Home-SliderNotícias Vinho

Ravasqueira: A caminho da grandeza

By 24 de Novembro, 2022 Sem comentários

De 1 milhão de garrafas em 2016, para 8 milhões em 2021. A Ravasqueira tem traçado um percurso, desde a sua génese, não só de crescimento, mas também de criação de valor. Agora, prepara-se para subir mais um degrau: David Baverstock juntou-se à equipa como responsável de enologia, para arrasar nos vinhos de topo.

Texto: Mariana Lopes   Fotos: Igor Pinto

A origem é familiar, mas no DNA da Ravasqueira, o N significa negócio e o A, ambição. E é normal que assim seja, quando a assinatura é José de Mello. O grupo, com capital em várias empresas-chave em Portugal — como a CUF, a Brisa ou a Bondalti, entre outras — pegou no mesmo padrão de exigência que sempre exerceu nos outros sectores, e aplicou-o no projecto de vinho que nasceu com a compra de uma propriedade em Arraiolos, em 1943, por D. Manuel de Mello. O objectivo do patriarca, porém, era apenas ter um refúgio no Alentejo (que na altura não tinha vinhas), sobretudo para caçar e descansar, longe de saber que, décadas mais tarde, os seus descendentes teriam outros planos. Hoje, sob a alçada do neto Pedro de Mello e da égide “Ravasqueira Vinhos SA”, a Ravasqueira é um dos principais players na cena vínica nacional, de marcas reconhecidas pelos consumidores e com muito sucesso no canal off trade (pense-se em Guarda Rios, Coutada Velha e Dona Vitória), até à gama a que se referem como “luxury”. Esta última, está neste momento a atravessar uma fase de transformação, com reforço de investimento, o que se materializa na contratação de um dos enólogos mais respeitados no país, o australiano David Baverstock, que se vem juntar a Vasco Rosa Santos, enólogo da casa desde 2012 e actual Administrador de Operações. David chegou a Portugal em 1982, e passou por grandes casas como Symington, Quinta do Crasto e Esporão, onde esteve até há pouco tempo como responsável máximo de enologia.
Após o falecimento de D. Manuel de Mello, em 1966, o monte da Ravasqueira fica ao cuidado do seu filho José Manuel de Mello, que durante muitos anos se dedicou ali à agricultura e ao apuramento da raça do Cavalo Lusitano. Em 1996, quatro Cavalos Lusitanos do monte da Ravasqueira deram-lhe o título de campeão mundial de Atrelagem e, depois disso, em 1998, “como ele não sabia estar quieto, partiu para a plantação das primeiras vinhas, coisa em que já andava a pensar há um par de anos”, conta Pedro de Mello, um dos 12 filhos de José Manuel de Mello que cresceram na propriedade, actualmente presidente da Ravasqueira e vice-presidente do grupo. Na verdade, membros de outros ramos da família já estavam, nessa altura, na área do vinho, o que também teve influência na decisão de plantar vinha. Em 2001, José Manuel de Mello faz “uma primeira brincadeira, e põe os netos a pisar as uvas”, lembra o filho, o que deu origem a um vinho que nunca saiu para o mercado, rotulado como MR. Deu-se aqui o pontapé de saída para o negócio pois, na colheita seguinte, viria a produzir-se o primeiro vinho com objectivo comercial, o tinto Fonte da Serrana.
Com o desaparecimento de José Manuel de Mello, em 2006, os filhos decidiram continuar com o projecto de vinhos e concretizar o sonho do pai: fazer da Ravasqueira crescer, e transformar-se numa referência no sector. “Sentimos responsabilidade nisso, já empregávamos muita gente. Os primeiros anos foram desafiantes, naturalmente, mas depois veio o Pedro [Pereira Gonçalves] que mostrou ser a pessoa ideal para liderar o projecto”, diz Pedro de Mello. Pedro Pereira Gonçalves, engenheiro agrónomo de formação, com especializações na área da gestão e negócio em instituições como Harvard e MIT, chegou à Ravasqueira em 2012 para repensar estratégia de vinhos da empresa, e fazê-la crescer. Pouco tempo depois, chegou Vasco Rosa Santos, para complementar a enologia. “Assim, fomos desenvolvendo a marca e os canais, sempre com o objectivo de criar escala e valor”, desenvolve Pedro de Mello. “Sempre tive dificuldade em ver, em Portugal, projectos de vinho de pequena dimensão que fossem grandes criadores de valor. Sabíamos que tínhamos de ter escala, se queríamos ambicionar ser um dos principais players nacionais do vinho. Foi por aí que caminhámos.”, remata. Quando Pedro Pereira Gonçalves integrou a Ravasqueira, a produção anual era de pouco mais de 100 mil garrafas. Hoje, é de 8 milhões.

Uma estratégia de sucesso

“A Ravasqueira tem uma história de 80 anos na família, 25 desde a primeira ideia de negócio. Tudo aqui, desde o início, foi bem feito e muito estudado, tanto na parte da plantação das vinhas como na estruturação da gama”, lembra Pedro Pereira Gonçalves. A partir da sua chegada em 2012, e até 2015, o que se fez na Ravasqueira foi aproveitar o legado dos patriarcas e aprofundar o estudo da vinha e da marca, procurando a melhor via para a relevância no sector. “Houve um foco muito grande no factor produção, em como poderíamos aproveitar melhor o que tínhamos na vinha, e na restruturação de portefólio. Nasceram assim novas marcas e referências, como o Reserva da Família, com uma dedicação enorme àquilo que era a qualidade e o perfil do produto”, adianta o actual CEO da empresa. “A partir de 2015, percebemos que precisávamos de ganhar escala. Desenhámos uma estratégia concentrada nas marcas, até termos algumas das mais admiradas pelos consumidores. Diversificámos, reestruturámos as equipas comerciais, e fomos construindo, a cada passo que dávamos, um novo segmento no portefólio [como os Clássico, Superior ou Seleção do Ano], com posicionamentos diversos”, refere. A partir daqui, foi sempre a subir. Em 2016 deu-se o kick-start de um crescimento acentuado, de um milhão de garrafas nesse ano para as 8 milhões de hoje, que fazem da Ravasqueira um dos produtores que mais vende no canal “off trade” (super e hipermercados). “Sabemos que cerca de 80% das vendas de vinho se dão neste canal e temos um modelo de negócio muito enquadrado com isso. Queremos ser uma referência em Portugal, apostando na qualidade”, afirma Pedro Pereira Gonçalves.

Heritage, David e a expansão da adega

No entanto, há uma parte importante desta ambição dedicada ao canal HoReCa, que para esta empresa tem tido um crescimento acentuado nos últimos tempos, reflexo de uma aposta cada vez maior nos vinhos de topo. “Desde 2016 que nunca parámos de prestar atenção às gamas de alto relevo para o consumidor. Nem poderia ser de outra forma, porque isso está sustentado no Reserva da Família, no Vinha das Romãs, e na gama Premium, que agora se chama Heritage”, avança o administrador. Este rebranding da gama Ravasqueira Premium, com o novo nome “Heritage”, faz parte da estratégia de revitalização deste segmento da empresa. Mas não é só o nome que muda, também há uma afinação do perfil destes vinhos, e é aqui que entra David Baverstock, como explica Pedro Pereira Gonçalves: “A entrada dele constitui uma nova aposta naquilo que é o reforço das gamas luxury, de nicho. É alguém que nos vai ajudar a traçar este novo caminho. A abordagem dele vem trazer imenso valor acrescentado e isso vai expressar-se nos vinhos”. Vasco Rosa Santos desenvolve que o enólogo “tem muito respeito por todas as castas. Traz, também, uma serenidade muito necessária nos momentos certos, decisórios, que vem dos seus muitos anos de experiência. Queremos, de facto, ser um projecto de referência no Alentejo, e o David dá muita credibilidade, por tudo o que já fez. Hoje, finalmente, achamos que temos a equipa ideal para atacar aquilo que sabemos que podemos vir a ser”. A dupla está empenhada, também, em criar novidades, segundo Pedro. “O David e o Vasco estão com imensa energia e vontade de fazer coisas diferentes. Vamos usar a casta Nero d’Avola, que temos no nosso encepamento desde o início, e também apostar mais na Sangiovese. E para além das gamas da espinha dorsal da Ravasqueira, vamos ter algumas especialidades. O consumidor, cada vez mais, pede isso”. Aumentar a área da adega em 2 mil m2 é, adicionalmente, um objectivo a curto prazo, com reformulação da zona de vinificação, criando uma espécie de adega de “fine wines”, dentro da que já existe.
Para produzir os seus vinhos, a Ravasqueira — que exporta 40% — recorre a 45 hectares de vinha própria, a mais de 200 arrendados e a quase 600 hectares de fornecedores, espalhados por todo o Alentejo. “Desta forma, podemos adaptar as uvas que vamos buscar às necessidades a nível de produto. Este ‘sourcing’ é, portanto, estratégico. Servimos assim melhor os interesses da empresa, a nível qualitativo e de diversidade”, garante o CEO.
No final de 2021, David Baverstock — que tinha ideia de reduzir a sua actividade após a saída do Esporão — foi contactado por Pedro Pereira Gonçalves, para visitar a Ravasqueira. “Eu já o conhecia. Explicou-me o modelo de trabalho da empresa, mas o que mais me puxou foi a ambição dele em levar a Ravasqueira para outros patamares, apostando num conjunto de vinhos de alta gama, e a cultura de qualidade, transversal a toda a gente desta casa”, confessa David. “Para mim, isso foi música. Um desafio onde eu achei que poderia ser verdadeiramente útil”. E quando questionado sobre do que mais tinha gostado no início do trabalho na Ravasqueira, David, que apresenta quase sempre uma postura mais reservada, brinca: “Do Vasco! Temos um ‘bromance’”, e ri-se. “Agora a sério, não fiquei muito impressionado com a vinha, mas os resultados da vindima mostraram-me que estava errado, embora existam coisas que podemos melhorar nesse campo, e vamos fazê-lo. Nesta última vindima, a Touriga Franca e a Syrah foram fantásticas, bem como o Alicante Bouschet, depois da chuva. Temos também um belíssimo Alfrocheiro em barrica. Nos brancos, temos muita coisa boa em co-fermentação, como Sémillon com Arinto e com Viognier, e isto pode sair muito bem. A qualidade dos brancos, em geral, é muito elevada”.
Depois de percebermos a estamina deste projecto vínico de Arraiolos, pensamos que, realmente, é preciso muita racionalidade para transformar algo que começou com um cariz emocional forte, num negócio tão profissional e próspero. “Sempre tivemos a perspectiva de ter racionalidade económica. É preciso escala, estar em quase todas as regiões do país, para sermos dos principais a nível nacional. Isto caracteriza as áreas todas do grupo, seja na saúde, na indústria, na parte química… Hoje, para nós, o vinho é um negócio estratégico, mesmo que haja uma parte emocional, que há sempre. O facto de estar a imagem de meu pai com o cavalo nos rótulos, é mesmo isso”, declara Pedro de Mello. E é disto que se fazem as empresas de sucesso.

(Artigo publicado na edição de Novembro de 2022)

Siga-nos no Instagram
Siga-nos no Facebook
Siga-nos no LinkedIn

Escreva um comentário