Home-SliderNotícias Vinho

Ladeira da Santa: One man (anti) show

By 8 de Maio, 2020 Sem comentários

Um projecto que começou como escape de fim-de-semana do pai, é agora negócio também do filho. Da ladeira mais solarenga do Dão surgem vinhos cada vez melhores, e a culpa é de um mountain biker incurável.

TEXTO Mariana Lopes
FOTOS Mário Cerdeira

De Coimbra a Tábua, no extremo Sul do Dão, são 60 minutos pelo tenebroso IP3, e é esse o percurso de ida e volta que João Cunha faz praticamente todos os dias. Tem 32 anos e, sendo avesso a toda e qualquer exposição – apesar da cortesia e simpatia que nunca falham – para ele a Ladeira da Santa é, sem sombra de dúvida, o refúgio perfeito. É um “loner”, como se diz em inglês, e mantém o seu grupo de amigos em regime de “poucos e bons”, ao qual se juntou recentemente a cadela Zoumi, uma Border Collie de quatro meses que já é a menina dos seus olhos. João tirou Enologia no Porto e Engenharia Alimentar em Coimbra e, em 2008, fez o seu primeiro vinho na “Ladeira”, como habitualmente chama à propriedade familiar. Quanto à parte “da Santa”, não se sabe bem a razão, apenas que já tinha esse nome quando adquirida pelo seu pai, Arlindo Cunha, nascido em Tábua. Economista e professor da Universidade Católica do Porto, Arlindo Cunha foi Secretário de Estado da Agricultura, Ministro da mesma área e vice-presidente da Comissão Parlamentar da Agricultura, razões mais do que suficientes para que, em 1996, se virasse para a Ladeira da Santa, para “espairecer e largar o stress”: adquiriu o terreno, praticamente todo pinhal, que incluía um hectare do seu sogro e, até 2006 – com ajuda de uma pessoa que tomava conta do sítio, e de um enólogo consultor que lá fez os vinhos até o filho assumir as rédeas – dedicou-se a comprar mais área e a plantar vinha, fazendo vinho “na desportiva” desde 2000. “O bom beirão gosta sempre de ter uma adega”, brincou. Foi então, em 2006, que a família fundou a empresa Ladeira da Santa. Em 2009, João Cunha já lá fazia todos os vinhos da casa, plantando ele próprio cinco hectares de vinha em 2017, através do programa Jovem Agricultor.

Hoje já são dez hectares de videiras, cinco de uvas brancas e cinco de tintas, que se estendem pela encosta abaixo, rodeando a casa e a adega, e por outro terreno, praticamente do outro lado da estrada, que desce no sentido oposto, permitindo a João tomar partido de várias exposições solares. Agora é ele que, a título pessoal, é proprietário e arrendatário de todos os vinhedos, vendendo as uvas à Ladeira da Santa. Os solos, complexos e de transição de granito para xisto, apresentam umas aflorações rochosas aleatoriamente distribuídas pelas vinhas que estão viradas a Sul, rodeadas de altos pinheiros e que encaram as serras do Açor e de Arganil, graciosamente pintadas no horizonte, sempre em plano de fundo. E esses blocos de pedra, a par do declive considerável da ladeira, são elementos fundamentais para João Cunha pôr em prática uma das suas maiores paixões, o BTT, ou “mountain biking”. No local, é fácil de ver os percursos idealizados pelo produtor e os obstáculos naturais do terreno, e de perceber que ali, entre as uvas e a bicicleta, João tem tudo o que precisa. Aliás, quando não está a fazer vinho, está a descer alguma coisa, em cima de alguma coisa, com ou sem rodas. Após uma chamada não atendida, já depois da visita à propriedade, a justificação foi “estava a acabar uma pista”, e isso diz tudo.

Arlindo Cunha e João Cunha.

Terroir Ladeira

Esta personalidade livre de João Cunha faz dele várias coisas, e uma delas é a de um enólogo e produtor sem concessões, multifacetado, que trata de quase tudo, desde a vinha à rotulagem, passando pelo principal, os vinhos. Na maior parte do tempo, um autêntico “one man show”. Na verdade, e como contou, “isto subsiste muito à base da amizade. São os nossos amigos que vêm ajudar na poda, por exemplo. Na vindima, contratamos cerca de dez pessoas e vêm uns quarenta amigos vindimar também”. As referências são actualmente cinco, dois brancos e três tintos, com uma produção anual de cerca de 26 mil garrafas. “O nosso objectivo é sermos um produtor familiar e tradicional do Dão, de dimensão média”, explicou Arlindo Cunha. E João complementou: “Não nos preocupamos muito em aumentar os números, queremos fazer um crescimento sustentável”.

O Colheita Seleccionada branco 2018 é um lote de Malvasia Fina (40%), Arinto (30%), Gouveio, Encruzado e Bical, um branco sem madeira, super agradável, aromático e equilibrado, fresco e muito bem feito. Por sua vez, o Encruzado Reserva branco 2018, de perfil cremoso e vegetal, fermentou em inox e parte dele estagiou em barricas usadas e novas (10%) de carvalho francês durante seis meses. Nos tintos, o Colheita Seleccionada 2018 faz maceração longa em lagar durante dez dias e tem Tinta Roriz, Touriga Nacional e Alfrocheiro. O estágio é feito por três meses em barrica e dois meses em garrafa, originando um vinho todo ele silvestre e polido, com grande aptidão para a mesa do dia a dia. Quanto ao Touriga Nacional 2015, este também faz maceração em lagar, durante sete dias, e estagia quase 24 meses em barricas com seis anos e um ano e meio em garrafa. Um vinho igual a si mesmo, bem floral e fino. Por fim, o Grande Reserva 2017 fica em lagar oito dias e estagia um ano em barricas usadas (de um a quatro anos de idade) e seis meses em garrafa, resultando num tinto de fruta profunda, com intensidade e muita elegância.

Todos estes vinhos cheiram e sabem a Dão, com o terroir daquele sítio em Tábua muito evidente, onde a assinatura do enólogo está bem presente, mas não se sobrepõe. Já para não falar da excelente relação qualidade-preço. Os brancos bem frescos, florais e minerais, com a típica Encruzado a conferir estrutura e – quando conjugada com madeira – cremosidade, e os tintos com o pinhal que rodeia a Ladeira da Santa a expressar-se, elegantes e com um lado terroso ténue. E João Cunha entra aqui a tratar das uvas como suas amigas, em tudo o que isso implica – com todo o carinho e atenção, mas sem bajulações – e a utilizar as barricas de uma forma muito precisa, a dar aos vinhos não só o que eles precisam delas, mas também um certo “je ne sais quoi” que só ele sabe entregar, fazendo da Ladeira da Santa um projecto cheio de carácter.

  • Ladeira da Santa
    Dão, Colheita Seleccionada, Branco, 2018

    16.5
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Ladeira da Santa
    Dão, Encruzado, Reserva, Branco, 2018

    17
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Ladeira da Santa
    Dão, Colheita Seleccionada, Tinto, 2018

    16
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Ladeira da Santa
    Dão, Touriga Nacional, Tinto, 2015

    17
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Ladeira da Santa
    Dão, Touriga Nacional, Grande Reserva, Tinto, 2017

    17.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor

Edição nº 35, Março de 2020

Escreva um comentário