Grande ProvaHome-Slider

Grande Prova: O fresco perfume do Verde Loureiro

By 23 de Setembro, 2022 Sem comentários

É certamente uma das mais originais e frescas variedades de uva que temos em Portugal. Na região dos Vinhos Verdes, de onde é oriunda, apresenta-se em diferentes perfis. Encontramos o lado mais “tradicional”, com algum gás carbónico, acidez elevada e leve doçura frutada; e a vertente mais ambiciosa, com vinhos secos, austeros, minerais e longevos. Certo é que o Verde Loureiro não passa indiferente e após 36 vinhos provados fica-nos a certeza de que o nível qualitativo nunca foi tão elevado.

 Texto: Nuno de Oliveira Garcia

Fotos: Ricardo Palma Veiga

Na região dos Vinhos Verdes temos três castas brancas que reinam em termos de notoriedade: Alvarinho, Loureiro e Avesso. Implementadas em todas as sub-regiões, poucas dúvidas existem que, salvo uma ou outra excepção, cada uma destas variedades tem um terroir de eleição, associado a um rio nortenho. A “casa” do Alvarinho é o vale do Minho (em especial na sub-região de Monção-Melgaço), o Loureiro assume-se no vale do Lima e o Avesso prefere o vale do Douro.

Sucede, que as três variedades não se encontram no mesmo patamar de conhecimento enológico e de reconhecimento do mercado. Se o Alvarinho é já um sucesso com algumas décadas e marcas de grande notoriedade, e o Avesso uma redescoberta relativamente recente, pode-se dizer que o Loureiro está numa fase intermédia. Trata-se de uma etapa em que, mesmo com várias marcas disponíveis, e apesar de um público fiel que aprecia a sua frescura e exuberância, há ainda muito a fazer, mas, simultaneamente, já existem no mercado vários vinhos excelentes, como se verificou na presente prova. Em abono da verdade, depois do Alvarinho, o Loureiro é, certamente, a casta branca de Vinho Verde mais conceituada junto dos consumidores, sendo que, em alguns casos, o preço dos vinhos supera os €10€ ou €15, algo também perceptível neste painel de prova. É certo que a maioria dos Loureiros provados se cinge ao intervalo entre os €4,50 e os €7, mas mesmo essa circunstância tem de ser contextualizada; com efeito, não só a cada ano que passa surgem vinhos mais valorizados como, rigorosamente, o referido patamar de preço está bem acima da média dos demais Vinhos Verdes.

Apesar de a fama da casta vir de longe, é inquestionável o contributo que algumas marcas fomentaram ao Loureiro, sendo disso bom exemplo, no final do século XX, os vinhos da Casa dos Cunhas, Paço d’Anha, Solar das Bouças, Casa de Sezim, Casa da Senra ou Quinta do Convento da Franqueira. Com efeito, e apesar de há 30 ou 40 anos não ser comum a casta aparecer totalmente sozinha, todos os referidos vinhos tinham Loureiro como base. Mais recentemente, esse contributo foi aumentado com vinhos, desta feita, 100% Loureiro, da marca Muros Antigos (Anselmo Mendes) e das várias declinações da casta produzidas pela Quinta do Ameal (hoje, parte do grupo Esporão), porventura a propriedade mais intrinsecamente ligada à casta no imaginário do consumidor. Exemplos recentes de projectos que têm levado longe o Loureiro são, entre outros, os vinhos de Márcio Lopes, de João Cabral de Almeida, de Vasco Croft e, ainda, os novos vinhos dos produtores Aveleda e Soalheiro, todos provados neste trabalho.

Conforme referido acima, a casta está muito associada ao Vale do rio Lima, e também ao Cávado, mas tivemos em prova vinhos das demais sub-regiões. É certo que vários dos vinhos mais pontuados provieram do eixo Ponte de Lima – Viana do Castelo, mas provámos óptimos exemplares de outras sub-regiões como no já mencionado vale do Cávado. Até em Monção e Melgaço se começa a apostar no Loureiro para emparelhar com Alvarinho. Efectivamente, as melhores prestações do Loureiro face à uva Trajadura (outra uva da região, por regra com mais álcool e de menor acidez), tem feito com que aquela esteja a substituir esta na hora de contribuir com frescura e acidez a um típico lote baseado em Alvarinho. Percebe-se esta tendência, na medida em que a acidez do Loureiro acaba por equilibrar um perfil mais guloso e cheio do Alvarinho.

Com efeito, o equilíbrio ácido do Loureiro é muito valorizado pelos enólogos que o descrevem como puro e vibrante, a meio caminho entre a acidez por vezes “dura” do Avesso e a acidez quase doce de alguns Alvarinhos.

DIFERENTES ESTILOS E PERFIS

Falando de terroirs, há quem sustente que a casta funciona particularmente bem em solos franco-argilosos (até com um pouco de xisto), mas o consenso sobre a textura dos solos não é total, antes dependendo a qualidade, como quase sempre sucede, de outros factores como a respectiva porosidade e matéria orgânica. Casta de maturação precoce, que prefere solos profundos e de média fertilidade, ganha percepção de mineralidade em solos de base granítica com altitude acima dos 150 metros e com porosidade, com os melhores vinhos a não ultrapassarem 12,5% de álcool. Com cacho comprido e apertado, ou seja, com pouco arejamento, certo é a sua preferência por anos pouco chuvosos por altura da vindima (por isso as colheitas de 2005, 2009 e 2015 deram alguns dos melhores Loureiros), ainda que aprecie a brisa atlântica e as noites mais frescas de verão. No copo, começa por apresentar uma tonalidade citrina pálida, mas, com o passar dos anos ganha rapidamente mais cor em garrafa, ainda que menos intensa do que o Alvarinho. Com diferentes clones disponíveis, é possível um produtor escolher entre perfis aromáticos mais terpénicos e florais (a lembrar, por vezes, algum Moscatel) ou um carácter mais austero e até salino. O mesmo sucede com a produtividade (tipicamente alta) da casta, com os melhores vinhos a resultarem de produções até às 6,5 toneladas/hectare, mas existindo resultados bem positivos próximo das 10 toneladas. A sua presença no encepamento da região dos Vinhos Verdes é dominante: segundo as informações estatísticas disponibilizadas no site oficial da região, ocupa quase 4200 hectares, contra 2300 de Alvarinho (embora esta esteja a crescer mais rapidamente) e outro tanto de Arinto.

A prova que fizemos de 36 marcas, oriundas de toda a região, permitiu-nos encontrar vinhos com diferentes interpretações da casta. Um desses modelos é a utilização do Loureiro para fazer vinhos que se inserem no imaginário do Vinho Verde que se quer beber no ano a seguir à colheita, geralmente acompanhando peixe grelhado ou marisco. Exuberantes na vertente aromática, com gás carbónico, e acidez elevada compensada com alguma doçura frutada, a casta entrega bons exemplares vínicos neste registo. Aqui, agrada-nos o álcool de baixo teor, os preços muito cordatos, apesar de, genericamente, os vinhos serem lançados no mercado precocemente, uma vez que beneficiariam muito com mais alguns meses em garrafa. Nas antípodas, encontramos a tradução da casta assente em fermentação e/ou estágio em barrica, e sem qualquer gás. Por vezes com mais de um ano em estágio de garrafa, são vinhos que revelam ambição. Na sua grande maioria, a barrica aporta um ambiente mais barroco e generoso, com a casta a manter a sua presença, privilegiando uma harmonia entre as notas varietais e utilização da madeira. São vinhos perfeitos para assados, de peixe ou carne, e podem ser bebidos no verão, mas também em meia-estação. Por fim, tivemos vinhos que, sem utilização de barrica, se mantiveram no perfil da região, mas procurando modernizá-lo. Aproveitando o carácter único e muito original da casta (é uma uva que “viaja” pouco a nível nacional ou internacional), são vinhos que expressam a região com muita identidade, vinhos austeros e com notas vegetais deliciosas, vinhos que crescem claramente com alguns anos em garrafa. Descartando-se da exuberância aromática excessiva, do gás carbónico desarranjado e da afinidade entre acidez elevada e doçura frutada, essa terceira vertente mostrou alguns dos melhores vinhos em prova. O certo é que, em todas estas variações, encontrámos denominadores comuns, alguns dos quais já identificados neste texto: originalidade, acidez vibrante, álcool, preços ajustados à qualidade e ambição e, não menos importante, nos melhores exemplares, grande potencial de longevidade. Belíssimas razões para o consumidor eleger os Verdes Loureiro como um dos seus parceiros. À mesa, e não só.

(Artigo publicado na edição de Agosto de 2022)

  • Aveleda Parcela do Convento
    Vinho Verde, Loureiro, Branco, 2019

    17.5
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Quinta do Regaínho Barricas
    Vinho Verde, Loureiro, Branco, 2020

    16.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Ameal
    Vinho Verde, Loureiro, Branco, 2021

    17
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Vila Nova
    Vinho Verde, Loureiro, Branco, 2021

    16
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Cardido
    Vinho Verde, Loureiro, Branco, 2021

    16
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Aphros
    Vinho Verde, Loureiro, Branco, 2021

    17
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Landcraft
    Vinho Verde, Loureiro, Branco, 2021

    17
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Adega Coop. Ponte da Barca Reserva de Sócios
    Vinho Verde, Loureiro, Branco, 2017

    17.5
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Casa das Buganvílias
    Vinho Verde, Loureiro, Branco, 2021

    17
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Quinta de Linhares
    Vinho Verde, Loureiro, Branco, 2021

    16
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Quinta D’Amares Vinesa
    Vinho Verde, Loureiro, Branco, 2020

    17
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Casa de Paços Vinhas Velhas
    Vinho Verde, Loureiro, Reserva, Branco, 2020

    17
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Anselmo Mendes Private
    Vinho Verde, Loureiro, Branco, 2020

    18.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Pequenos Rebentos Vinhas Velhas
    Vinho Verde, Loureiro, Branco, 2017

    18
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Quinta do Tamariz Late Release
    Vinho Verde, Loureiro, Branco, 2015

    17.5
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Quinta dos Encados
    Vinho Verde, Loureiro, Branco, 2021

    16.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Casal de Ventozela
    Vinho Verde, Loureiro, Branco, 2021

    16.5
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Maria Bonita Barrica
    Vinho Verde, Loureiro, Branco, 2018

    17.5
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Ardina 300
    Vinho Verde, Loureiro, Colheita Seleccionada, Branco, 2021

    16.5
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Sapateiro
    Vinho Verde, Loureiro, Branco, 2021

    16.5
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • João Portugal Ramos
    Vinho Verde, Loureiro, Branco, 2020

    16.5
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Casa de Vila Verde
    Vinho Verde, Loureiro, Grande Escolha, Branco, 2021

    16.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Capela da Tapada
    Vinho Verde, Loureiro, Grande Escolha, Branco, 2020

    16.5
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Fugaz
    Vinho Verde, Loureiro, Branco, 2021

    16
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Germinar Vinhas Velhas
    Vinho Verde, Loureiro, Branco, 2020

    17.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Giroflé
    Vinho Verde, Loureiro, Branco, 2021

    16.5
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Quinta da Calçada Exuberant
    Vinho Verde, Loureiro, Branco, 2022

    16.5
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Quinta das Fontes
    Vinho Verde, Loureiro, Branco, 2020

    16.5
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Quinta da Rabiana
    Vinho Verde, Loureiro, Branco, 2021

    17
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Campelo
    Vinho Verde, Loureiro, Branco, 2021

    15
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Quinta da Lixa
    Vinho Verde, Loureiro, Escolha, Branco, 2021

    15.5
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Camaleão Barrel Aged
    Vinho Verde, Loureiro, Branco, 2020

    17.5
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Casa Grande Sant’ana
    Vinho Verde, Loureiro, Branco, 2017

    17
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Parapente
    Vinho Verde, Loureiro, Branco, 2020

    18
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Quinta de Monforte
    Vinho Verde, Loureiro, Branco, 2021

    16.5
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
Siga-nos no Instagram
Siga-nos no Facebook
Siga-nos no LinkedIn

Escreva um comentário