NotíciaNotícias

Produtores de vinho mergulham garrafas na água do mar

Quatro produtores da Associação de Produtores de Vinho da Costa Alentejana decidiram mergulhar cerca de 450 garrafas no Porto de Sines. Foram eles a Companhia Agrícola da Barrosinha, A Serenada, Herdade do Portocarro e Pêgo da Moura. As garrafas foram colocadas por um barco de pesca junto a um dos molhes (da parte interior, claro) do Porto de Sines e vão aí ficar até, previsivelmente, até ao dia de São Martinho, dia 11 de Novembro. Estão instaladas em grades metálicas que comportam 50 garrafas cada, construídas para o efeito por um serralheiro local. Não lhes falta sequer um cadeado para prevenir alguma incursão dos ‘amigos do alheio’. Que, aliás, talvez não seja fosse necessária porque estava ali perto um enorme polvo a inspeccionar toda a operação. O avistamento foi reportado pelo mergulhador que orientou a descidas das grades, assegurando que ficavam bem assentes no fundo, a cerca de 12 metros, e próximas uma das outras.

vinhos no mar em Sines

O capitão do barco desce uma das grades até à agua. O mergulhador está à espera para colocar a grade no fundo.

A maioria é de vinho branco: Jacinta Sobral, proprietária e enóloga dos vinhos Serras de Grândola (Serenada), afundou versões de Verdelho, Arinto e Gouveio da sua marca. A Herdade da Barrosinha, através do seu administrador, Carlos Trindade, escolheu a colheita 2017 do Verdelho, um tinto de 2016 e outro de 2014. José Mota Capitão, da Herdade do Portocarro, optou pelos brancos Autocarro Nº 38 e Gerónimo, de 2017, este último uma nova marca. Finalmente, a marca Pêgo da Moura apenas mergulhou algumas garrafas do Alfaiate branco.

Vinhos do mar em Sines

Três dos vinhos mergulhados em 2017 foram provados agora contra as testemunhas que ficaram em terra.

Esta é a segunda experiência destes produtores com vinhos estagiados em águas marítimas. As garrafas do ano passado foram provadas no restaurante Cais da Estação, junto com as respectivas testemunhas, que ficaram em terra. A Grandes Escolhas esteve lá e teve oportunidade de fazer a comparação, de forma informal, entre as garrafas do ‘mar’ e da ‘terra’. De uma forma geral, os vinhos do mar pareciam mais complexos, mais casados, como se tivessem evoluído, mas sem envelhecerem. A nível de fruta, tanto tintos como brancos mostravam aromas e sabores mais puros, mais definidos. Nuns casos, as diferenças eram mais pronunciadas que outras. Um dos casos foi o do Serras de Grândola Verdelho 2015, mais complexa e harmoniosa a versão marítima; o outro foi o Autocarro Nº 27, tinto, com taninos mais suaves para a versão do mar. Jacinta Sobral disse-nos que, pela experiência até agora, os brancos beneficiam mais do estágio marítimo que os tintos.
A experiência, diga-se de passagem, foi acompanhada e registada por um técnico da CVR da Península de Setúbal.
Esta não é a primeira experiência que se faz em Portugal com o estágio de vinhos mergulhados em água. A mais recente que conhecemos foi protagonizada por Duarte Leal da Costa, da Ervideira, que fez (e está a fazer) uma operação em muito maior escala, mas em água doce, na albufeira da barragem do Alqueva. Mas, ao que sabemos, esta é a primeira operação efectuada em mar. Muito se tem escrito sobre a influência da água no estágio do vinho, incluindo parâmetros como a maior estabilidade térmica e a eventual influência da pressão. Conclusões ainda não existem, mas não deverão tardar, porque os intervenientes nesta operação de Sines esperam continuar com a saga e mesmo ampliá-la. O tempo dirá da sua justiça… (AF)