DestinosHome-Slider

Estive Lá: Bomfim 1896 with Pedro Lemos

By 6 de Dezembro, 2022 Sem comentários

Com o “Bomfim 1896 with Pedro Lemos” a oferta gastronómica do Douro, carente em muitos aspectos, ficou bem mais composta. À vasta experiência enoturística da família Symington une-se o reconhecido talento e criatividade de Pedro Lemos, tudo isto num espaço de sonho, pensado de raiz, janela aberta para o rio. Só pode dar certo.

Texto: Luís Lopes     Fotos: Symington Family Estates

Associada à Dow’s, a Quinta do Bomfim é considerada o berço da família Symington no Douro, merecendo de todos os seus membros uma atenção muito especial. A ligação não é só emocional, a quinta também faz por a merecer. Não apenas pelos vinhos que origina, mas também pela sua beleza natural e localização privilegiada. Num Douro em que as distâncias são, muitas vezes, maiores do que parecem, Bomfim está logo ali, à beira-rio, no final da N222, estrada que liga a Régua ao Pinhão e que alguém já apelidou como a mais bela do mundo.

Fazer ali um restaurante de topo é tentação impossível de resistir. Frederico Mourão, director de enoturismo da Symington não esconde a ambição: “queremos ter o melhor restaurante do Douro”. Para lá chegar, a família Symington conquistou a assessoria de Pedro Lemos e iniciou o percurso com uma espécie de “ensaio geral”, chamado Casa dos Ecos. Montado em quatro semanas e inaugurado em 2019 numa casa situada no alto da Quinta do Bomfim, era para ser um pop-up sazonal Pedro Lemos, destinado a operar apenas na época alta. Mas o enorme sucesso alcançado obrigou ao seu prolongamento no tempo, o que acabou por ser muito importante para formar e manter pessoal enquanto o “Bomfim 1896 with Pedro Lemos” tomava forma.

O novo restaurante Symington abriu no passado dia 10 de junho, após três anos para requalificar e equipar o espaço, o piso superior de um antigo armazém de vinhos (construído, precisamente, em 1896), com magníficas vistas sobre o rio Douro. Mas a sala panorâmica onde se cozinha e come é apenas, literalmente, a ponta do iceberg. Abaixo da superfície está lá tudo o que encontramos nos bastidores de um grande restaurante: despensas, circuitos de entradas e saídas de produtos, câmaras de frio, vestiários, cozinhas de preparação (aqueles locais onde, por exemplo, se cozinham bases durante longas horas ou descascam legumes), equipamentos sofisticados, tudo o que se possa imaginar.

Pedro Lemos e Frederico Mourão descrevem a Casa dos Ecos (que vai reabrir, sazonalmente), como um espaço “de partilha, a cozinha dos caseiros”; já o Bomfim 1896 é o “espaço onde a família da quinta recebe os seus convidados”. A cozinha assenta exclusivamente em forno de lenha e Pedro Lemos revisita o receituário tradicional para criar pratos clássicos, a partir de produtos da época, da terra e do mar. Durante a visita, tive oportunidade de degustar alguns dos pratos desta primeira carta, incluindo “enguia fumada com brioche, maçã e rabanetes” (textura perfeita, intenso e delicado ao mesmo tempo); “vieiras, espargos, beurre blanc” (sal, iodo, amargos vegetais, belo contraste); “arroz cremoso de lavagante” (perfumado, imensamente saboroso, vai tornar-se, certamente, um clássico da casa); “sundae, chocolate e Porto” (complexo, fumado, uma sobremesa de topo). Aberto de terça a sábado, ao almoço e jantar, o “Bomfim 1896” possui uma garrafeira com cerca de 300 referências, onde a exclusividade Symington se aplica apenas aos Porto, estendendo-se a carta a muitos outros produtores do Douro e de outras regiões. A refeição termina com um cheiroso café de balão e um cálice de tawny 10 anos, descansando o olhar no rio, ali em frente.

Bonfim Pedro Lemos(Artigo publicado na edição de Outubro de 2022)

Siga-nos no Instagram
Siga-nos no Facebook
Siga-nos no LinkedIn

Escreva um comentário