Home-SliderNotíciaNotícias

Quinta da Romaneira traz a vinha para os rótulos

By 22 de Junho, 2022 Sem comentários

Texto: Valéria Zeferino

A duriense Quinta da Romaneira apresentou as novas colheitas, com uma imagem renovada que visa transportar visualmente o consumidor para a quinta através dos rótulos, mostrando uma visão estilizada da vinha que origina cada vinho. 

A gama também foi alargada, dando espaço a vinhos especiais que expressam com maior precisão o binómio casta/local. Numa propriedade com 423 hectares, onde a vinha ocupa 85 hectares e uma extensão ao longo do rio de 3 km, com combinação de diversas altitudes e exposições, manifestados pelo prisma de varias castas, cada uma com a sua personalidade, esta multiplicação e diversidade faz todo o sentido. 

Há vinhos, como a Dona Clara ou Reserva que mostram todo o potencial da quinta, trazendo à garrafa uma perfeição conseguida através da combinação das uvas de todas as castas que existem na Quinta da Romaneira, plantadas em várias parcelas. É uma autêntica expressão da Quinta da Romaneira no seu todo. Nos rótulos do Dona Clara, Gouveio e Rosé está apresentada a imagem da quinta. 

O novo vinho branco Pulga é identidade de uma parcela que fica a 500 m de altitude reenxertada recentemente com castas que ali melhor se dão. O lote é composto por Boal 50%, Viosinho 33% e Rabigato 17%. Fermentou e estagiou em barricas de carvalho, 60% novas. No rótulo deste vinho está identificada a parcela que lhe deu origem.

Os vinhos monovarietais agora mostram uma clara ligação à parcela. É o caso da Tinto Cão, “uma grande casta para casar outras castas”, como a identifica o enólogo Carlos Agrellos, que provém da parcela Liceiras. A Touriga Francesa é feita a partir de uma pequena parcela chamada Carrapata que também aparece no rótulo. A Petit Verdot, casta francesa, plantada na Quinta da Romaneira em 2011 sempre mostrou que aqui tinha um futuro brilhante. Aparece no rótulo com o nome e a imagem da parcela – Belveder.

A Syrah, outra casta estrangeira de excelência que já há tempo afirmou que tem imenso potencial no Douro. Como é uma casta multifacetada, fazia sentido mostrar o seu carácter em duas parcelas diferentes: Malhadal com exposição Nascente/Sul e Pontador com exposição Sul/Poente. Para a Touriga Nacional, ao contrário da Syrah, procurou-se uma excelência conferida pela combinação de uvas provenientes de três parcelas: Tomba Chapéus, Apontador e Mina; e as três ficaram retratadas no rótulo.

Siga-nos no Instagram
Siga-nos no Facebook
Siga-nos no LinkedIn

Escreva um comentário