Destinos

Requinte e tradição de mãos dadas

Como é que se define um sítio onde as mordomias da tecnologia, os prazeres da mesa, o encanto das coisas simples e a Natureza em estado puro se conjugam numa experiência única? É fácil: Herdade da Malhadinha Nova. Fomos conhecer uma das unidades mais icónicas do enoturismo do Alentejo e do país, agora com uma “extensão” em terras algarvias.

TEXTO Luís Francisco
FOTOS Ricardo Gomez

Em 1998, a família Soares, proprietária da rede de garrafeiras com o mesmo nome, decidiu dar um passo a montante na fileira do vinho e tornar-se produtora. Adquiriu a Herdade da Malhadinha Nova, em Albernoa, a sul de Beja, e começou a plantar vinha. O sucesso da aposta mede-se, duas décadas depois, pelo constante crescimento das suas marcas, pela excelência das infra-estruturas e pela aposta no enoturismo. A Malhadinha é uma referência. E uma escola.
Aos 35 hectares iniciais de vinha criados a partir de 2001 juntaram-se mais 20 em 2017, e outros 20 em 2018, a que podemos ainda acrescentar a aquisição de uma vinha velha (plantada em 1949) com quatro hectares, ali bem perto. Destas vetustas cepas saíram as edições inaugurais de Vale Travessos Vinhas Velhas, da vindima de 2016 – e, passe a publicidade (desnecessária, de resto, numa casa que sabe “vender” os seus vinhos como poucas), quem quiser conhecê-las terá de ser rápido: foram feitas apenas 670 garrafas de branco e 370 de tinto. Numa parceria com a família Pereira Coutinho, a equipa da Malhadinha Nova é agora também responsável pelos 12 hectares de vinha da Quinta de Mata-Mouros, em Silves, Algarve, e dos vinhos Convento do Paraíso que de lá saem.

Mas este crescimento na área plantada e no volume de vinhos produzido está prestes a ser eclipsado por outro investimento, numa área em que a Malhadinha faz também questão de estar no topo: o enoturismo. Quando chegar o Verão, aos dez alojamentos disponíveis no núcleo central do hotel rural (aberto em 2008) vão juntar-se outros 16 em quatro blocos espalhados pela propriedade e ainda mais quatro numa casa situada no centro de Albernoa, a Casa Amarela (que conta ainda com sala comum, cozinha, pátio interior e terraço panorâmico). E, já que falamos de pernoitas, uma palavra ainda para a villa no meio das vinhas disponível na Quinta de Mata-Mouros.
Turismo e vinho de mãos dadas, produção e distribuição a todo o gás, visão e capacidade de investimento. Sim, tudo isso, mas sempre com os pés na terra. Literalmente: o respeito pelo meio ambiente marca a gestão da casa, com a transição já feita para o modo de produção biológico – e a azáfama nas vinhas mostra bem como esta opção exige esforço e dedicação. Na Malhadinha Nova, trabalham a tempo inteiro mais de 50 pessoas – e esse contingente está neste momento substancialmente reforçado pela presença das equipas de construção civil, em tarefas de acabamento dos novos núcleos de alojamento, entre outras obras que decorrem na herdade.
Como é que todos estes trabalhos podem coexistir com uma unidade hoteleira que apregoa a tranquilidade e a paz dos grandes espaços? A resposta, mais uma vez, é simples: a Herdade da Malhadinha Nova, que agora engloba outra propriedade comprada mais recentemente, tem 455 hectares. Há espaço para tudo. Se precisa de um bom exemplo, fixe este número: entre o núcleo de entrada (onde se situam o restaurante, a adega, a loja e o picadeiro) e o hotel temos de percorrer 1500 metros de estrada de terra batida. Isso mesmo: um quilómetro e meio! Passando de caminho por uma ribeira que pode galgar as margens quando chove muito. Sim, a aventura espreita.

QUINTA DE MATA-MOUROS

Mas a nossa viagem começa mais a sul, na margem esquerda do rio Arade, junto a Silves. É aqui que encontramos a Quinta de Mata-Mouros, um apaziguante recanto de sossego e beleza natural, encaixado entre as encostas da serra e o plano de água que lhe corre mesmo aos pés. A propriedade tem 120 hectares e inclui, para além das vinhas, nos terrenos mais elevados, áreas de pomar, hortas e bosque. A água está por todo o lado, há cães e galinhas, mas quem manda é a passarada.
Ao longo da estrada ribeirinha, encontramos vários núcleos de construção. Antes de mais, o convento, edifício do século XVI devotado a Santa Rita e que é utilizado agora apenas para alojamento de convidados e funcionários – há planos para o abrir ao público. Depois, a zona visitável, com a loja (de planta circular – foi construída numa antiga eira – e onde é obrigatório prestar atenção ao extraordinário travejamento do tecto) e a adega (onde se destacam os lagares em pedra e as linhas agudas – quase nórdicas – do telhado em abas sucessivas). Árvores enormes compõem o espaço, o cheiro das laranjeiras em flor paira sobre as hortas e os terraços que vão dar ao rio. Por entre a folhagem, podemos perceber a silhueta do casario de Silves.
Mas, para apreciar verdadeiramente a paisagem, há que subir às vinhas. A pé, se a alma e as pernas estiverem fortes, ou de jipe. Lá em cima, Silves, na margem oposta, oferece-se à vista, as casas brancas e o rosado das muralhas do castelo fundidas num mosaico de grande beleza. No meio das vinhas, a surpresa de encontrarmos um heliporto e, depois, rodeada por algumas árvores, uma casa com piscina de horizonte infinito sobre o rio e a ondulação da serra algarvia. Está disponível para aluguer.
Ninguém imaginaria todo este espaço e tamanha variedade de paisagens no que parecia apenas um recanto entre o rio e a estrada nacional. Mas aqui há de tudo, incluindo, claro, a casa de família, mais ao fundo, mas fora do roteiro enoturístico. Que um tal oásis de sossego tenha este nome tão “bélico”, por assim dizer, é outra aparente incongruência. Mas só aparente… O topónimo Mata-Mouros não deriva da fama de algum cavaleiro cristão de espada afiada. Nada disso: era a mata dos mouros. E está tudo explicado.
A equipa da Malhadinha Nova começou a divulgar o enoturismo da quinta há apenas um ano e o movimento começa agora a ser mais regular, justificando a elaboração de programas próprios, que ainda não estavam disponíveis quando foi feito este trabalho. Tratando-se do Algarve, não surpreende que os estrangeiros sejam o contingente mais forte entre os visitantes do projecto Convento do Paraíso, mas o prazer não tem nacionalidade. E, já agora, os vinhos são uma bela surpresa.

QUINTA DE MATA-MOUROS
Quinta de Mata Mouros, Silves
Tel: 911 933 949
Mail: info@conventodoparaíso.com
Web: www.conventodoparaiso.com
Actualmente, as visitas carecem de marcação antecipada e o alojamento na casa isolada junto às vinhas tem preço sob consulta. Mas todo o projecto enoturístico está a ser desenhado de raiz e, por isso, não é ainda possível avançar tabelas de preços nem menu de programas, visitas e provas. A actualização desta informação está prometida para breve, pelo que se aconselha consulta prévia na Internet.

Classificação

Originalidade (máx. 2): 2
Atendimento (máx. 2): 2
Disponibilidade (máx. 2): 1,5
Prova de vinhos (máx. 3): 2
Venda directa (máx. 3): 2
Arquitectura (máx. 3): 2,5
Ligação à cultura (máx. 3): 3
Ambiente/Paisagem (máx. 2): 2

AVALIAÇÃO GLOBAL: 17

HERDADE DA MALHADINHA NOVA

De Silves a Albernoa são pouco mais de 100 quilómetros, uma horinha de caminho que nos leva das serranias algarvias às suaves ondulações da planície alentejana. E um preço irrisório a pagar quando o objectivo é tão saboroso. Adjectivo adequado, porque começamos o programa da estadia com um belo jantar no restaurante da herdade, aberto ao público. Depois, rumamos ao hotel. É de noite quando chegamos, mas a falta de paisagem terrestre é amplamente compensada pela explosão silenciosa de estrelas no céu.
O dia seguinte começa novamente sob o signo da boa mesa. Os pequenos-almoços da Malhadinha são míticos e, por isso, talvez nem seja adequado vir aqui um confesso mau garfo matinal tecer grandes comentários… Uma coisa é certa: tudo o que lá está é bom e há de tudo. E o que não houver, é só pedir. Adiante, que temos muito para descobrir, dentro e fora de portas.
Os quartos, naturalmente, são excelentes, num equilíbrio perfeito entre o rústico e o sofisticado – vale a pena destacar a banheira de grandes dimensões, o tablet e as ofertas de fruta e vinho, a par do generoso espaço disponível e de pormenores de decoração de gosto inatacável. As salas comuns são acolhedoras e oferecem uma série de recantos que permitem alguma intimidade mesmo que haja muitos hóspedes. Mas é lá fora que está a essência da Malhadinha. Piscina, relvados com espreguiçadeiras e sofás, spa (jacuzzi, banho turco, salas de massagem), tanques com água, esplanadas, oliveiras vetustas e laranjeiras jovens, uma linha de ciprestes delimitando o espaço num dos flancos, vinhas a toda a volta.
Sim, porque o olhar depressa ganha profundidade de campo (nunca a expressão caiu tão bem como neste contexto). O hotel fica sobre uma plataforma elevada, reinando sobre a paisagem grandiosa. Prados, manchas de arvoredo (eucaliptos e sobreiros), colinas que escondem e mostram ao mesmo tempo. Há por aqui bicicletas e moto-4 para quem quiser percorrer esta imensidão. As surpresas aparecem por todo o lado.
Primeiro, a ribeira, que corre pela planura alentejana até que, de repente, atravessa um maciço rochoso, criando uma zona de penhascos na rocha xistosa. Estaremos no Douro? Não, talvez seja a serra algarvia, a julgar pelas giestas que povoam esta encosta aqui. A vista alarga-se: de um lado, Beja, a uns 20km; do outro, Castro Verde, a 25. Mas quando saímos do mato mediterrânico deparamos com novas vinhas, onde um grupo de mulheres vai fazendo a poda. E, logo a seguir, já confinando com uma curva da ribeira, verdes prados salpicados do castanho das vacas. Ribatejo?! Andamos pelo meio das simpáticas ruminantes e chegamos à água. Canoagem, pesca, caminhadas… há aqui um mundo de aventuras à espera dos mais activos. Isso ou sentarmo-nos à sombra de um sobreiro enquanto o tempo passa devagar.
Nestes cenários tão diversificados estão a nascer as novas suítes e villas exclusivas, em quatro núcleos separados. Todas as ruínas da propriedade estão a ser transformadas em alojamentos de luxo. Em breve, em vez de 10 alojamentos, haverá 26 disponíveis. É um crescimento assinalável, mas não é de crer que a atmosfera da Malhadinha Nova venha a sofrer alterações sensíveis. As cegonhas continuam a fazer ninhos nos pontos altos, as águas da ribeira vão galgar as margens sempre que a chuva caia com mais abundância, os cavalos e as vacas continuarão a pastar à vontade nas colinas sem fim.
Por cima, um céu incrível vai desvendar-se à noite. E, na terra, as vinhas vão florir e dar origem a belos vinhos. Brindemos com eles à beleza da vida no campo. Com todas as mordomias que a era moderna nos proporciona, já agora.

HERDADE DA MALHADINHA NOVA
Herdade da Malhadinha Nova, Albernoa
Tel: 284 965 432/429 (hotel); 284 965 210/211 (restaurante); 927 701 022 (visitas)
Mail: geral@malhadinhanova.pt; elisa.costa@malhadinhanova.pt; isa.maximo@malhadinhanova.pt
Web: www.malhadinhanova.pt
GPS: 37º49’50.60’’N | 7º59’20,91’’W
As visitas guiadas à propriedade e à adega realizam-se de segunda a sábado em três horários (11h, 12h, 15 ou 16h – de Outubro a Maio; 11h, 12h, 16 ou 17h – Junho a Setembro) e custam entre 10 e 35 euros por pessoa, conforme o leque de vinhos a provar. O acompanhamento com tábua de enchidos e queijos fica por mais 5 euros. Recomenda-se marcação prévia. A visita com prova de três vinhos é oferta para hóspedes do hotel e clientes do restaurante. Os quartos custam entre 300 (single) e 400 (suíte) euros por noite. As novas suítes e villas terão preços que vão dos 450 aos 1500 euros. O leque de experiências é vastíssimo, com passeios a pé, de canoa, cavalos, jipes, bicicletas, moto-4, charrete, mas também pesca, massagens, tiro com arco, yoga… E roteiros culturais, workshops de gastronomia, experiências enológicas, observação de aves. E muito mais.

Classificação

Originalidade (máx. 2): 2
Atendimento (máx. 2): 2
Disponibilidade (máx. 2): 2
Prova de vinhos (máx. 3): 2,5
Venda directa (máx. 3): 2,5
Arquitectura (máx. 3): 3
Ligação à cultura (máx. 3): 3
Ambiente/Paisagem (máx. 2): 2

AVALIAÇÃO GLOBAL: 19

ESTAÇÃO DE SERVIÇO
Numa zona onde, espantosamente, assistimos a uma incrível concentração de unidades de enoturismo de grande nível, qualquer roteiro gastronómico não pode deixar de fora mesas como as da Malhadinha Nova, dos Grous ou do Vila Galé, mas aqui optamos por falar de restaurantes que estão fora desse circuito. Delicie-se com a comida tradicional alentejana do Campo do Caroço, em Albernoa, ou da Casa do Alentejo, em Castro Verde. E, já que demos um saltinho ao Algarve, deixe-se encantar pelos petiscos do Mato à Vista, em Cabanita, Paderne.

CAMPO DO CAROÇO – Largo da Liberdade, 7, Albernoa | 963 009 095
CASA DO ALENTEJO – Largo da Feira, Castro Verde | 286 327 132
MATO À VISTA – Cabanita, Paderne (37º11’39’’N | 08º13’20’’W) | 289 367 101 / 967 036 016

Edição nº25, Maio 2019

Escreva um comentário