cor”, disse, e assim é expectável que a Câmara de Provadores esteja atenta aos variados estilos a que se pode chegar. Ana Rosas, enóloga de Vinho do Porto na empresa Ramos Pinto confirmou também que o “seu” 10 anos vem totalmente da quinta da Ervamoira (Foz Côa) e que “como fazemos poucas trasfegas, filtrações e outras práticas que poderiam aligeirar a cor, temos sempre um 10 anos muito carregado e nem sempre é fácil ser aprovado. Fazemos cerca de 60 000 litros por ano e o nosso principal mercado é a França”. Actualmente a aprovação/reprovação de um lote pode também levar a que o vinho seja apresentado a uma câmara de recurso, a Junta Consultiva, constituída por enólogos do sector. Longe de se apresentar como “opositora” da Câmara do IVDP a Junta, segundo Bento Amaral “tem tido muito contacto e provas em conjunto com a Câmara do IVDP exactamente para aferir critérios e para que todos sigam regras idênticas”.
Voltando aos pequenos produtores, pelo facto de colocarem quantidades diminutas no mercado, é sempre possível que se encontrem verdadeiras relíquias, invariavelmente com mais idade do que o rótulo sugere. Não se estranhe assim a alta classificação que alguns destes vinhos tiveram nesta prova.
Temos provado tawnies 10 anos com alguma periodicidade, em média de 5 em 5 anos. O balanço que é possível fazer de quase 30 anos de provas (a primeira que fiz terá sido em 1991), é muito positivo porque a qualidade média é agora muito mais evidente, fruto de melhor viticultura, enologia mais competente e consumidores mais avisados. Esta gama é também comercializada sob a forma de “marca do comprador” (BOB), por regra, das grandes superfícies, não só em Portugal como noutros países, com as cadeias de supermercados inglesas, por exemplo. Gonçalo Brito, responsável no grupo Symington pelo mercado interno, confirma que estamos a consumir quase o dobro do que consumíamos há 5 anos: Portugal passou de 86.742 garrafas em 2013 para 164.273 em 2017, um crescimento notável que compensou algumas quebras no mercado externo, nomeadamente o inglês. Também segundo Brito, as vendas de 10 anos em BOB representavam 30% em 2013 mas baixaram para 21% em 2018, descida esta que tem contrapartidas financeiras muito interessantes. Esta descida acompanhou a tendência do sector como um todo já que, e segundo informações que recolhemos junto do IVDP, em 2014 os BOB de Porto 10 anos representavam 33,3% de todas as vendas e em 2018 a percentagem baixou para 29,5%. Também em valor houve um aumento. No mesmo período – 2014/2018 – as vendas passaram de 37,1 para 42,7 milhões de euros.
O mercado inglês – que costuma representar nas categorias especiais cerca de 500.000 caixas de 12 garrafas/ano -, provavelmente já sob o efeito Brexit, quebrou 18,6% em 2018, muito superior à quebra global (todos os mercados) de 2018 em relação a 2017 que foi de cerca de 4,6%. Digno ainda de registo o facto de o mercado inglês, apesar de muito volumoso, apenas consumir Porto cuja média de preço nas categorias especiais é de €7,11/garrafa, enquanto Portugal se situa nos €12,14. Nas categorias especiais, Portugal cresceu também cerca de 6,2% em 2018.

[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row][vc_row type=”in_container” full_screen_row_position=”middle” scene_position=”center” text_color=”dark” text_align=”left” overlay_strength=”0.3″ shape_divider_position=”bottom”][vc_column column_padding=”no-extra-padding” column_padding_position=”all” background_color_opacity=”1″ background_hover_color_opacity=”1″ column_shadow=”none” column_border_radius=”none” width=”1/1″ tablet_text_alignment=”default” phone_text_alignment=”default” column_border_width=”none” column_border_style=”solid”][image_with_animation image_url=”37066″ alignment=”” animation=”Fade In” border_radius=”none” box_shadow=”none” max_width=”100%”][/vc_column][/vc_row][vc_row type=”in_container” full_screen_row_position=”middle” scene_position=”center” text_color=”dark” text_align=”left” overlay_strength=”0.3″ shape_divider_position=”bottom”][vc_column column_padding=”no-extra-padding” column_padding_position=”all” background_color_opacity=”1″ background_hover_color_opacity=”1″ column_shadow=”none” column_border_radius=”none” width=”1/1″ tablet_text_alignment=”default” phone_text_alignment=”default” column_border_width=”none” column_border_style=”solid”][nectar_animated_title heading_tag=”h6″ style=”color-strip-reveal” color=”Accent-Color” text=”Um Porto para todos”][vc_column_text]

O Porto Tawny é um verdadeiro todo-o-terreno. Reproduzo aqui um excerto de um texto que, há já alguns anos, João Afonso escreveu sobre o tema: “Um Porto 10 anos exige pouco: não requer momentos especiais, não precisa decantação e não exige que o consumo seja feito de imediato após a abertura, mantendo-se no mesmo patamar de qualidade por alguns meses. Mas num tema ele é teimoso e insiste: deve ser servido refrescado e em copos que permitam captar as fragâncias que dele emanam.” Neste ponto, o 10 anos não mudou e continua por isso a ser um Vinho do Porto de excelente relação qualidade/preço. E se se pensar que uma garrafa alegra entre 8 a 10 convivas, pode mesmo dizer-se que é muito barato. Talvez até demasiado barato, se atendermos aos preços dos vinhos DOC que a região produz, com uvas idênticas às usadas para vinho do Porto. Mas essas são contas de outro rosário.

[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row][vc_row type=”in_container” full_screen_row_position=”middle” scene_position=”center” text_color=”dark” text_align=”left” overlay_strength=”0.3″ shape_divider_position=”bottom”][vc_column column_padding=”no-extra-padding” column_padding_position=”all” background_color_opacity=”1″ background_hover_color_opacity=”1″ column_shadow=”none” column_border_radius=”none” width=”1/1″ tablet_text_alignment=”default” phone_text_alignment=”default” column_border_width=”none” column_border_style=”solid”][vc_column_text]

O Tawny 10 anos à mesa

Como vinho doce que é e com um teor alcoólico médio de 20%, é difícil imaginar uma refeição unicamente acompanhada de Vinho do Porto. Já estive em várias experiências destas, mas não passaram disso mesmo. O lado doce do vinho “empurra-o” naturalmente para o final da refeição e aí as escolhas são muitas, desde as tartes de ameixa, de cereja, leite creme, pão de ló, ou gelados que envolvam (por exemplo) caramelo, canela, baunilha, cacau, são escolhas acertadas. No entanto, se quisermos uma combinação mais radical, podemos sempre fazer o ensaio. “Costeletas de borrego panadas com legumes e cogumelos” é uma das receitas para o Porto 10 anos sugeridas por Hélio Loureiro no livro Receitas para o Vinho do Porto, publicado em 1999 pelo IVDP.
Como se trata de um Porto de “meia idade” e em transição entre juventude e velhice, todos os frutos vermelhos compotados, em jeito de clafoutis onde o creme também tem o seu papel, são companhias seguras para o nosso Tawny 10 anos. Por outro lado, os frutos secos, os figos, tâmaras ou os alperces secos são óptimos parceiros deste vinho. Se houver associação com queijo, sobretudo do tipo cremoso e intenso como Gorgonzola, então não há como falhar.

[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row][vc_row type=”in_container” full_screen_row_position=”middle” scene_position=”center” text_color=”dark” text_align=”left” overlay_strength=”0.3″ shape_divider_position=”bottom”][vc_column column_padding=”no-extra-padding” column_padding_position=”all” background_color_opacity=”1″ background_hover_color_opacity=”1″ column_shadow=”none” column_border_radius=”none” width=”1/1″ tablet_text_alignment=”default” phone_text_alignment=”default” column_border_width=”none” column_border_style=”solid”][vc_column_text]

[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]

Dow’s lança novos Tawny

A Symington Family Estates apresenta, agora, uma nova gama de Tawny de 10, 20, 30 e 40 Anos, da marca Dow’s. A empresa, que detém um grande e valioso stock de vinho do Porto envelhecido em cascos muito antigos, alguns do século XIX, inspirou-se no mesmo para redefinir os Tawny Dow’s. Charles Symington, enólogo e […]

A Symington Family Estates apresenta, agora, uma nova gama de Tawny de 10, 20, 30 e 40 Anos, da marca Dow’s.
A empresa, que detém um grande e valioso stock de vinho do Porto envelhecido em cascos muito antigos, alguns do século XIX, inspirou-se no mesmo para redefinir os Tawny Dow’s. Charles Symington, enólogo e provador da quarta geração da família, manteve o cunho da marca, mas fez pequenos ajustes para conferir a estes Tawny “uma concentração adicional e uma estrutura mais apurada”. Charles Symington desvendou: “ Com a crescente procura dos Porto Tawny, passei muitos meses a trabalhar na redefinição dos nossos Porto Dow’s. Seleccionei vinhos provenientes de duas das nossas melhores vinhas: a Quinta do Bomfim e a Quinta da Senhora da Ribeira e, num desvio à prática tradicional, utilizei vinhos do Porto envelhecidos em balseiros de porte médio, para além dos envelhecidos nas tradicionais pipas de 550 litros.
Os novos Tawny Dow’s custam desde €22,50, para o 10 Anos, até €200, para o 40 Anos, e podem ser encontrados em garrafeiras especializadas e na maioria das grandes superfícies.

Honore: celebrar o Crasto com vinhos extraordinários

TEXTO Mariana Lopes FOTOS Quinta do Crasto Quatrocentos anos de Quinta do Crasto, cem na família de Leonor e Jorge Roquette. Um motivo mais do que suficiente para celebrar, e ainda mais para lançar grandes vinhos: um Douro, Honore tinto 2015, e um Porto, Honore Very Old Tawny. Em 1615, a propriedade passa a ser […]

TEXTO Mariana Lopes
FOTOS Quinta do Crasto

Quatrocentos anos de Quinta do Crasto, cem na família de Leonor e Jorge Roquette. Um motivo mais do que suficiente para celebrar, e ainda mais para lançar grandes vinhos: um Douro, Honore tinto 2015, e um Porto, Honore Very Old Tawny.
Em 1615, a propriedade passa a ser conhecida pelo nome actual e, no início do século XX, Constantino de Almeida, avô de Leonor Roquette, adquire-a. “Honore et Labore” é a máxima do Crasto e o que se lê no seu logo. “Quando vi a Quinta do Crasto, em 1962, apaixonei-me, perguntei de quem era a propriedade e casei-me com a dona, no mesmo ano. Correu-me bem. Felizmente, mantenho ambas as paixões”, declarou Jorge Roquette.

O tinto Honore 2015 tem origem nas centenárias Vinha da Ponte e Vinha Maria Teresa, parcelas que são o “ex-libris” do Crasto, com 1.96 hectares e 4.7, respectivamente. “Estas vinhas são dois quebra-cabeças para a enologia e a viticultura”, contou o enólogo Manuel Lobo. De características ímpares e franca beleza natural, dão nome a dois vinhos igualmente únicos, mas agora unem-se para criar um vinho irresistível e sedutor. O lote divide-se em 71% de uvas da Maria Teresa e 29% da Ponte e, segundo Manuel Lobo, “É um vinho onde não existe intervenção enológica”. São 1615 garrafas Magnum, em jeito de homenagem aos 400 anos, vendidas juntamente com um livro escrito por Gaspar Martins Pereira sobre a Quinta do Crasto, e uma embalagem especial. O conjunto tem o valor de 1000 euros.

Já o Honore Very Old Tawny é uma autêntica jóia do espólio da Quinta. Os três cascos deste Vinho do Porto lendário estavam guardados desde a época de Constantino de Almeida, que já os trouxe para o Crasto, tendo envelhecido por mais de um século. Engarrafado em 400 decanters em 2015, um por cada ano de história, inseridos numa embalagem luxuosa desenhada pela Omdesign, estes foram feitos em cristal puro, prata trabalhada à mão, madeira de nogueira totalmente maciça e alcântara cozida manualmente. Uma preciosidade de intensidade, frescura e limpeza surpreendentes, com um preço de 5500 euros. “Neste tawny velho está toda a história da Quinta do Crasto” disse Manuel Lobo. É provar para crer.