Grande ProvaHome-SliderNotícias Vinho

Moscatel de Setúbal: Um tesouro a descobrir

O Moscatel de Setúbal é um dos clássicos generosos portugueses, mas a sua notoriedade junto do consumidor está ainda muito distante da sua grandeza enquanto vinho. Merece bem mais do que o que tem, mais reconhecimento, melhores preços, mais visibilidade. Mas apesar disso, a verdade é que continua a crescer em área de vinha e produção.

TEXTO João Paulo Martins
FOTOS Mário Cerdeira

Quando se fala da trilogia dos vinhos licorosos portugueses sempre nos lembramos dos três magníficos, Porto, Madeira e Moscatel de Setúbal. É verdade que há outros, como o Moscatel do Douro e o Carcavelos mas nenhum destes dois atingiu o brilho do generoso de Setúbal. Apesar da fama do Setúbal e dos indicadores que são muito optimistas, não só quanto à área de vinha como em relação às quantidades produzidas, a verdade é que os ventos andam contrários. Os tempos, em Portugal e no mundo, não vão de feição para os vinhos doces. Esta verdade é válida não só aqui como também internacionalmente e as regiões que se notabilizaram pela produção de vinhos com elevado teor de açúcar estão a ressentir-se do menor interesse do público. Acontece com o Vinho do Porto tal como acontece com os Sauternes (França), por exemplo. Em alguns casos consegue-se uma melhor rentabilidade pela subida de preços de categorias mais elevadas (caso do Porto) mas as categorias de entrada dos licorosos nacionais (e europeus) tendem a ter preços pouco prestigiantes. O Moscatel de Setúbal consegue ser algo bipolar em termos de segmentação, com preços muito baixos nas gamas de entrada e, depois, vinhos de gama alta vendidos a valores já condizentes com a sua imagem e qualidade.

A região de Setúbal tem conhecido um renovado interesse dos produtores no Moscatel, um generoso com direito a reconhecimento legal como região demarcada desde os inícios do séc. XX. Durante décadas foi a casa José Maria da Fonseca que, quase em exclusivo, manteve o estandarte do generoso Moscatel de Setúbal. A partir dos anos 80 a J.P. Vinhos (mais tarde Bacalhôa Vinhos de Portugal) passou também a incluir o generoso no seu portefólio e de então para cá, sobretudo já neste século, a maioria dos produtores da região assumiu (e bem) que havia como que a “obrigação cívica” de manter, desenvolver e expandir o Moscatel que deu fama à região.

Henrique Soares, Presidente da CVR de Setúbal, confirmou-nos o crescimento sustentado que a área de vinha destinada à produção de moscatel tem tido. Estamos então a falar de 520ha para a produção do Moscatel de Setúbal e 43ha para o Moscatel Roxo de Setúbal. Na versão Roxo verificou-se um crescimento que fez duplicar a área de vinha em cerca de 3 anos e retirou, de vez, a casta do perigo de extinção em que se encontrava nos anos 80 do século passado. A produção global subiu também de forma permanente e situa-se agora (2019) nos 20 000 hectolitros quando, 4 anos antes, era apenas de 15 000 hectolitros.

Para ser Moscatel de Setúbal com direito à Denominação de Origem o vinho deverá incluir 85% da casta embora, ainda segundo Henrique Soares, a maioria dos produtores opte por ter 100% da casta em cada garrafa. Existia também a possibilidade de se fazer um generoso apenas com 2/3 de moscatel e 1/3 com outras castas brancas – tinha então o nome único de Setúbal (e não Moscatel de Setúbal) mas ao que nos informaram essa prática caiu em desuso e já ninguém a utiliza. Pelo facto da Portaria que actualizou as designações relativas ao Moscatel de Setúbal ser de 2014, é possível que se encontrem no mercado vinhos que apenas indicam “Setúbal” em vez de Moscatel de Setúbal e “Roxo” em vez de Moscatel Roxo de Setúbal.

Os segredos do Setúbal

A casta moscatel existe em inúmeros países, desde a bacia do Mediterrâneo até à África do Sul. Contam-se várias estirpes da casta, há nomes variados e perfis diferenciados. Em Portugal conhecemos duas famílias principais: o Moscatel Galego mais presente no Douro e o Moscatel de Alexandria (ou Moscatel Graúdo) em Setúbal. A variedade Moscatel Roxo é uma mutação do Moscatel Galego. Caracteriza-se pela fraca pigmentação tinta do bago, estando aí a origem do nome. Oficialmente, é considerada uma casta rosada, não tinta.

No modo de fabrico segue-se a técnica dos outros generosos, ou seja, a meio da fermentação é adicionada a aguardente que faz com que o processo fermentativo se interrompa e o resultado seja um vinho doce. Esta doçura, no caso dos vinhos com 20 ou mais anos, com concentração através da evaporação em casco, pode chegar aos 340 gramas/litro. Usa-se na região uma aguardente em tudo idêntica à do Vinho do Porto – tem a obrigatoriedade de ser vínica e ter um teor de álcool compreendido entre os 52 e 86% – mas não existem restrições quanto à origem: pode ser nacional (ou não) e alguns produtores, como a José Maria da Fonseca, têm usado aguardente adquirida quer na zona de Cognac quer na de Armagnac, regiões que, como se sabe, são produtores de espirituosos. A variação do teor alcoólico da aguardente prende-se também com o perfil do produto final, já que o Moscatel de Setúbal pode entre 16 e 22% de álcool.

A tradição da região impôs na vinificação uma maceração pós-fermentativa com as películas das uvas (ricas em aromas e sabores) ainda e já com a aguardente adicionada, processo que se estende por vários meses. Durante este “estágio” a cor do vinho pode ganhar tonalidades cada vez mais carregadas, o que também explica as cores “evoluídas” dos moscatéis novos.

No que diz respeito às barricas para o estágio não existem também limitações nem quanto ao volume nem quanto à origem das mesmas. Assim, tanto se podem usar barricas de pequeno volume, onde o envelhecimento tende a ser mais acelerado, como tonéis de grande dimensão. A Bacalhôa tem utilizado barricas onde anteriormente se estagiou whisky e que são colocadas numa estufa sujeita às variações de temperatura entre Verão e Inverno. Para ter direito à Denominação de Origem o vinho é obrigado a um mínimo de 18 meses de estágio.

O tempo, esse grande educador

Tal como acontece com outros generosos, sobretudo com o Porto Tawny e os Madeira, é o estágio prolongado em tonel ou barrica que confere ao vinho toda a complexidade e qualidade que se lhe reconhecem. É também nesse estágio que a tonalidade escurece, ficando com tons acastanhados. Pode, no entanto, parecer estranho que os vinhos novos, apenas com os 18 meses de estágio obrigatórios por lei, tenham já uma tonalidade muito carregada. Filipa Tomaz da Costa, enóloga da Bacalhôa, esclarece: “tenho várias cubas com o moscatel ainda em contacto com as massas (método que segue a tradição da região) e o vinho já apresenta uma tonalidade que sugere uma prolongada oxidação; por isso é normal que mesmo nos vinhos novos surjam tons mais escuros”. A lei permite, de qualquer forma, a utilização do caramelo como corrector de cor.

Depois desta maceração é o tempo em casco que vai, lentamente, operando as modificações que farão surgir um grande generoso, concentrado, por vezes muito doce, mas muito complexo. Também aqui há quem esteja a inovar e o vinho da quinta do Monte Alegre é sobretudo envelhecido em garrafa, um pouco à maneira do Porto Vintage. Ainda é cedo para se perceber se o resultado justifica a prática.

Na Bacalhôa, há muitos anos que o estágio em estufa é praticado. Filipa Tomás da Costa refere: “Usamos este método sobretudo nos primeiros 10 anos do envelhecimento; depois desse tempo trazemos os cascos para dentro do armazém, embora continuem nas zonas altas mais perto do telhado. Como a massa vínica é muito grande dentro da estufa – apesar das pipas serem de 200 litros – há uma forte inércia térmica e no Inverno podemos ter temperaturas exteriores de 4ºC mas no interior da pipa o vinho apenas varia entre os 10 e 15ºC; no Verão, a temperatura no interior da estufa chega facilmente aos 40º mas o vinho apenas oscila entre os 25 e 28ºC”.

A prática de atestar as barricas e passar a limpo nunca se generalizou na região. Na José Maria da Fonseca existiam muito vinhos velhos que já apenas correspondiam a “um fundinho da pipa”, como nos disse Domingos Soares Franco, enólogo da empresa, e tomou-se a decisão (há já alguns anos) de engarrafar todos esses vinhos, tendo-se considerado que apenas estavam a evaporar e que já nada mais havia a esperar do estágio em tonel. Mas, tal como no Vinho do Porto, este estágio pode prolongar-se por mais de 100 anos.

Novas categorias e mais diversidade

A legislação da região permite desde há algum tempo a produção de vinhos com indicação de idade. Assim, no rótulo da garrafa pode vir a indicação 5, 10, 20, 30 e 40 anos. Como muitos operadores ainda não têm vinhos muito velhos a existência de vinhos com as idades 30 e 40 é por enquanto muito limitada.

Pela prova que fizemos verifica-se que a indicação da data da colheita começa a generalizar-se e os vinhos com 5 anos também mostram ser uma categoria que veio para ficar. A designação Superior obriga a um estágio mais prolongado e a uma aprovação como tal na Câmara de Provadores.

Ainda segundo Soares Franco, a aceitação pelo mercado de vinhos com indicação de idade está a ser muito boa, quer em Portugal (que é ainda o principal destinatário) quer no mercado eterno, onde se destacam o Brasil, o Canadá e a Escandinávia.

O grande inimigo do Moscatel de Setúbal é a tendência – que se estende a outros produtos vínicos – de fazer parte dos vinhos que estão permanentemente na mira das grandes superfícies (super e hipermercados)  que jogam com os preços cada vez mais baixos, um verdadeiro rolo compressor que não traz nada de bom para a imagem do Moscatel de Setúbal. O futuro da região, muito mais do que vender cada vez mais barato deverá ser vender cada vez melhor, subindo gradualmente os preços, única forma de tornar trabalho rentável, valorizar a uva e o produtor e dignificar o produto de excelência que é o Moscatel de Setúbal.

  • Malo Moscatel roxo Superior ( 500 ml)
    Setúbal, Licoroso, 2009

    17.5
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Bacalhôa Moscatel
    Setúbal, Licoroso, 2017

    16.5
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Sivipa Moscatel
    Setúbal, Licoroso, 2017

    15.5
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Xavier Santana Moscatel roxo ( 500 ml )
    Setúbal, Reserva, Licoroso, 2010

    17.0
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Casa Ermelinda Freitas Moscatel ( 500 ml )
    Setúbal, Superior, Licoroso, 2009

    17.0
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Moscatel de Setúbal by Quinta do Monte Alegre Moscatel
    Setúbal, Licoroso,

    16.0
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Quinta do Piloto Moscatel 5 Anos( 1500ml )
    Setúbal, Superior, Licoroso,

    16.0
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Malo Moscatel ( 500 ml)
    Setúbal, Licoroso, 2004

    18.0
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Excellent Moscatel roxo
    Setúbal, Superior, Licoroso,

    17.0
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Bacalhôa Moscatel Roxo 5 Anos
    Setúbal, Licoroso,

    17.5
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Lobo Roxo Moscatel roxo ( 500 ml)
    Setúbal, Superior, Licoroso, 2010

    16.5
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Moscatel de Setúbal Moscatel
    Setúbal, Licoroso, 2016

    16.5
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Alambre Moscatel roxo 5 Anos
    Setúbal, Licoroso,

    17.0
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Malo Moscatel 5 Anos
    Setúbal, Licoroso,

    16.5
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Brejinho da Costa Moscatel Roxo
    Setúbal, Licoroso, 2012

    16.5
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Filipe Palhoça Moscatel
    Setúbal, Licoroso, 2015

    16.5
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Adega de Palmela M Moscatel
    Setúbal, Licoroso, 2016

    15.5
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • António Saramago Moscatel ( 500 ml)
    Setúbal, LIcoroso, 2013

    17.5
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • António Saramago Moscatel 10 anos ( 500 ml)
    Setúbal, Licoroso,

    18.0
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Alambre Moscatel 20 anos ( 500 ml)
    Setúbal, Licoroso,

    18.5
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Sivipa Moscatel 10 anos
    Setúbal, Superior, Licoroso,

    16.0
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Xavier Santana Moscatel
    Setúbal, LIcoroso, 2017

    16.5
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Quinta do Monte Alegre Moscatel Roxo ( 500 ml )
    Setúbal, Licoroso, 2013

    16.5
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Casa Ermelinda Freitas Moscatel
    Setúbal, Licoroso,

    16.5
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Adega de Palmela Moscatel 10 anos
    Setúbal, Licoroso,

    17.0
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Brejinho da Costa Moscatel
    Setúbal, Licoroso, 2017

    17.0
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor

Edição nº 34, Fevereiro de 2020

Escreva um comentário