Home-SliderNotícias Vinho

Chryseia: O ouro que luz no Douro

By 6 de Agosto, 2021 Sem comentários

O projecto Chryseia nasceu em 1999, a partir de uma parceria entre duas famílias com largo curriculum no mundo do vinho. Prats e Symington juntaram-se para dar corpo a um tinto que rapidamente se tornou uma referência internacional e um sinónimo de “Douro com classe”. A colheita de 2018 trouxe-nos aquele que será, muito provavelmente, o Chryseia mais elegante, preciso e afinado de sempre.

Texto:Luís Lopes

Estamos em 1998. Numa reunião do conselho de administração da família Symington, fica decidido não se avançar de imediato com um projecto de Douro DOC. Já havia uma marca, é certo, Vale do Bomfim, mas de circulação muito restrita e com resultados que não eram satisfatórios, nem poderiam ser: os vinhos eram, basicamente, feitos com “as sobras da vindima em equipamentos concebidos para vinho do Porto”.

Por outro lado, vivia-se uma época em que as uvas de qualidade não chegavam muitas vezes para cumprir o “benefício”, ou seja, se não eram suficientes para fazer o Porto desejado, muito menos poderiam ser “desperdiçadas” em vinhos Douro de retorno comercial incerto.

Mas poucos meses depois, uma conversa entre os amigos James Symington e Bruno Prats (que tinha acabado de vender a sua participação no château bordalês Cos d’Estournel) abre um outro caminho. E em finais desse ano, Rupert, filho de James, propõe em conselho de administração familiar dar uma nova oportunidade ao Douro DOC através de uma parceria com Bruno Prats. A ideia seria avançar com seriedade e muita ambição, “sacrificando” uvas de “qualidade Vintage” para fazer um Douro de primeira linha que trouxesse mais valias significativas. Começava assim a esboçar-se o desenho do Chryseia.

O entusiasmo de Bruno Prats pelo projecto foi bem patente logo no início e, mais de 20 anos passados, encontra-se até reforçado. “Visitei o Douro pela primeira vez integrado num grupo de produtores bordaleses, anos antes de conhecer a família Symington. Fiquei imediatamente convencido da qualidade do terroir, mas temi os elevados custos de produção. A minha amizade com os Symington permitiu-me compreender melhor a complexidade do Douro”, diz-me Bruno Prats, para explicar como chegou até aqui. “Nunca considerei ser produtor de Porto, porque nunca seria melhor do que os existentes, mas fiquei surpreendido ao ver a pouca atenção que, na época, era dada aos vinhos não fortificados, ficando a pensar que poderia trazer alguma coisa ao Douro nessa área. Por isso, quando recebi a proposta do James Symington, não hesitei nem um minuto.”

Chryseia luz do Douro

Os primos Charles e Rupert Symington têm sido dos mais entusiásticos impulsionadores do projecto.

A Prats & Symington seria criada já em 1999 num processo muito informal. Bruno Prats e Rupert Symington encontraram-se no Porto e cada um colocou 100 euros para a escritura da sociedade. Ou melhor, como gosta de dizer Rupert, com o típico humor britânico, “o Bruno esqueceu-se de trazer a carteira e eu tive de colocar os 100 euros por ele. E durante vários anos andei a tentar cobrar a dívida…”. Pouco depois registava-se a marca Chryseia, que significa “d’ouro” ou “dourado”, nome encontrado por outro membro da família, David Symington, que era estudante de grego clássico.

“No início, o peso do nome de Bruno Prats ajudou muito, bem como as suas relações com os negociants franceses.”

Na vindima de 1999 fizeram-se logo ensaios de Chryseia, recorrendo a uvas das propriedades Symington. As vinificações tiveram lugar na Quinta do Sol, a principal adega da família, onde se construiu uma outra adega para vinhos Douro e se contratou um enólogo dedicado a esse sector, Pedro Correia, para apoiar o director de enologia do grupo, Charles Symington. Os resultados desses ensaios entusiasmaram de sobremaneira Bruno, Charles e Pedro, dando-lhes indicações preciosas para a colheita seguinte, a colheita de 2000 que assinalaria a estreia do Chryseia.

A primeira edição do Chryseia chegou ao mercado em 2002 e foi logo um enorme sucesso internacional. E não apenas pelo perfil do vinho, mais elegante, fresco e polido do que era habitual encontrar-se no Douro. O peso do nome de Bruno Prats ajudou muito, bem como as suas relações com os negociants franceses. Num modelo de comercialização inédito entre nós, o vinho foi colocado em todo o mundo através de Bordéus.

A colheita era vendida praticamente em primor aos negociants e seguia, sobretudo, para os EUA, Ásia, Inglaterra, Suíça e Alemanha. As avaliações da crítica norte-americana também foram decisivas nesses primeiros anos. A colheita de 2001 colocou o Chryseia como o primeiro vinho não fortificado português a figurar no Top100 da Wine Spectator, e logo na 19ª posição. Em 2002, um ano difícil no Douro, não houve vinho de topo, mas surgiu o Post Scriptum de Chryseia como segundo vinho, seguindo também aqui a prática bordalesa. Hoje, o Post Scriptum vale 100.000 garrafas.

Com o tempo, porém, a Prats & Symington foi encontrando algumas fragilidades num modelo de distribuição que lhes retirava controlo sobre o produto e o preço. Por outro lado, o mercado português, pouco relevante para os negociants bordaleses, ficava com uma muito pequena quota do Chryseia, 2000 garrafas entre as 35.000 (em média) produzidas anualmente, quando tinha potencial para muito mais.

Chryseia luz no Douro

A nova cave climatizada possibilita um estágio em barrica em perfeitas condições.

Quando em 2009 foi constituída a distribuidora Portfolio, através de uma parceria entre as famílias Symington e Cândido da Silva, o Chryseia passou a ser distribuído directamente. O impacto no negócio foi tremendo. Portugal a passou de uma posição quase residual para se tornar no principal mercado da marca. Actualmente, 20.000 garrafas ficam no mercado nacional, sendo as restantes exportadas para 25 a 30 países do mundo.

As uvas que fazem o vinho

Os primeiros ensaios de vinificação, em 1999, cimentaram o perfil do futuro Chryseia: um vinho feito com base nas castas Touriga Nacional e Touriga Franca, em partes praticamente iguais, recorrendo a macerações prolongadas, com extração suave e progressiva de taninos, e acabamento em barricas de luxo, procurando finura e sofisticação. “Partimos para esses ensaios, de mente completamente aberta, dispostos a avaliar castas e origens de uva, sem preconceitos. Mas no final, provados os vinhos, estávamos convencidos: Touriga Nacional e Touriga Franca. E o tempo mostrou que não nos enganámos”, diz Charles Symington.

As uvas vinham de diferentes zonas do Douro, de vinhas com distintas altitudes e exposições solares: parte da Quinta do Vesúvio, no Douro Superior, outra parte da Quinta do Bomfim, no Pinhão e uma parte mais pequena (cerca de 10% do lote), de parcelas selecionadas da Quinta da Vila Velha, em Ervedosa, na margem sul do Douro, uma propriedade pertencente a James e Rupert Symington, cujas uvas integram regularmente o lote do Vintage Graham’s.

Chryseia luz no Douro

As Tourigas, Nacional e Franca, são as castas eleitas do Chryseia.

No entanto, ambas as famílias tinham a perfeita noção de que não possuir vinha própria era uma desvantagem para o projecto. Bruno Prats reafirmava: não se pode criar um grande vinho, uma grande marca, sem ter vinha. Um conceito comum à generalidade dos produtores bordaleses, para os quais o sentido do negócio, mais do que vender vinho, assenta na constituição de um património vitícola associado a uma marca forte, um património que possa multiplicar valor com o tempo. “Quando começámos a pensar o projecto, em 1999”, diz-me a propósito Rupert Symington, “ficou desde logo assente que iriamos ser proprietários de vinha. Na época, a família Symington não tinha nada que quisesse vender, antes pelo contrário. Por isso, sabíamos que tínhamos de ir em busca de uma ou mais vinhas de qualidade.”

A primeira oportunidade surgiu em 2004, e a Prats & Symington avançou para a aquisição da Quinta da Perdiz, no vale do rio Torto: cerca de 23 hectares de vinhas, orientadas sobretudo a sul e oeste. A partir desta data, as uvas da Quinta do Vesúvio (e, por conseguinte, a componente Douro Superior) deixariam de integrar o lote Chryseia, mantendo-se Bomfim e Vila Velha. Mas a Perdiz não cumpria todos os requisitos. As duas famílias perseguiam o objectivo de ligar o Chryseia a uma propriedade de referência que, além de constituir a principal fonte de matéria prima, passasse também a ser a casa mãe de todo o projecto. Esse desígnio só seria alcançado em 2009, com a Quinta de Roriz.

A esplendorosa Roriz

Situada na margem sul do Douro, entre a foz dos rios Pinhão e Tua, perto de Ervedosa, Roriz é uma das mais históricas, bonitas e reputadas propriedades do vale. Quem sobe ou desce o rio numa embarcação, mesmo que pouco conheça de vinha e de vinho, não pode deixar de ficar extasiado a olhar para a Quinta de Roriz, de tal modo é diferente das propriedades vizinhas, com as suas vinhas dispostas numa espécie de taça que forma um anfiteatro natural virado para o Douro. A quinta é famosa desde há muito pela excelência dos vinhos que produz, e que já no século XVIII engarrafava e exportava para Londres. No século XIX, os Porto da Quinta de Roriz atingiam os valores mais altos nos leilões da Christie’s.

Chryseia luz no Douro

Situada na margem sul do Douro, a Quinta de Roriz é uma das mais históricas, bonitas e reputadas propriedades do vale.

Charles Symington e Pedro Correia conheciam muito bem o potencial enológico de Roriz. Entre 2000 e 2007, a família Symington manteve uma parceria com a família van Zeller, proprietária da quinta desde 1815, no sentido de orientar a viticultura, a produção e comercialização dos vinhos de Roriz. Essa parceria terminou em 2007 mas, dois anos depois, a Quinta de Roriz voltaria a estar na mesa das decisões familiares, desta vez com uma proposta de venda. De imediato, os Symington perceberam que estava ali a solução para o Chryseia. Contactado Bruno Prats, este assentiu de imediato e o negócio fez-se. Foi um grande investimento, mas que tornou a empresa completamente autónoma, em termos de uvas e vinificação.

A propriedade tinha uma adega nova, construída em 2004, e que foi ainda ampliada e melhorada depois da aquisição, incluindo uma cave climatizada onde estão as barricas de 400 litros de carvalho francês. Os vinhos do projecto Chryseia deixaram assim a “adega Douro” da Quinta do Sol (onde são feitos os vinhos não fortificados da Symington) e passaram a ser totalmente elaborados em Roriz. Com a compra, a Prats & Symington ficou igualmente com as marcas da quinta, nomeadamente o Prazo de Roriz (que se assumiu como “terceiro vinho” de Chryseia) e Quinta de Roriz, reservada para Porto Vintage.

“Uma das razões principais do sucesso do Chryseia é o facto de nós estarmos sempre a subir a fasquia”, diz Charles Symington

A Quinta de Roriz tem quase 96 hectares, dos quais 42 de vinha, sobretudo Touriga Nacional e Touriga Franca, com pequenas parcelas de outras castas. Com exposição predominante norte, as videiras estão assentes em solo de xisto, muito rico em outros minerais, como as antigas minas de ouro e estanho ali existentes comprovam. Tal como a generalidade das quintas clássicas do Douro, foi pensada em termos vitícolas para produzir vinho do Porto. Mas, como defende Charles, essa é uma falsa questão: “As uvas que fazem o grande Porto Vintage ou as que fazem o grande tinto do Douro vêm das mesmas parcelas, das mesmas castas e, até, são colhidas no mesmo momento de vindima, ao contrário do que muita gente diz.” E por isso, uma propriedade que faz grandes Porto faz também, de forma natural, grandes Douro.

Chryseia luz no Douro

Rupert Symington e Bruno Prats fizeram de Roriz a casa mãe do Chryseia. (crédito Luis Lopes)

Desde 2009, a Prats & Symington tem vindo a fazer novas plantações em Roriz. Charles reconhece não ter tido grande sucesso com as vinhas velhas da quinta (nem todas as vinhas velhas são boas!) que foram, portanto, replantadas. Nos novos vinhedos privilegiou-se, como seria de esperar, Touriga Nacional e Touriga Franca, esta última plantada mais perto do rio, em zona mais quente. Outras castas? É uma possibilidade, mas não uma urgência. Questionei Bruno Prats sobre se estas sequências de anos quentes e secos não podiam abrir uma janela para outras variedades mais ácidas ou de maturação tardia, como a Tinto Cão. A resposta não poderia ser mais esclarecedora: “A elegância é a principal característica do Chryseia e existe o risco de perder essa elegância com a Tinto Cão. Os Symington estão a investigar muitas outras castas e talvez encontremos uma ou outra que valha a pena considerar. Mas existem outras formas de enfrentar o aquecimento global na vinha, mexendo ao nível da gestão da sebe, gestão de água, porta-enxerto. Há ainda muita abertura para investigação e inovação nessa área”.

Chryseia luz no Douro

A adega de Roriz, construída em 2004, foi já ampliada e melhorada.

Bruno e Charles estão neste momento a equacionar a rega, que consideram, cada vez mais, uma necessidade, mesmo na sub-região do Cima Corgo. E o ano de 2020 veio reforçar essa convicção.

Elevar a fasquia

Certo é que a autonomia que Perdiz e Roriz trouxeram (o lote continua a incorporar 10% da vizinha Vila Velha), veio mudar completamente a forma de trabalhar o Chryseia. “Quando a Prats & Symington toma posse de propriedades, isso significa que todo o trabalho feito nessas quintas, nessas vinhas, tem um único propósito: fazer os vinhos do projecto”, diz Charles Symington. “Onde plantar, como plantar, o que plantar, como podar, como e quando vindimar, são decisões que tomamos em função dos nossos vinhos. E a totalidade da matéria prima está 100% à nossa disposição. Algo que nunca poderia acontecer quando recorríamos a uvas do Vesúvio, Bomfim, ou outras propriedades que não são da Prats & Symington e que, naturalmente, não são trabalhadas para fazer Chryseia. Agora podemos fazer vindima selectiva, apanhar partes de parcelas, a adega está ali ao lado, é tudo diferente, permite muito mais detalhe, flexibilidade e rapidez entre a decisão e a execução. Na adega podemos ter procedimentos de detalhe que têm consequências enormes no resultado”, acrescenta.

Todas estas alterações, na origem da matéria prima e em todo o processo produtivo significaram, inevitavelmente, mudanças no perfil dos vinhos. Quer Charles Symington quer Bruno Prats não duvidam que a mudança foi para melhor. “Acho que os vinhos agora são mais frescos e mais elegantes, isso é bem evidente. Tem a ver com as uvas, claro, mas também com a enologia, com as alterações que fomos fazendo. Por exemplo, com o tempo fomos procurando concentrar menos, queremos mais finesse, sem sacrificar a longevidade. O Chryseia de hoje destaca-se, sobretudo, pela sua precisão”, refere Charles. E Bruno acrescenta: “A Quinta de Roriz trouxe um carácter único ao Chryseia – mineralidade. Desde que é criado na propriedade, o Chryseia ganhou mais personalidade e uma nova dimensão.”

A expectativa gerada junto do mercado também tem vindo a aumentar, e muito. Charles é o primeiro a reconhecer isso. “Uma das razões principais do sucesso do Chryseia é o facto de nós estarmos sempre a subir a fasquia”, diz. “Neste ano de 2020, devemos ter perdido 30% da produção em detalhes de exigência. Se nós hoje estivéssemos a produzir o Chryseia no patamar qualitativo de há dez anos, poderíamos estar a fazer o dobro da quantidade.”

Chryseia luz no Douro

As uvas da Quinta da Perdiz estão na base do tinto Post Scriptum e contribuem para a elegância do Chryseia.

Quem ganha, na verdade, é o consumidor, tanto do Chryseia quanto do Post Scriptum. Vinhos que poderiam ter sido integrados em Chryseia há uma década, agora vão para o lote Post Scriptum. O que é óptimo para os muitos apreciadores que valorizam o Post Scriptum pela sua excelente relação qualidade/preço. Apesar de, quer Post Scriptum quer Chryseia, terem uma oferta muito inferior à procura do mercado. Charles Symington sabe-o, mas a pressão do consumo não tem influência nas suas decisões. “Nós temos uma procura enorme de Chryseia, mas mantemos uma disciplina que não nos deixa facilitar e todos os anos colocamos a fasquia mais alto. Acho que é isso que faz uma grande marca”, reafirma.

Os vinhos de 2018 que agora chegam ao mercado confirmam por inteiro as suas palavras. Num ano que alternou entre meses consecutivos de chuva, até julho, e agosto e setembro bem quentes e secos, a vindima começou em Roriz no dia 17 de setembro, já com um jovem enólogo residente, Miguel Bessa. A sua estreia não poderia ter sido mais auspiciosa, pois teve o privilégio de acompanhar Bruno Prats, Charles Symington e Pedro Correia naquela que será, certamente, uma vindima memorável para a marca. Se o Chryseia é, sobretudo, elegância e precisão, como o definem os seus criadores, o Chryseia 2018 é, a meu ver, o mais elegante e preciso de sempre.

Perguntei a Bruno Prats o que era, para ele, um “grand vin”. E veio a resposta: “para tornar curta uma história longa, um bom vinho dá-nos prazer, um grande vinho dá-nos emoção”. Assim seja.

Chryseia luz no Douro

(Artigo publicado na edição de Novembro 2020)

  • Post Scriptum de Chryseia
    Douro, Tinto, 2018

    17.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Chryseia
    Douro, Tinto, 2018

    19
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Prazo de Roriz
    Douro, Tinto, 2018

    16.5
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
Siga-nos no Instagram
Siga-nos no Facebook
Siga-nos no LinkedIn

Escreva um comentário