Home-SliderNotícias Vinho

Favaios: Onde reina o Moscatel

By 16 de Janeiro, 2023 Sem comentários

Partimos de Vila Real e chegámos a terras de Alijó, mais propriamente a Favaios. Aqui a casta Moscatel Galego é rainha e domina a paisagem. Apesar de estarmos em plena zona demarcada do Douro, o generoso feito com Moscatel não pode ser considerado vinho do Porto. Mas não importa, o sucesso e qualidade dos moscatéis de Favaios fala por si.

 Texto: João Paulo Martins    Fotos: Adega Coop. de Favaios

 Este é um Douro diferente, um Douro de planaltos, um Douro pouco ou nada escarpado, uma zona que permite estender o olhar por grandes distâncias. E, o que mais se vê, são vinhas. Um verdadeiro mar de vinhas. Estas são terras altas, as tais que hoje são muito procuradas, nomeadamente para plantar cepas de uvas brancas. Entre os problemas colocados pelas alterações climáticas e a apetência cada vez mais evidente do mercado por vinhos brancos, as terras de Favaios têm tudo para ser uma zona de referência. A paisagem não engana: as vinhas são a perder de vista, todas bem perto do centro da terra. Esta proximidade é excelente para os associados da cooperativa que entregam uvas na adega; e são muitos, 500 a entregar uvas e, como nos disseram, muitos outros em lista de espera. Também o enólogo fica com o trabalho muito facilitado, uma vez que, entre a apanha dos cachos e a chegada à adega podem mediar apenas alguns minutos. Estes cooperantes dispõem de 1100ha de vinhas onde a Moscatel ocupa 620 hectares, ou seja, 2,5% de toda a área da região, mas representa 5% da produção total. Assim, além daquela variedade, existem uvas para a produção de vinhos brancos, tintos e espumantes. E ainda algum Vinho do Porto.

Favaios Moscatel DouroPode, naturalmente, perguntar-se: porquê Moscatel, e porquê aqui? Estas e outras perguntas fomos fazê-las à adega cooperativa, o grande polo vinificador da região de Favaios. Miguel Ferreira, enólogo dos vinhos generosos, ajuda na explicação, salientando a altitude que, aqui, gera condições para maturações lentas porque os estios são amenos. Amenos sim, mas com a temperatura média a aumentar; este ano foi 22ºC, quando a média anterior andava pelos 19ºC. Estamos também numa zona de boa pluviosidade, em média 1000 milímetros/ano mas este ano vitícola não passou dos 390. Curiosamente quando visitámos a adega, já em fim de vindima, chovia “a potes”, como que a dizer-nos que o futuro não era negro. “Temos então condições óptimas para brancos mas menos favoráveis para fazer vinhos tintos”, confessou Miguel.

Esta é uma zona alta, planáltica, de terrenos férteis, favorável para brancos e entre elas ganhou destaque a casta Moscatel Galego que tem várias características que se adaptam bem a este ambiente: produz bem, gera mostos com muito boa acidez, é uma variedade muito terpénica (é mesmo das poucas castas em que o sabor do bago é idêntico ao do vinho) o que torna a identificação muito fácil, mesmo em prova cega. Além destas, tem mais duas características interessantes: é resistente à seca, como ficou bem demonstrado este ano em que, apesar da falta de água, se conseguiu mais 10% de produção no Moscatel do que na edição anterior, e tem uma produção regular. A produtividade da casta tem variado entre os 5200 litros/ha em 2020 e os 6200 litros em 2022.

Para a boa produção regular muito contribuiu o trabalho de pesquisa e melhoramento da casta feito por Nuno Magalhães, um profundo conhecedor/técnico/autor, especialista em viticultura; assim, desde há 40 anos têm vindo a mudar os clones que são plantados, “não sem alguma perda da variabilidade genética” mas a produção tem-se mantido em bom nível. Hoje sabe-se que o “afunilamento clonal” é altamente negativo e é sobretudo a partir da selecção massal que agora se escolhem os garfos a plantar, assegurando assim tanta diversidade quanto possível.

Uma batalha de ontem e de hoje

A adega foi criada em 1952 e o primeiro Moscatel surgiu em 1956. Estamos, portanto, a comemorar os 70 anos da fundação. Essa foi a época da criação das adegas cooperativas, processo muito incentivado pelo Governo que, por proposta da Casa do Douro, apontava para a criação de 30 adegas cooperativas em 19 concelhos da região, em que se associassem produtores que tivessem pelo menos 10 pipas de produção. A época mais intensa de criação das cooperativas decorreu até 1964, por vezes até mais tarde, como aconteceu com a Adega Coop. de Tabuaço que só foi criada em 1993.

Os azares do generoso Moscatel remontam aos anos 30 do século passado quando, face às dificuldades que se viviam nas vendas de Vinho do Porto (que a Grande Depressão e a crise de 1929 também ajudam a explicar), se cortou o benefício nas terras mais altas (acima dos 500 metros). Favaios deixou de poder produzir Porto e, apesar da tal proibição ter sido levantada ainda nos anos 50, a verdade é que, até hoje não se faz Porto Moscatel. Porquê? Porque, ao que nos contaram, “da Câmara de Provadores do IVDP vem sempre a mesma resposta: o vinho não cheira a Porto, cheira a moscatel”. Por esta razão para os vinhos desta casta criou-se a designação Moscatel do Douro, que é demasiado vaga, como aqui nos afirmaram, uma vez que qualquer zona do Douro pode, face à lei, fazer moscatel do Douro. Essa é a batalha actual desta zona: criar a sub-região de Favaios, uma vez que as uvas daqui têm especificidades e muitas diferenças em relação às de qualquer outra zona duriense. A região tem tudo para se transformar em sub-região mas falta, ao que soubemos, mais energia na condução desse processo. Não existe uma delimitação precisa da zona de Favaios e isso seria o primeiro passo para a criação da sub-região. Também já deu entrada no Interprofissional o pedido para a produção de Moscatel Roxo, variedade que corresponde a uma mutação da Moscatel Galego, mas por enquanto ainda não é possível. Essa será também uma conquista futura.

Favaios Moscatel DouroDe tudo um pouco

A cooperativa de Favaios é muito conhecida pelo Moscatel, nomeadamente o seu Favaíto, um aperitivo de moscatel que se vende no canal HORECA, em mini-garrafas de 55 ml. O sucesso deste licoroso é tal que da linha de engarrafamento saem 25000 garrafas/hora. Para além deste vinho emblemático, a cooperativa aposta em novos produtos, como seja o espumante, aqui em duas versões. A mais ambiciosa é o Grande Reserva com estágio prolongado em cave, de que só se fazem 3000 garrafas e que é produzido com Gouveio, Arinto e Viosinho. A primeira colheita foi a de 2005. Celso Pereira, enólogo com larga experiência nas Caves Transmontanas, é o consultor para espumantes e vinhos brancos DOC; a par deste espumante, a cooperativa faz pelo método Charmat, na Bairrada, em prestação de serviços, cerca de 40000 garrafas de espumante de Moscatel.

Aqui vinificam-se 6 milhões de litros/ano dos quais 3 milhões de Moscatel, não todo para generoso uma vez que da casta se faz espumante e entra também no lote dos vinhos brancos. Fazem 1 milhão de litros de branco, outro tanto de tinto e de Porto (esta zona corresponde a letras C e D); muito do Porto produzido é vendido a granel, mas também engarrafam aqui com marca própria. O Moscatel que se faz em vinho DOC não é vendido para terceiros, é todo usado para os vinhos brancos da casa. Aos lavradores a uva é paga a 95 cêntimos/quilo, bem acima da média que outras empresas pagam na região.

De tudo o que produz, a adega exporta 20% mas mantém um elevado stock que lhe permite fazer os moscatéis com idade. Em finais de 2021 a Adega tinha 9,5 milhões de litros em stock. Foi esses vinhos que tivemos oportunidade de provar.

Assim, do Moscatel Favaios sem indicação de ano de colheita fazem-se 3 milhões de litros/ano. É elaborado todo de uma vez (usa 3 a 4 colheitas no lote). O vinho mais jovem tem pelo menos 2 anos. A ideia de 3 a 4 colheitas é para tentar fazer um lote igual todos os anos. É estabilizado pelo frio e colado e filtrado para evitar a turbidez. Têm para este vinho 10 milhões de litros em stock. Não há lei do terço (como no Vinho do Porto) no licoroso Moscatel e por isso não há limite ao que se pode engarrafar. O Moscatel Reserva 2015 vai deixar de ter indicação de ano, tal como acontece no Vinho do Porto Reserva. As uvas ficam 3 dias em maceração, um antes da fermentação e dois depois. A aguardentação é feita na cuba ainda com as massas; estagia em madeira, inicialmente balseiro velho e depois barricas onde fica um ano. Deste fazem 10 000 garrafas/ano. O Moscatel 10 anos envelhece sempre em tonel, fazem quase uma solera conseguindo-se assim uma regularidade de perfil. É um lote que está sempre a ser alimentado com o que existe e tem uma média de 15 anos de idade.

Favaios Moscatel DouroNa edição comemorativa dos 70 anos foi escolhida a melhor colheita de cada uma das décadas; o mais jovem é de 2020, depois 2011, 07, 99, 80, 75 e 64 (deste foi usado vinho engarrafado). Desta edição especial foram cheias 2000 garrafas mas metade destina-se a ser oferecida aos viticultores associados. Já do Colheita 1980 existem 8000 litros em stock de barricas e enchem-se 500 garrafas por ano.

Com tudo isto, a Adega de Favaios é uma referência absoluta nos licorosos Moscatel do Douro, sendo igualmente líder no vinho licoroso Moscatel a nível nacional. Não espanta por isso que, para muitos consumidores, a menção Favaios seja sinónimo de Moscatel.

(Artigo publicado na edição de Dezembro de 2022)

  • Adega de Favaios
    Douro, Moscatel do Douro, Colheita, Fortificado/ Licoroso, 2000

    18
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Adega de Favaios Edição Comemorativa 70 anos
    Douro, Moscatel do Douro, Fortificado/ Licoroso,

    18.5
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Adega de Favaios
    Douro, Moscatel do Douro, Colheita, Fortificado/ Licoroso, 1980

    18
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Adega de Favaios
    Douro, Moscatel do Douro, Reserva, Fortificado/ Licoroso, 2015

    16.5
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Adega de Favaios
    Douro, Moscatel do Douro, Colheita, Fortificado/ Licoroso, 1989

    16
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Adega de Favaios
    Douro, Moscatel do Douro, 10 Anos, Fortificado/ Licoroso,

    17
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Adega de Favaios
    Douro, Moscatel do Douro, Colheita, Fortificado/ Licoroso, 1999

    18
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Adega de Favaios
    Douro, Moscatel do Douro, Fortificado/ Licoroso,

    16
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Adega de Favaios
    Douro, Moscatel do Douro, Colheita, Fortificado/ Licoroso, 1975

    18.5
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
Siga-nos no Instagram
Siga-nos no Facebook
Siga-nos no LinkedIn

Escreva um comentário