Luís Lopes | EditorOpinião

Misteriosa Bairrada

By 3 Dezembro, 2018 Sem comentários

A Bairrada é uma extraordinária e complexa região, porventura a mais desafiante na sua relação com o consumidor. Enorme diversidade e forte carácter conjugam-se em vinhos que estão longe de ser imediatos ou consensuais. São vinhos misteriosos, que se revelam a pouco e pouco, até a sua grandeza nos conquistar por inteiro.

Esta é uma região de contrastes, uma região com várias faces. Desde logo, pela forma como os seus vinhos se posicionam no mercado. Se entrarmos numa grande loja de retalho alimentar, entre centenas de referências do Alentejo, Setúbal, Douro ou Dão, será muito pouco provável encontrar mais do que um vinho oriundo da Bairrada. Aparentemente, o “consumidor comum” está de costas voltadas para os vinhos da região ou, no mínimo, os responsáveis de compras dessas lojas não vêem nos brancos e tintos da Bairrada as características ideais para cativar os seus clientes. E, no entanto, vários produtores bairradinos estão, indiscutivelmente, entre os mais prestigiados de Portugal, e há cada vez mais vinhos da região a assumir lugar de destaque nas listas de conceituados restaurantes, nas prateleiras das lojas especializadas e nas preferências dos apreciadores mais esclarecidos e exigentes.
O próprio modelo fundiário da Bairrada explica esta bipolaridade: com uma dimensão média de vinha que não ultrapassa o meio hectare, parcelas dispersas e elevados custos de produção, esta não é, claramente, uma região de volumes, capaz de fazer bom e barato, mas sim uma região de nicho, vocacionada para produzir vinhos especiais a preços condizentes.
Não quer isto dizer que não se encontre excelente relação qualidade-preço, como o demonstra a grande prova de tintos Bairrada publicada nesta edição. Só que esses “best buy” estão na faixa dos 7 a 12 euros, não custam 3 ou 4… Paralelamente, temos os vinhos de topo, posicionados acima dos 25 ou 35 euros, que aliam a sua enorme categoria a um tom vibrante e fresco, denominador comum da região.
Os contrastes bairradinos não terminam aqui. Desde a reformulação legislativa de 2002, um DOC Bairrada pode ser feito com uma ou mais de 11 castas brancas e 17 tintas, entre as quais se encontram, castas exógenas como Chardonnay, Pinot Blanc, Verdelho, Sauvignon, Viognier, Cabernet, Merlot, Petit Verdot, Pinot Noir, Syrah, Tinta Barroca, Touriga Franca e Touriga Nacional, ao lado de uvas mais “tradicionais” como Maria Gomes, Bical, Cercial, Baga ou Castelão. Se cruzarmos este número de castas com os dois tipos de solos principais (areias e argila-calcário) e, sobretudo, as diferentes abordagens de adega por parte de enólogos e produtores, facilmente se imagina a gigantesca diversidade de estilos e perfis de vinho que a Bairrada coloca hoje no mercado. Se isso se revelou positivo ou negativo para a região, o balanço está ainda por fazer. Certo é que, por um lado, os vinhos tintos e espumantes elaborados com a “clássica” Baga voltam a estar, literalmente, nas bocas do mundo e assumem-se como uma categoria à parte; e, não menos certo, seja qual for o lote de uvas utilizado, o terroir da região deixa sempre a sua marca, em vinhos com qualidade, personalidade, vivacidade e longevidade. Misteriosa Bairrada…

 

 

Edição Nº14, Junho 2018

Escreva um comentário