Grande Prova

Alentejo, terra de grandes tintos

By 4 Fevereiro, 2019 Sem comentários

Provámos quase quarenta vinhos e os resultados confirmaram o que já sabíamos: a região gera grandes tintos e eles vêm de zonas tão distintas quanto Beja ou a serra de São Mamede. O actual Alentejo, que é muito mais diverso do que se poderia imaginar, já pouco tributário é das castas de antigamente, mas há quem teime no regresso à tradição. Tudo isto com alterações climáticas pelo meio.

TEXTO João Paulo Martins
FOTOS Ricardo Palma Veiga

Os vinhos alentejanos continuam a ter a preferência dos consumidores nacionais. A palavra Alentejo soa, a muitos enófilos, como vinho de qualidade, encorpado, macio e fácil de beber, que se consegue consumir jovem, sem ter de esperar muito por ele. Só vantagens, em época em que tudo se faz no momento e a paciência da espera é coisa do passado. Os tintos são ainda hoje a principal produção da região. É que, dos cerca de 21.300 hectares plantados e aptos à produção de vinho com Denominação de Origem ou Indicação Geográfica (dados de 2017), cerca de 16.500 estão ocupados pelas castas tintas, com a restante área reservada a brancos.
As castas plantadas têm importância muito diversa e não são usadas da mesma forma para todos os lotes de vinho. Assim, apesar da importância crescente da Alicante Bouschet nos grandes vinhos da região (ver caixa), ela está muito longe de ser actualmente a casta mais plantada; esse lugar pertence, com grande destaque, à Aragonez e, de seguida, à Trincadeira, ou seja, as castas tradicionais da região ainda são as mais plantadas, ocupando um pouco mais de 44% da área de vinha. A própria tinta Castelão, actualmente arredada da primeira fila quando o assunto são os grandes vinhos, ainda tem uma presença muito forte, com mais de 1000 hectares plantados.
Temos assim dois tipos de Alentejo, o das marcas de referência, dos vinhos que fazem os consumidores falar, dos que são cobiçados e caros e que, há que não esquecer, dão nome e prestígio à região; e, depois temos o Alentejo dos tintos genéricos, que estão abundantemente presentes nas grandes superfícies, dos vinhos abordáveis, baratos e bem-feitos e que alegram as refeições e animam as mesas. No primeiro grupo vamos, como se imagina, incluir também a Syrah e a Touriga Nacional e, de forma mais marginal, a Cabernet Sauvignon (que ainda ultrapassa os 800ha), com uns “temperos” de Alfrocheiro e Touriga Franca.
De 2015 para 2017 a Touriga Nacional ultrapassou a Castelão em área de vinha, a Alicante Bouschet foi a que mais cresceu e a Trincadeira a que mais diminuiu de área. A Touriga Nacional, lembra Luís Cabral de Almeida, enólogo da Herdade do Peso, “como tem um ciclo longo e confere boa frescura aos vinhos pode ser um bom complemento para as castas que formam o núcleo duro, a Alicante Bouschet e a Syrah. Mas nos vinhos há vários Alicante Bouschet e não apenas um e isso ficou para mim bem claro quando tomei agora contacto com as vinhas da serra de São Mamede: feitos da mesma maneira obtiveram-se dois vinhos de Alicante completamente distintos”, disse.

Este é o novo Alentejo, aquele com que se pretende projectar a região como geradora de vinhos de referência, em Portugal e no estrangeiro. A preferência dos consumidores é clara, já que cerca de 40% do que se consome entre nós tem origem no Alentejo. No entanto, se falarmos com responsáveis de garrafeiras, verificamos que no Norte há um menor interesse nos tintos do Alentejo, exceptuando-se as marcas mais clássicas. Ivone Ribeiro (Garage Wines) diz-nos que que o que mais vende é Douro e em seguida os tintos do Dão, Alentejo muito pouco. Na Garrafeira Tio Pepe, também no Porto, a quebra tem sido significativa, uma vez que “em 1995, por exemplo, era a região que tinha mais procura mas de então para cá tem vindo a decair embora se note o interesse por especialidades, coisas originais, vinhos de talha”. “Só nesta época do Natal e por via de encomendas de empresas para prendas natalícias é que o negócio dos tintos alentejanos anima um pouco”, confirmou Luís Cândido, o proprietário. Uma situação completamente diferente da que encontramos no centro e sul do país, e sobretudo na região da Grande Lisboa, tradicionalmente um excelente mercado para os vinhos alentejanos.

Há mais do que um Alentejo

O consumo interno absorve a grande fatia da produção mas a exportação tem-se diversificado – abrange 118 países –, apesar de estar assente sobretudo em três mercados: Angola, Brasil e Estados Unidos. Fica a pergunta: que Alentejo queremos promover, que estilo queremos privilegiar? Para Paulo Laureano, enólogo e produtor, o Alentejo precisa de se mostrar como realmente é: uma manta de retalhos (sic), uma região muito diversa mas onde as diferenças não são suficientemente explicadas aos consumidores. “Até na zona da Vidigueira, que é a que conheço melhor, há diferenças enormes, logo a começar nos solos e exposições e a zona mais perto da fronteira com Espanha tem muito pouco a ver com a zona mais a oeste, mais marcada pela influência atlântica”, especifica.
É esta ideia de diversidade que poderia eventualmente levar a uma nova reorganização das sub-regiões do Alentejo, mas a CVR diz-nos que não estão para já em cima da mesa decisões nesse campo, apesar de haver debate no âmbito do Conselho Geral, a entidade que pode mudar o estado das coisas no que respeita ao desenho das regiões com direito a Denominação de Origem (DO). O consumidor depara-se com muito mais frequência com vinhos que têm a indicação Regional Alentejano do que com vinhos DOC Alentejo.

A marca do Alicante Bouschet

Avaliando as castas que integraram os vinhos provados, ressalta uma evidência: a crescente importância da casta Alicante Bouschet nos vinhos do Alentejo. Dir-se-ia que começa a ser difícil pensar-se num grande tinto do Alentejo que não a tenha no lote. Com frequência, com a companhia da Syrah e Touriga Nacional. Esta situação é relativamente nova na região, já que há 30 anos a Alicante Bouschet apenas tinha posição predominante em duas propriedades, a Quinta do Carmo e a Herdade do Mouchão. Houve uma enorme renovação dos vinhedos e os produtores descobriram na Alicante a casta que lhes confere consistência aos vinhos, uma vez que produz quase sempre bem e pode ter expressões diferentes conforme o local onde está plantada. Quer Paulo Laureano quer Luís Cabral de Almeida, ambos enólogos na região, apontam-lhe imensas virtudes, mas reconhecem que o Alicante Bouschet da serra de São Mamede nada tem a ver com o da Vidigueira, por exemplo. Mas Luís não tem dúvidas em afirmar que “o Alicante Bouschet está para o Alentejo tal como o Malbec está para Mendoza, na Argentina”, querendo com isto salientar que pode ser a espinha dorsal dos tintos da região. Mas a procura de novas castas por parte de alguns produtores continua e recentemente a CVR Alentejo aprovou, com o acordo do IVV, o pedido de reconhecimento para certificação de 14 castas novas onde, em tintas, se incluem Cabernet Franc, Carmenère, Camarate, Monvedro, Vinhão e Marselan. Entre tintas e brancas, estamos a falar de 100 hectares destas novas variedades para a região.

Há mais do que um Alentejo

Durante muito tempo isto decorreu das limitações geográficas que existiam para que um vinho tivesse direito à DO, mas, e ainda segundo a CVR Alentejana, actualmente cerca de 73% da área de vinha está inserida nas oito regiões que têm direito à DO Alentejo. A realidade encarrega-se de baralhar estes dados, já que a maioria dos vinhos comercializados são Regional Alentejano.
O grande desafio para o futuro pode assentar em dois pilares: manter e mesmo acentuar a diversidade dos vinhos, conseguindo-se que eles espelhem as diversas zonas onde nascem e, em segundo lugar, perceber que as alterações climáticas nos poderão fazer regressar a variedades que, sendo antigas e fora de moda, mostraram ao longo do tempo uma boa adaptação à região, como a Tinta Grossa, a mal-amada Trincadeira, a Moreto, entre outras tintas; ou a Perrum, nos brancos.
O Alentejo, como alguém me dizia, não pode estar satisfeito por estar a servir cachorros quentes e ter uma grande fila de gente para os comprar; com o tempo, os consumidores enjoam-se de cachorros quentes e depois querem outras coisas e a região tem de estar preparada para diversificar, mudar o que for para mudar e não se dar por satisfeita. Costuma dizer-se que o Alentejo está na moda, mas, como lembra Laureano, “estar na moda é, no sector dos vinhos, um conceito muito perigoso”: “Estar permanentemente a optar por castas que geram vinhos fáceis mas sem história pode ser um caminho, mas para mim é para evitar.”
O Alentejo é um mundo, portanto, em diversidade, qualidade, preço. É líder nos vinhos de volume, como se sabe. Mas também no segmento superior do mercado, nos tintos de nicho, como ficou demonstrado na nossa prova, a região mostra dar muito boa conta de si.

Em Prova

  • Conde d’Ervideira Private Selection
    Alentejo, Tinto, 2015

    17.0
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Vidigueira
    Alentejo, Reserva, Tinto, 2015

    17.0
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Herdade Monte da Cal Saturnino
    Regional Alentejano, Grande Reserva, Tinto, 2011

    17.5
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Herdade das Servas
    Regional Alentejano, Reserva, Tinto, 2015

    17.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Herdade Paço do Conde Winemakers Selection
    Regional Alentejano, Tinto, 2015

    17.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Pontual
    Regional Alentejano, Reserva, Tinto, 2016

    17.0
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Quetzal
    Alentejo, Reserva, Tinto, 2015

    17.0
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Santos da Casa
    Regional Alentejano, Grande Reserva, Tinto, 2015

    18.0
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Comenda Grande 6 castas
    Regional Alentejano, Tinto, 2014

    17.0
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Sericaia Tapada do Coronel
    Regional Alentejano, Tinto, 2015

    17.5
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Herdade do Peso
    Alentejo, Reserva, Tinto, 2015

    17.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Herdade do Rocim Clay Aged
    Alentejo, Tinto, 2016

    18.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Pousio
    Regional Alentejano, Alicante Bouschet, Tinto, 2016

    17.0
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Herdade de São Miguel
    Regional Alentejano, Reserva, Tinto, 2015

    17.5
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Herdade dos Grous
    Regional Alentejano, Reserva, Tinto, 2015

    17.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Adega de Borba
    Alentejo, Grande Reserva, Tinto, 2014

    17.0
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Herdade do Sobroso Cellar Selection
    Alentejo, Syrah & Alicante Bouschet, Tinto, 2016

    17.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Scala Coeli
    Regional Alentejano, Tinto, 2015

    18.0
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Maria Mora Enamorada
    Regional Alentejano, Tinto, 2014

    17.0
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Marquês de Borba
    Alentejo, Reserva, Tinto, 2015

    18.0
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Monte Cascas
    Regional Alentejano, Grande Reserva, Tinto, 2015

    17.0
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Quinta do Carmo
    Regional Alentejano, Reserva, Tinto, 2013

    17.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Fonte Mouro
    Regional Alentejano, Reserva, Tinto, 2015

    17.0
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Ponte das Canas
    Alentejo, Tinto, 2014

    17.5
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Adega Mayor Pai Chão
    Regional Alentejano, Grande Reserva, Tinto, 2014

    17.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • GA Moreto Oak
    Alentejo, Tinto, 2015

    17.0
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Monte Branco
    Regional Alentejano, Tinto, 2015

    18.0
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Herdade Grande
    Regional Alentejano, Grande Reserva, Tinto, 2013

    17.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Vinhas da Ira
    Regional Alentejano, Tinto, 2014

    17.0
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Blog ’15
    Regional Alentejano, Tinto, 2015

    17.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Nunes Barata Family Collection
    Regional Alentejano, Tinto, 2014

    18.0
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Incógnito
    Regional Alentejano, Tinto, 2014

    18.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Dona Maria
    Alentejo, Grande Reserva, Tinto, 2013

    18.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Palpite
    Regional Alentejano, Reserva, Tinto, 2015

    17.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Encostas de Estremoz
    Regional Alentejano, Reserva, Tinto, 2014

    17.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Procura Vinhas Velhas
    Regional Alentejano, Tinto, 2014

    18.0
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Esporão Private Selection
    Alentejo, Garrafeira, Tinto, 2013

    18.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Malhadinha
    Regional Alentejano, Tinto, 2016

    18.0
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Ravasqueira Vinha das Romãs
    Regional Alentejano, Tinto, 2015

    17.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor

Edição Nº19, Novembro 2018

Escreva um comentário