Eventos

O fantástico Douro Superior

By 12 de Dezembro, 2019 Sem comentários

Não é fácil acreditar que foram cerca de dez mil as pessoas que passaram pelo Centro de Congressos de Vila Nova de Foz Côa, durante os três dias em Maio 2019. Mas é um facto: o Festival do Vinho do Douro Superior vai ganhando cada vez mais adeptos, que vêm fruir de um conjunto de iniciativas ligadas aos vinhos e à gastronomia.

TEXTO António Falcão e Fernando Melo
FOTOGRAFIAS Mike The Axe

Nunca como até agora houve tanto e bom vinho na sub-região do Douro Superior, a porção mais encostada a leste, que tem um clima e uma fisionomia tão particular. Por aqui a capital é Vila Nova de Foz Côa, cujo município luta contra a desertificação e aposta na fileira do vinho, aquela que mais alegrias tem dado ao concelho. De facto, todos os anos, desde 2012, ano em que se celebrou a primeira edição, que novos produtores têm aparecido neste certame, indicando que existe de facto uma aposta na vinha e no vinho. Nem todos são grandes, poucos são conhecidos, mas todos são, segundo o presidente da Câmara, Gustavo Duarte, “muito bem-vindos”. Gustavo e a sua equipa são os grandes mentores e entusiastas deste evento desde o seu início e foi graças à sua perseverança que Foz Côa se estabeleceu como a capital do Douro Superior.
Voltando ao evento, esta oitava edição do ‘Festival do Vinho do Douro Superior’ (FVDS) decorreu, mais uma vez, durante três dias bastante intensos, com um número recorde, tanto de expositores (83), como de visitantes, com perto de 10.000 entradas registadas. Mais do que números, importa destacar a confirmação da qualidade tanto dos vinhos como dos sabores do Douro Superior e da dinâmica que esta sub-região atravessa, traduzida no aumento, ano após ano, do número de produtores e de marcas lançadas no mercado. Se o FVDS pode ser considerado um bom barómetro da realidade económica local, os tempos correm de feição para o Douro Superior.
O crescimento do Festival corre a par com o aumento de interesse que o mesmo suscita, muito para além dos limites geográficos da sub-região. Para os produtores presentes tem sido especialmente importante a visita de media, compradores, negociantes, restaurantes e lojas de vinho de todo o país, que aqui vêm procurar vinhos diferenciados e de forte carácter: tanto os brancos frescos e vibrantes, como os tintos frutados e encorpados.

Quatro provas comentadas
Como habitualmente, o FVDS contou com um conjunto de actividades que se estenderam pelos três dias. A começar pelas provas de vinhos e azeites – comentadas por especialistas e com lotação esgotada. A primeira coube a Fernando Melo, colaborador da Vinho Grandes Escolhas, que falou sobre “Grandes tintos do Douro Superior”. Nos copos dos presentes, um belíssimo portefólio de vinhos que a todos deleitou. Da mesma forma, mas no dia seguinte, Valéria Zeferino comentou um belo conjunto de “Grandes brancos do Douro Superior”. Um pouco mais tarde, o especialista Francisco Pavão explicava uma série de “Azeites do Douro Superior e Trás-os-Montes”. No último dia, Luis Lopes iria mostrar um fantástico conjunto de Vinhos do Porto.

Colóquio define Foz Côa como ponto de convergência
O tradicional colóquio de Sábado começou com o discurso inaugural de Gustavo Duarte, presidente da câmara, reforçando à cabeça o protagonismo crescente que o concelho está a ter em termos das proximidades: geográfica, social, cultural, gastronómica e vínica. Conseguiu-se, de facto este ano um conjunto notável de palestrantes, coroado pelo Embaixador Francisco Seixas da Costa, diplomata experiente e apaixonado pelo Douro. Gonçalo Correia dos Santos, proprietário do operador Pipadouro – Vintage Wine Travel – trouxe a sua experiência no terreno adquirida pelo contacto com o reticulado mais fino do vale do Douro, mostrando como é possível chegar a uma oferta de classe mundial mobilizando localmente os recursos disponíveis e ainda pouco explorados. Bruno Navarro, presidente da Fundação Côa Parque trouxe a proximidade cultural para o debate, mostrando numa apresentação vibrante como o Museu do Côa se está a assumir como plataforma de valorização de recursos endógenos ao serviço da região, do país e do mundo. A colocação em rede tem sido crucial para o êxito do projecto, que sem dúvida conhece nova fase com a sua direcção. A vinda dos chefs e irmãos Óscar e António Gonçalves, do restaurante G Pousada, em Bragança, para partilhar o que foi ganhar uma estrela Michelin num território marcado pela interioridade e distância do eixo atlântico, e de como tudo nasceu há muito tempo, crescendo de forma sustentada. Ficou a arte de ser português bem patente, talento e trabalho aliados a uma vontade férrea, como exemplo de que no tempo certo consegue subir-se bem alto. Os enólogos e sócios Celso Pereira e Jorge Alves, dos vinhos Quanta Terra, contribuíram com uma visão muito própria, inovadora e científica dos vinhos de altitude e do muito que há ainda para desbravar em termos de património vitícola, castas autóctones e perfis de solo únicos no mundo. O período de debate seguiu-se à reflexão de Francisco Seixas da Costa, que viajou livremente pelo território, história e estórias, que no fundo exprimiam no conjunto as diversas proximidades que Foz Côa personifica. A mobilização dos produtores de vinhos do Douro tem crescido, deseja-se maior, o evento oferece justamente a melhor plataforma para que isso aconteça.
Ao lado do auditório, terminava o concurso de vinhos, de que falaremos nas páginas a seguir.

 

Edição Nº26, Junho 2019

Escreva um comentário