Home-SliderNotícias Vinho

10 Anos de Mirabilis: “O Mirabilis não se vende, deixa-se comprar”

By 19 de Setembro, 2021 Sem comentários

Dez anos após o primeiro Mirabilis, branco e tinto, a Quinta Nova de Nossa Senhora do Carmo fez-nos revisitar colheitas antigas de ambos, em prova vertical, e levou-nos numa viagem histórica, mostrando que a marca está agora, na nova edição, mais forte do que nunca.

Texto: Mariana Lopes
Fotos: Quinta Nova

Tudo teve início em 2011, ano de colheita dos primeiros Mirabilis, branco e tinto. A Quinta Nova de Nossa Senhora do Carmo, que já tinha uma gama de vinhos do Douro bem estabelecida — com enologia conduzida por Jorge Alves — e uma viticultura totalmente “oleada” e organizada — sob a direcção de Ana Mota — queria ir mais longe. Luísa Amorim, proprietária e administradora, tinha acabado de festejar os seus 40 anos de idade no lançamento da primeira edição e, na altura, explicou: “Num terroir de 85 hectares de vinha em produção integrada, em 41 parcelas de vinhas distintas, com castas indígenas próprias, sentimos que podemos trabalhar o detalhe, selecionando a selecção, da selecção, da selecção…”.

Foi com essa premissa que a equipa da Quinta Nova se lançou no desafio de escolher as uvas que entrariam no lote do branco e no tinto. Ana Mota, a directora de viticultura que completou, no dia 1 de Maio de 2021, 20 anos de casa, contou como se chegou ao Mirabilis branco, durante a apresentação das novas colheitas. “A Quinta Nova não tem uvas brancas, devido à sua mais baixa altitude. Tivemos muito trabalho em encontrar as vinhas perfeitas, mas acabámos por descobrir três parcelas em solos e altitude ideais, entre Sabrosa e Alijó, incluindo uma vinha muito velha com mistura de castas. Depois, seleccionámos as videiras dessas parcelas, uma a uma”. Hoje, este vinho tem também uvas que vêm de Tabuaço e, segundo Ana Mota, “a busca pelas vinhas do Mirabilis branco é constante, para assegurarmos um futuro ideal para o vinho”. Assim, o Mirabilis branco tem Viosinho, Gouveio e Rabigato, e vinha centenária que inclui castas como Fernão Pires, Arinto, Folgasão, Bical, Gouveio Estimado e Gouveio Real. No entanto, ao longo dos anos, a percentagem de Rabigato tem diminuído muito, sendo hoje residual. O 2019, lançado agora, acabou a fermentação e estagiou 10 meses em barricas de carvalho francês e húngaro. Foi feita bâtonnage quinzenal, durante os primeiros 5 meses. É o primeiro a ter mais um ano de garrafa do que o habitual. “Foi por força do abrandamento de vendas durante a pandemia, mas acabou por ser bom para o vinho”, revelou Luisa Amorim. O 2011 originou 3200 garrafas e, do 2019, já foram feitas 17 mil.

Mirabilis 10 anos

Quinta Nova Nossa Senhora do Carmo.

Já o Mirabilis tinto, sempre teve origem em vinhas próprias. É um lote de Tinta Amarela (grande percentagem) — a Quinta Nova tem três hectares desta casta — com vinha centenária. A vinha centenária da Quinta Nova, a uma cota de 150 metros de altura, tem 7 hectares divididos em duas parcelas, uma de 4.5 hectares e outra de 2.5, e está plantada em terraços preservados com muros de xisto de 2.5 metros de altura. Nela estão misturadas cerca de 80 castas tintas e brancas, a uma densidade de 6 mil plantas por hectare. Ao longo do tempo, vão sendo replantadas com base nas videiras antigas. “Com uma produção muito baixa, cuidamos destas parcelas de forma tradicional e mobilizamos o solo com charrua e cavalo. Aplicamos apenas adubação natural e vindimamos manualmente”, elucidou Ana Mota. Jorge Alves, director de enologia, lembrou que “quando, há 10 anos, decidimos fazer o Mirabilis tinto, sabíamos uma coisa com certeza, que não queríamos incluir Touriga Nacional”. Vinificado sem engaço, tem 12 meses de estágio em barricas novas de carvalho francês. “Para apurar o lote final, é sempre feita uma selecção minuciosa de barricas”, adiantou o enólogo. No futuro, a Quinta Nova pretende aumentar o encepamento de Tinta Amarela, para vir a produzir mais garrafas. Do Mirabilis tinto 2019, foram feitas apenas 5 mil.

Mirabilis — nome que, segundo Luísa Amorim, significa “algo maravilhoso” — são os topo de gama da Quinta Nova, a par apenas do Aeternus, um vinho ícone que homenageia o pai de Luísa, Américo Amorim. “O conceito do Mirabilis nunca foi o de fazer um vinho ‘de terroir’, mas sim um vinho de grande nível, inspirado nos grandes vinhos do Mundo”, afirmou Luísa Amorim. “Hoje, é um vinho que não se vende, deixa-se comprar. Está sempre vendido antes de ser lançado”. E desenvolveu: “O Mirabilis nasceu no nosso Atelier do Vinho, uma parte da adega onde fazemos micro-vinificações e experiências, um autêntico boticário do vinho”. Este Atelier foi construído em 2010, com o objectivo de tratar os vinhos como obras de estudo, e situa-se por entre os lagares mais antigos da adega, datados de 1764, zona onde foram colocados diferentes balseiros de madeira e cubas de inox. Ali, sempre se ensaiaram diferentes macerações e maturações, e vinificações de parcelas e sub-parcelas. Na verdade, é o “parque de diversões” de Ana Mota que, perante a possibilidade da extinção do atelier, colocada por Luísa, sorri e declara: “Ainda vou dar a volta a isso…”.

Quando questionada sobre onde quer a Quinta Nova esteja daqui a mais 10 anos, Luísa Amorim não entra em rodeios. “Sou muito sonhadora, e o meu sonho é que, daqui a 10 ou 20 anos, haja no Douro algo como o ‘Super Toscano’. Acho sinceramente que a região merece, com todo o trabalho que está a fazer”.

(Artigo publicado na edição de Maio 2021)

  • Mirabilis
    Douro, Reserva, Tinto, 2019

    18.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Mirabilis
    Douro, Branco, 2019

    18.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
Siga-nos no Instagram
Siga-nos no Facebook
Siga-nos no LinkedIn

Escreva um comentário