NotíciaNotícias

“Plantem novas castas… ou morram!”

By 22 de Março, 2018 Sem comentários

O título parece sinistro, mas traduzido livremente é isso mesmo: segundo um artigo publicado pelo jornalista Jeff Glorfeld na revista Cosmos, “as mudanças climáticas estão a criar uma multiplicidade de desafios aos agricultores mundiais, incluindo os viticultores”. Pior ainda: Jeff falou com Elizabeth Wolkovich, bióloga especializada em mudanças climáticas na Universidade de Harvard (EUA). Esta investigadora afirma que “no final do século não nos parece que seja possível cultivar uvas em grande parte da Itália, na maior parte de Espanha e em algumas das mais importantes regiões de França, como Bordéus, Cotes du Rhone e Borgonha”. Portugal não foi referido, mas os efeitos aqui serão similares aos de Espanha. Ou seja, nada bons…

Resumindo aquele que é um artigo grande, a estratégia mais indicada para mitigar estas alterações climáticas é plantar novas castas, mais adaptadas a diferentes condições das actuais. Ora, é exactamente aqui que vamos ao âmago do que nos interessa focar: existem dois grandes obstáculos a esta adaptação.

Um deles é, ainda segundo Wolkovich, “o acarinhado conceito de terroir. (…) O Terroir reside na crença de que o carácter de um vinho é um reflexo do local e das castas aí plantadas. Como tal, só certas castas fazem parte desse terroir, deixando pouca margem de manobra para mudanças”. O clima faz também parte do terroir, mas as mudanças que aí vêm vão necessariamente alterar o terroir. Considerando que o terroir é ainda um forte argumento de marketing & vendas, muitos viticultores não querem sequer ouvir falar de mudanças…

O outro obstáculo vem a seguir. Mesmo que os ‘vignerons’ aceitem fazer alterações nos encepamentos, os investigadores ainda não têm informação suficiente para afirmar que outras castas (quaisquer que sejam) se irão adaptar melhor às alterações climáticas.

Nos seus relatórios, especialmente os mais recentes, Elizabeth Wolkovich exorta os viticultores do mundo a abrirem os olhos, porque “ou começam a experimentar novas castas ou arriscam-se a sofrer as consequências negativas das alterações climáticas”. Com o passar do tempo, indica a investigadora, “algumas castas, em algumas regiões, vão começar a falhar”. (AF)

Escreva um comentário