Home-SliderNotíciaNotícias

Fórum ViniPortugal 2018: Vinho português continua a desbravar mundo

By 3 Dezembro, 2018 Sem comentários

TEXTO Mariana Lopes

O Convento de São Francisco, em Coimbra, foi, pela primeira vez, palco do já recorrente Fórum ViniPortugal. No dia 29 de Novembro, o sector ficou a conhecer, de forma aprofundada, os dados mais recentes sobre as exportações portuguesas de vinho, a conjuntura do mercado nacional, os planos de marketing, para 2019, das várias CVR e da ViniPortugal, uma avaliação do enoturismo nacional e a prosperidade de alguns mercados asiáticos.

A sessão abriu com Luís Medeiros Vieira, Secretário Geral da Agricultura e Alimentação, que sublinhou o facto de o sector do vinho apresentar resultados excepcionais, “continuando a afirmar-se como um sector de sucesso em Portugal”. Lembrou, ainda, os fenómenos climatéricos que influenciaram negativamente a produção das vinhas, este ano, e referiu que serão cada vez mais frequentes. Reforçou, assim a necessidade de tomar medidas de protecção, como “fazer um seguro contra o escaldão, como já bastantes produtores fizeram”.

Portugal continua a ser o 9º maior exportador mundial de vinho, segundo dados do IVV – Instituto da Vinha e do Vinho, apresentados por Maria João Dias. No entanto, Portugal e Grécia reduziram a sua produção no último ano, num Mundo que produziu aproximadamente 297 milhões de hectolitros. Apesar disso, este foi o único parâmetro em que Portugal regrediu, tendo a exportação crescido 4% em volume, 5% em valor e 1,3% no preço médio, face ao ano transacto. Isto significa que houve uma excelente recuperação depois do período problemático no mercado angolano. Actualmente, França, Estados Unidos e Reino Unido são os três principais destinos dos vinhos portugueses, países para onde vai 33% do vinho exportado. Em França, crescemos 12,9% em volume e 7,8% em valor em 2018. De notar é o facto de, de 2013 a 2017, Portugal ter aumentado as suas exportações para os EUA em 41%. No Reino Unido, o país cresceu, neste período, 9% em valor e exportou a um preço médio superior ao que o Reino Unido importa. Embora o Vinho do Porto tenha um peso ainda grande neste mercado, esta categoria de vinho decresceu ligeiramente, tendo aumentado a exportação de vinho tranquilo para o Reino Unido. Isto aplica-se, também, a outros mercados, onde vemos especificamente a exportação de tranquilo português a aumentar os seus números. Apesar de ficar fora do pódio, o Brasil é um mercado em evidência, com os vinhos portugueses a terem um desempenho muito positivo, com um crescimento de 19,8% em valor e um aumento de 11,2% no preço médio em 2018 face a 2017. Isto é a melhor performance no TOP 10 dos principais mercados de destino dos vinhos portugueses, que inclui ainda países como Alemanha, Canadá, Bélgica, Países Baixos, Angola e Suíça. Em conjunto, estes mercados representam 72% da exportação nacional. Para o mercado Alemão, de cada vez maior importância, Portugal exportou mais 14% em valor e 22% em volume, naquele período de cinco anos. Na Suíça, o crescimento foi de 7,2% em volume e 9,4% em valor.


E no horizonte de 2021, quais são os mercados com maior potencial? China, Coreia do Sul e Polónia são os mais atractivos a médio prazo, de acordo com um estudo do IVV que avaliou as taxas de crescimento dos últimos anos. De 2013 a 2017, Portugal aumentou as suas exportações para a China em 100%. Já para a Coreia do Sul, o número chega aos 510% no mesmo período, em volume, e 44% em valor. A Polónia, por sua vez, recebeu mais 35% em volume de vinho português, com um acréscimo de 46% em valor. Bastante relevante no estudo deste mercado são também os 50% de aumento de vinho tranquilo certificado português.

Quanto ao mercado nacional, verificou-se que o valor está concentrado na restauração e o volume na distribuição e, no somatório destes dois mercados e falando de vinho certificado, tanto o valor como o volume, e também o preço médio, aumentaram. Num país onde se vende mais tinto do que branco, a venda de garrafa representa 70%, sendo que o mercado é liderado pelo Alentejo, embora com decréscimo de 2%, seguido do Douro, que cresceu, e, em terceiro lugar, a Península de Setúbal, que também está ligeiramente mais presente do que em anos anteriores.
Tendo em conta tudo isto, a ViniPortugal propôs-se a investir nos mercados internacionais, em 2019, 6,5 milhões de euros, com ênfase nos Estados Unidos, que representarão 20% do esforço de investimento. Canadá e Brasil são os que vêm a seguir e México e Dinamarca as novas apostas.

Jorge Monteiro, presidente da ViniPortugal, concluiu: “O nosso país encontra-se em 9º lugar no ranking mundial, atrás da Nova Zelândia e à frente de países como África do Sul e Argentina. Importa continuar a trilhar este caminho, consolidando os mercados onde temos crescido, de forma visível ao longo dos últimos anos, e apostando em novos mercados, com uma postura competitiva e profissional. A diversificação de mercados tem de continuar a ser uma prioridade para os vinhos portugueses. Temos de sair da chamada ‘zona de conforto’ e alocar tempo, energia e recursos para sermos bem-sucedidos em mercados mais exigentes”.

Escreva um comentário