Luís Lopes | Editor

Editorial – Desafiante

By 9 de Novembro, 2021 Sem comentários

Editorial da revista nº55, Novembro 2021

Terminada que está a colheita das uvas, talvez a melhor forma de classificar a vindima de 2021 será dizer que, quando pensarmos nela no futuro, não suscitará grandes saudades. Quero com isso sugerir que foi uma vindima medíocre? Não, de forma alguma. Mas, poderia ter sido bem melhor, como 2011, por exemplo…

 

Convenhamos: uma vindima perfeita, como foi 2011, só acontece uma vez em cada década, ou até mais raramente. Desde a minha estreia na escrita de vinhos assisti a 33 vindimas, percorrendo vinhas e adegas de todo o país. E provei nas cubas, barricas e garrafas os seus resultados. Considero, assim, poder fazer uma avaliação global minimamente informada e realista. Portugal é, felizmente, um país muito diverso, em climas, solos e castas. Com muita frequência, uma mesma vindima é excelente numa região e apenas sofrível noutra. Quase nunca acontece uma mesma colheita ser nacionalmente considerada medíocre ou extraordinária. No primeiro caso, lembro-me de 1993 e, em parte, 2002. No segundo, sem qualquer dúvida, 2011.

Uma década passada sobre a vindima de 2011, não há produtor de vinho que não se recorde das suas circunstâncias. Maturações lentas e de regular progressão, sem excessos de calor. Uvas sanitariamente perfeitas. Ausência de chuva durante o período de colheita. Foi um daqueles anos em que as uvas amadureceram devagar, preguiçosamente, e o lavrador esperou por elas, descansado, sem stress, porque a previsão meteorológica a duas semanas nada anunciava de preocupante. Cada talhão foi colhido no momento certo e as uvas permaneceram nos depósitos todo o tempo que precisaram, sem pressa de sair para dar lugar à carga seguinte. Hoje, independentemente de alguns eventuais excessos de concentração (mais por “moda” da época do que por culpa das uvas), a verdade é que os 2011 se destacam, imponentes, em qualquer prova vertical que se faça dos vinhos de um dado produtor, de norte a sul do país.

2021 foi muito diferente. Antes da vindima, foi difícil controlar pragas e doenças. Depois, as maturações das uvas estavam globalmente atrasadas, e houve que esperar. Com as brancas, sobretudo nas zonas mais quentes, tudo correu pelo melhor e há muitos bons (e bastantes excelentes) vinhos. Com as tintas, não foi bem assim. Ainda que as maturações dos taninos se tenham antecipado (o que evitou vinhos amargos e verdes) o açúcar não estava lá, e sem uvas maduras não há aromas e sabores. As uvas tardaram muitíssimo em chegar ao ponto certo e antes de o alcançarem vieram as chuvas. A generalidade dos produtores resolveu, e bem, esperar em busca de uma aberta no tempo que permitisse aos cachos eliminar a água e reganhar concentração. Em muitos casos, assim aconteceu, uma vindima às pinguinhas, com avanços e recuos, mas que deu bons resultados. Em muitos outros, quando as uvas estavam quase prontas vinha nova chuvada e, a dada altura, só havia uma decisão possível: apanhar o mais que se puder no primeiro dia de sol e não parar a partir daí. Para os produtores, foi uma vindima muito longa e, acima de tudo, bastante extenuante, física e mentalmente. Como um enólogo me dizia, “foi uma vindima desafiante, mas desafiante com M…”

O que podemos então esperar? Provei mais de 300 amostras de vindima desta campanha e, posso dizer que, globalmente, os resultados estão acima das minhas expectativas. Não estamos perante um 2002 e, muito menos, um 1993, bem longe disso. Há mesmo muitos vinhos tintos surpreendentes pela qualidade da fruta e frescura de boca, com menos álcool que o habitual, claro, mas isso até é positivo. Mais uma vez, as pessoas fizeram a diferença. A qualidade e quantidade de profissionais de campo e adega nada tem a ver com a de há uma ou duas décadas. Prevenir, tratar, decidir, separar. Assim se conseguiram os melhores vinhos de 2021. Vindima desafiante? Porque não? Sempre é melhor do que o tão batido “vindima atípica”…

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Siga-nos no Instagram
Siga-nos no Facebook
Siga-nos no LinkedIn

Escreva um comentário