Grande ProvaNotícias Vinho

Dão tinto: prazer e carácter por menos de €8

By 17 de Dezembro, 2019 Sem comentários

Têm um preço muito conveniente, são grandes companheiros da refeição e deixam-nos saudades. São os tintos do Dão que continuam, passado mais de um século, a serem o que sempre deles esperámos: vinhos elegantes, envolventes e com sentido regional.

TEXTO João Paulo Martins
FOTOS Ricardo Gomez

Foi no longínquo ano de 1908 que o Dão ganhou foros de região demarcada mas só depois do 25 de Abril a região adquiriu novo impulso. Neste sentido pode dizer-se que seguiu de perto o movimento que, a partir daquela data varreu todas a regiões, criou organismos e estabeleceu regras precisas do que se podia ou não produzir. A fama que então já tinha e que vinha do início do século XX manteve-se e os consumidores sempre lhe notaram a qualidade dos vinhos. E numa época – anos 70 e 80 – em que ainda tudo estava por fazer, o Dão marcava presença no mercado com o selo da região demarcada.

As regras que se impuseram na altura foram claras: quem quisesse plantar vinha tinha de cumprir alguns requisitos e nos tintos apontava-se, basicamente, para quatro castas: Touriga Nacional, Tinta Roriz, Alfrocheiro e Jaen. A variedade Jaen era a mais plantada na região, logo seguida da casta Baga, a mesma que hoje conotamos com a Bairrada. Quatro décadas depois, uma muito elevada percentagem dos tintos da região mantém aquelas quatro variedades como as eleitas, quase em exclusivo. Nesta prova há nove vinhos que têm aquela composição e um outro que, além das quatro, ainda tem Rufete. Foi assim durante uns bons anos mas cremos que actualmente se está a caminhar num sentido um pouco diferente; a Jaen está a perder terreno nos lotes da região e assim, as restantes  – Touriga Nacional, Tinta Roriz e Alfrocheiro – estão a surgir cada vez mais em trio em vez do tradicional quarteto.

Fomos tentar perceber o porquê e Manuel Vieira, enólogo com muita experiência na região, diz-nos que a Jaen é uma boa casta mas que funciona melhor para ser usada a solo num determinado tipo de vinho; “gera vinhos mais abertos de cor, mais joviais e que nem sempre acrescenta grande coisa em lote com as outras três. Para mim o grande lote da região são mesmo as restantes castas tintas desde que a Touriga Nacional tenha um peso maior, uma vez que é casta mais completa que temos no Dão”. Ficamos então num trio onde entra a mal-amada Tinta Roriz, uma variedade que tem adeptos e detractores. Pelo que pudemos observar, a Roriz tem comportamentos diversos conforme a localização da vinha, mas, se colocada nos terrenos mais pobres e bem arejados, pode dar um bom contributo para o lote de tintos. Peter Eckert, da Quinta das Marias é dessa opinião e a Roriz faz parte do seu trio de eleição. A tradição falava muito também de uma variedade hoje meio escondida: a Tinta Pinheira ou Rufete. Manuel Vieira volta à carga: com pouca cor e pouca estrutura, a Tinta Pinheira perde no lote mas, com as novas tendências de vinhos abertos, menos escuros e pouco álcool, a casta pode conhecer um certo renascimento. E foi por ser menos rica que foi arrancada na Quinta dos Carvalhais e também na Quinta das Marias.

O carácter regional

Tida como uma das regiões onde se nota um maior equilíbrio nos vinhos, o Dão tem quase tudo o que é preciso para fazer um belo tinto: tem solos graníticos, pobres em matéria orgânica que geram vinhos de boa concentração ainda que de baixa produção; tem dois rios – Dão e Mondego – que definem sub-regiões e marcam o perfil dos vinhos, algo que Paulo Nunes, enólogo na Quinta da Passarela, afirma categoricamente: “se comparamos por exemplo a zona de Silgueiros ou a zona da Serra da Estrela vemos que nesta última estão a começar as vindimas quando na outra estão já a acabar”. Em todas as sua sub-regiões o Dão gera vinhos de muito boa acidez que, em geral, não requerem qualquer correcção. Mas o facto de a região estar rodeada de montanhas leva a que haja uma maior protecção em relação à influência marítima. Paulo, que também faz vinhos na Bairrada salienta a menor intervenção que é necessária no Dão, onde as doenças fito-sanitárias têm menor expressão.

Mas não é tudo: as castas disponíveis aqui são uma importante ajuda para os enólogos quando chega a hora de fazer o lote. Salienta Manuel Vieira que “a diversidade que temos à disposição ajuda imenso quando se faz um lote e o perfil específico de cada casta permite resultado mais completo, ao contrário por exemplo do Douro onde há mais semelhança entre as principais variedades”. Se a isto juntarmos a disponibilidade de água no solo, a altitude, as 2500 horas de sol/ano e as noites frescas que se fazem sentir mesmo em pleno Verão temos um quadro completo que nos ajuda a entender melhor a região do Dão.

No que respeita aos tintos é também curioso verificar que algumas das castas mais plantadas na região não aparecem nas indicações dos contra-rótulos. É o caso da Baga, a segunda mais plantada a seguir à Jaen, e a Trincadeira que também é omissa nos rótulos embora tenha mais área de plantação que a Alfrocheiro e poucas foram as vezes que foi comercializada como varietal. Já nos brancos acontece algo de parecido porque a Fernão Pires, por exemplo, tem o dobro da área de vinha da Encruzado e, no entanto, é provável que poucos consumidores associem aquela variedade ao Dão.

O Dão e o mercado

Apesar de todas as suas qualidades, o Dão não está nas primeiras escolhas dos consumidores nacionais, situando-se actualmente em 5º lugar, atrás do Alentejo, Vinhos Verdes, Setúbal e Douro mas, se analisarmos apenas o consumo na restauração, está em 4º lugar nas preferências do mercado. No entanto, a região tem feito uma grande aposta nos vinhos DOP em detrimento dos Regionais (IGP) e a região está em 2º lugar atrás de Vinho Verde e Douro nas regiões que maior percentagem de vinhos DOP vendidos. No 1º trimestre de 2019, dados disponibilizados no site do IVV, nota-se uma pequena subida dos vinhos IGP e descida nos DOP mas ainda é cedo para conclusões.

O Canadá e o Brasil são os destinos principais dos vinhos do Dão; a China está em franco crescimento e os EUA em queda. Segundo informação da CVR do Dão, um problema com um importador nos EUA foi quanto bastou para que as vendas se ressentissem de imediato. A região conheceu uma completa mudança desde os anos 90 do século passado quando cresceram os produtores engarrafadores, diminuiu o número dos armazenistas (que compravam vinho a granel e o engarrafavam com as suas marcas) e fecharam algumas adegas cooperativas. Mudou assim, e muito, o panorama regional e hoje, para além de empresas grandes que marcam a região, como a Sogrape e Dão Sul, por exemplo, o Dão é campo fértil para empresas de média dimensão (casos de Lusovini, Caminhos Cruzados, Magnum-Carlos Lucas, Álvaro Castro, entre outros) e ainda muitos pequenos produtores, numa conjugação de experiências e ideias inovadoras.

A região tem mostrado que mesmo nas gamas de entrada e no patamar até aos 8/10 euros pode produzir vinhos de bom gabarito e a nossa prova demonstra isso mesmo. A qualidade média é muito boa, nota-se que há uma preocupação em originar vinhos equilibrados e intensamente gastronómicos. Paulo Nunes é claro: “nesta gama de preço o Dão permite fazer vinhos com muita qualidade, desde que não se abuse nem das extracções nem da madeira em excesso”. Ora neste painel a esmagadora maioria dos vinhos apresentou, de facto, aquela que é a mais notória característica da região: bom equilíbrio entre acidez/álcool, com taninos macios e muito elegantes (segundo Manuel Vieira a presença da Roriz justifica-se exactamente pela contribuição tânica), com resultados muito positivos. As classificações reflectem essa qualidade média bem elevada: estes são vinhos amigos do consumidor, um verdadeiro porto-seguro na hora da escolha. São também excelentes opções para os restauradores pela ampla margem de associação vinho/comida que permitem.

Com razoável visibilidade nas grandes superfícies e boa presença na restauração os tintos do Dão têm tudo para agradar ao apreciador exigente.

VINHOS EM PROVA

  • Quinta da Falorca Traditional Blend
    Dão, Tinto, 2012

    16.0
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Quinta da Bica
    Dão, Tinto, 2015

    16.0
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Quinta das Estrémuas
    Dão, Alfrocheiro e Tinta Roriz, Tinto, 2015

    16.0
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Quinta de São Simão da Aguieira
    Dão, Tinto, 2015

    16.0
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Quinta das Marias Lote
    Dão, Tinto, 2017

    17.0
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Quinta de Saes
    Dão, Tinto, 2016

    17.0
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Fonte do Ouro
    Dão, Tinto, 2017

    16.5
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Maias
    Dão, Tinto, 2015

    16.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Casa da Passarella Abanico
    Dão, Reserva, Tinto, 2015

    17.0
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Quinta do Paúl
    Dão, Tinto,

    16.0
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Terras de Sto. António
    Dão, Tinto, 2016

    15.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Dom Vicente Field Blend
    Dão, Tinto, 2017

    16.0
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Índio Rei
    Dão, Reserva, Tinto, 2015

    15.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Terras Madre de Água
    Dão, Touriga Nacional, Tinto, 2016

    16.0
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Adega da Corga
    Dão, Grande Reserva, Tinto, 2013

    16.0
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Vinha de Reis
    Dão, Tinto, 2015

    16.0
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Morgado de Silgueiros
    Dão, Tinto, 2017

    15.5
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Quinta dos Carvalhais
    Dão, Tinto, 2017

    17.0
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Quinta do Serrado
    Dão, Reserva, Tinto, 2014

    16.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Casa do Castelo
    Dão, Alfrocheiro, Tinto, 2017

    16.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Tesouro da Sé Private Selection
    Dão, Tinto, 2015

    16.0
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Casa da Carvalha
    Dão, Tinto, 2014

    15.0
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Casa da Ínsua
    Dão, Tinto, 2015

    16.5
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Ribeiro Santo
    Dão, Reserva, Tinto, 2016

    16.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Vale Divino
    Dão, Tinto, 2016

    16.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Casa de Mouraz
    Dão, Tinto, 2015

    16.5
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Casa de Santar
    Dão, Tinto, 2016

    16.5
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Opta
    Dão, Reserva, Tinto, 2015

    16.0
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Castelo de Azurara
    Dão, Alfrocheiro, Tinto, 2016

    16.0
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Quinta da Ponte Pedrinha
    Dão, Touriga Nacional, Tinto, 2015

    16.0
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Quinta da Espinhosa Unigénito
    Dão, Reserva, Tinto, 2015

    16.0
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Quinta do Sobral Santar
    Dão, Colheita Seleccionada, Tinto, 2016

    15.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Pedra Cancela Selecção do Enólogo
    Dão, Tinto, 2016

    16.0
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor

Edição Nº28, Agosto 2019

Escreva um comentário