Grande ProvaNotícias Vinho

O Melhor do Alentejo: 57 tintos apaixonantes

By 20 Janeiro, 2020 Sem comentários

Provar mais de meia centena de tintos alentejanos de topo é depararmo-nos com um conjunto de vinhos de grande categoria, espelhando conceitos e perfis muito distintos. Entre estilos mais “clássicos” e outros mais “modernos”, o Alentejo é todo um mundo onde a qualidade é o denominador comum.

TEXTO Mariana Lopes                               FOTOS Mário Cerdeira

O Alentejo tem muitas faces. É como se fosse um prisma que refracta a luz, originando várias cores. A sua multiplicidade de solos, castas, climas e até de conceitos, tornam-no numa região muito rica, apaixonante, diversa, e que transpõe tudo isso para os seus vinhos. Fazer uma prova como esta, de quase 60 tintos do mesmo segmento, já não é um “gira o disco e toca o mesmo”, como seria há uma dezena de anos. São todos diferentes, mesmo que a identidade regional esteja quase sempre presente.
Há duas coisas muito interessantes numa Grande Prova, as curiosas conclusões a que se chega, por comparação, e as várias opiniões, por vezes completamente díspares, das pessoas com quem se fala, quer sejam enólogos ou administradores das empresas. E indagar sobre o que estes pensam sobre as tais conclusões, é ainda mais divertido. Mas vejamos o que se espremeu de tudo isto. Em primeiro lugar, o Alicante Bouschet tem cada vez mais domínio nos lotes, e até em estreme. Mas apesar de uma certa rusticidade habitual na casta, os vinhos que a comportam mostraram-se elegantes, com essa rusticidade bem domada. Pedro Baptista, enólogo da Fundação Eugénio de Almeida e criador de um dos três vinhos melhor classificados na prova, o Scala Coeli Alicante Bouschet, explica que esta casta “acaba por ser muito interessante e importante no Alentejo porque guarda muito bem a acidez, sobretudo na fase de maturação fenólica. Este Scala Coeli, por exemplo, já foi vindimado perto do início de Outubro”, e acrescenta que “por outro lado, esta personalidade de bosque que o Alicante tem, faz dele um vinho muito apelativo”. Quanto à domesticação da rusticidade, afirma que “tem que ver com o momento da vindima e com o saber esperar pelo ponto ideal dos taninos, e para isso é preciso sensibilidade. Além disto, com rigor controlado na produção e solos menos ricos, ele consegue dar a concentração que procuramos, mas também o equilíbrio correcto”.

Já Hamilton Reis, enólogo de Cortes de Cima e de outro dos vencedores da prova, o Cortes de Cima Reserva, concorda com a necessidade de ser controlado na vinha, de forma a produzir menos, mas tem outra convicção quanto à “meiguice” da casta: “O Alicante é uma casta tramada, não é simples como as pessoas dizem. Produz de forma desmesurada e, para ter a identidade que queremos dele, necessita de ter produções menores, entre 7 e 8 toneladas por hectare. Se o deixarmos à solta, pode chegar facilmente às 15”. Na adega, diz ser “um erro extraí-lo demais, porque fica com os tais taninos rústicos. Com maturações delicadas e bem pensadas, e vinificação com engaço, por exemplo, funciona muito bem. É preferível usar um pouco de engaço e acalmar nas maturações. Em vinhas novas, também é difícil obter equilíbrio, tem de ser de uma vinha com alguns anos, para se domesticar a ele próprio. O mesmo acontece com a Touriga Franca”, desenvolveu. Susana Esteban, autora do Procura Vinhas Velhas e também consultora no Monte da Raposinha (produtor do Furtiva Lagrima, que é um 100% Alicante Bouschet), tem uma teoria para esta “tendência”. “O Alicante sempre esteve muito presente nos topos de gama do Alentejo, a questão é que cada vez se fazem melhores vinhos, então há mais com Alicante”. E adiantou que “para o domar, utilizo madeira porque acho que precisa dela, mas com cuidado e, na vinificação, vou mantendo muita atenção à maceração, fazendo uma extracção adequada a cada ano”. Para Luís Patrão, enólogo da Herdade de Coelheiros desde 2016 (o Tapada de Coelheiros Garrafeira ficou no pódio desta prova), é tudo uma questão de identidade. “O Alentejo está a entrar numa nova era, à procura da sua identidade. Neste novo tempo, a identidade para o Alentejo será o Alicante Bouschet. Ele destaca-nos das outras regiões e, talvez por isso, seja essa a tendência”, afirmou. “No caso de Coelheiros, tínhamos muito pouco Alicante mas, agora que eu e esta equipa entrámos, passará a ser a dominante nos vinhos. Terá de ser domesticada através de uma boa viticultura, até de uma condução diferente na vinha. Um factor muito importante é o estágio de barrica e também o de garrafa. É uma casta relativamente neutra de aroma e ganha muito com o estágio em garrafa, onde os terciários começam a aparecer. É isso que a torna não especial”.

Fluxo de imigração

Se se nota bem a predominância de Alicante Bouschet, também é verdade que castas ditas mais recentes, ou menos tradicionais no Alentejo, desempenham um papel considerável nos lotes da região. A Touriga Nacional, por sua vez, é um bom exemplo disso. É aqui que surge a “velha-nova” questão: a sua presença desvirtua, ou não, o carácter alentejano? Afecta, ou não, a sua expressão? É certo e sabido que esta “top model”, como a apelidou Luís Lopes em editorial antigo, chama a atenção onde quer que esteja, polvilhando notas florais expressivas e por vezes cítricas no aroma dos vinhos, mas será que arrebata sempre tudo o que as outras castas conferem, matando assim um sentido de lugar? Luís Cabral de Almeida, enólogo da Herdade do Peso (Sogrape) e do vinho Essência do Peso, é seguro nas suas palavras: “Eu vou contra a opinião da maior parte dos meus colegas. A Touriga Nacional não é diferente do Cabernet no que toca a marcação, por exemplo. Mas claro, tem de ser utilizada com medida. A preocupação é engarrafar vinhos com carácter regional, obviamente, mas é possível tê-lo com essas castas. No nosso caso, estamos muito contentes com a Touriga Nacional. É de ciclo longo e permite-nos garantir acidez. Na nossa zona, confere um carácter arbustivo e não floral, sempre com elegância de taninos, dando prolongamento em boca. Hamilton Reis concorda, e reforça, dizendo que “no nosso Reserva nunca passei sem ela, embora variando na quantidade. Na sua vertente mais fresca, elegante e precisa, a Touriga Nacional entrega ao meu vinho finesse. Nunca deixamos transparecer a expressão da casta propriamente dita, apenas a sua elegância. A Syrah, por exemplo e também neste vinho, também costuma marcar bastante, mas nós não deixamos que comande. Apenas consentimos que o Aragonez comande. É o piloto aromático do vinho. Para mim, a Touriga Nacional não desvirtua, principalmente se usarmos uma que sabemos ser apropriada para um determinado lote, que nem todas são. Uso-a apenas como casamenteira, agregadora de lote”. Na óptica do produtor, Duarte Leal da Costa, da Ervideira, está convicto das vantagens da casta no Alentejo, atestando que “sou favorável a castas novas que já comprovaram melhorar os vinhos do Alentejo. Se for apenas para ter diferente, como o caso do Pinot Noir, não fazem falta nenhuma. Se a Touriga Nacional veio dar coisas boas aos lotes, como o Alvarinho também o fez, sou completamente a favor. Não é uma monocasta para o Alentejo, mas em lote, sim”. Usando do princípio do contraditório, temos Luís Patrão e Pedro Baptista. O primeiro, refere que a Touriga Nacional “afecta e retira um bocadinho de identidade. Ela domina, é assertiva no nariz. É importante no Alentejo para fazer vinhos de entrada, mais jovens, por exemplo. Mas para um público que procura diferenciação, não”, e acrescenta que “há quatro ou cinco anos, a Touriga estava em todos os lotes, caiu-se no exagero. Em sobrematuração, é tudo menos elegante, entra nas compotas. No Alentejo central, é difícil”. Pedro Baptista, na mesma linha de pensamento, retorque que “a Touriga Nacional talvez seja, das mais recentes, com que temos de ter mais cuidado na utilização nos lotes. É importante salvaguardarmos que as características mais importantes dos vinhos alentejanos estejam lá. No entanto, se houver um controle efectivo, e até institucional, sobre isso, tudo tem lugar”.

Moderno vs. Clássico

Esta questão das castas recentes e das antigas, leva imediatamente a outra. São bem evidentes dois estilos base nos vinhos do Alentejo, um mais moderno, assente na pureza de fruta, onde a Touriga Nacional (e a Syrah) muitas vezes tem um papel, e outro mais clássico, no qual predominam notas balsâmicas, resinas, vegetal seco, especiarias. Seria de esperar que os produtores e os enólogos se identificassem mais com um ou com outro, mas isso acontece com poucos. Hamilton Reis e Duarte Leal da Costa são os únicos com uma preferência clara. “O estilo clássico é o que me diz mais, mas na Cortes de cima faço os dois e no mesmo segmento, dos topos de gama. O Reserva é mais clássico e o Incógnito mais moderno”, diz Hamilton. Duarte Leal da Costa é mais radical: “O nosso estilo é mais o da elegância. O problema dos clássicos poderosos é que ao primeiro copo dizemos ‘uau!’ e ao terceiro estamos enjoados”. Uffa, esta foi forte. Mas ninguém podia ter feito da Ervideira o que ela é hoje sem esta franqueza e pragmatismo. Pedro Baptista fala do caso da Fundação Eugénio de Almeida, e expõe que “sendo o Cartuxa que define a casa, será o estilo mais clássico a prevalecer. Mas quando falamos do Scala Coeli, que tentamos que seja símbolo de vitalidade e de outras interpretações da uva, depende da casta que escolhemos em cada ano. Gosto dos dois estilos porque é uma questão de enquadramento. A minha base, e onde me sinto melhor, é a trabalhar a pureza da fruta e o que ela nos dá”. Luís Patrão também toca nos dois estilos, fazendo essa diferenciação entre gamas. “Acho que há espaço para os dois e gosto dos dois”, declara.

A importância do equilíbrio

Praticamente todos os vinhos da prova têm um grau alcoólico de elevado a bastante elevado. Muitos com 14,5%, alguns com 15% e até dois com 16%. Mas o que é surpreendente é a frescura transversal a todos estes tintos, mesmo com evidentes maturações. Para Susana Esteban, é o factor “serra” que lhe dá o equilíbrio. “No meu caso, é o terroir, a serra de São Mamede, e isso foi o que me cativou nela. São solos de granito, o que também contribui em muito para a frescura deste Procura Vinhas Velhas”, explicou. Luis Cabral de Almeida toca num ponto em que todos estão de acordo, a viticultura: “Cada vez temos melhor viticultura. O grande desafio do Alentejo é mostrar que se fazem vinhos de alto nível e de grande equilíbrio, e isso está a conseguir-se agora. O negócio de vinho barato no Alentejo está a desaparecer, porque já todos percebemos que temos de trabalhar muito perto da vinha e vindimar na altura certa, sobretudo. Antigamente, nesta região, estava tudo vendido à partida, não se pensava como agora. Hoje, os produtores e enólogos têm de se virar para dentro da vinha, perceber o que lá há e o que é preciso fazer para produzir vinhos mais caros, e isso são vinhos que têm obrigatoriamente de ter grande equilíbrio. No Alentejo, dois dias de atraso na colheita podem significar um desequilíbrio total”. Pedro Baptista fala de exposição solar e da sua experiência no biológico (a FEA tem 160 hectares em produção bio, 35 dos quais certificados), defendendo que “o álcool no Alentejo é sempre um assunto presente. Fazer vinhos que atinjam um grau de maturação completo sem álcool elevado é muito difícil. Mas a questão aqui é o equilíbrio ácido. Por exemplo, neste Alicante do Scala Coeli (talhão bio) há uma exposição Norte que o protege do excesso de calor, e isso conta muito. Se tivermos condições de solo, exposição, castas, e um bom equilíbrio entre a área foliar e a quantidade de fruta, está aqui a resposta. E outro factor: pela minha experiência de 12 anos no biológico, já constatei que a percepção de acidez é muito diferente nesse modo de produção. A percepção de acidez e frescura é mais directa, mais óbvia, mais limpa”. Hamilton Reis, por sua vez, desmistifica o conceito de frescura, e afirma que “tem a ver com os taninos, se forem bem trabalhados, dão frescura ao vinho. As pessoas muitas vezes confundem tanino com acidez do vinho. Os taninos bem casados entregam muita frescura e reactividade de boca. Daí o engaço ser tão interessante para o Alicante. Engaço bem maduro, claro”. A fugir da tendência, e como não poderia deixar de ser, está o Conde d’Evideira Private Selection, com apenas 13%. Na prova, ficou ao lado de grandes vinhos com álcool bem mais elevado. A isso, Duarte Leal da Costa responde que “apenas é preciso saber trabalhar. Na Ervideira, em finais de Julho, começamos a fazer o gráfico de evolução da maturação das uvas. Temos capacidade de vindima e de vinificação, então podemos controlar tudo, e quando entendemos que as uvas estão no ponto ideal de maturação, ordenamos a colheita ao campo. Não é o que o campo manda, mas o que a adega manda por análise do que se passa no campo”.

Além do factor “F”, de frescura, temos o factor “M”. Nestes topos de gama, é cada vez mais reduzida a percepção de madeira, isto é notável, principalmente se tivermos em conta o segmento de preço e que praticamente todos a têm. Luís Patrão justifica: “O Alentejo, nesta nova fase, percebeu que o exagero não era o caminho. A procura é cada vez mais pelo que vem da vinha, com discrição no uso da madeira. Todos os meus vinhos passam por madeira, em todas as regiões em que trabalho, mas esta nunca se sente. Hoje, a aposta de Coelheiros é nos foudres. Quando tive de renovar o parque de barricas desta casa, foi a melhor forma que encontrei, os formatos grandes, fazendo também estágios longos”. Hamilton Reis fala de um “shift” na maneira de operar das tanoarias e algo que muitas vezes é esquecido: a higiene. “Essa tem sido a evolução do paradigma dos vinhos, até a nível nacional. A madeira é cada vez mais para entregar complexidade, profundidade e reactividade. Consegue-se com menos carvalho novo, muito menos americano do que no passado e tempos de contacto com as barricas muito menores. Existem tanoarias, bosques e tostas cada vez mais adequados aos dias de hoje. Temperaturas também muito mais controladas e baixas, o que dá muito menos impacto aromático de barrica. Todos nós temos vindo a baixar a percentagem de madeira e também a higienizar muito mais as madeiras”, expõe. Luís Cabral de Almeida passou a utilizar tonéis, e apenas utiliza barricas para o Syrah, porque “os 3000 litros não estragam o sentido de origem, mas dão estrutura. O tonel respeita o que queremos engarrafar, os taninos e a acidez da uva, e não interfere, apenas ajuda a amadurecer. O Essência do Peso é o primeiro a ser lançado estagiado nos tonéis (a parte do Alicante Bouschet)”. Pedro Baptista reforça a importância das tostas, “estamos a trabalhar com tostas longas, ditas borgonhesas, mais suaves. Por vezes, fazemos alguma bâtonnage nos tintos, o que também permite essa melhor integração. Há um respeito pelo vinho muito grande”.

Todos os enólogos e produtores têm um input útil e relevante a dar, sobre todas estas matérias e mais algumas. Pudesse-se entrevistar todos os da região, ficaríamos completos, retirando o melhor de cada contribuição. Quase como uma geringonça do vinho, em bom. Talvez um dia.
O Alentejo é o perfeito exemplo da dispersão cromática, um autêntico arco-íris na sua diversidade e qualidade. Estes 57 tintos topos de gama são a prova disso. Infeliz aquele que pensar o contrário.

Nota: A disposição dos vinhos encontra-se aleatória.

  • Quinta do Paral Vinhas Velhas
    Regional Alentejano, Branco, 2017

    17.0
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Comendador Leonel Cameirinha
    Regional Alentejano, Grande Reserva, Tinto, 2015

    18.0
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Scala Coeli
    Regional Alentejano, Alicante Bouchet, Tinto, 2016

    19.0
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Monte Cascas
    Regional Alentejano, Grande Reserva, Tinto, 2015

    17.5
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Herdade de São Miguel The Friends Collection
    Regional Alentejano, Tinto, 2015

    18.0
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Freixo Family Collection
    Regional Alentejano, Tinto, 2015

    17.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Esporão Vinha do Badeco
    Alentejo, Tinto, 2014

    18.0
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Inevitável
    Regional Alentejano, Tinto, 2017

    17.5
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Blog
    Regional Alentejano, Tinto, 2016

    17.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Comenda Grande
    Regional Alentejano, Reserva, Tinto, 2014

    17.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Monte do Pintor
    Regional Alentejano, Reserva, tinto, 2017

    17.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Mingorra
    Regional Alentejano, Petit Verdot, tinto, 2015

    17.0
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Furtiva Lagrima
    Regional Alentejano, Tinto, 2015

    18.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Quinta da Fonte Souto
    Alentejo Portalegre, tinto, 2017

    17.5
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Marquês de Borba
    Alentejo, Reserva, Tinto, 2015

    18.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Zambujeiro
    Regional Alentejano, Tinto, 2015

    18.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • AR
    Regional Alentejano, Touriga Nacional, tinto, 2016

    17.0
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Gloria Reynolds
    Regional Alentejano, Tinto, 2009

    18.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Tapada de Coelheiros
    Regional Alentejano, Garrafeira, Tinto, 2012

    19.0
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Herdade do Sobroso
    Alentejo, Grande Reserva, Tinto, 2017

    18.0
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Herdade Grande
    Regional Alentejano, Grande Reserva, Tinto, 2015

    17.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Paulo Laureano Vinhas Velhas
    Alentejo Vidigueira, Private Selection, tinto, 2016

    17.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Herdade da Rocha
    Regional Alentejano, Reserva, tinto, 2015

    17.0
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Nunes Barata
    Regional Alentejano, Grande Reserva, tinto, 2013

    17.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Herdade da Calada Baron de B.
    Alentejo, Reserva, Tinto, 2014

    17.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Aldeias de Juromenha
    Regional Alentejano, Garrafeira, tinto, 2015

    17.0
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Bojador
    Regional Alentejano, Tinto, 2015

    18.0
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Herdade do Moinho Branco
    Alentejo, Alicante Bouchet, Tinto, 2015

    17.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Poliphonia
    Regional Alentejano, Reserva, Tinto, 2015

    17.0
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Herdade Paço do Conde Winemakers Selection
    Regional Alentejano, Tinto, 2016

    17.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Herdade dos Grous
    Regional Alentejano, Reserva, Tinto, 2016

    18.0
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Adega Mayor Reserva do Comendador
    Regional Alentejano, Tinto, 2015

    18.0
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Marmelar
    Regional Alentejano, Tinto, 2014

    18.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Cortes de Cima
    Regional Alentejano, Reserva, Tinto, 2014

    19.0
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Adega de Borba
    Alentejo, Grande Reserva, Tinto, 2015

    17.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Conde d’Evideira Private Selection
    Alentejo, Tinto, 2017

    18.0
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Monsaraz Gold Edition
    Alentejo Reguengos, Tinto, 2017

    17.0
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Dona Maria
    Alentejo, Grande Reserva, Tinto, 2014

    18.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Rosa Santos Família
    Regional Alentejano, Tinto, 2015

    17.0
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Quetzal
    Alentejo, Reserva, tinto, 2015

    17.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Malhadinha
    Regional Alentejano, Tinto, 2015

    18.0
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Essência do Peso
    Alentejo, Tinto, 2017

    18.0
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Ravasqueira Premium
    Regional Alentejano, Tinto, 2014

    18.0
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Procura Vinhas Velhas
    Regional Alentejano, Tinto, 2015

    18.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Preta Cuvée David Booth
    Regional Alentejano, Grande Reserva, Tinto, 2015

    18.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Morais Rocha
    Regional Alentejano, Grande Reserva, Tinto, 2013

    18.0
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • T Quinta da Terrugem
    Regional Alentejano, Tinto, 2014

    18.0
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Torre do Frade
    Regional Alentejano, Grande Reserva, Tinto, 2008

    17.0
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Perescuma nº1
    Regional Alentejano, Reserva, Tinto, 2015

    18.0
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Quinta do Paral Vinhas Velhas
    Regional Alentejano, Tinto, 2017

    18.0
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Alyantiju
    Regional Alentejano, Tinto, 2017

    18.0
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Monte da Contenda
    Regional Alentejano, Superior, tinto, 2017

    17.5
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Herdade Perdigão
    Regional Alentejano, Reserva, tinto, 2016

    17.0
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Bombeira do Guadiana
    Regional Alentejano, Reserva, Tinto, 2016

    17.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • J de José de Sousa
    Regional Alentejano, Tinto, 2015

    18.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Herdade das Servas
    Regional Alentejano, Reserva, Tinto, 2015

    17.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Rocim Clay Aged
    Alentejo, Tinto, 2017

    18.0
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Tapada do Chaves
    Alentejo Portalegre, Reserva, Tinto, 2014

    18.0
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor

Edição n.º32, Dezembro 2019

Escreva um comentário