Home-SliderNotícias Vinho

Costa Boal com monocastas e um branco muito especial

By 13 de Setembro, 2021 Sem comentários

O produtor Costa Boal mantem forte aposta no Douro, apesar da sua operação em Trás-os-Montes continuar a dar frutos. Tanto assim é que lançou agora três novidades durienses, um enorme branco de 2015 e dois monocasta irresistíveis!

Texto: Nuno de Oliveira Garcia

Crédito nas fotos: Costa Boal Family Estates

Porventura o consumidor associa o produtor Costa Boal a Trás-os-Montes, em virtude do sucesso dos seus vinhos Palácio dos Távoras que, em poucos anos, se tornaram uma referência na região, plena de potencial por explorar. Com efeito, fundada em 2009, a Costa Boal lançou os primeiros vinhos da colheita de 2011, na região de Trás-os-Montes (Flor do Tua e Palácio dos Távoras).

Sucede que António Boal nasceu no Douro, e nunca deixou de querer apostar na sua região-berço. Começou pela recuperação da adega centenária da família (1857), localizada na aldeia de Cabêda, e depois com a aquisição de vinhas em Alijó, Murça, e Foz Côa. Na gama duriense já existia o Flor do Côa (três brancos e quatro tintos), surgindo agora um segmento super-premium Costa Boal com reservas tinto e branco (este designado por Homenagem, lançado com vários anos em garrafa), e monocastas Sousão e Tinto Cão. A gama fica completa com um Porto Tawny Muito Velho, de excelsa qualidade, apresentado no ano passado, e um Porto Vintage 2014.

São poucos os produtores com vinhas de Alijó até Mirandela e Miranda do Douro, quase todas com várias dezenas de anos. Pode-se mesmo dizer que a empresa Costa Boal é tributária da riqueza de dois terroirs a norte – Douro e Trás-os-Montes – com várias gamas de vinhos de duas regiões vitivinícolas. Se os vinhos da empresa sempre foram conhecidos pela sua estrutura e intensidade, com a chegada do enólogo Paulo Nunes ganharam uma acidez mais viva e, potencialmente, capacidade de envelhecimento. Essa nota evolutiva é particularmente evidente nos três vinhos Costa Boal que agora chegam ao mercado e que estão em linha com o melhor que o Douro faz. Por um lado, o Costa Boal Homenagem, da colheita de 2015, que ao buscar essa longevidade foi engarrafado quase 4 anos após a vindima, ainda que sendo refrescado com uma percentagem pequena de 2017. Este novo reserva branco junta-se ao tinto Homenagem 2011, um vinho igualmente com capacidade de guarda lançado em outubro de 2019, ambos tributo ao pai Augusto Boal, viticultor toda a vida no Douro.

O resultado é excelente, com a madeira em evidência neste momento, mas com uma prova de boca que está longe de se resumir a essa característica, num vinho muito rico e afinado, a dar imenso prazer e a prometer um futuro radioso nos próximos, pelos menos, cinco anos. Paulo Nunes, já distinguido como ‘Enólogo do ano’ pela nossa revista, confessa que “estamos muito no início no que toca aos vinhos DOC Douro, especialmente nos brancos”. Acrescenta, e com razão, que não se recorda de um branco do Douro entrar nas listas dos melhores do mundo das revistas internacionais da especialidade, mas não perde a confiança nesse feito, mais a mais agora que vai conhecendo melhor a região que também o viu nascer.

Outra particularidade muito positiva nos novos Douro Costa Boal, certamente resultado da sinergia entre produtor e enólogo, é a leveza dos tintos agora apresentados, que beneficiam ainda de um grau alcoólico moderado, ligeiramente abaixo dos 13%. Isso não impediu que ambos os monocastas ficassem certificados como grau 3 – com a classificação Grande Reserva –, sinal que também as entidades certificadoras privilegiam cada vez mais a moderação e não apenas a concentração e maturação. Os monovarietais são produzidos com as castas Sousão e Tinto Cão que, apesar de estarem em excelente momento de prova – sobretudo o Tinto Cão – irão melhorar com mais um par de anos em garrafa, aspeccto que merece a concordância da crítica e de produtor. Paulo Nunes destaca a acidez do Tinto Cão e a maturação fenólica excepcional (mesmo com 13%!) no ano de 2017, bem como a estrutura e o volume de boca do Sousão, casta mais presente no Douro ano após ano.

Costa Boal Douro

©Paulo Pereira

Na apresentação realizada no restaurante clássico alfacinha Solar dos Presuntos, foi ainda provado o Palácio dos Távoras Gold Edition 2017, um blend feito de uvas selecionadas de uma parcela específica da vinha velha que a Costa Boal possui em Trás-os-Montes. Da habitual diversidade de castas destas vinhas antigas da região, surge um vinho muito maduro e potente, no qual predominam as castas Alicante Bouschet, Baga e Touriga Nacional de uvas colhidas de uma parcela específica da vinha velha, da Quinta dos Távoras, localizada em Mirandela.

(Artigo publicado na edição de Novembro 2020)

  • Costa Boal
    Douro, Sousão, Tinto, 2017

    17
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Costa Boal Homenagem
    Douro, Branco, 2015

    18
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Costa Boal
    Douro, Tinto Cão, Tinto, 2017

    17.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
Siga-nos no Instagram
Siga-nos no Facebook
Siga-nos no LinkedIn

Escreva um comentário