Destinos

Do Tâmega ao Ave, em tons de Verde

By 14 Janeiro, 2019 Sem comentários

Andámos pelo flanco sul da região dos Vinhos Verdes, entre vinhas que resistem aos avanços urbanísticos e outras que dominam paisagens quase intocadas. Do vale do Ave ao vale do Tâmega, de Santo Tirso e Vila Nova de Famalicão a Celorico de Basto, fica bem evidente toda a riqueza e variedade deste colorido cantinho de Portugal.

TEXTO Luís Francisco
FOTOS Ricardo Palma Veiga

A região dos Vinhos Verdes é extensa e multifacetada. E esta riqueza de paisagens, enquadramentos e vivências fica bem expressa nos seus vinhos, que estão a dar passos cada vez mais seguros para fugirem à imagem feita e padronizada do produto leve, com gás e sem grande personalidade, de pronto-a-beber. Basta olhar para a forma como diferentes castas se afirmam em cada um dos principais vales que cortam a região – Alvarinho no rio Minho, Loureiro no Cávado, Avesso no Ave… – para se ficar com uma boa noção de que isto de dizer “Verdes” e achar que se tirou a fotografia toda é (e nunca o chavão se aplicou com tanta propriedade) chão que já deu uvas.
Do aconchego do terroir de Monção e Melgaço a territórios já a sul do rio Douro (a região dos Verdes estende-se até Castelo de Paiva, Cinfães e Resende), e com interioridades a fazerem a ligação ao mais famoso dos nossos recantos vínicos, o Douro, passando de caminho por vales húmidos e férteis, enfrentamos um mosaico de experiências dificilmente replicáveis em tão curto espaço. A prova disso é a nossa viagem, que nos leva da cintura industrial do Porto (o concelho de Vila Nova de Famalicão é o terceiro maior exportador do país, depois de Lisboa e Palmela) aos recantos bucólicos de Celorico de Basto. E tudo começa, imagine-se, sob o signo da arquitectura de inspiração nórdica…

Adega Casa da Torre

Sim, nórdica. E não é preciso ser-se especialista em arquitectura ou letrado em culturas boreais para se perceber de imediato que esta imensa estrutura em madeira é algo que nos acostumámos a ver nas paisagens do Norte da Europa, rodeadas de neve, e céus frios. Aqui é mais oliveiras, pinheiros e vinhas. Isto dentro de muros, porque lá fora é toda uma paisagem urbana e industrial que marca presença. Estamos na Adega Casa da Torre, em Louro, Vila Nova de Famalicão, num verdadeiro oásis de verde e água que brota e corre por todo o lado.
A tradição familiar na agricultura já leva umas boas oito décadas e esta propriedade em particular foi adquirida em 1977, então para gado e vinha, centrando-se mais tarde nesta segunda cultura. O século XXI trouxe a produção com marca própria e em 2009 nasceu a adega, este edifício imponente desenhado pelo arquitecto Carlos Castanheira e que dá corpo à paixão da família pela madeira. Um imenso telhado de duas abas assente em vigas titânicas emoldura a entrada, onde um tanque em pedra se enche de água e dois bancos escavados em troncos aguardam quem ali se queira refugiar do calor que teima em não chegar.
Escolhemos entrar pelas traseiras e o trajecto leva-nos ao longo do canal de água que corre paralelo à parede da adega, franqueando edifício em pedra e recantos ajardinados. Lá atrás, quase escondida pelo arvoredo, está a casa da família. Entramos na adega e logo o olhar acelera pelo passadiço central em madeira, que percorre o edifício lá no alto, de um extremo ao outro, até desembocar no escritório, um espaço que se projecta na fachada da adega, com uma parede envidraçada a oferecer vistas de arvoredo. Lá fora há vinhas rodeadas de arvoredo e até – extraordinário – uma sebe de azevinhos, plantada há 30 anos.
Descemos e estamos no espaço reservado às provas, em plena adega, uma mesa em pedra preta e um armário de madeira dominando o local. Mas há quem prefira andar uns metros e entrar no laboratório que desponta num dos cantos do pátio de entrada, que é, afinal, um antigo pipo reconvertido em espaço utilizável. Com o projecto paralelo Secret Spot, no Douro, a preparar-se para proporcionar dormidas na Quinta da Faísca, em Favaios, o enoturismo na Adega Casa da Torre ainda está a ganhar balanço. E até por isso (e pela beleza iconográfica do edifício, naturalmente), não surpreende que cerca de metade dos visitantes que aqui acorrem venham por causa da arquitectura. Mas esses também gostam de vinho.

ADEGA CASA DA TORRE
Rua Dr. Carlos Araújo Chaves, nº 50, 4760-551 Louro, Vila Nova de Famalicão
Tel: 934 030 209
Mail: geral@adegacasadatorre.com
Web: www.adegacasadatorre.com
O enoturismo está numa fase de arranque e novidades poderão sempre aparecer a qualquer momento, beneficiando das sinergias a criar quando o projecto paralelo Secret Spot, no Douro, criar alojamento. Por enquanto, está disponível a visita à adega e vinhas com prova de vinhos no final. Os preços por pessoa variam entre 7,5 euros (prova de um vinho), 10 euros (dois vinhos) e 15 euros (três vinhos).

Classificação

Originalidade (máx. 2): 2
Atendimento (máx. 2): 2
Disponibilidade (máx. 2): 1,5
Prova de vinhos (máx. 3): 2
Venda directa (máx. 3): 2
Arquitectura (máx. 3): 3
Ligação à cultura (máx. 3): 2,5
Ambiente/Paisagem (máx. 2): 2

AVALIAÇÃO GLOBAL: 17

Quinta das Escomoeiras

Paremos um pouco para apreciar a profunda mudança de cenário. O “crepitar” das águas vivas do Tâmega e a chilreada dos pássaros servem de fundo sonoro, agora mesmo abrilhantado pelo toque da “Avé Maria” numa igreja da outra margem. Das clareiras lisas passámos às vertigens verticais, precipitando o olhar desde o alto até ao mistério de um vale onde não conseguimos descortinar o rio. Estamos na Quinta das Escomoeiras, ali a dois passos da antiga estação ferroviária de Lourido, Celorico de Basto.
Da antiga linha de comboio, agora transfigurada em ecopista, chega-se à entrada da quinta por uma estrada mais do que secundária e que não se aconselha a quem sofra de vertigens. Mas aqui é tudo assim: o primeiro olhar através do portão chega a deixar-nos na dúvida sobre se chegamos ao sítio certo… Onde é que estão os nove quartos, as áreas comuns, a adega? A piscina, sim, essa brilha num azul romântico por entre o verde dos terraços, mas o resto…
O resto está lá, aninhado nas curvas de nível da encosta, que se precipita quase na vertical até ao Tâmega. É quase incompreensível, numa primeira impressão, abarcar a forma como tudo se equilibra neste anfiteatro natural. Leva o seu tempo, mas depois tudo vai fazendo sentido. A bebida de boas-vindas é um bom pretexto para pararmos um pouco e absorvemos a intensa magia do local. Casas de pedra, pátios, terraços, varandas, caminhos, relvados, telheiros de madeira, escadarias. E verde, muito verde.
Para além das videiras, algumas enormes, de desenvolvimento vertical e troncos maciços, há por aqui muito para desafiar até o botânico mais experimentado. A começar pela proliferação de orégãos, que mandaram às urtigas o seu temperamento mediterrânico e se instalaram nos muros e canteiros ao longo do caminho que leva ao complexo principal. São uns 50 metros a pé, ao longo dos quais, para além de passarmos por cima de uma plataforma feita com antigas sulipas do caminho-de-ferro, podemos contabilizar fetos, roseiras, hortênsias, alecrim, alfazema, sardinheiras; e cameleiras, oliveiras, pessegueiros, limoeiros, cerejeiras… E fiquemo-nos por aqui, porque a quinta garante que é lá em baixo, junto ao rio, que a Natureza é mais exuberante e preservada.
Fernando Fernandes, um antigo economista do Porto, demorou década e meia a reconstruir este local e agora alia o turismo à produção, em modo biológico, de vinhos e outros produtos agrícolas e derivados, como compotas e ervas, à venda na loja da quinta. Cerca de 90 por cento da clientela vem do estrangeiro. E escusam de trazer o stress na bagagem: aqui não há pequeno-almoço antes das 9h.

QUINTA DAS ESCOMOEIRAS
Quinta das Escomoeiras – Lourido, 4890-055 Arnoia – Celorico de Basto
Tel: 935 322 786 / 255 322 785
Mail: geral@quintadasescomoeiras.com
Web: www.quintadasescomoeiras.com
GPS: 41º20.668’N; 7º59.890’W
A adega está aberta a visitas, com prova de vinhos, todos os dias entre as 9h30 e as 13h e entre as 14h e as 19, de Abril a Outubro; de Novembro a Março os horários são 10h-13h e 14h-17h. No período de 16 de Dezembro a 31 de Janeiro solicita-se marcação antecipada. O preço dos quartos varia entre os 110 e os 150 euros na época alta (95/130 na época baixa). Na quinta pode fazer caminhadas pelas vinhas e paisagem circundante, passeios de bicicleta pela ecopista do Tâmega, tomar banho no rio ou na piscina (com sauna e banho turco), visitar os animais (incluindo uma burra de Miranda, a Julieta) ou marcar actividades externas como canyoning, rafting, parapente ou passeios em todo-o-terreno.

Classificação

Originalidade (máx. 2): 2
Atendimento (máx. 2): 2
Disponibilidade (máx. 2): 2
Prova de vinhos (máx. 3): 2,5
Venda directa (máx. 3): 2
Arquitectura (máx. 3): 3
Ligação à cultura (máx. 3): 2,5
Ambiente/Paisagem (máx. 2): 2

AVALIAÇÃO GLOBAL: 18

Quinta de Gomariz

Que os mais empedernidos citadinos não torçam o nariz ao que vão ler a seguir, mas tem o seu encanto estar à conversa debaixo de um carvalho enquanto os porcos comem à nossa volta. Os porcos, neste caso, são a Rosita e dois dos seus filhos, que cirandam pelo cercado e vêm comer à mão de quem já os conhece há algum tempo. Na Quinta de Gomariz podemos sempre esperar uma surpresa. Isso e atendimento personalizado.
É essa a filosofia do enoturismo nesta propriedade encravada entre Vila Nova de Famalicão e Santo Tirso (os 17 hectares de vinha dividem-se entre os dois concelhos), cujo projecto vínico data do início deste século. Em 2005, já com António Sousa ao leme da enologia, definiu-se a aposta nos brancos e são essas as castas que dominam a paisagem quase plana, com excelente exposição solar e rodeada de muros de pedra. Tintas, na quinta, são apenas três: Vinhão, Padeiro de Basto e Espadeiro, estas duas últimas vinificadas em rosé. Nos brancos dominam a Loureiro, Alvarinho, Avesso, Azal e Fernão Pires.
Ao todo, há aqui 27 castas, um número potenciado pela existência de várias filas de vinha experimental, onde crescem pés de plantas com nomes tão extraordinários como Lameiro, Esganoso de Lima, Branco Escola/Pintosa ou Cascal. E estrangeiras como, entre outras, a Branco Lexítimo, de Espanha. E o passeio pelas vinhas é também uma forma de ir conhecendo os animais da quinta, como os cães, as ovelhas, os gansos, as galinhas pretas. E os corvos, que são, dizem-nos, quem manda realmente aqui.
A Natureza mostra-se exuberante e as práticas da casa fazem por respeitar essa riqueza. Graças à instalação de painéis solares, a Quinta de Gomariz é auto-suficiente em termos energéticos e também de água. Com o pormenor curioso de o sistema de frio da adega (onde os vinhos são, religiosamente, guardados a 15ºC, para lhes dar “anos de vida”) precisar de funcionar com maior intensidade quando está calor e isso coincidir com os períodos de melhor desempenho dos painéis solares…
Cumprimos o percurso pela adega, que agrega espaços de construção moderna a um edifício em pedra de traça tradicional, e encerramos a visita na sala de provas, “vigiados” lá de fora pelos gansos e galinhas que vão cirandando pelo terreiro. Os vinhos falam-nos da relação com a terra e dos cuidados na adega. São, na sua elegância e profundidade, o melhor retrato desta quinta onde se respira tranquilidade e harmonia. E também uma mensagem indiscutível da excelência da região.

QUINTA DE GOMARIZ
Rua da Cerca, Landim – Famalicão
Tel: 252 891 144
Mail: info@quintadegomariz.com
Web: www.quintadegomariz.com
GPS: 41º22’32’’N / 8º27’22’’ O
A quinta está aberta para provas de segunda a sexta-feira, entre as 14h e as 16h30, e sábados das 10h30 às 12h30. Para outros horários solicita-se marcação prévia. Entre Setembro e Março, as visitas custam entre dois euros (época baixa) ou três euros (época alta) por pessoa (em alternativa: compras no valor de 15 euros). O preço sobe para quatro e cinco euros com prova de um vinho (ou compras de 20 ou 25 euros, conforme a época) e pode chegar aos sete/oito euros (ou compras no valor de 40 euros), quando a prova envolve quatro vinhos. Em épocas especiais (vindimas, Natal, Fim do Ano), será aplicado um tarifário diferente.

Classificação

Originalidade (máx. 2): 1,5
Atendimento (máx. 2): 2
Disponibilidade (máx. 2): 1,5
Prova de vinhos (máx. 3): 3
Venda directa (máx. 3): 2,5
Arquitectura (máx. 3): 2,5
Ligação à cultura (máx. 3): 2,5
Ambiente/Paisagem (máx. 2): 2

AVALIAÇÃO GLOBAL: 17,5

ESTAÇÃO DE SERVIÇO
Se há uma dificuldade na tarefa de fazer uma lista de sugestões gastronómicas para quem visita o Minho, ela só poderá mesmo ser a da escolha. Quem visita estas paragens pode sempre contar com mesa farta e bom acolhimento, um pouco por todo o lado e nos mais diversos registos. Mas assumimos o desafio e deixamos aqui três belos postos de reabastecimento para humanos, cada um no seu estilo distinto (atmosfera mais familiar na Casa Sara Barracoa, ambiente mais distinto no Restaurante Quinta do Outeiro, tratamento informal no Restaurante Lage d’Água).
SARA BARRACOA – Praça D. Maria II, Vila Nova de Famalicão; 252 322 487
QUINTA DO OUTEIRO – Rua Outeiro de Baixo, nº 15, Amarante; 255 010 092 / 968 930 580 / 255 423 584; restaurantequintadoouteiro@gmail.com
LAGE D’ÁGUA – Avenida João Paulo II, nº 767, Rebordões, Santo Tirso; 252 858 630 / 914 200 008 / 914 251 220; lagedagua@gmail.com

Edição nº16, Agosto 2018

Escreva um comentário