Grande Prova

Brancos do Douro, carácter e sedução

A produção de uvas brancas na região duriense é muito antiga, mas esteve durante mais de um século associada ao Vinho do Porto. Por essa razão, a localização das vinhas, a altitude ou as castas usadas não eram factores preponderantes. Mas tudo isso mudou e hoje a região pode, com orgulho, mostrar os seus grandes vinhos brancos.

TEXTO João Paulo Martins
FOTOS Ricardo Palma Veiga

Na tradição portuguesa mais antiga, o Douro, tal como as outras regiões, produzia uvas brancas e tintas, não raramente misturadas na mesma vinha e vindimadas em simultâneo. Esse lote feito na vinha marcou a forma de trabalhar e de pensar o vinho durante séculos; o método era válido para os tintos – com as castas misturadas – mas era também para os brancos. Ainda hoje se encontram no Douro vinhas centenárias onde apenas pontificam cepas de uvas brancas e nessa “misturada” encontramos um lote muito alargado de castas e por vezes até uvas de mesa, tradicionalmente mais vocacionadas para serem comidas do que usadas para fazer vinho.
A vinificação destas uvas para fazer um branco não generoso não foi, ao longo do séc. XX, prática que interessasse a muitos produtores e foram assim bastante escassas as marcas com alguma expressão comercial. Neste capítulo temos de recordar as etiquetas quer da Real Vinícola quer da Real Companhia Velha que, enquanto empresas fortemente concorrentes, iam criando marcas à medida da “resposta a dar” à empresa rival. Assim, rótulos como Grandjó, Evel, Grantom, Granléve, Marquis de Soveral eram conhecidos dos apreciadores, mas a palavra Douro nem andava associada a estes vinhos. Era a época em que a região não estava demarcada para vinhos DOC mas apenas para vinhos do Porto e onde proliferavam muitas adegas cooperativas que acabavam por abranger quase todas as escolhas de vinhos da região.
Alguns brancos eram também o resultado de lotes de vinhos de várias proveniências (algo não comunicado ao consumidor), mas a circulação pela restauração tinha algum significado; vinhos como Monopólio (Constantino) ou Lello (Borges) marcavam o terreno nos anos 60 e 70, tendo ainda nessa década surgido o Quinta do Côtto. Em verdade se diga que apresentar a alguém um branco de referência do Douro era tarefa ingrata; além de faltar massa crítica, havia pouco conhecimento sobre a potencialidade das castas brancas. Esse quadro manteve-se até aos anos 80 do século passado, quando se começou a estudar e a fazer microvinificações das castas mais conhecidas da região. A necessidade de fazer um estudo com validade estatística levou ao inevitável afunilamento do número de variedades, situação que se manteve até há poucos anos, quando alguns produtores começaram a vinificar castas tradicionais caídas em desuso. Estamos agora em período de intenso experimentalismo, sentindo-se um interesse cada vez maior pelas castas que estiveram fora de moda. E não são só os produtores de DOC Douro que lhes estão a dedicar mais atenção, são também empresas totalmente vocacionadas para o Vinho do Porto, como é o caso da Fladgate Partnership.

Altitude e exposição solar

Altitude e exposição solar
É comummente aceite que a altitude, sobretudo numa zona de clima quente como o Douro, pode jogar um papel determinante nos vinhos que origina. É assim normal que as melhores uvas para branco venham de vinhas da cota 500 metros ou acima disso, zonas já não utilizadas para a produção de Vinho do Porto. Aí se conseguem uvas com grande frescura e acidez elevada, condição indispensável para se conseguir um bom vinho branco.
Mas o Douro é muito extenso e muito diversificado e, em consequência, é possível encontrar boas parcelas que desafiem aquela lógica da altitude. Aqui então já não estamos a falar de altitude, mas sim de localização e de exposição solar. Nas duas margens do rio encontramos vinhas que, estando abaixo daquela cota dos 500m, podem também originar vinhos complexos e ricos. Estamos a pensar em encostas viradas a norte, menos castigadas pelo escaldão estival e que conseguem conservar uma boa acidez nas uvas.
Para Jorge Moreira, enólogo e produtor na região (Poeira, La Rosa e Real Companhia Velha), o mais importante é conseguir-se uma boa maturação, mas em que se conserve a acidez e, neste ponto, a localização da vinha é fundamental.

Em zonas mais extremadas de clima, quer para o lado seco quer para o lado mais pluvioso da região, é mais difícil. Mas Jorge é peremptório ao afirmar que existe “ainda pouca experiência de vinhos brancos no Douro, falta estudar as castas que estiveram esquecidas e que podem dar grandes resultados”. Samarrinho e Donzelinho são castas agora a serem trabalhadas na Real Companhia Velha e que podem “renascer das cinzas”, regressando ao lote das eleitas da região.

As zonas de eleição

Já no que respeita às variedades mais plantadas, Jorge coloca um pé no “bloco central” – Viosinho e Gouveio –, enquanto pilares dos brancos durienses, mas é especialmente apreciador de outras, como a Arinto e Boal; em relação a outras variedades, tem menos apreço pela Malvasia Fina e pelo Moscatel, sobretudo usado em lote. “Mas”, diz, “há outras que conheço mal e que ainda tenho pouca experiência, como a Códega do Larinho.”
Fica a dúvida: há castas específicas de cada uma das três sub-regiões durienses (Baixo Corgo, Cima Corgo e Douro Superior)? Jorge Moreira tem uma resposta segura: “Rabigato é claramente do Douro Superior, enquanto Malvasia Fina e Códega são claramente do Baixo Corgo; no entanto quero deixar claro que temos muito a esperar das castas que estamos a redescobrir e que que nos irão ajudar à diversidade, algo que nas últimas décadas se perdeu no Douro. E isto é válido tanto para tintos como brancos.”
Já o também enólogo e produtor Jorge Borges (Guru, Manoella) acrescenta o Arinto às duas atrás citadas e foi esse trio que plantou numa pequena vinha de 2,5ha nas zonas altas. É de resto na faixa que vai de Murça até Carrazeda de Ansiães que Jorge Borges situa a melhor zona para a produção de grandes brancos, “porque tem uma mistura de zonas de xisto com granito e porque, do ponto de vista climático, oferece um clima mais abrigado onde se conseguem maturações de boa qualidade”.
As experiências de João Nicolau de Almeida nos anos 80 na empresa Ramos Pinto e os trabalhos sobre viticultura que partiram dos investigadores da Universidade de Trás-os-Montes ajudaram a que os brancos reconquistassem o gosto dos consumidores. A marca Duas Quintas surgiu nos inícios dos anos 90 e mostrou que, com tecnologia moderna, era possível fazer vinhos de grande longevidade, o que sucessivas provas verticais têm vindo a demonstrar. Até aparecer o Duas Quintas Reserva, já com fermentação em barrica, colocava-se a dúvida sobre a capacidade desses vinhos feitos em inox resistirem ao tempo. Há mesmo, segundo Jorge Moreira, algumas castas como o Arinto e Samarrinho que até ganham em serem vinificadas apenas em inox. Os anos 90 foram assim tempos de experimentação onde de tudo isso se falou e discutiu e onde os consumidores foram ouvindo falar de zonas de eleição para a produção de brancos: Murça, Alijó, S. João da Pesqueira, Favaios, entraram aos poucos no léxico dos apreciadores.

O papel da barrica

No Douro, tal como noutras regiões, começou-se nos anos 90 a usar a barrica para fermentar brancos. Resta saber se, para se fazer um bom branco do Douro, é ou não preciso recorrer à fermentação em barrica e, na sequência, em que tipo de barrica. Nova é indispensável? De segunda e terceira utilização é mais útil? Velha é o caminho a seguir?
Foi seguindo os ditames das modas de então que surgiram os primeiros vinhos fermentados em barrica nova, algo totalmente inovador e surpreendente que animou debates e conversas. No entanto, de então para cá, muito se experimentou e muito a investigação sobre barricas avançou para se chegar à fórmula actual: pouca barrica nova, maior percentagem de barrica usada e, prática cada vez mais generalizada, uso de barricas velhas.
Mas a fórmula não é mágica. Jorge Borges confessa que gosta de usar barrica com 3 ou 4 anos, mas que depois dessa idade passa a usar essas barricas apenas para tintos. E, ao contrário do que aconteceu com os primeiros brancos da marca Guru, a versão mais recente tem pouco mais de 10% de barrica nova e o resto com a idade citada. É determinante usar barricas para fazer um grande branco porque “a barrica confere estabilidade e conservação ao vinho, dando-lhe mais resistência à oxidação; a madeira muito velha acaba inevitavelmente por conferir aromas do tipo ranço e favorece a acidez volátil e, por isso, há que ter o máximo cuidado”, explica Borges.

E reforça: “Não é por ser velha que a madeira é boa para brancos; pode ser mas também pode correr mal.” Luís Sottomayor, enólogo da Sogrape, confessa estar ainda numa fase de experimentação de barricas e tem utilizado a madeira sobretudo para o final da fermentação e estágio dos brancos, não tendo ainda ainda certezas quanto às castas, a não ser a Arinto, que, “como tem muito boa acidez, pode aguentar bem a fermentação em madeira”.

CASTAS BRANCAS DO DOURO

O Douro tem um grande número de castas brancas e nas vinhas velhas encontram-se variedades bem antigas, de nomes exóticos como Praça, Malvasia Parda, Trincadeira Branca, Reconco, Chancelar, Rabigato Miranda, Samarrinho ou Donzelinho Branco. Arinto ou Fernão Pires, uvas transversais a todo o Portugal, têm também um papel importante no Douro, tal como a Códega (a Síria/Roupeiro). Mas as que se seguem serão talvez as que mais contribuem para a identidade dos modernos brancos durienses.

VIOSINHO

Conhecida no Douro desde o séc. XVIII. Está presente em quase todas as novas plantações do Douro, produz vinhos bem estruturados, aromáticos e intensos, embora lhe falte por vezes alguma acidez, sobretudo nas cotas mais baixas. Aromas e sabores de marmelo, ananás, citrinos maduros.

GOUVEIO

Referida desde o séc. XVI, é no Douro (e não só) chamada muitas vezes de Verdelho, o que origina confusão com o Verdelho madeirense. É a mesma uva que o Godello da Galiza. Bastante adaptável a diferentes solos e climas, consegue uma boa maturação sem perder acidez, originando vinhos de boa intensidade aromática (pêssego, maçã) e equilíbrio.

MOSCATEL GALEGO

A família Moscatel (nas suas muitas variantes) é provavelmente a mais antiga família de uvas conhecida. O Moscatel Galego duriense (conhecido internacionalmente como Muscat à Petit Grain) está sobretudo plantado no planalto de Alijó e Favaios, acima dos 500 metros de altitude. Muito aromático, floral, exuberante, marca presença em lotes de brancos mais simples, mas começam a aparecer alguns varietais ambiciosos. Para além de fazer o licoroso Moscatel do Douro, claro.

RABIGATO

Mencionada desde o séc. XVI, marcando outrora presença um pouco por todo o país, está hoje centrada sobretudo no Douro. De baixa produtividade, com muita acidez natural, boas notas citrinas, perfeita para lotes com outras castas mais ricas, mas menos frescas.

CÔDEGA DO LARINHO

Casta típica do Douro e Trás-os-Montes. Bem produtiva, aromática (frutos tropicais, flores silvestres) mas muitas vezes com baixa acidez (sobretudo se plantada em cotas mais baixas), necessitando da companhia de castas mais ácidas, como Gouveio e Rabigato.

MALVASIA FINA

A Malvasia Fina (o Boal da Madeira) está bem presente nas vinhas velhas e também em plantações mais recentes no Douro. De produtividade elevada, é muito aromática e perfumada (quase melosa, por vezes), ganhando boa maturação. Quando vindimada cedo, e em cotas altas, consegue conservar a frescura.

O que faz falta

Tal como em muitos outros items que aqui poderíamos enumerar, falta informação ou, se se quiser, quem dê a informação técnica que o trabalho agrícola requer. Jorge Borges lembra-nos que não há um organismo técnico no âmbito do IVDP que seja conselheiro de um lavrador que queira plantar uma nova vinha, “não há quem venha ver as condições específicas do local para sugerir o que plantar, como plantar, se é zona de brancos ou se é de tintos, se é melhor plantar esta casta ou aquela; é verdade que existe a ADVID mas é uma associação, o que quer dizer que é preciso ser-se sócio para ter apoio técnico”. Sobre o tema, quisemos também ouvir a opinião de Rosário Janeiro, técnica da Sogrape, que lembrou que os pequenos lavradores, se quiserem reconverter uma vinha, podem apresentar candidaturas agrupadas, mas a candidatura isolada não tem apoio técnico; o próprio Centro de Estudos Vitivinícolas da Régua não tem equipas no terreno, confirmando-se assim os receios expressos por Jorge Borges.
Das opiniões que recolhemos, fica-nos a sensação de que o Douro branco é assunto ainda em progresso e falta mais tempo e experiência para se tirarem conclusões; as castas bancas já têm um “núcleo duro”, mas nos próximos anos poderá haver notícias interessantes nesta matéria; a vinha velha (mais de 40 anos, segundo Jorge Borges) é o local onde se podem produzir brancos de melhor qualidade e longevidade; as zonas altas da região tendem a gerar mostos mais equilibrados e as barricas, indispensáveis a um grande vinho, deverão ser maioritariamente usadas. Estas serão as ideias-chave, as excepções existem para confirmar a diversidade e grandiosidade da região duriense.

Em Prova

  • Vallado
    Douro, Reserva, Branco, 2017

    17.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Crasto Superior
    Douro, Branco, 2014

    16.5
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Branco da Gaivosa
    Douro, Grande Reserva, Branco, 2015

    17.0
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Maria Izabel Vinhas da Princesa
    Douro, Branco, 2015

    18.0
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Titan of Douro Vale dos Mil
    Douro, Branco, 2016

    17.0
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Mirabilis
    Douro, Grande Reserva, Branco, 2016

    18.0
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Vinha dos Pais
    Douro, Branco, 2016

    17.0
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Poeira
    Regional Duriense, Branco, 2016

    17.0
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Meruge
    Douro, Branco, 2016

    17.5
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Quinta de Ventozelo
    Douro, Viosinho, Branco, 2017

    16.0
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Maria de Lourdes
    Douro, Branco, 2016

    17.0
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Redoma
    Douro, Reserva, Branco, 2017

    18.0
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Muxagat Os Xistos Altos
    Douro, Rabigato, Branco, 2014

    17.0
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Maritávora
    Douro, Grande Reserva, Branco, 2015

    18.0
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Vallegre
    Douro, Reserva Especial, Branco, 2016

    17.0
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Altano
    Douro, Reserva, Branco, 2016

    16.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Secretum
    Douro, Branco, 2016

    16.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Antónia Adelaide Ferreira
    Douro, Branco, 2015

    17.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Dona Berta Vinha Centenária
    Douro, Grande Reserva, Branco, 2017

    17.0
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Busto
    Douro, Reserva, Branco, 2016

    16.0
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Guru
    Douro, Branco, 2016

    18.0
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Quinta da Romaneira
    Douro, Reserva, Branco, 2017

    16.5
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Quinta da Pedra Escrita
    Regional Duriense, Reserva, Branco, 2016

    17.0
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Duas Quintas
    Douro, Reserva, Branco, 2017

    17.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Santos da Casa
    Douro, Reserva, Branco, 2016

    16.0
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • La Rosa
    Douro, Reserva, Branco, 2017

    17.0
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Casa Burmester
    Douro, Reserva, Branco, 2016

    16.0
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor

Edição Nº16,  Agosto 2018

Escreva um comentário