Grande Prova

A Touriga que é Nacional

By 4 Setembro, 2019 Sem comentários

A Touriga Nacional é uma casta de grande personalidade, capaz de produzir todo o tipo de vinhos – desde espumantes de alta qualidade até Vinhos do Porto. É expressiva, com muita frescura aromática, numa fina elegância que integra os traços inconfundíveis de violeta, bagas e citrinos de bergamota. Mesmo tendo o carácter varietal bem definido, deixa transparecer o terroir, a abordagem enológica e até o estilo do produtor, sem perder a sua identidade. Nesta prova de 50 vinhos de Touriga Nacional, a grandeza e versatilidade da casta ficaram bem evidentes.

TEXTO Valéria Zeferino FOTOS Ricardo Gomez

A casta tinta mais nacional nem sempre foi apelidada como tal. Ao longo da sua existência teve muitas sinonímias em várias zonas do país – Tourigo e Touriga, Tourigo Fino e Touriga Fina, Mortágua, Preto Mortágua e até Azal. Considera-se que, precisamente, os nomes Tourigo e Mortágua indicam a origem da casta, ligando-a à região do Dão, onde existem duas localidades com o mesmo nome. De acordo com o Estudo de Ampelografia Portuguesa de 1865, a Touriga era de longe a casta mais plantada no Dão antes da filoxera.
As primeiras referências do seu cultivo surgem em 1790 por Lacerda Lobo e em 1791 é Rebelo da Fonseca que a caracteriza como “uma casta produtiva e de maturação precoce”. Vis¬conde de Villa Maior em 1865 elogia a Touriga, dizendo que “é excelente e dá vinho muito coberto, resiste ao oídio (…)”.
Em 1900, Cincinato da Costa referiu a variedade no seu monumental O Portugal Vinícola como “casta tinta de valor, geralmente aprecia¬da em todo o norte do país pelo grande rendimento que dá e a superior qualidade dos vi¬nhos que origina.” Dizia ainda que na região da Beira e em especial entre os rios Mondego e o Dão, “os vinhedos têm um cunho muito característico e são justamente afamados, é a Touriga a casta predominante (…)”.

O potencial enológico da Touriga Nacional foi com¬provado, o que não só a salvou da extinção, como fez dela o primeiro objecto de investigação clonal aprofundada em Portugal, que permitiu identificar do universo de 197 clones os melhores em termos de resistência a doenças, rendimento, açúcar, acidez etc.
O combate da filoxera obrigou o uso de porta¬-enxertos americanos, resistentes ao insecto malicioso. Esta medida, embora tenha resolvido o problema da praga, não foi particularmente acertada no caso da Touriga Nacional, reduzindo drasticamente a sua produtividade. A casta, com “muita parra e pouca uva”, passou de bestial a besta no meio dos viticultores, pois o rendimento baixíssimo (menos de 800 gramas por planta) não era comercialmente viável.
A recuperação da fama foi lenta e só aconteceu a partir de meados do século passado graças aos estudos de Gastão Taborda no Douro nos anos 50 (continuados posteriormente por José António Rosas e João Nicolau de Almeida) e Alberto Vilhena no Dão dos anos 60. O potencial enológico da Touriga Nacional foi com¬provado, o que não só a salvou da extinção, como fez dela o primeiro objecto de investigação clonal aprofundada em Portugal, que permitiu identificar do universo de 197 clones os melhores em termos de resistência a doenças, rendimento, açúcar, acidez etc.

ADAPTÁVEL MAS COM MUITA PERSONALIDADE

A Touriga dá-se bem em todos os tipos de solos, mesmo pesados e férteis. Continua a ser uma casta com vigor vegetativo notável e tem porte retumbante, crescendo para os lados, o que exige mais trabalho na vinha e pode causar danos físicos à planta em condições de ventos fortes. Para além do baixo rendimento, a Touriga Nacional ainda tem a tendência para o desavinho e a bagoinha, com abrolhamento e floração precoce, problemas que podem acentuar-se nas condições climáticas adversas na primavera. Actualmente, com conhecimento adquirido, é possível controlar o vigor e o rendimento através de clones e porta-enxertos apropriados e da poda correcta conforme as condições.
A Touriga Nacional amadurece algo tarde, sendo uma casta de ciclo longo, cujo amadurecimento completo às vezes pode ser comprometido pelo frio e chuvas de outono. Produz cachos pequenos de cerca de 100-200 gramas, raramente atingindo 250 gramas. Os seus pequenos e relativamente soltos bagos possuem uma película bastante grossa que é rica em polifenois e protege o bago do sol e do calor. É uma autêntica trabalhadora, resiste bem ao calor e continua a fazer fotossíntese até a última graças à elevada eficiência do uso da água. Entretanto, o stress hídrico tem que ser controlado, sobretudo quando combinado com calor excessivo. Nestas condições, a Touriga é sensível ao escaldão das folhas e tem tendência a livrar-se delas, expondo os cachos ainda mais ao sol.

N’O Portugal Vinícola, a Touriga é referida como uma casta aneira que produz muito num ano para dar pouco noutro. O enólogo Manuel Vieira (Caminhos Cruzados) não a considera aneira do ponto de vista enológico e é até bastante regular em termos qualitativos: não varia do óptimo para péssimo, antes oscila entre óptimo e muito bom ou bom. Tinta Roriz e Alfrocheiro, neste aspecto, são mais aneiras, diz Manuel Vieira. Mas o factor ano acaba por ser importante quando se quer fazer um vinho varietal de grande qualidade, repara o enólogo da Quinta do Crasto, Manuel Lobo. Como diz, e bem, Pedro Rodrigues, da Quinta dos Termos, a Touriga Nacional dá o que toda a gente quer: cor, álcool, tanino, acidez e um aroma atraente.
É uma casta terpénica pela concentração elevada de terpenos livres, responsáveis pelos aromas florais e frutados que, curiosamente, são mais intensamente encontrados sobretudo em variedades brancas como Moscatel, Gewurztraminer, Viognier ou Alvarinho.
A Touriga ainda é particularmente rica em norisoprenóide beta-ionona, associado ao aroma de violeta. Conforme os estudos do Instituto Superior de Biotecnologia, a concentração deste composto diminui com a presença de oxigénio, o que explica porque os aromas de violeta são mais evidentes quanto menos barrica se usa na vinificação.

Sabe-se também que a nossa Touriga é atreita a desenvolver fenóis voláteis (o desagradável aroma de suor de cavalo) por ter grande teor de ácido ferúlico e cumárico, utilizados no metabolismo de brettanomyces. Se, ainda por cima, o vinho for estagiado em barricas novas que mais rapidamente absorvem o sulfuroso, é preciso um controlo redobrado.
A Touriga funciona bem nos vinhos de entra¬da de gama por ter um aroma imediatamente atractivo e ser naturalmente muito equilibra¬da. Mas existem Tourigas que evoluem muito bem. Manuel Lobo atribui à Touriga uma longevidade média, já Graça Gonçalves afirma que na Quinta do Monte D’Oiro tem Tourigas de 2004 e estão óptimas, e Manuel Vieira lembra-se de provar no final dos anos 80 as mini-vinificações de Touriga Nacional feitas nos anos 50 pelo Eng.º Vilhena em Nelas, que estavam de perfeita saúde.

A TOURIGA E A BARRICA

“Touriga é uma casta muito plástica, capaz de dar vinhos bem diferentes uns dos outros. Sem barrica dá vinhos elegantes, mas também tem especial apetência pela barrica, não se deixa comer pela madeira. Tem personalidade, é uma casta criativa.” – defende Manuel Vieira. O enólogo costuma fazer maceração pré e pós-fermentativa, ao que Touriga responde bem. Utiliza barricas de primeiro, segundo e terceiro ano, prefere tosta média, mas varia o nível de tosta para fazer um lote final.
Já Manuel Lobo indica que a casta não tem muito tanino, comparativamente com a Tinta Roriz ou Touriga Franca. Às vezes falta-lhe um pouco de dimensão e de persistência e não tem camadas como algumas outras castas. Precisa de madeira para lhe conferir algum tanino, mas prefere barricas com porosidade apertada e não gosta de tosta muito elevada.
Graça Gonçalves menciona que a Touriga Nacional se porta muito bem na fermentação alcoólica, costuma ser a mais rápida a atingir o pico, por isto é necessário um bom arrefecimento na vinificação. Tem uma cor fabulosa, mas perde-a com alguma facilidade por não ter muito tanino a fixar antocianinas. Prefere Touriga em barricas usadas, mas utiliza 30% de barrica nova com tosta média.
Na Quinta dos Termos opta-se por um lote de barricas de carvalho francês e húngaro. Pro¬curam “não matar a frescura”. Utilizam madeiras com tempo de secagem longo (8 anos) pela convicção que é preferível do que usar uma barrica velha com poros saturados, ex¬plica Pedro Rodrigues.
Bernardo Cabral, enólogo da Companhia das Lezírias, afirma que quando é feito um bom trabalho de campo, a Touriga equilibra-se bem na adega. Não gosta de utilizar carvalho americano, que mascara a personalidade da Touriga Nacional, ao contrário do carvalho francês que eleva a casta. E sempre tem uma parte sem barrica para compor o lote final.
Na opinião do enólogo e produtor António Maçanita é o perfil aromático que define a casta, por isto não utiliza barrica para preservar a pureza dos aromas varietais. “É mais difícil fazer uma grande Touriga de concentração do que uma Touriga igual a si própria. Não vale a pena forçar. Há outras castas para potência”, refere.

MANTENDO O CARÁCTER REGIONAL

O terreno do Douro com um número infinito de exposições multiplicadas por diversas altitudes permite fazer um lote de vinhas como, por exemplo, acontece na Quinta do Crasto. Utilizam uvas oriundas das três vinhas com exposições diferentes: uma virada a nascente, outra a sul e a terceira apanha um pouco de exposição norte. As vinhas ficam à altitude de cerca de 300m, que parece ser a ideal, por¬que estão afastadas dos calores das cotas baixas, mas sem comprometer a maturação. Como as vinhas não são rega¬das, é importante que em baixo do xisto, a um metro de profundidade, exista argila que retém água do inverno.
No mais húmido Dão, a resistência da casta às chuvas é um requisito importante. Manuel Vieira explica que a película da Touriga Nacional é bastante elástica e não deixa o bago rebentar quando incha, como acontece com Alfrocheiro. A Touriga Nacional do Dão tem frescura, equilíbrio e complexidade. Os aromas raramente chegam a lembrar fruta em compota. O clássico aroma ao citrino bergamota é para Manuel Vieira associado a pouca maturação.
António Maçanita trabalha com Touriga Nacional em duas regiões. No Alentejo, inicialmente andava à procura da concentração na Touriga. Em 2015 ficou impressionado com o seu perfil aromático (pétalas de rosas, flor de laranjeiro), quando vindimada mais cedo.

A partir daí privilegia a elegância à concentração. No Douro, a sua Touriga do Cima Corgo também só estagia em inox para acentuar os aromas, mas a do Douro Superior tem mais consistência e estrutura, por isto já utiliza alguma barrica.
Segundo Pedro Rodrigues, na Beira Interior a Touriga demora muito a amadurecer, sendo geralmente das últimas a ser colhida. A acumulação de açúcares não acontece rápido, por isso tem tempo para desenvolver os aromas. Mesmo que chova não há problema, porque resiste à chuva. Considera que o factor ano é importante para o perfil do vinho monovarietal. Em 2016 conseguiram o perfil que tanto procuravam – leve, elegante e aromático.

A TOURIGA E O CONSUMIDOR

Nas lojas de vinhos nacionais os consumidores, normalmente, não procuram os vinhos pela variedade, diz Vanessa Neves da garrafeira Empor Spirits & Wine em Lisboa, mas quando se sugere a Touriga Nacional a maioria reconhece e valoriza a casta. Ivone Ribeiro, a proprietária da garrafeira Garage Wines em Matosinhos, nota que há algum interesse pelos monovarietais, quando o consumidor vai à procura da essência das castas. Alguns grupos de clientes até se juntam para provar, por exemplo 10 Tourigas diferentes.
Ambas apontam que a casta funciona sempre bem como opção de oferta. Os Tourigas estruturados e com madeira normalmente impressionam, mas os consumidores mais “exigentes” ou com mais conhecimento de marcas e estilos procuram Touriga mais fresca e elegante.
Mesmo tendo muito orgulho na nossa Touriga Nacional, temos que ter noção que para maioria dos consumidores estrangeiros a casta continua uma ilustre desconhecida. Marco Alexandre – diretor do Table Group com 8 restaurantes no centro de Lisboa, onde 95% da clientela é internacional, afirma que os estrangeiros procuram mais aquilo que conhecem – Sauvignon Blanc, Chardonnay e Cabernet Sauvignon. Mas aceitam provar um vinho de Touriga Nacional quando é sugerido e normalmente gostam.
Inegável é o facto de que, entre as mais de 250 castas portuguesas, a Touriga Nacional é a variedade tinta que possui mais notoriedade e imagem mais consolidada entre os enófilos e os profissionais. O ritmo de crescimento da Touriga nas novas plantações é o reflexo disso mesmo. E lá fora, é quase sempre a casta bandeira do país, autêntica embaixadora quando se fala de vinhos de Portugal. Elegante, personalizada, impositiva, exuberante (demasiado, por vezes), a Touriga Nacional não deixa ninguém indiferente.

Cada vez mais plantada
Em 1989 (há 30 anos) a Touriga Nacional nem sequer fazia
parte das 15 castas mais plantadas de Portugal, ou seja,
representava menos de 1% dos encepamentos nacionais
(na altura a lista era liderada por Fernão Pires, Castelão e
Baga com 9, 8 e 5% respectivamente).
De acordo com os dados mais recentes do Instituto da
Vinha e do Vinho, a Touriga Nacional subiu ao terceiro lugar
(a seguir a Aragonez e Touriga Franca) e ocupa 13.032 ha, o
que corresponde a 7% da plantação nacional. A maior área
da Touriga está no Douro – 4.524 ha. No Dão é a 2ª casta
mais plantada, a seguir à Jaen, com 3.191 ha. No Alentejo
ocupa 1.313 ha, em Trás-os-Montes 1.169 ha, ficando as
Beiras (Bairrada + Beira Interior) com 930 ha, a região de
Lisboa com 646 ha e o Tejo com 504 ha.

EM PROVA

  • Allgo
    Dão, Touriga Nacional, Tinto, 2016

    18.0
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Herdade do Rocim
    Regional Alentejano, Touriga Nacional, Tinto, 2017

    17.0
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Vallado
    Douro, Touriga Nacional, Tinto, 2016

    18.0
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Quinta do Monte d’Oiro
    Regional Lisboa, Touriga Nacional, Tinto, 2015

    17.0
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Quinta de Lemos
    Dão, Touriga Nacional, Tinto, 2010

    17.5
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Monte da Caçada
    Regional Alentejano, Touriga Nacional, Tinto, 2016

    16.0
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Quinta de S. José
    Douro, Touriga Nacional, Tinto, 2016

    17.0
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Quinta da Caldeirinha
    Beira Interior, Touriga Nacional, Tinto, 2015

    16.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Quinta da Lapa
    Do Tejo, Tourga Nacional, Reserva, Tinto, 2015

    16.0
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Pedra Cancela
    Dão, Touriga Nacional, Tinto, 2014

    17.0
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Passadouro
    Douro, Touriga Nacional, Tinto, 2016

    17.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Quinta dos Carvalhais
    Dão, Touriga Nacional, Tinto, 2017

    17.0
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Quinta das Estrémuas
    Dão, Touriga Nacional, Tinto, 2010

    16.0
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Fonte do Ouro
    Dão, Touriga Nacional, Reserva especial, Tinto, 2016

    17.0
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Adega de Pegões
    Regional Península de Setúbal, Touriga Nacional, Tinto, 2016

    16.0
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Quinta do Noval
    Douro, Touriga Nacional, Tinto, 2016

    18.0
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Quinta do Cume
    Douro, Touriga Nacional, Tinto, 2015

    18.0
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Adega Mãe
    Regional Lisboa, Touriga Nacional, Tinto, 2016

    16.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Terras de Sto Antonio
    Dão, Touriga Nacional, Tinto, 2015

    17.0
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Castelo de Azurara
    Dão, Touriga Nacional, Tinto, 2014

    16.0
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • A Touriga Vai Nua Unoaked
    Regional Alentejano, Tinto, 2018

    16.5
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Borges
    Dão, Touriga Nacional, Tinto, 2016

    16.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Touriga Nacional da Peceguina
    Regional Alentejano, Tinto, 2015

    17.0
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Vale da Raposa
    Douro, Touriga Nacional, Tinto, 2015

    17.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Quinta dos Termos
    Beira Interior, Touriga Nacional, Reserva, Tinto, 2016

    17.0
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Adega Mayor
    Regional Alentejano, Touriga Nacional, Tinto, 2016

    16.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Quinta de Saes
    Dão, Touriga Nacional, Tinto, 2015

    17.0
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Cortes de Cima
    Regional Alentejano, Touriga Nacional, Tinto, 2015

    17.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Bridão
    Do Tejo, Touriga Nacional, Colheita Seleccionada, Tinto, 2016

    16.0
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Quinta do Cardo
    Beira Interior, Touriga Nacional, Reserva, Tinto, 2016

    17.0
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Casa Burmester
    Douro, Touriga Nacional, Tinto, 2016

    17.0
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • CH By chocapalha Vinhas Velhas
    Regional Lisboa, Touriga Nacional, Tinto, 2016

    17.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Sanguinhal
    Regional Lisboa, Touriga Nacional, Tinto, 2015

    16.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Quinta do Pinto
    Alenquer, Touriga Nacional, Reserva, Tinto, 2015

    16.0
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Quinta de Ventozelo
    Douro, Touriga Nacional, Tinto, 2016

    17.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Quinta da Cuca
    Douro, Touriga Nacional, Tinto, 2016

    16.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Quinta da Romaneira
    Douro, Touriga Nacional, Tinto, 2016

    17.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Quinta do Portal
    Douro, Touriga Nacional, Tinto, 2003

    18.0
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Tyto Alba Vinhas Protegidas
    Do Tejo, Touriga Nacional, Tinto, 2015

    17.0
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Ribeiro Santo
    Dão, Touriga Nacional, Tinto, 2014

    17.0
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Monte Meão Vinha dos Novos
    Douro, Touriga Nacional, Tinto, 2016

    18.0
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Elpenor
    Dão, Reserva, Tinto, 2014

    17.0
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Paulo Laureano Selectio
    Alentejo, Touriga Nacional, Tinto, 2013

    17.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Quinta das Marias
    Dão, Touriga Nacional, Reserva, Tinto, 2015

    17.0
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor

Edição Nº25, Maio 2019

Escreva um comentário