Luís Lopes | EditorOpinião

Os brancos vão à luta

Num país supostamente dominado pelos tintos, as uvas brancas autóctones não se rendem. E são cada vez mais as batalhas que ganham neste saboroso confronto de cores. Basta ver o crescente número de brancos monocasta lançados no mercado, oriundos de todas as regiões.

TEXTO Luís Lopes

Os países e regiões vinícolas do sul europeu são tradicionalmente considerados território de tintos, com alguns pequenos “enclaves” de vinhos brancos a desafiar a regra. Zonas quentes para tintos, zonas frias para brancos, manda a lei. O Portugal do vinho tem vivido há largas décadas sob esse preconceito, evidente sobretudo nos mercados de exportação. Encontro com frequência sommeliers, jornalistas especializados e compradores estrangeiros que, apesar de saberem que se fazem vinhos brancos em Portugal, julgam que são meras curiosidades ou produtos simples e sem grande ambição. Quando colocados perante alguns dos brancos de excelência que se produzem entre nós, ficam atónitos e muitas vezes envergonhados ao admitir o seu desconhecimento.
É certo que, também em Portugal, só há relativamente pouco tempo o branco deixou de ser considerado um produto inferior. E, ainda hoje, as referências mais prestigiadas e de preço mais elevado correspondem a vinhos tintos, tal como a produção de tintos supera largamente a de brancos.
Porém, as variedades brancas autóctones estão a sair dos esconderijos e a dar luta às tintas, não raras vezes ganhando no confronto. Já repararam que, num país de tintos, são cada vez mais as castas brancas nacionais que merecem a honra de engarrafamento “a solo”?
A omnipresente Touriga Nacional, transversal a todo o território português, é de longe a uva indígena que dá origem a mais vinhos varietais, constituindo em si mesma uma categoria para o consumidor. Mas quantas mais uvas tintas poderão dizer o mesmo? Baga, enquanto uva identitária da Bairrada, e com algumas dezenas de referências no mercado, talvez. Mas muitos destes Baga correspondem a espumantes vinificados… em branco! Castelão, embora tradicional da Península de Setúbal, origina poucos vinhos estremes, tal como a Aragonez/Tinta Roriz, apesar desta ser a casta mais plantada em Portugal. Alicante Bouschet, a francesa que adoptámos, ainda conta com vários representantes, sobretudo na metade sul do país, e o mesmo se passa com Vinhão/Sousão a norte.
Mas Trincadeira, Touriga Franca, Alfrocheiro, Rufete, Jaen, Tinto Cão, enquanto varietais, são quase nada. Por junto, e se exceptuarmos a já referida “Touriga cada vez mais Nacional”, os varietais tintos não conseguem competir com a quantidade de referências disponíveis de Alvarinho, Loureiro, Avesso, Encruzado, Arinto, Antão Vaz e Verdelho (ainda que muitos supostos Verdelho sejam, na verdade, Gouveio, mas para o caso não importa). E, para além destes verdadeiros ponta-de-lança do exército branco, há uma segunda vaga em crescendo composta por Azal, Síria, Bical, Malvasia Fina, Fernão Pires/Maria Gomes, Moscatel Galego ou Viosinho.
É claro que, em Portugal, a tradição são os blends, não os varietais. Mas sabendo-se o poder que uma casta tem na comunicação identitária de uma região e de um país, as variedades brancas estão a lançar um grito de afirmação que é impossível não ouvir. E que pode ajudar a mudar a forma como o mundo olha para os vinhos portugueses.

Escreva um comentário