Home-SliderNotícias Vinho

Xisto, melhor do que nunca

By 19 de Maio, 2022 Sem comentários

“Um encontro de amigos”. É desta forma que as famílias Roquette e Cazes resumem o processo que levou à criação do Xisto. A colheita de 2018, agora apresentada nas renovadas instalações do icónico Château Lynch-Bages, em Bordéus, é porventura a melhor de sempre.

Texto: Luis Lopes

Fotos: Luis Lopes e R&C

A nova adega do Château Lynch-Bages, na pitoresca aldeia de Bages, comuna de Pauillac, é algo de assombroso. Pelo conceito, que replica as adegas “de gravidade” do século XIX, pela eficácia da simplicidade, pela tecnologia de ponta orientada no sentido da menor manipulação possível de uvas, massas e vinhos. Descrevê-la em detalhe implicaria várias páginas carregadas de entusiástica adjectivação e não é esse o tema deste trabalho, mas sim os vinhos que ali nos foram apresentados em finais de fevereiro: Roquette & Cazes tinto 2019 e Xisto tinto 2018.

O “encontro de amigos”, frase-assinatura que abre sempre a comunicação dos vinhos da empresa, teve início em 2002 e os amigos eram (e são) Jean-Michel Cazes (dos châteaux Lynch-Bages, Ormes de Pez e Haut-Batailley) e Jorge Roquette, da Quinta do Crasto. Na base do projecto, a complementaridade do conhecimento vitivinícola das duas famílias, para criar, em conjunto, um grande vinho do Douro, um vinho que tivesse “o poder e o sol de Portugal conjugados com a elegância de Bordeaux”, como na época o definiu Jean-Michel Cazes.

Xisto Roquette Cazes

Daniel Llose, Jean-Charles Cazes, Tomás Roquette e Manuel Lobo.

O primeiro Xisto nasceu na vindima de 2003, tendo sido apresentado ao mundo, com grande sucesso, na Vinexpo de 2005. O objectivo inicial era fazer Xisto todos os anos (menos nas colheitas de insuficiente qualidade, claro), e assim aconteceu nas colheitas seguintes, 2004 e 2005. Na vindima de 2006 surgiu o “irmão mais pequeno”, chamado Roquette & Cazes e, a partir daí, o conceito do Xisto cresceu em ambição, ficando definido que apenas seria engarrafado nas colheitas verdadeiramente extraordinárias. Assim, de então para cá, só houve Xisto em 2009, 2011, 2013, 2015 e, agora, 2018.

Ao longo destas quase duas décadas várias coisas foram, naturalmente, acontecendo. Desde logo, o alargamento da amizade e compromisso familiar à geração seguinte, corporizada por Tomás Roquette e Jean-Charles Cazes, que são hoje a face mais visível deste projecto; depois o estreitar da colaboração entre os enólogos das duas casas, Manuel Lobo e Daniel Llose, que se juntam em animados debates nas vinhas, adega, sala de barricas e sala de provas da Quinta do Crasto, onde os vinhos da parceria Roquette & Cazes são vinificados; finalmente, ocorreram alterações na origem das uvas, com as primeiras colheitas de Xisto a virem de vinhas arrendadas especificamente para este propósito, no Cima Corgo, passando ao longo da década de 2010 a incorporar, em cada vez maior grau, as uvas produzidas nas novas quintas do Douro Superior adquiridas pelas famílias Roquette (Quinta da Cabreira) e Cazes (Quinta do Meco).

Base Douro Superior

As duas quintas são vizinhas, situadas ambas no concelho de Vila Nova de Foz Côa. As parcelas que deram origem à Quinta da Cabreira começaram a ser adquiridas em 2000, com a plantação de novas vinhas entre 2004 e 2009. São 140 hectares de terreno, onde hoje estão 114 hectares de vinhedos, maioritariamente expostos a norte e em cotas que vão dos 115 aos 430 metros de altitude. Touriga Nacional, Touriga Franca e Tinta Roriz, as castas base do projecto Roquette & Cazes, são das variedades com maior implantação, entre muitas outras brancas e tintas.

O entusiasmo de Jean-Michel Cazes pelo Douro levou-o, nos anos de 2006 e 2007, e com o apoio “logístico” da família Roquette, a comprar no mesmo local diversas parcelas contíguas. Um longo processo de aquisições, a doze proprietários diferentes, resultou no que é hoje a Quinta do Meco, composta por 42 hectares de terreno e 25 hectares de vinhas plantadas a partir de 2010, com exposição nascente e norte. Tal como na Cabreira, Touriga Nacional, Touriga Franca e Tinta Roriz são as variedades dominantes.

Assim, o novo Roquette & Cazes tinto de 2019, é elaborado quase todo a partir de uvas do Douro Superior, sobretudo da Quinta do Meco, mas também da Cabreira. 60% é Touriga Nacional, com 25 de Touriga Franca e 15 de Tinta Roriz. Fermentadas em cubas inox troncocónicas, o vinho que originam é depois estagiado 18 meses em barricas de carvalho francês, 65% das quais novas.

O Xisto 2018 usa as mesmas castas, mas oriundas de vinhas mais velhas, conjugando uvas do Cima Corgo (das vinhas arrendadas) e do Douro Superior. Fermentado no mesmo tipo de cubas, tem um estágio mais longo em barrica (20 meses) e maior percentagem (90%) de barricas novas. O processo de vinificação destes vinhos é, claramente, de “escola bordalesa”, com contacto bastante prolongado com as películas (25 a 28 dias) e extrações muito suaves. Consequência prática deste modelo assente em longas macerações, enquanto uma cuba de Crasto faz três fermentações durante uma vindima, a mesma cuba de Xisto faz apenas uma. O estágio prolongado em barrica é parte da identidade destes vinhos (o mesmo se passa com os Crasto, aliás) o que leva a que o parque de barricas ao cuidado de Manuel Lobo seja imenso: cerca de 3000 vasilhas, das quais 900 pertencentes à Roquette & Cazes. Uma (boa?) dor de cabeça para Tomás Roquette que vai muito em breve investir novamente na ampliação da vinificação e armazenagem.

No que respeita à empresa Roquette & Cazes, o projecto tem vindo a crescer de forma contínua e bastante sustentada. 2021 foi o melhor ano de sempre em vendas (estão em 42 países) e enchem cerca de 80 mil garrafas/ano, 7 mil de Xisto e 73 mil de Roquette & Cazes. Dado o preço médio elevado, é negócio bem interessante. Os dois vinhos agora colocados no mercado vão certamente contribuir para potenciar ainda mais a imagem da marca, em particular no mercado nacional, onde ainda não terá atingido o índice de notoriedade que a qualidade do produto justifica. Roquette & Cazes 2019 e Xisto 2018 são grandíssimos tintos do Douro e, seguramente, este último, vai posicionar-se entre os melhores vinhos portugueses do ano.

(Artigo publicado na edição de Abril de 2022)

Não foram encontrados produtos correspondentes à sua selecção.

Siga-nos no Instagram
Siga-nos no Facebook
Siga-nos no LinkedIn

Escreva um comentário