Destinos

Abrem-se horizontes em Monforte

Alto Alentejo, zona de transição para a serra de S. Mamede, vinhos que combinam a frescura da altitude com a força de uma terra quente. Património, gastronomia, gentes que abrem a porta. Passado, presente e futuro. E uma paisagem a perder de vista.

TEXTO Luís Francisco
FOTOS Ricardo Palma Veiga

Terras férteis, ribeiras que drenam a face sul da serra de S. Mamede, ali ao fundo na linha do horizonte, e uma localização geográfica estratégica – a meio caminho entre Mérida, a capital da província ibérica, e Lisboa. Os romanos encontraram em Monforte território acolhedor e rico, instalando-se por ali há mais de dois mil anos. Hoje, as ruínas de Torre de Palma levantam o véu sobre o que seria a vida nesta luxuosa villa, que dominava o extenso planalto agrícola. A família Basilii, nome que chegou até nós numa inscrição encontrada no local, marca o início da história registada de uma região com muito passado e que tenta não perder o comboio do futuro.
Monforte fica junto a um eixo rodoviário principal, o IP2, a meio caminho entre Estremoz e Portalegre, e não será a dificuldade dos acessos a explicar o seu despovoamento. Falamos de uma das regiões do país com menos gente e neste concelho vivem agora pouco mais de 3000 pessoas – eram para cima de 8000 na década de 1950. Com 7,9 pessoas por quilómetro quadrado, não espanta que a Natureza e os grandes espaços sejam a marca de água deste município. A agricultura e a pecuária são pujantes, há pedreiras de granito. E faz-se vinho. Do bom.
É surpreendente consultar o sistema de navegação do carro e perceber que estamos a cerca de 350 metros de altitude, rondando os 400 em alguns locais. Não é o planalto das Beiras, mas aqui já estamos na meseta ibérica, esse bloco primordial da península que transforma Espanha num dos países europeus com altitude média mais elevada. Para os vinhos, isto é extraordinário: as amplitudes térmicas são muito significativas, as brisas sopram com mais frequência e a exposição solar é quase uniforme, dada a suavidade da orografia. Alie-se a isto a tal terra fértil e abundância de água que tanto seduziu os romanos (e outros antes deles, que os vestígios de povoamento remontam ao Neolítico) e temos uma receita garantida para uvas de grande qualidade. Ainda com um extra: a surpreendente mineralidade proporcionada pela influência do granito no subsolo.
Por tudo isto, e muito mais, Monforte é terra que merece uma visita. Para quem vem até aqui, as opções são muitas e – coisa surpreendente no Alentejo… – não ficam longe. Olhando apenas para um raio de uns 30km em redor da vila, podemos encontrar as fortalezas de Elvas, os encantos de Vila Viçosa, a monumentalidade de Estremoz, os cavalos de Alter, as águas da barragem do Caia, os encantos “alpinos” e históricos de Portalegre, Castelo de Vide e Marvão. É muito para absorver. Mas não vale a pena ter pressa. Saboreie devagar este Portugal preservado no tempo. E com um copo na mão, já agora. Nós ensinamos o caminho.

Torre de Palma Wine Hotel

Se há um sítio onde o passado, o presente e o futuro desta região se encontram, ele é o Torre de Palma Wine Hotel, uma unidade hoteleira de cinco estrelas com 19 quartos, restaurante onde o chefe Filipe Ramalho é assumido candidato à estrela Michelin e um conjunto de mordomias de excelência. Ali ao lado, as ruínas da villa da família Basilii (o nome adoptado pelo restaurante do hotel), são um legado, mas também uma inspiração.
A ideia é replicar o que os romanos faziam por aqui: um hotel emula a hospedaria dos primeiros séculos desta era, o spa recorda as termas, os cavalos continuam a tradição dos puro-sangue Lusitano (cuja origem pode bem estar nestas terras), o restaurante. E os vinhos, claro, assinados originalmente pelo enólogo Luís Duarte e agora nas mãos de Duarte de Deus. As vinhas estão mesmo ali ao lado, a adega limita num dos cantos o enorme quadrilátero de construções dominado, ao meio, pela torre medieval (data de 1338).
Tudo aqui é limpo, bonito, arranjado, elegante. Mas sem que jamais se perca a matriz rústica de um hotel rural. Ao traço arquitectónico de João Mendes Ribeiro junta-se a decoração de Rosarinho Gabriel e o seu trabalho conjunto funde-se com uma paisagem grandiosa, de longínquos horizontes em tonalidades de verde. Ao longe, as silhuetas da serra de S. Mamede (1025m), de um lado, e da serra de Ossa (653m), do outro. O pôr-do-sol visto do alto da torre, onde se pode saborear a “welcome drink” oferecida aos hóspedes, é qualquer coisa de mágico. Mas vale sempre a pena o esforço de subir umas boas dezenas de degraus. A qualquer hora.
Já que estamos por aqui, olhemos com atenção para o que nos rodeia. A piscina, a horta biológica, a vinha, o pomar, o bosque de pinheiros, as pastagens sem fim pontilhadas de vacas, o picadeiro e as boxes dos cavalos, as cegonhas de se saúdam matraqueando os bicos, os dois grandes terreiros cercados de construções térreas. As que têm telhas são recuperadas, as cobertas com placas de cimento foram acrescentadas ao complexo (casos do restaurante e da loja/adega). O hotel abriu em Maio de 2014 e neste momento já inverteu a tendência inicial e acolhe mais portugueses (60%) do que estrangeiros.
Mas é nos detalhes que está o maior encanto. A piscina interior, os quartos luxuosos, a incrível decoração da loja (que parece transportar-nos para o imaginário do Faroeste…), o notável Cristo esculpido em cortiça que encontramos na capela, as obras de arte e peças de artesanato espalhadas pelos salões do edifício principal, o enorme forno comunitário, a adega moderna cujo visual faz lembrar uma catedral. Há por aqui muita coisa para fazer e desfrutar, mas, por agora, fiquemo-nos por aqui, em silêncio, de copo na mão enquanto sol doura a paisagem.

TORRE DE PALMA WINE HOTEL
Herdade da Torre de Palma, Monforte
Tel: 245 038 890
Mail: reservas@torredepalma.com
Web: www.torredepalma.com
GPS: 39º 4’ 6’’N | 7º 29’ 20’’W
Os preços começam (época baixa, dias de semana) nos 145 euros do quarto duplo, 185 euros para o duplo superior, 185 euros para o quarto familiar e 345 euros para a master suíte. Restaurante, spa (com tratamentos e massagens), visitas à adega, provas de vinhos ou workshops de cozinha são algumas actividades disponíveis no interior do hotel. No exterior, temos passeios de balão, bicicletas, observação de estrelas, passeios a cavalo, aulas de equitação. E recomenda-se a visita às ruínas romanas.

Classificação

Originalidade (máx. 2): 2
Atendimento (máx. 2): 2
Disponibilidade (máx. 2): 2
Prova de vinhos (máx. 3): 2,5
Venda directa (máx. 3): 3
Arquitectura (máx. 3): 3
Ligação à cultura (máx. 3): 3
Ambiente/Paisagem (máx. 2): 2

AVALIAÇÃO GLOBAL: 19,5

Herdade do Perdigão

Ali a poucos quilómetros, na estrada para Arronches, o roteiro enoturístico continua com a visita a um produtor que já faz mais de 500 mil garrafas anuais, a que se juntam outras 100.000 oriundas da região de Arraiolos (do Monte do Pintor, na posse do mesmo grupo de investidores chineses sediados em Macau). Estamos na Herdade do Perdigão, 40 hectares de vinha rodeando o edifício da adega e o complexo habitacional, a casa principal decorada com a réplica de uma torre medieval.
As ondulações suaves do terreno dão um encanto especial à vinha, por agora ainda sem verde, mas emolduradas por linhas de arvoredo. Da estrada, somos convidados a entrar por um pórtico de paredes brancas e barras amarelas, um sobreiro de cada lado, uma estrada que se estende até à linha do horizonte. Imagens icónicas de um Alentejo que se reinventa sem perder o contacto com as raízes.
Chegamos à adega, passamos pela sala de provas maior, onde pontifica uma mesa comprida e as paredes estão “decoradas” com alvéolos de cimento onde se arrumaram as garrafas que fazem o arquivo vivo da casa. O rendilhado das etiquetas e cápsulas foram um efeito visual muito interessante. Uma curiosidade: apesar de a propriedade se chamar Herdade do Perdigão, os vinhos perderam a contracção da preposição e do artigo, chamando-se apenas Herdade Perdigão. Uma disparidade que poderá, quiçá, dar uma boa história para ouvir de copo na mão.
Porque aqui é do contacto directo com o visitante que se faz, também, a magia da visita. Depois de descermos à zona de trabalho, onde pontificam os depósitos em inox, e de passearmos pela bonita nave das barricas, voltamos a subir, para uma outra sala de provas, onde as garrafas já estão sobre a mesa. Cá fora, um generoso sol de Inverno vai afastando o frio (mais uma vez, as grandes amplitudes térmicas marcando o carácter da região), os cães ladram lá ao longe abanando as caudas, os sons do campo ecoam pelas colinas e pelo complexo de construções, que inclui, num plano mais próximo, uma pequena capela. Lá dentro, o vinho começa a passar pelos copos.
Fala-se da história recente da herdade, de como foi adquirida por Carlos Gonçalves, empresário ligado às tecnologias bancárias, que um dia decidiu voltar ao seu ramo, abrindo espaço ao mais significativo investimento chinês no sector vitivinícola em Portugal. Mudou isso, mas manteve-se o padrão de fazer vinhos de qualidade a partir das vinhas velhas que se alinham pelos campos em redor à espera que a Primavera as faça voltar à vida, num círculo mágico que desafia o tempo.

HERDADE DO PERDIGÃO
Herdade do Perdigão, Monforte
Tel: 967 304 941
Mail: schaves@herdadeperdigao.pt
Web: www.herdadeperdigao.pt
O enoturismo funciona aos dias de semana, entre as 8h30 e as 17h30, e é possível optar por três provas distintas, variando a gama dos vinhos apresentados: “As nossas tradições” – 11 euros por pessoa, com quatro vinhos; “O Terroir dentro do Terroir” – 14 euros por pessoa, com quatro vinhos; “A Melhor expressão do nosso Terroir” – 19 euros por pessoa, três vinhos. Em qualquer dos casos, com o mínimo de dois participantes.

Classificação

Originalidade (máx. 2): 1,5
Atendimento (máx. 2): 2
Disponibilidade (máx. 2): 2
Prova de vinhos (máx. 3): 2,5
Venda directa (máx. 3): 2,5
Arquitectura (máx. 3): 2
Ligação à cultura (máx. 3): 2
Ambiente/Paisagem (máx. 2): 2

AVALIAÇÃO GLOBAL: 16,5

Lima Mayer

Curiosamente, umas das primeiras imagens que retemos do nosso destino seguinte é também uma torre, vigiando do alto de uma colina as bandas de vinha que se estendem num sobe e desce que tão depressa esconde como revela a paisagem circundante. É uma construção moderna, com fins tão prosaicos como servir de depósito para as alfaias agrícolas, mas fornece um miradouro fantástico sobre a propriedade. Estamos na Quinta de S. Sebastião, outrora domínio do Marquês da Praia e Monforte, agora sede da empresa Lima Mayer.
Se a torre é recente, o que não falta por aqui são testemunhos do passado, com destaque para a igreja visigótica do século XI, uma de várias construções que nos falam da matriz religiosa do complexo, que acolheu em tempos uma comunidade de frades. A profusão de nascentes deu origem a um dédalo de fontes, canais, barragens, aquedutos e tanques – e esta generosidade da Natureza ajuda a explicar a longa história de ocupação humana destas terras: há por aqui vestígios pré-históricos.
O monte propriamente dito é constituído por um terreiro central rodeado de alvas edificações térreas bordejadas a amarelo, a que se acede por um pórtico vigiado por um enorme e caloroso cão de gado transmontano. No recinto murado, já houve veados, mas descobriram forma de saltar e agora vagueiam pelas terras em redor, enriquecendo um santuário natural onde, entre muitas outras espécies, nidificam grifos e águias-reais.
Descendo uma escadaria exterior com vista para a piscina acedemos à sala de provas, decorada de forma rústica, mas acolhedora e encavalitada sobre os muros que dominam a horta em socalcos. Lá ao fundo, do outro lado deste pequeno vale pontilhado por planos de água, está a adega. Num terreno contíguo, pasta um cavalo puro-sangue Lusitano. À volta, 20 hectares de vinhas plantadas em 2000 sobre areias graníticas, que conferem aos vinhos da casa, feitos pelo enólogo Rui Reguinga, um carácter muito especial.
A produção anda à roda das 150 mil garrafas e o proprietário, Thomaz de Lima Mayer, não esconde a filosofia de exclusividade que impõe aos seus vinhos. “Produzimos pouco, muito bom e caro!” E essa matriz elitista também se aplica ao enoturismo: todas as visitas têm o próprio produtor como anfitrião e carecem de marcação antecipada. “Mais do que apenas dar provas de vinho, gosto de receber.” O calor humano, a paisagem surpreendente e a qualidade do que temos no copo fazem da visita à Quinta de S. Sebastião uma experiência muito especial. E, à saída, pode sempre contar com “um preço mais simpático” nos vinhos da casa.

LIMA MAYER
Quinta de São Sebastião, Monforte
Tel: 245 573 450 / 964 053 243
Mail: info@limamayer.com
Web: www.limamayer.com
GPS: 39° 0.120′ | -7° 28.130′
Todas as visitas carecem de marcação prévia, com preço sob consulta. O proprietário recebe pessoalmente, apresenta a propriedade, explica na vinha as técnicas de viticultura e na adega os processos de vinificação. A prova de vinhos inclui amostras de barrica. O programa inclui refeição no final.

Classificação

Originalidade (máx. 2): 2
Atendimento (máx. 2): 2
Disponibilidade (máx. 2): 1
Prova de vinhos (máx. 3): 2,5
Venda directa (máx. 3): 2
Arquitectura (máx. 3): 3
Ligação à cultura (máx. 3): 3
Ambiente/Paisagem (máx. 2): 2

AVALIAÇÃO GLOBAL: 17,5

ESTAÇÃO DE SERVIÇO
Encontrar bons sítios para “reabastecer” à mesa não é tarefa complicada no Alentejo, mas às vezes precisamos de uma pequena ajudinha para acabar com as dúvidas. Por isso, aqui ficam três sugestões, noutros tantos registos diferentes: desde o estilo directo da Churrascaria Tapadão ao ambiente típico do Solar do Forcado, passando pelo intimismo da Taberna Tintos e Petiscos. Saciedade garantida.
CHURRASCARIA TAPADÃO – Rua do Assomar, nº2, Monforte | 963 391 952
SOLAR DO FORCADO – Rua Cândido dos Reis 14, Portalegre | 245 330 866
TINTOS E PETISCOS – Rua Dr. António Sardinha, nº2, Vaiamonte | 960 248 138

Edição nº23, Março 2019

Escreva um comentário