Home-SliderNotícias Vinho

Dona Sancha: senhora de Silgueiros

By 23 de Janeiro, 2023 Sem comentários

Foi há pouco mais um ano que os consumidores se familiarizaram com este nome, um novo produtor no Dão, numa das sub-regiões que concentra um bom número de quintas. O portefólio tem-se alargado, a quinta tem muito para oferecer…

 

 Texto: João Paulo Martins e Nuno de Oliveira Garcia  Fotos: Quinta Dona Sancha

 O nome tem uma sonoridade antiga, tão antiga quanto a nacionalidade. Era na Idade Média que proliferavam os Sanchos, as Sanchas, tudo gente que herdava propriedades, ora por doação régia ora por heranças familiares. A que deu nome a este vinho, Dona Sancha Gonçalves instituiu em 1186 o Padroado de Santa Maria de Silgueiros. Pela data percebemos que Portugal enquanto país dava ainda os primeiros passos e nem o território estava todo conquistado aos mouros. A tarefa imediata era, então, o povoamento, atraindo pessoas que se fixassem, concedendo-lhes terras. As parcelas desta quinta terão, por certo, estado em muitas mãos até terem chegado ao actual proprietário – Rui Parente -, já de há muito ligado ao vinho, fundador da mais importante garrafeira de Viseu, a Cave Lusa. A actual propriedade resulta da junção de duas quintas: a quinta da Avarenta e a quinta do Senhor Rocha, separadas por uma faixa de terreno que tem vindo a ser adquirida e as duas quintas já constituem um bloco único.

Ao comando técnico deste projecto temos Paulo Nunes e Mafalda Perdigão, ambos com fortes raízes na região. Silgueiros, diz Paulo, será das sub-regiões do Dão a que tem mais área de vinha; além desta destaca a sub-região da serra da Estrela e, como afirmou “mais uma meia sub-região, Penalva do Castelo.” Esta será, disse, uma zona mais quente, mas que gera vinhos muito equilibrados.

A quinta tem 26 ha a produzir, onde se contam algumas parcelas que estão em processo de aquisição. Os vinhos são, ora de lote (tradição na região) ora varietais, nomeadamente um de uma casta outrora muito importante – Tinta Pinheira – outro de uma variedade menos falada, mas que conhece agora algum renascimento, a Cerceal-Branco. Mafalda Perdigão explicou que plantaram um talhão com 39 variedades, na prática todas as que estavam disponíveis no Centro de Estudos de Nelas e que iam além das clássicas. O futuro ditará quais as que poderão conhecer algum aproveitamento para futuros plantios. Mas, como se imagina, Paulo não tem grandes ilusões, “não acredito que fiquem todas.”

As castas, segundo os enólogos: a Bical poderá não ter grande futuro face às alterações climáticas porque perde facilmente a acidez; ao contrário, a Cerceal-Branco é uma casta de muito boa acidez, ainda que, por vezes, com menos expressão aromática. Será seguramente uma casta de futuro também porque tem boas produções, na casa das 7 ton/ha. Problemas idênticos à Bical tem a Malvasia Fina porque, caso exista uma situação de stress hídrico, ela não recupera e perde valia. A casta Jaen, “que deveria ser a porta de entrada na região” tem uma janela de oportunidade de colheita muito apertada, é uma casta muito produtiva que pode facilmente chagar às 11 toneladas/ha e por isso, precisa de um controle da produção e outro da maturação, “chega a ser duas vezes por dia” para que se possa colher no momento certo. Já a casta Encruzado tem a particularidade de “se sobrepor aos erros de abordagem, o que faz com que só um mau enólogo não faça um bom Encruzado”, Paulo dixit.

A Tinta Pinheira é, no conjunto das castas da região, das quem tem menos intensidade corante e por isso “sobreviveu mal à era Parker” mas tinha, segundo o enólogo, a função de “limpar os exageros das outras castas, é contida mas ajuda muito no lote” e foi durante décadas a casta tinta mais ácida da região. Na apresentação ficou a promessa de vir a surgir um tinto num patamar ainda acima destes todos. Ficamos à espera.

(Artigo publicado na edição de Dezembro de 2022)

  • Dona Sancha
    Dão, Encruzado, Branco, 2020

    17.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Dona Sancha
    Dão, Cerceal-Branco, Branco, 2020

    18
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Dona Sancha Vinha da Avarenta Clarete
    Dão, Tinto, 2021

    16.5
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Dona Sancha
    Dão, Rosé, 2021

    16.5
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Dona Sancha Vinha da Avarenta
    Dão, Branco, 2020

    17
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Dona Sancha
    Dão, Tinto, 2020

    17
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Dona Sancha
    Dão, Tinta Pinheira, Tinto, 2019

    17.5
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Dona Sancha
    Dão, Branco, 2021

    16.5
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Dona Sancha Vinha da Avarenta
    Dão, Tinto, 2020

    17
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
Siga-nos no Instagram
Siga-nos no Facebook
Siga-nos no LinkedIn

Escreva um comentário