Grande ProvaHome-Slider

Alfrocheiro, a casta mistério

By 16 de Maio, 2022 Sem comentários

Não se conhece o pai, mas filhos não lhe faltam A casta que alegra os vinhos do Dão e dá brilho aos do Alentejo é hoje uma referência dos vinhos portugueses. E com muito futuro pela frente.

 Texto: João Paulo Martins

Fotos: DR

Ao lermos hoje os contra-rótulos das garrafas de tintos da região do Dão deparamo-nos com a quase omnipresença de quatro castas tintas: a Jaen, a Touriga Nacional, a Tinta Roriz e a Alfrocheiro. Deste quarteto, há três que são muito tradicionais na região e depois há a Tinta Roriz, introduzida, sobretudo, a partir dos anos 90 do século passado. Sobre a Roriz não é agora o momento de falar dela, mas registe-se que gera tantos ódios como aplausos. Este quarteto acabou por vir a destronar algumas castas que tinham tradição na região mas que os novos ventos levaram da boca do palco para o segundo balcão. É o caso da Tinta Pinheira, também conhecida por Rufete na Beira Interior e que foi em tempos casta muito importante no Dão. Bento Carvalho, no seu Guia dos Vinhos Portugueses, 1982, Ed. Presença, nem sequer elenca a Alfrocheiro nas castas da região. Ali, as chamadas “castas tradicionais regionais” incluíam Tourigo, Tinta Pinheira, Tinta Carvalha, Baga de Louro, Alvarelhão e Bastardo. E, apenas por curiosidade, nos brancos (e no mesmo livro) a Encruzado nem é referida, mas sim Dona Branca, Arinto, Barcelo, Fernão Pires e Cerceal. Mudam-se os tempos…

Na Enciclopédia dos Vinhos Portugueses (Ed. Chaves Ferreira) e no volume dedicado ao Dão, o autor, Virgílio Loureiro, já tem outra atitude em relação à casta Alfrocheiro, reconhecendo que não é casta muito antiga na região e que terá sido introduzida nas replantações pós-filoxera. Pelo destaque que lhe dá percebemos que se tornou uma variedade muito acarinhada e de grande importância nas novas plantações que o Dão conheceu a partir dos anos 90 quando despertaram um conjunto de produtores-engarrafadores que puseram a Alfrocheiro no mapa regional. Falamos da Quinta dos Roques, Carvalhais, Pellada, Casa de Santar, entre outros que surgiram então na região. Não foram, assim, precisos muito anos para que esta variedade passasse a integrar o quarteto-maravilha dos encepamentos do Dão. Tudo isso sem prejuízo de continuarem a ser muito plantadas a Jaen, a Baga e também, ainda que em muito menor proporção, a Tinto Cão e mesmo a Alvarelhão, casta que conhece actualmente algum impulso, em virtude de vivermos numa época em que os vinhos mais abertos de cor voltaram a ter mais aceitação junto dos consumidores.

Do Dão ao Alentejo

Esta variedade encontra-se disseminada em várias regiões portuguesas, mas é sobretudo no Dão e no Alentejo que se encontram as maiores concentrações. No Douro é praticamente ignorada e alguns enólogos desconhecem-na totalmente. Recordo-me de uma conversa que tive com Charles Symington a propósito da casta. Ele só a conheceu quando a empresa Symington adquiriu a propriedade em Portalegre e recordo-me o entusiasmo que mostrou pelas qualidades que a Alfrocheiro apresentava naquela zona alentejana; para ele uma total surpresa. Também Paulo Laureano a usa na Vidigueira e lhe reconhece os méritos: “é exigente no solo (melhor no xisto negro) e requer equilíbrio na produção porque pode ter tendência a ser muito produtiva originando vinhos descorados; requer vindima rápida porque tem uma janela de 3 ou 4 dias para ser apanhada no ponto óptimo; gera vinhos elegantes, com foco em fruta azul de qualidade, de excelente acidez e que pode funcionar muito bem em lote”, destacando Laureano a ligação com a Trincadeira, Aragonez e Alicante Bouschet. Também Luis Cabral de Almeida, enólogo na Herdade do Peso (Sogrape) lhe nota as virtudes: “já tivemos um varietal de Alfrocheiro mas agora não temos (mas vamos voltar a plantar); é muito exigente na viticultura porque pode apodrecer com facilidade mas gera vinhos com uma fruta muito elegante que até pode lembrar a Pinot Noir”. Curiosamente esta característica tornou-se muito evidente no vinho da Quinta da Pellada que provámos.

Alfrocheiro casta mistério

No Alentejo, António Maçanita é um fã de Alfrocheiro.

Já no Dão, há muito anos que ela é trabalhada por Manuel Vieira, em tempos na Quinta dos Carvalhais e actualmente na empresa Caminhos Cruzados. Sobre a casta disse-nos, que “na vinha exige muitos cuidados: é atreita à podridão pelo formato fechado do cacho que incha com a chuva e rebenta. É preciso muito controle na produção porque tende a produzir mais do que é possível para se fazer um bom vinho. Por isso, é preciso bom trabalho na condução da cepa e na monda precoce que deixe os cachos bem arejados evitando o encavalitamento”. E na adega, gosta muito da acidez da Alfrocheiro, “é muito viva e dá alegria ao lote. É uma casta que precisa de algum tempo, os aromas não se mostram logo, é ao fim de um ano que eles se tornam mais evidentes”, refere.

A casta tem sido objecto de estudo no âmbito da PORVID que mantém um campo de clones em Pegões. António Graça, investigador da vinha e uma das caras daquela associação, confessou-nos que “é uma casta com pouca diversidade, o que indicia uma origem recente em termos evolucionários (mesmo assim podemos estar a falar de vários séculos) e ADN de tipo ibérico (clorotipo A). Sabemos que um dos progenitores é o Savagnin Blanc, o outro é ainda desconhecido (podem já não existir exemplares). Mas também sabemos que é um Don Juan das vinhas, tendo profusa descendência de ambos os lados da fronteira: em Portugal, Camarate Tinto, Carrega Tinto, Casculho, Castelão, Casteloa, Castelã, Concieira, Cornifesto, Douradinha, Jampal, Malvarisco, Malvasia Fina, Malvasia Preta, Moreto, Parreira Matias e Trincadeira das Pratas. E em Espanha (onde é conhecido pelo sinónimo Bruñal): Allaren, Mencia e Mouratón”. A PORVID tem conservados 237 genótipos (conjunto da informação genética de uma planta ou clone) da casta. Segundo dados que a PORVID conseguiu apurar, em 2019 existiam cerca de 1 200 hectares plantados com esta casta.

Na prova que fizemos foi notório que o Dão é a zona onde mais varietais de Alfrocheiro existem; em tempos também houve em Lisboa e, no Tejo, a Quinta da Lagoalva produz igualmente vinhos de referência desta casta.

Na nossa prova, foi evidente que há alguns traços comuns, em todas as regiões: os vinhos são elegantes e estão, também por isso, em linha com a actual moda de tintos menos concentrados, mais finos e muito mais gastronómicos. Têm, como se pode ver, um preço médio que se pode considerar muito convidativo. E são belíssimos representantes dos tintos onde o diálogo fruta/barrica/extracção/taninos parece estar mais bem conseguido.

Não posso deixar de referir a pequena estória que era a imagem de marca de um escritor de vinhos que, infelizmente, nos deixou há alguns anos – Matos Cristóvão. Dizia ele que numa situação de aproximação tentadora a uma mulher “com Alfrocheiro é tiro e queda!” Quem somos nós para duvidar…

(Artigo publicado na edição de Abril de 2022)

Não foram encontrados produtos correspondentes à sua selecção.

Siga-nos no Instagram
Siga-nos no Facebook
Siga-nos no LinkedIn

Escreva um comentário