Grande ProvaHome-Slider

Tintos do Alentejo até €15: Prazer no copo, a um preço justo

By 30 de Setembro, 2021 Sem comentários

No intervalo de preço entre os 8€ e os 15€, o Alentejo entrega tintos com grande qualidade por um valor mais do que justo. E, nos melhores casos, oferece ainda inquestionável carácter. Se somarmos a tudo isto uma consistência entre vindimas acima da média, e uma colocação eficiente nos vários canais de distribuição, não é difícil compreender por que os vinhos do Alentejo estão entre os principais favoritos dos consumidores.

Texto: Nuno de Oliveira Garcia              

Fotos: Ricardo Palma Veiga    

A nossa intuição diz-nos que uma das regiões do país com maior capacidade de produzir tintos de grande categoria com preço entre os 8€ aos 15€ é o Alentejo. Porquê? Por um lado, encontramos na região uma vasta mancha de vinha e, em medida significativa, com capacidade para produções interessantes por hectare, acima da média nacional. Por isso mesmo, é um território que viu aparecer, nas últimas décadas, diversos players dinâmicos com dimensão, ambição e, cada vez mais, preocupações de sustentabilidade, sendo disso bons exemplos casas mais antigas como Esporão, Fundação Eugénio de Almeida e J. Portugal Ramos, não tão antigas, como Casa Relvas ou Herdade dos Grous, ou mesmo recentes, como Symington Family Estates, entre muito outros. E isto sem esquecer as adegas cooperativas que funcionam muito bem e apresentam produtos de qualidade, como comprovam os resultados no nosso painel. A própria extensão geográfica, que é enorme – é a maior região do país, de Almodôvar a Nisa, e de Vila Nova de Mil Fontes a Elvas – e a diversidade de influências climatéricas e de solos (como referiremos abaixo em notas rápidas), são verdadeiros atributos. Por outro lado, a modernização de parte da vinha (com clones adequados e a introdução das denominadas ‘castas melhoradoras’) e a orografia gentil de segmentos do território (sobretudo a sul) também ajudam, bem como o progressivo melhoramento no acesso a água para rega, compensando a pouca chuva decorrente de um clima tendencialmente continental, e com a enorme vantagem da estabilidade climática, mesmo na época de vindima na qual raramente chove.

Por fim, destacamos a percepção geral muito positiva que os vinhos alentejanos conseguiram ao longo dos anos granjear junto do público, nacional e fora do país, sendo inequívoco que a marca Alentejo é das mais fortes no sector do vinho, fruto da qualidade geral nas várias gamas, mas também de rótulos badalados e afamados, sendo um dos melhores exemplos os clássicos Mouchão, Tapada do Chaves, Quinta do Carmo, Pêra-Manca/Cartuxa, bem como os topos de gama do Esporão ou de Júlio Bastos. A somar a estas marcas consolidadas, projectos modernos pululam, quase sempre resultado do trabalho de jovens produtores e enólogos que viram no Alentejo uma região com menos obstáculos do que as demais, e não perderam a oportunidade para investir, caso, por exemplo, de Catarina Vieira/Pedro Ribeiro (Rocim), Luís Louro (Adega do Monte Branco), Tiago Cabaço e António Maçanita (Fita Preta). O facto de algumas marcas de nicho também terem o seu espaço e sucesso – a Quinta do Mouro, com os seus seguidores leais, será o pináculo mais evidente –, é, por fim, o último vértice deste triângulo dourado de marcas.

Não espanta, assim, que mesmo em anos tão complicados como 2020, a exportação dos vinhos alentejanos tenha apresentado resultados positivos. Como nos destaca Francisco Mateus, Presidente da CVR do Alentejo (CRVA), mesmo com as consequências terríveis do COVID no canal Horeca (consumo fora de casa, nomeadamente hotelaria e restauração) e não só, e ainda a sentirem-se as pesadas quebras registadas em mercados anteriormente determinantes para a região como Angola, o Alentejo manteve-se em linha com anos anteriores exportando 17,7 milhões de litros (+0,1%) no valor de 59,1 milhões de euros (-0,5%), de acordo com os dados estatísticos oficiais (INE). Efectivamente, é de destacar que, em 2020, a região teria atingido os melhores números na exportação desde 2014, não fossem os resultados negativos em países como Angola, China ou Rússia. Ora, todas as razões acima elencadas são fundamentais para que num segmento de preço médio a ‘premium’ se encontre qualidade e consistência. Esse segmento médio é fundamental para o Alentejo continuar a reinar nas prateleiras das grandes superfícies (apesar da concorrência forte da região da Península de Setúbal e mesmo do Douro), da mesma forma que o segmento ‘premium’ só vence no canal Horeca se os preços se mantiverem competitivos.

Tintos AlentejoProfissionalismo a todos os níveis

Fomos, então, falar com alguns enólogos que, a par do Alentejo, trabalham noutras regiões para saber se o pressuposto com que começámos este texto se encontra correcto. Diogo Lopes, que na região assessora António Lança (Herdade Grande) na Vidigueira e Couteiro Mor (Herdade do Menir) em Montemor-o-Novo, confirmou-nos que uma das vantagens da região são, precisamente, os resultados actuais da reestruturação das vinhas que começou nos anos ‘90 do século passado. O enólogo, que trabalha noutras regiões como Lisboa ou Açores (Terceira), identifica os progressos na selecção de castas e na introdução de rega (presente em quase toda a região, com a excepção de algumas vinhas velhas em Portalegre, Borba e Granja-Amareleja), mas também na orientação de linhas e nos sistemas de condução, como condição de sucesso. Sucesso esse que permite, no seu entender e experiência, produzir até 10 toneladas por hectare com grande qualidade e consistência, nível de produção esse que é sensivelmente o dobro da média nacional (que é muito baixo, em qualquer caso). Mas, note-se, não se julgue que 10 toneladas é excessivo pois, para termos uma ideia comparativa, uma casta como o Alicante Bouschet pode produzir, com relativa qualidade e em solo adequado para o efeito, até 25 toneladas por hectare, ou mais… Sobre castas, Diogo Lopes revela-nos que tem sido positivamente surpreendido pelo carácter dos vinhos das clássicas variedades Tinta Grossa e Tinta Caiada das vinhas velhas, que actualmente vindima separadamente para as conhecer melhor e, quem sabe, pensar num novo vinho para o futuro… Ainda sobre uvas, o enólogo reconhece a qualidade do Alicante Bouschet na região, e a tendência para que entre em lotes com Touriga Nacional e Syrah, uma “fórmula” de grande sucesso junto do público.

Igualmente muito interessante foi o feedback de Luis Patrão, enólogo da Tapada de Coelheiros, que conhece muito bem a região, desde o tempo em que oficiou no Esporão. O enólogo, que tem um projecto familiar na Bairrada, identifica a escala da planície alentejana, a dimensão de alguns produtores e das próprias propriedades como factores determinantes para se conseguir muito bom vinho a bom preço. Com efeito, é essa escala que permite aos produtores diluírem investimentos avultadíssimos em adegas e no profissionalismo da viticultura. Como nos confidenciou, existem adegas apetrechadas em todo o país, mas mecanização topo de gama de vindima, de rega e de poda, ou instrumentalização sofisticada (como pulverisadores geo-referenciados a partir imagens de satélites), como sucede no Alentejo, é raro encontrar nas demais regiões. A este respeito, a ideia generalizada parece mesmo ser a de que o Alentejo introduz e é pioneiro no país em tecnologia de ponta, ou seja, “começa a fazer”, e frequentemente só anos depois as outras regiões seguem a tendência.

Aposta na sustentabilidade

Pedro Pereira Gonçalves, administrador e enólogo do Monte da Ravasqueira, destaca ainda o factor tempo, no sentido em que no Alentejo consegue entregar, em 12 meses, um vinho de qualidade e pronto a beber, algo que beneficia a indústria no geral – potenciando parcerias, evitando stocks, beneficiando a tesouraria – e isto não é fácil de encontrar noutras regiões.  O dinâmico e irreverente António Maçanita (Fita Preta, Azores Wine Company, entre outros projectos) também não tem dúvidas que o Alentejo é, generalizando, a região portuguesa mais profissional na produção de vinho, igualmente destacando que para tal contribui largamente a área média das propriedades que é, por regra, superior às restantes regiões.  Mas chegados aqui, somos forçados a concluir que será então a diferenciação, e os segmentos de preço mais elevados, os principais desafios e objectivos do Alentejo, posto que na área da produção e boas práticas só existem, como vimos, notícias positivas. Nesse capítulo, António Maçanita tem sido dos mais activos a divulgar algum do património histórico da região. Com efeito, é sabido que o encepamento do Alentejo foi fortemente renovado nos últimos 35 anos, sendo hoje menos presentes castas que antigamente marcavam a paisagem vitícola regional. Casos do Castelão e da própria Trincadeira, e das mais raras Tamarez, Alfrocheiro ou Tinta Carvalha. A procura de boa cor e boa maturação, fez privilegiar castas como o Aragonez ou o Alicante Bouschet; por sua vez, a necessidade de uma consistência na qualidade fez triunfar a Syrah ou a Touriga Franca. Já Maçanita, a partir de um vinhedo muito velho – Chão dos Eremitas – procura recuperar o património perdido, comercializando uma excelente gama de monocastas que divulgam um Alentejo diferente e com grande valor acrescentado.

Por falar em divulgação, esse é outro desafio do Alentejo. Região de grande dimensão como nós referimos, e com várias sub-regiões e uma enorme diversidade de solos, não é fácil criar um único padrão e imagem em torno da marca Alentejo. Como acima também dissemos, dúvidas não existem que a marca é muito forte junto do público, todavia associada, em regra, a vinhos de planície e de clima quente o que, sendo verdade em relação a algumas das sub-regiões, deixa outras de fora e é uma imagem redutora dos múltiplos terroirs e castas alentejanos. Em todo o caso, é injusto não referir que o Alentejo foi das primeiras regiões a criar um laço de relação e comunicação fortes com os consumidores. Como nos diz Pedro Pereira Gonçalves a este respeito, a região foi inovadora na imagem e no packaging em geral, criando um modelo de vinho que o consumidor sabe que lhe vai agradar.

Outra demonstração da modernidade e inovação da região, tem sido o investimento e trabalho em projectos vanguardistas de sustentabilidade, mantendo-se, todavia, uma região “amiga dos enólogos” como ouvimos muitas vezes dizer. Nesse aspeto particular, bem como na viticultura de vinhas com extensão, o Alentejo não tem rival. Tendo como parceiro principal a Universidade de Évora, a Comissão Vitivinícola Regional do Alentejo tem vindo a desenvolver e promover melhores práticas no que respeita à sustentabilidade, mantendo a competitividade. Projecto pioneiro no país, o Programa de Sustentabilidade dos Vinhos do Alentejo centra-se na viticultura e na adega. A par do essencial, a conservação do ambiente e a utilização mais eficiente dos recursos, trata-se de um projeto com impacto económico positivo nos produtores, uma vez que são já vários os ‘tenders’ – propostas de aquisição – vindos de países do norte da europa, sobretudo aqueles com mercado organizado em monopólio, a dar prevalência na compra de vinhos com selos de sustentabilidade…

Em suma, e como vimos, são vários os factores que contribuem para o sucesso do Alentejo nos tintos entre os €8 e os 15€. Mas não nos esquecemos é no segmento abaixo dos 5€, e mesmo dos 3€, que a grandíssima fatia do mercado se foca. Ora, também nessas gamas, o Alentejo – pelas mesmas razões acima aduzidas – tem posição de destaque, ainda que a concorrência seja cada vez maior. E o mesmo se diga nos perfis modernos e internacionais da gama ‘premium’, sempre cativantes e de enorme aprumo, e ainda num estilo clássico e revivalista a que cada vez mais assistimos, muitas vezes assente em castas antigas e/ou no uso da talha, que constitui sem dúvida uma mais-valia para a região no que toca aos consumidores mais exigente. Ou seja, o Alentejo tem tudo!

O Alentejo em poucas palavras

Tintos Alentejo

Portalegre (Quinta da Fonte Souto)

 

Solos: Território marcado por um clima continental, tendencialmente seco (pouca chuva), com excepção dos terroirs de influência atlântica, tem nos múltiplos tipos de solos um dos principais factores de diversidade. Dos granitos e xistos, às areias e argilas, passando pelos calcários e mármores, sendo comum que, num espaço de poucos quilómetros, alguns desses solos convivam em extrema proximidade, caso por exemplo da região da Vidigueira, e à volta de Estremoz, ou mesmo na Serra de São Mamede onde encontramos autênticos solos de fusão entre xisto, argila (argilo-limoso) e granito. Na sub-região de Borba o xisto é muito presente, mas ali também se encontra argila e mármore; no Redondo o xisto também é protagonista, encontrando-se ainda alguns filões de granito. Já na Granja-Amareleja, os solos são sobretudo de barro e extremamente pobres.

Clima e altitude: O clima, como acima escrevemos, é tendencialmente continental, mas mais uma vez existem variações. As sub-regiões de Borba, Redondo, Reguengos e Évora, são claramente sujeitas a um clima continental, tal como a Vidigueira apesar de esta beneficiar da influência da Serra do Mendro na retenção das brisas atlânticas para algum orvalho nocturno. No Alto Alentejo são comuns vinhas em altitude, como sucede em Portalegre, por vezes acima dos 600 metros do nível do mar, descendo para cerca de 300 metros em Estremoz. Em ambos os casos, as temperaturas no Verão, sendo elevadas, não são tão escaldantes quanto no resto da região. No Sul, as regiões de Moura e Granja-Amareleja são naturalmente cálidas e solarengas, pelo que o clima é extremo apesar das vinhas (sobretudo Moreto) a isso estarem habituadas.

Castas: Também as castas são um factor de diversidade, encontrando-se em grandes manchas o Aragonez e o Alicante Bouschet e, em menor dimensão, a Trincadeira e o Castelão. As omnipresentes Touriga Nacional e Syrah (extremamente consistente) também são baluartes para se produzir com qualidade, com a Touriga Franca também a ganhar espaço. Para as bordalesas Cabernet Sauvignon e Petit Verdot não haverá talvez melhor região no país, e as tradicionais Alfrocheiro, Tinta Caiada, Tinta Grossa e Moreto marcam igualmente presença. Quanto a esta última, que tem na sub-região Granja-Amareleza o seu porto-seguro, é cada vez mais elogiada pelo seu carácter (sobretudo se vinificada em talha).

Certificação: Não existindo qualquer hierarquia entre as duas categorias de vinho certificados, os de Denominação de Origem (ou seja, DOC Alentejo), e os de Indicação Geográfica (os Regional Alentejano), os DOC são sujeitos a regras mais rígidas, sobretudo no que respeita à utilização de castas tidas como mais tradicionais, e têm necessariamente que provir das 8 sub-regiões estabelecidas. Já os Regionais podem provir da vasta área de vinha situada fora das sub-regiões, até mesmo do litoral vicentino onde se produzem brancos muito interessantes.

Tintos Alentejo

Vidigueira (Herdade Grande)

(Artigo publicado na edição de Maio de 2021)

  • Grande Trinca Bolotas
    Alentejo, Tinto, 2018

    16
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Herdade do Rocim
    Regional Alentejano, Reserva, Tinto, 2019

    17
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • AQ 600
    Regional Alentejano, Tinto, 2019

    16.5
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Herdade do Sobroso
    Alentejo, Tinto, 2018

    17
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Piteira
    Alentejo, Alicante Bouschet, Tinto, 2019

    16.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Fita Preta
    Regional Alentejano, Tinto, 2019

    17
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Esporão Colheita
    Regional Alentejano, Tinto, 2019

    16.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Volte Face
    Regional Alentejano, Reserva, Tinto, 2019

    17
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Cortes de Cima
    Regional Alentejano, Tinto, 2017

    17
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Herdade do Paço do Conde
    Regional Alentejano, Reserva, Tinto, 2018

    17
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Adega Mayor
    Regional Alentejano, Reserva, Tinto, 2017

    16.5
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Sericaia
    Regional Alentejano, Tinto, 2019

    16.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Herdade Grande Gerações
    Regional Alentejano, Colheita Seleccionada, Tinto, 2015

    17
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Abelharuco
    Regional Alentejano, Tinto, 2020

    16
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Tangente
    Regional Alentejano, Tinto, 2017

    16
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Gáudio Clássico
    Regional Alentejano, Tinto, 2015

    17
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Santa Vitória
    Regional Alentejano, Tinto, 2016

    17
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Monsaraz Superior
    Alentejo, Tinto, 2018

    16.5
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Terrenus
    Alentejo, Tinto, 2016

    17
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Porta da Ravessa (Edição 30 anos)
    Regional Alentejano, Reserva Especial, Tinto, 2017

    17
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Coelheiros
    Alentejo, Tinto, 2018

    17
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Bojador Edição Especial 10 anos
    Regional Alentejano, Tinto, 2018

    17
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Ravasqueira Reserva da Família
    Regional Alentejano, Tinto, 2019

    17
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Alabastro
    Regional Alentejano, Reserva, Tinto, 2017

    16.5
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Herdade das Servas Unoaked
    Regional Alentejano, Tinto, 2019

    16.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Monte da Raposinha
    Regional Alentejano, Tinto, 2018

    17
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Monte da Peceguina
    Regional Alentejano, Tinto, 2018

    16.5
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Dona Maria
    Alentejo, Tinto, 2017

    16.5
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • GA Vinhas Velhas dos Aleixos
    Alentejo, Tinto, 2018

    17
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Pousio
    Regional Alentejano, Alicante Bouschet, Tinto, 2018

    17
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Herdade da Bombeira
    Regional Alentejano, Reserva, Tinto, 2019

    17.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Marquês de Borba Vinhas Velhas
    Alentejo, Tinto, 2018

    17
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Dom Rafael
    Alentejo, Tinto, 2018

    16.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Vidigueira A Bonança
    Alentejo, Tinto, 2019

    16.5
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Nunes Barata
    Regional Alentejano, Reserva, Tinto, 2017

    17
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Gamito
    Regional Alentejano, Alicante Bouschet, Tinto, 2016

    16.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • José de Sousa
    Regional Alentejano, Tinto, 2018

    16.5
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Herdade de São Miguel
    Regional Alentejano, Touriga Franca, Tinto, 2018

    17
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Comenda Grande
    Regional Alentejano, Alicante Bouschet/Syrah, Tinto, 2016

    17
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Adega de Borba Edição Limitada 65 Anos
    Alentejo, Tinto, 2014

    17.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Quinta da Fonte Souto
    Alentejo, Tinto, 2017

    17.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Conde D’Ervideira
    Alentejo, Reserva, Tinto, 2019

    17
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Foral de Évora
    Alentejo, Tinto, 2018

    16.5
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Duquesa Maria
    Regional Alentejano, Reserva, Tinto, 2017

    16.5
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Carlos Reynolds
    Regional Alentejano, Tinto, 2019

    16
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
Siga-nos no Instagram
Siga-nos no Facebook
Siga-nos no LinkedIn

Escreva um comentário