Luís Lopes | Editor

Editorial – A Bairrada do espumante

By 8 de Dezembro, 2021 Sem comentários

Editorial da revista nº56, Dezembro 2021

Mais do que uma região onde tradicionalmente se produz espumante, a Bairrada é uma região onde o espumante faz parte da tradição. Parecendo a mesma coisa, é bem diferente. No primeiro caso, envolve apenas os produtores; no segundo, todos, produtores e população, vivem a cultura do espumante.

 

Quando, em 1890, José Maria Tavares da Silva levou a cabo as primeiras experiências de espumantização na então chamada Escola Prática de Viticultura e Pomologia, em Anadia, estaria longe de pensar o efeito transformador que o seu trabalho traria para a região da Bairrada. A apresentação oficial dos seus espumantes, em 1891, desencadearia um processo de industrialização que daria o primeiro passo em 1893 com a criação da Associação Vinícola da Bairrada (produtora do apelidado “Champagne Portuguez”) e teria a sua explosão a partir dos anos 20 do século seguinte, com o nascimento de dezenas de “Caves”.

Na década de 60, as Caves davam trabalho a uma boa parte da população local e contribuíam para o sustento de milhares de pessoas: praticamente todas as famílias acumulavam um emprego (na indústria metalomecânica ou cerâmica, sobretudo) com o amanho de uma ou mais parcelas de vinha, entregando as uvas nas adegas cooperativas (que depois vendiam o vinho às Caves) ou fazendo os vinhos nas suas adegas caseiras, onde os compradores das Caves os iam depois escolher e adquirir.

Quando visitei pela primeira vez a Bairrada do vinho, no início de 1990, o espumante era um produto comum a todos os agentes económicos da fileira, grandes e pequenos. Ao mudar-me de Lisboa para Sangalhos, em 1995, reparei que a cultura do espumante era transversal a toda a população, mesmo a que nada tinha a ver com a produção de vinho: qualquer casa que visitasse me recebia com “uma tacinha de espumante”. E em qualquer refeição, a garrafa de espumante estava presente, do início ao fim. Só aí entendi que a região da Bairrada, e não apenas os profissionais do vinho, sentia e vivia espumante, numa interiorização cultural da bebida por parte das gentes locais que só encontrei paralelo em Champagne e, em menor grau, em algumas vilas da Catalunha.

De então para cá, algumas coisas mudaram. Nos anos 90, a produção de espumantes em Portugal estava quase totalmente centrada em dois grandes núcleos: Lamego e Távora-Varosa (com Raposeira e Murganheira) e a Bairrada, com as suas Caves. Hoje, são centenas os produtores de vinho nacionais, desde o Vinho Verde ao Algarve, que fazem também um espumante como complemento de gama. Ainda que, na sua esmagadora maioria, os novos produtores recorram a diversos “facilitismos” e dispensem, entre outras, três práticas que fazem a diferença entre um bom espumante e um grande espumante: leveduras livres, espumantização/estágio a temperatura baixa e constante e, sobretudo, largo tempo em garrafa sobre as borras da segunda fermentação. O genuíno método clássico (outrora chamado, não por acaso, “método champanhês”), como sabemos, não abdica de nada disto. Mas esse é tema para outra conversa.

Interessante é que, apesar da dispersão geográfica da sua produção, ainda hoje, 60% do vinho espumante produzido em Portugal é feito entre Coimbra e Aveiro. Deste, cerca de metade obtém a certificação Bairrada ou IG Beira Atlântico, e foi uma amostra desse universo que provei para esta edição da Grandes Escolhas. Preservando o estilo de cada casa e o carácter das castas utilizadas, a qualidade geral dos espumantes da região é notável.  Segredo, não existe. Ou, se quisermos, são muitos: clima, solos, castas, história, caves, conhecimento técnico, cultura, tempo. É tudo isso e muito mais que faz da Bairrada uma grande região de espumantes. A Bairrada, na verdade, respira espumante. Afinal de contas, sempre são 130 anos disto.

Siga-nos no Instagram
Siga-nos no Facebook
Siga-nos no LinkedIn

Escreva um comentário