Notícias Vinho

Na casa do Tio Pepe

Poucas garrafeiras em Portugal se podem gabar de uma notoriedade tão positiva como a Tio Pepe, no Porto. Existe há mais de 30 anos e é um exemplo de bem escolher e bem servir.

TEXTO António Falcão FOTOS Anabela Trindade

Não é difícil encontrar o nº 51 da Rua Eng. Ferreira Dias. O exterior da garrafeira Tio Pepe é suficiente¬mente imponente para chamar à atenção. E fica¬mos logo impressionados pelo parque de estacionamento privativo, logo à porta. É verdade que a Tio Pepe tem uma boa loja online com entregas em casa do cliente, mas sabe sempre muito bem, quando se quer comprar à vista, carregar a mala do carro em poucos segundos.
O aspecto interior é fenomenal, a começar pelo chão, de calçada à portuguesa afagada e depois tratada com uma espécie de verniz. O efeito não só é bonito como é prático. Toda a decoração é sóbria, mas elegante, e os expositores das garrafas são de boa feitura. Nada agride a vista do enófilo nesta garrafeira.
Tudo está climatizado, especialmente um espaço especial, a “sala dos Portos”. Contém um notável conjunto de vinhos do Porto e outros vinhos generosos (como Madeira). “Esta sala é a menina dos nossos olhos”, confessa Ana Ferreira, a gerente da loja. Luis Cândido não hesita “temos uma selecção muito forte”.
Ana responde ao seu chefe, o sócio-gerente Luis Cândido da Silva, que nos disse que a garrafeira nasceu em 1986, com origem num negócio de vinhos levados pelos seus pais. Luis entrou logo no negócio, onde estava com a sua mãe. Mais tarde entrou o outro sócio, o irmão, Joaquim Cândido da Silva, e ambos ficaram a sós com o negócio em 1995. No mundo do comércio do vinho português não deverá existir dupla de manos mais conhecida como esta. Joaquim, já agora, é o director-geral da distribuidora Portefólio Vinhos, propriedade da família Symington. Finalmente, há um terceiro sócio, que é Dirk Niepoort.
A equipa está completa com Ana Ferreira, gerente da loja, que entrou para a casa há 11 anos. Com ela está Isa. Ambas têm formação em vinha e vinho (Biotecnologia da Católica, por exemplo, cursos de prova) e isso vê-se em quem procura conselho e conhecimento. Ana diz-nos que “existem muitos clientes que se seguem os nossos conselhos”. A maior parte dos clientes é privada; clientes empresariais só mais no Natal.

TUDO É ESCOLHIDO

Nenhum vinho corrente entra na garrafeira sem que alguém da equipa o prove primeiro. O portefólio é vasto e, segundo Ana Ferreira, “tem um bocadinho de tudo, para todo o tipo de cliente na gama média-alta”. De facto, o vinho mais barato custa quase 4 euros. Mas, no fundo, vende-se mais Douro e Alentejo. Dão e Bairrada vão a seguir. E os brancos vendem-se cada vez mais: “tem aumentado bastante o consumo de brancos, em paralelo com o aumento do conhecimento dos consumidores”. Os tintos representam, ainda as-sim, 80% das unidades vendidas. Outro crescimento curioso, diz-nos Ana, é a “procura por vinhos antigos”.
No total, garante Luis Cândido, “temos aqui 3.500 referências”. A loja online acaba por vender muito bem, mas, curiosamente, funciona também como um magneto para atrair pessoas à loja física: “o cliente vê no site e vai à loja”, diz Ana Ferreira com um sorriso.
As actividades na casa são muitas, incluindo um interessante calendário de provas. O formato foi mudando ao longo do tempo e neste momento estabilizou num “histórias contadas pelo vinho”, por inscrição paga. O produtor/enólogo conta a sua história e ilustra-a com os vinhos.
A Garrafeira Tio Pepe também tem um negócio de micro-distribuição, gerindo algumas cartas de vinhos de restaurantes. O fabuloso armazém anexo, de grandes dimensões, suporta tudo com facilidade e ajuda nas cargas e descargas.
No final da visita, não podemos deixar de nos sentir bem naquele espaço. Tudo contribui para isso, do acolhimento à experiência, do portefólio aos atraentes preços. Não espanta assim que seja das garrafeiras mais conhecidas e respeitadas de Portugal.

As escolhas de Luis Cândido e Ana Ferreira

Niepoort Turris Douro tinto 2013
€115
“Escolhemos este porque o Dirk tem uma ligação connosco. Depois, gostamos bastante do vinho e é um produto de tiragem limitada, que a maioria dos enófilos desconhece. E inclui um quadro, é por isso uma prenda 2-em-1”.

Quinta da Carolina Douro tinto 2015
€32,50
“Adoro este vinho, que se bebe facilmente, guloso, mas com muita elegância e garra. É um Grande Reserva (embora não seja mencionado) e é uma edição de 1.700 garrafas.

Quinta de Santiago Alvarinho Reserva branco 2016
€13,95
“É da Joana [Santiago] e é uma marca recente e ainda pouco conhecida, mas merece estar aqui. E depois são Alvarinhos mais discretos, sem estarem cheios de fruta tropical, primando mais pela mineralidade. Excelente relação preço/qualidade”.

Graham’s Porto Tawny 20 anos
€41,95
“Apesar de já não ser muito barato, continua a ter uma excelente relação preço/qualidade. Gostamos muito do estilo da Graham’s e aqui vendemos bastante este vinho”.

Dictador XO Perpetual Solera System Rum
€107,50
“Esbateu-se a moda do Gin e agora entra a do rum. Já temos clientes a procurarem. Este é um bom produto, da Colômbia, com um palato diferente”.

Pol Roger Champanhe Vintage 2009 & Copo Riedel Veritas Champanhe
€65,90 + €27,50
“Adoramos este champanhe, de uma qualidade acima da média. O copo Riedel é muito versátil e é o que melhor joga com diversos champanhes”.

Escreva um comentário