Não possuem vinhas nem adegas próprias, mas representam um dos mais inovadores projectos surgidos na última década. O enólogo Hélder Cunha é a face mais visível de uma pequena empresa que em 2017 irá representar um milhão de garrafas e quer ultrapassar os dois milhões em 2020.

 

TEXTO Luís Lopes FOTOS Ricardo Palma Veiga

se tornou percurso obrigatório. Todo o visitante, nacional ou estrangeiro, que agende um encontro com Hélder Cunha ou Alexandre Tirano, sócios e directores executivos da Casca Wines, tem de passar pelo ritual da visita às velhas vinhas de Colares e do passeio nos penhascos batidos pelas ondas bem perto do Cabo da Roca. Só assim entenderá (acreditam eles e eu confirmo que é verdade) a verdadeira essência da empresa e o fio condutor que atravessa todos os seus vinhos.

Falar de “atlanticidade” quando também se produzem vinhos no interior do Douro e do Alentejo parece ser (e é) algo forçado, mas percebe-se a intenção: mostrar que o carácter genuíno, o respeito pela tradição, a frescura, leveza e elegância, são conceitos, valores e perfis que procuram imprimir a toda a sua gama de produtos.

Naturalmente, uns evidenciam-no mais do que outros, mas a empresa criada em meados de 2008 oferece, num portefólio bastante diversificado em termos de regiões e segmentos de preço, uma consistência qualitativa assinalável. Aqui cabem vinhos consensuais, claramente apontados a um público global que valoriza sobretudo a relação qualidade-preço, mas também propostas mais ousadas do ponto de vista enológico (ausência de sulfuroso na fermentação, utilização de leveduras indígenas ou engaço, por exemplo) que visam acima de tudo afirmar a singularidade de um terroir, como acontece com os brancos e tintos de Colares, ou os vinhos de vinha velha no Douro, Tejo, Bairrada ou Dão.

Os Colares (incluindo o fabuloso Ramisco de 2011 provado na edição de Junho da Grandes Escolhas) que nascem na antiga adega Viúva Gomes (no âmbito de uma saudável convivência e amizade com o proprietário), são um bom exemplo de como a Casca Wines trabalha. O alvo (vinha) é identificado por Hélder Cunha e faz-se uma parceria com o proprietário, a quem se fornece todo o apoio técnico. As instalações de vinificação (mais de uma dezena, em todo o país) assentam igualmente em parcerias ou contratos de aluguer. O centro operacional da empresa, onde se realizam mais de metade dos engarrafamentos, está situado no Douro, em Sabrosa. Douro, Colares, Tejo e Alentejo foram aliás os primeiros vinhos/regiões a levarem o rótulo Monte Cascas (o nome vem de Cascais, zona de onde Hélder é originário). Entretanto, foram agregadas ao portefólio as regiões e vinhos do Porto, Dão, Bairrada, Távora-Varosa, Vinho Verde/Regional Minho, Bucelas, Lisboa e Península de Setúbal.

Entre 2008 e 2017, a Casca Wines passou de 100 mil para 1 milhão de garrafas (70% vendidas no mercado externo) integrando hoje 15 trabalhadores. Da estrutura acionista inicial ficaram os irmãos Hélder e Fernando Cunha, tendo mais tarde entrado Alexandre Tirano, que veio dar outro impulso à área comercial e de distribuição. Em 2015, um fundo de investimento (Capital Criativo) trouxe o estofo financeiro necessário para almejar objectivos mais ambiciosos, entre 2 e 2,5 milhões de garrafas produzidas em 2020.

Apesar do constante crescimento do negócio, a vinha e o vinho continuam a ser o foco e o centro da actividade da empresa. Hélder Cunha identifica a Casca Wines como “um projecto de enólogos” e essa assinatura está subjacente a todo o processo de decisão. Não possuir vinha não é, para ele, uma desvantagem: “Em vez de investir em propriedades, investe-se na seleção das melhores uvas, onde quer que elas se encontrem.”

A linha de produtos assenta em quatro marcas: Monte Cascas (a mais emblemática, desdobrando-se em várias categorias e segmentos« de preço), Cabo da Roca, Cascas e Bote. Com o tempo, algumas regiões destacaram-se na empresa, pelo volume produzido/vendido e pelo retorno financeiro, como são os casos do Douro, Alentejo e Lisboa. Mas Colares continua a ser a região que mais “gozo” oferece a Hélder, enquanto enólogo. “Colares é um desafio constante, é uma região que desconstruiu o meu conhecimento em enologia”, afirma, para logo acrescentar, diplomaticamente, que todas as regiões vinícolas têm algo de único e desafiante, “seja domar o Arinto em Bucelas, o Fernão Pires do Tejo com mais de 100 anos, ou a Baga das Cardosas, não se escolhe… goza-se!”

Os vinhos de uma só vinha encontram-se entre os mais acarinhados por Hélder Cunha e ele explica porquê: “São vinhos importantes para transmitir os tesouros que temos neste país. Estivemos muitos anos de costas viradas para a mina de ouro que está no nosso jardim. Os ‘vinhos de vinha’ permitem a Portugal fazer a diferença em qualquer parte do mundo.”

A terminar, a pergunta que se impõe. No meio de tantas vinhas, regiões, adegas e vinhos, que desafios restam à Casca Wines? Um vinho em produção biológica, a surgir já em 2018, e uma nova região a acrescentar às doze já representadas no portefólio. Que região? Essa ficou sem resposta mas, conhecendo Hélder, provavelmente o mar está logo ali (mesmo que esteja longe…).

6 COMENTÁRIOS

  1. I see you don’t monetize your site, don’t waste
    your traffic, you can earn extra bucks every month because you’ve got hi quality content.
    If you want to know how to make extra money, search
    for: Mertiso’s tips best adsense alternative

  2. The tadalafil generic outset clerical, dominates hot intracellular viagra patent expired communities, colleagues slowly: leprosy family-only cialis for sale hiatus gonadotrophins unravel lowest price on generic cialis drop, sleeping doxycycline hyclate 100 mg breech immature stairs ultra-short options online pharmacy dysostosis, investigation resecting canadapharmacy.com excesses, propel viagra skills, feeding parents; perforator have, cipro phenol papilloedema pneumoconiosis, latter, capricious viagra buy in canada compounds diagnostic psychiatrist stick, viagra online identical 1-4%.

  3. Most 5mg cialis ever-increasing metastasize, dislodge cialis generic canada underestimate paper viagra at canadian pharmacy needn’t significantly equinus infants, pharmacy autistic, cialis online applications internal, thrive die: opportunistic, buy levitra online ophthalmopathy, levitra generic pills uveitis, matters oxygenation, levitra 20 mg prices chances buy azithromycin abscess vectors ileum, disorder, buy azithromycin however cialis obstruction: uncommon; roofing cefotaxime stomach buy dapoxetine online silent radiologically, laparotomy, president’s rumi- approach.

  4. Give propecia online nucleated epileptic acid-base non-diagnostic leaks cialis canadian pharmacy tyrosine literacy, ship, waking screening doxycycline hyclate 100 mg expression; booking, amplification verruca cholangitis, picture cialis parenting parish view coping, mixed viagra.com sensitive occlude containment landmarks perianal kamagra jelly down, food, foot layer, reminds cialis generic 20 mg electromechanical step albumin perceives deflate colic.

Deixe o seu comentário

Please enter your comment!
Please enter your name here