Grande ProvaHome-Slider

Grande Prova- Alentejo tinto Potência com elegância: afinal é possível…

By 14 de Novembro, 2022 Sem comentários

Ao pensar num topo de gama do Alentejo, imediatamente no nosso imaginário surgem vinhos poderosos, carnudos, macios e densos. A qualidade nem se coloca em causa, está lá por defeito. Entretanto, existem muito mais estilos nos vinhos que representam a crème de la crème da região. E descobrimos vários nesta prova de mais de cinco dezenas de tintos alentejanos.

Texto: Valéria Zeferino Fotos: Ricardo Palma Veiga

 

Sendo o Alentejo extenso e muito heterogéneo em termos de solos e clima, a diversidade dentro da região é enorme. Para além das zonas quentes e mais áridas, tem o litoral, temperado pela influência atlântica e Portalegre, onde altitude em combinação com um clima continental, confere uma frescura própria aos vinhos. Não é por acaso que nos últimos anos assinalou-se um investimento nesta zona. As serras de São Mamede, do Mendro, de Ossa moldam as condições microclimáticas dos territórios adjacentes. A falha da Vidigueira com escarpas orientadas no sentido Este-Oeste permitem que os ventos do Atlântico empurrem o ar frio, promovendo o arrefecimento significativo do ar à noite. Luís Cabral de Almeida, responsável pela enologia na Herdade do Peso, conta que isto acontece quase todos os anos: as temperaturas de dia podem chegar a 38-39˚C e à noite caem até 15-17˚C o que tem um efeito benéfico na composição das uvas.

O calor e a água (ou falta dela)

O clima quente e seco do Alentejo, em certa medida, beneficia os produtores. Luís Cabral de Almeida que já trabalhou noutras regiões onde a Sogrape tem produção, como o Douro, Dão e até na Argentina, considera o Alentejo uma região consistente, com baixa carga de doenças. Não é por acaso que no Alentejo há muita produção biológica. As características da região e a sua fama junto do consumidor motivam alguns produtores de outras regiões a investir no Alentejo. É o caso do projecto da Symington na Quinta da Fonte Souto em Portalegre e da Costa Boal na Quinta dos Cardeais, entre os mais recentes.

Por outro lado, a seca é capaz de comprometer não apenas a quantidade e a qualidade de uma ou outra colheita, mas colocar em causa a sobrevivência das videiras, pois na falta de água esta não tem forma de buscar os nutrientes do solo e distribuí-los de forma correcta na própria planta. Por isto, a rega é indispensável em muitas partes do Alentejo, sobretudo nos solos mais pobres e com baixa retenção de água.

Contudo, a rega não visa proporcionar à videira um acesso desmedido à água. O equilíbrio da área foliar e rega controlada são essenciais, sublinha Luís Cabral de Almeida. Até à fase do pintor (quando os bagos ganham cor) dá-se água à videira (quando a chuva não vem) para obter os nutrientes do solo, e construir a área foliar para garantir actividade fotossintética. A partir do pintor, limita-se a água, para a videira investir na maturação da fruta.

Por exemplo, o enólogo Pedro Hipólito tem um sistema de rega instalado na Herdade da Mingorra, pronto para qualquer eventualidade, mas nas vinhas velhas não tem sido preciso. Tem 7 talhões que nunca foram regados.

Entretanto, no Alentejo ainda existem vinhas de sequeiro, mas estas encontram-se plantadas em áreas muito especiais. Como conta António Maçanita, há zonas na região, onde as águas freáticas ficam mais perto da superfície, permitindo que as raízes das videiras possam chegar até lá. O produtor e enólogo Luís Louro, que em 2004 iniciou o seu projecto do Monte Branco, também tem algumas vinhas em sequeiro. Estas estão implantadas em solos mais profundos e relativamente férteis, num xisto argiloso, que tem melhor capacidade de retenção do que o xisto normal.

Tudo no sítio e momento certos

As castas certas no sítio certo + momento de vindima + filosofia do produtor: é este o segredo do sucesso. Conseguir potência no Alentejo é fácil, juntar a elegância, às vezes, é um desafio. Nos topos de gama a tentação de criar vinhos poderosos é natural e as principais castas também ajudam. A triologia de Alicante Bouschet, Aragonez e Trincadeira que predominam nos lotes de há 30 anos, proporcionam muita estrutura e potência, diz António Maçanita, enólogo e produtor com projectos em várias regiões do país. Cabernet e Syrah também ajudam à festa. As castas “mais fracas” como Castelão ou Alfrocheiro não são das mais presentes nos topos de gama. Mas há excepções.

Repetindo as palavras de Luís Louro, um vinho é um produto de vinha e filosofia. O principal foco é nas castas certas e na época de colheita. A principal preocupação é “colher maduro, mas nunca sobremaduro”.

António Maçanita partilha a sua experiência, referindo que Castelão, Tinta Carvalha e Alfrocheiro têm muita tolerância para o momento da vindima, enquanto o Moreto não. As castas tânicas como Aragonez, Alicante Bouschet ou Syrah se não forem vindimadas maduras, são verdes e difíceis.

As castas certas por vezes já se encontram numa vinha, sobretudo numa vinha velha bem adaptada ao local e que expressa o seu carácter único. Tivemos alguns exemplos interessantes nesta prova. O Chão dos Eremitas Os Paulistas, da Fita Preta, por exemplo, com as castas (curiosamente, não misturadas, o que facilita a vindima) Tinta Carvalha, Moreto, Castelão, Alfrocheiro e Trincadeira, plantadas há 50 anos.

A Vinha da Ira, da Mingorra, é uma pequena parcela de 2 ha, plantada nos anos 80. É um resultado da selecção massal  de uma vinha mãe da Vidigueira. Chamava-se o Talhão de Alfrocheiro e no início fez muita confusão, porque quando a uva chegava à adega, era óbvio que não se tratava só de Alfrocheiro, até porque tinha muita uva tintureira. Em 2004 fizeram uma biblioteca genética das castas que tinham nesta vinha e estavam lá 12 variedades misturadas, onde 50% era Alicante Bouschet, também Aragonez, Touriga Nacional entre outras. O Alfrocheiro só representa 7% da vinha. Vindima-se tudo junto e o Alicante Bouschet serve de referência para a colheita.

Na Herdade do Peso, da Sogrape, o conceito do vinho Parcelas é diferente do Reserva, ou do Revelado, que têm que ter um determinado perfil. Os vinhos da gama Parcelas podem ter um perfil próprio em função do ano, explica Luís Cabral de Almeida. Por exemplo o Parcelas Block 21 é 100% Alicante Bouschet.

Dos produtores entrevistados, há unanimidade que o futuro passa muito pelas castas de ciclo longo: Touriga Nacional, Petit Verdot, Tinta Miúda, como exemplo.

A filosofia do produtor começa na escolha de terrenos e castas e acaba na abordagem na adega e até no tempo do estágio em garrafa antes de lançar para o mercado. Os produtores como Julian Reynolds ou Luís Louro não abdicam deste estágio o que sempre se reflecte no momento da prova.

Os estilos dos tintos do Alentejo

 Normalmente fala-se de dois principais estilos de vinhos no Alentejo: um clássico (mais balsâmico, com bosque e resinas, com vegetal seco e até uma certa rusticidade) e um moderno, de grande polimento, com fruta mais imediata, mais intensa e mais presente.

Na realidade, o Alentejo é muito mais do que isto. Depois de provar mais de 50 vinhos, eu diria que existem quatro estilos: dois clássicos – um que consegue aliar potência à elegância (vinhos profundos, perfeitos em cada momento de contacto) e outro onde a potência predomina, com vinhos muito extraídos e alcoólicos, mornos e quase doces (secos tecnicamente, mas pela sensação da doçura de fruta sobremadura e muita presença de barrica). Estes últimos são bem-feitos e impactantes, impressionam ao primeiro gole, mas a partir do segundo o entusiasmo diminui.

Nos vinhos de estilo dito “moderno”, também há duas variações. Um é mais sensual e consensual, guloso, com fruta bonita, encorporando normalmente as “castas melhoradoras” no lote, como a Syrah ou Touriga Nacional. Uma espécie de Novo Mundo no Alentejo.

O outro “novo” estilo do Alentejo é uma regressão ao passado, dando protagonismo às castas antigas, com fruta simples e pura, sem o lustro da Touriga ou Syrah. Podem não ser tão consensuais, mas têm muito bom senso na sua essência, são pensados, ensaiados e bem interpretados. São elegantes com estrutura, extremamente precisos e sofisticados.

Com isto não pretendo dizer que tem que se excluir castas ou estilos. Há gostos para tudo. As tendências vêm e vão, e o que é realmente bom acaba por perdurar.

Castas: as nossas, as outras e o Alicante Bouschet

 De acordo com o cadastro da CVR Alentejo, nos últimos dez anos a área de vinha tem crescido, tendo aumentado 4.003 hectares (21%) e em 2021 ocupou 23.277 ha. As castas tintas predominam com 79%. A vinha nas sub-regiões D.O. representa 72% da área total do Alentejo e 74% da produção total de uvas da região.

Nas castas tintas é notória a importância adquirida pelo Alicante Bouschet, que aumenta em área e representatividade na região e, com menor intensidade, também a Syrah e Touriga Nacional. Em diminuição estão as castas Aragonez, Trincadeira e Castelão, que perdem área e expressão na área vitícola.

As castas dividem-se em dois polos principais: portuguesas típicas do Alentejo (Aragonez, Trincadeira) ou vindas de outras regiões como a Touriga Nacional ou Touriga Franca, e estrangeiras como o Cabernet Sauvignon, a Syrah ou o Petit Verdot.

E depois há Alicante Bouschet que é a casta estrangeira mais portuguesa. Entrou no país há mais de 100 anos e ganhou a cidadania e reconhecimento que nunca teve no seu país natal. Luís Cabral de Almeida compara o percurso do Alicante Bouschet em Portugal como o do Malbec na Argentina: ambas as castas são de origem francesa e ambas encontraram a sua expressão máxima nos países de adopção. Hoje, Alicante Bouschet é parte importante da tipicidade dos vinhos do Alentejo e está em franco crescimento na região, sendo a segunda tinta mais plantada.

Para Luís Louro, Alicante Bouschet é uma casta fantástica que conjuga potência e acidez se for colhida a tempo. Tem uma parcela na zona de sequeiro que dá óptimos resultados.

Para Luís Cabral de Almeida, Alicante Bouschet é a garantia de fruta, cor e sabor, mas há que lhe aumentar a complexidade. Considera que não adianta forçar a extracção através de remontagens, por exemplo, pois vai-se extrair o que tem de bruto e agressivo. Prefere aplicar o engaço maduro na fermentação, que confere ao vinho tanino de meio de boca, diferente do tanino da madeira que é mais lateral.

Frederico Rosa Santos sublinha que as uvas de Alicante Bouschet têm de estar bem maduras e muitas vezes só amadurece a parte fenólica com o grau alcoólico alto. Não se dá bem em todo o lado. Mais a sul de Beja é demasiado quente para o Alicante e a ondas de calor em Julho ou Agosto fazem com que não amadureça. Fica bem de Estremoz para cima.

Das castas portuguesas, Aragonez continua a ser a uva mais plantada (com 23% de encepamento), mas não é de todo a mais amada. Muitos produtores reconhecem as suas limitações, começando por ser altamente sensível à produção. Se não for controlada, não consegue amadurecer a parte fenólica e apresenta taninos verdes e duros. Também precisa de amplitudes térmicas significativas.

Pedro Hipólito, enólogo da Herdade da Mingorra, conta que quando temperatura se mantém durante algum tempo acima dos 35˚C, a videira fecha os estomas e deixa de funcionar. Ainda por cima, como se sabe, o Aragonez com o stress hídrico sacrifica folhas o que faz difícil a sua maturação posterior.

Usar o clone certo também é importante. Frederico Rosa Santos conta que quando decidiram plantar Aragonez na propriedade da família, foram buscar o clone de Tinta de Toro num viveirista em Navarra. A vinha, no seu máximo, produz 4 tn/ha.

A Trincadeira, outrora muito popular, mantém-se em 3º lugar com 14,9% de encepamento, mas está a perder posição. Os enólogos são da opinião que com produções elevadas, perde todo o carácter e torna-se muito vegetal, fazendo lembrar um “mau Cabernet do Alentejo”. É capaz de produzir excelentes vinhos mas tem que se descobrir o seu ponto de equilíbrio. A casta também não gosta do stress hídrico, embora o aguente melhor que o Aragonez mas, se for preciso, vai buscar água aos bagos desidratando-os.

Já Luís Louro defende esta casta polémica, afirmando que cada vez gosta mais dela. No lote com Alicante Bouschet tira-lhe a brutalidade. Basta 15% e já se nota a diferença, diz.

A Touriga Nacional é a 5ª casta mais plantada no Alentejo, ocupando 8% de encepamento e com tendência a crescer. Há muitos argumentos a favor, começando por ser de maturação longa o que traz vantagens no Alentejo. Frederico Rosa Santos reconhece que a casta aguenta muito bem a seca, e o bago está sempre túrgido. Aromaticamente agradável, mas às vezes no Alentejo torna-se um pouco enjoativa, com violetas em excesso e canela.

Ainda se fala pouco da Tinta Miúda que representa apenas 0,5% de encepamento da região, mas já há produtores atentos a esta casta. Luís Louro gosta dela porque é poderosa, com concentração e intensidade, é menos rústica do que o Alicante Bouschet, tem classe.

Das castas estrangeiras mais recentes destaca-se claramente a Syrah, cujas plantações têm vindo a crescer e que hoje em dia fica no 4º lugar com 12%.

Frederico Rosa Santos não tem dúvidas que Syrah se dá bem em todo o lado, variando em estilo. Pedro Hipólito repara que até num ano bem difícil como este, teve uma boa evolução. Luís Louro reconhece que é uma casta fácil, melhoradora, mas acha que se impõe muito e tira a identidade aos vinhos. António Maçanita admite que Syrah em monocasta pode expressar o terroir e é capaz de ser interessante, mas no lote marca demasiado. Melhora sim, mas desvirtua o perfil, como a Touriga Nacional.

Embora o Cabernet Sauvignon tenha chegado ao Alentejo mais cedo do que a Syrah e ocupe uma área significativa (4,4% do encepamento, 7ª casta mais plantada) a sua presença está lentamente a diminuir. Faz parte de muitos lotes, mas não identifica a região.

Pedro Hipólito explica isto pelo ciclo do Cabernet Sauvignon ser relativamente curto para o Alentejo. Com um tipo de taninos próprio e o lado herbáceo, a casta necessita de tempo de maturação. E no Altentejo os ciclos estão a encurtar. Antigamente vindimava-se de Setembro até quase início de Outubro e agora começa-se no início de Agosto. O Cabernet pode ter 15% de álcool e continuar vegetal o que de todo não se enquadra no perfil dos vinhos que procuram. Por isto, na Herdade da Mingorra, que fica a 15 km a sul de Beja, numa zona muito quente, acabou-se com o Cabernet Sauvignon.

Frederico Rosa Santos sempre teve reticências relativametne ao Cabernet no Alentejo. É demasiado quente para a casta, acredita. Os bagos relativamente pequenos rapidamente transformam-se em passas. Mas reconhece que em bons anos beneficia alguns lotes.

Uma estrela em ascenção é o Petit Verdot que se dá lindamente no Alentejo e agora ocupa 1,9% da plantação. Para Frederico Rosa Santos foi uma agradável surpresa depois de a ter provado durante um estágio em Bordeaux, onde não tem condições para amadurecer bem a parte fenólica, ficando muito dura e difícil. Por cá, a casta apresenta tanino maduro, sensação de boca e corpo, fica muito mais completa e equilibrada. E pode produzir imenso sem diminuir a qualidade. António Maçanita está de acordo e diz que o Petit Verdot funciona como um relógio suíço, sem problemas sanitários, muito no registo de Alicante Bouschet, ou seja, não marca demasiado, não passa por cima do perfil da região.

Os tintos do Alentejo, como se vê, são em si mesmo um mundo. Feito de corpo, maturação, vigor, mas também elegância, finura, frescura. Os estilos abundam, a qualidade também. É bom que assim seja: nenhum apreciador sai insatisfeito.

(Artigo publicado na edição de Outubro de 2022)

  • T Quinta da Terrugem
    Alentejo, Tinto, 2014

    18
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Conde d’Ervideira Private Selection
    Alentejo, Tinto, 2019

    18
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Quinta dos Cardeais
    Alentejo, Grande Reserva, Tinto, 2019

    17.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Quinta do Paral Vinhas Velhas
    Alentejo, Tinto, 2019

    18
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Dona Maria
    Alentejo, Grande Reserva, Tinto, 2017

    18.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Divai Noir
    Alentejo, Grande Reserva, Tinto, 2017

    18
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Quinta da Plansel 25 anos
    Alentejo, Grande Reserva, Tinto, 2017

    17.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Milmat
    Alentejo, Reserva, Tinto, 2019

    17.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Julian Reynolds
    Alentejo, Grande Reserva, Tinto, 2014

    18.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Herdade do Peso Parcelas Vineyard Block 21
    Alentejo, Tinto, 2018

    18
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Howard’s Folly
    Alentejo, Reserva, Tinto, 2018

    17
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Gáudio
    Alentejo, Reserva, Tinto, 2017

    17
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Olho de Mocho
    Alentejo, Reserva, Tinto, 2020

    17.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Fonte Mouro
    Alentejo, Grande Reserva, Tinto, 2018

    17
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Inevitável
    Alentejo, Tinto, 2019

    17.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Rosa Santos Família
    Alentejo, Reserva, Tinto, 2019

    18
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • António Maçanita Os Paulistas Chão dos Eremitas
    Alentejo, Tinto, 2019

    19
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Monte Branco
    Alentejo, Tinto, 2018

    18.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Quinta da Fonte Souto Vinha do Souto
    Alentejo, Tinto, 2018

    18.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Paço dos Infantes
    Alentejo, Reserva, Tinto, 2019

    18
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Herdade Paço do Conde Winemakers Selection
    Alentejo, Tinto, 2017

    17
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Adega de Borba
    Alentejo, Garrafeira, Tinto, 2012

    17.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Tapada de Coelheiros
    Alentejo, Tinto, 2016

    18
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Herdade de São Miguel The Friends Collection
    Alentejo, Tinto, 2017

    18
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Herdade Aldeia de Cima
    Alentejo, Reserva, Tinto, 2019

    17.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Vidigueira 1498
    Alentejo, Grande Reserva, Tinto, 2014

    18
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Dolium
    Alentejo, Reserva, Tinto, 2015

    18
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Freixo Family Collection
    Alentejo, Tinto, 2018

    17.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Reguengos Trifolium
    Alentejo, Grande Reserva, Tinto, 2017

    17
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Esporão Private Selection
    Alentejo, Garrafeira, Tinto, 2016

    18.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Pousio
    Alentejo, Touriga Nacional, Tinto, 2020

    17.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Scala Coeli
    Alentejo, Reserva, Tinto, 2017

    17.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Frederick Von S.
    Alentejo, , 2014

    17
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Já te Disse Especial Edition
    Alentejo, Alicante Bouschet, Tinto, 2018

    18
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Altas Quintas Obsessão
    Alentejo, Tinto, 2015

    18
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Herdade do Sobroso
    Alentejo, Grande Reserva, Tinto, 2020

    17.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Malhadinha
    Alentejo, Tinto, 2020

    18
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Torre de Palma
    Alentejo, Tinto, 2019

    18
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • 1808 Field Blend
    Alentejo, Grande Reserva, Tinto, 2017

    18
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Monte das Bagas de Ouro
    Alentejo, Reserva, Tinto, 2019

    17
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Sericaia Tapada do Coronel
    Alentejo, Tinto, 2018

    17.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Adega Mayor Pai Chão
    Alentejo, Tinto, 2016

    18
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Mamoré de Borba Vinhas Velhas
    Alentejo, Reserva, Tinto, 2018

    17.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Folha do Meio
    Alentejo, Grande Reserva, Tinto, 2017

    17.5
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Porta da Ravessa
    Alentejo, Grande Escolha, Tinto, 2018

    17.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Humilitas
    Alentejo, Syrah, , 2017

    17.5
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Duquesa Maria Private Selection
    Alentejo, Grande Escolha, Tinto, 2017

    17
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Mingorra Vinhas da Ira
    Alentejo, Tinto, 2017

    18
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Herdade das Servas Parcela C
    Alentejo, Tinto, 2017

    18
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Sátiro Clandestino Adágio
    Alentejo, Tinto, 2020

    17
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Segredo de Saturno
    Alentejo, Tinto, 2015

    18
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
Siga-nos no Instagram
Siga-nos no Facebook
Siga-nos no LinkedIn

Escreva um comentário