Home-SliderLuís Lopes | EditorOpinião

Editorial: Uma oportunidade para os rosés

By 8 de Maio, 2022 Sem comentários

LUÍS LOPES

“Give peace a chance”, a famosa frase/canção de John Lennon é hoje, infelizmente, mais actual do que nunca. Mas permitam-me que a tome emprestada para evidenciar um tema muito menos sério: os vinhos rosados. Vinhos que, incensados em público, desvalorizados em privado, também precisam de uma oportunidade.

Editorial da edição nº61 (Maio 2022)

O tema de capa desta edição da Grandes Escolhas é o vinho rosé. No caso, através de um trabalho de Nuno de Oliveira Garcia (NOG) que procura, com a apresentação e prova de 46 rosados, mostrar que esta categoria de vinhos pode, e deve, ser encarada pelo consumidor mais exigente com o mesmo respeito com que encara brancos e tintos. O que, convenhamos, não é tarefa fácil. Para tal, NOG propõe-se, através de bem fundamentada argumentação (ou não fosse o autor, na sua vida profissional, um dos mais ilustres advogados fiscalistas da nossa praça) desmontar os quatro “dogmas” ou, diria eu, preconceitos, que limitam a ascensão dos rosés ao mais elevado grau de respeitabilidade vínica: são feitos com menos cuidados; têm origem em uvas ou castas menos nobres; evoluem mal e mostram menor qualidade absoluta; são, sobretudo, vinhos baratos e bons para beber no Verão.

A argumentação e prova dão inteira razão ao NOG: produzimos neste momento em Portugal, numa grande diversidade de regiões, um conjunto de vinhos rosados capazes de ombrear com o que de melhor fazemos em brancos e tintos. Os rosés de superior ambição não existem em grande número, é certo, mas acredito que, ano após ano, serão cada vez mais.

A desvalorização do rosé não é, longe disso, um problema exclusivo do mercado português. Nunca mais me esqueço das palavras que ouvi, há quase duas décadas, de um famoso jornalista nórdico: “não há nada que um rosé faça que um branco ou um tinto não possam fazer melhor.” Confesso que, enquanto fervoroso consumidor de rosés, a frase me chocou de início. Mas depois, e ao longo de vários anos, dei-lhe razão. Dissecando o meu consumo de rosés, percebi que os encarava como um vinho de momentos. Bom para um aperitivo; bom para um salmão, uns enchidos, umas sardinhas; bom para relaxar numa tarde de Verão; bom para isto ou aquilo, bebido com frequência, mas nunca encarado como verdadeiramente “grande”. Que diabo, se os rosés fossem assim tão bons, porque é não representavam nem 2% da minha garrafeira?

O que é que mudou desde então, para hoje olhar para os rosés com outros olhos? Na verdade, quase tudo, a começar pelos vinhos em si. Primeiro, a qualidade média subiu muitíssimo, em todos os segmentos de preço. Depois, no patamar mais elevado do mercado, em preço e ambição, surgiram em Portugal rosés de grande categoria. Finalmente, diversos produtores começaram, eles próprios, a valorizar o que produziam, posicionando o seu rosé de topo, pelo menos, ao nível do seu branco de topo (os tintos continuam, regra geral, no cimo da pirâmide de marcas).

Na verdade, os rosés nacionais valem tudo isso. Por vezes, até valem mais do que isso. Sobretudo quando comparados com os sobrevalorizados Provence que, acreditem, na sua grande maioria, estão muito abaixo dos seus congéneres portugueses que custam menos de metade do preço.

O que falta, em resumo, para que o mercado, como um todo, valorize os rosés nas lojas, nos restaurantes, em nossas casas? Provavelmente, apenas tempo. Tempo para os rosés fazerem o seu percurso natural no comércio; tempo para os produtores testarem castas e clones na vinha e diferentes técnicas na adega; e, talvez mais importante do que tudo, tempo de estágio em casa dos apreciadores. Somente ultrapassando a prova do tempo, um vinho, branco, rosé ou tinto, pode denominar-se grande.

Vamos então dar uma oportunidade aos rosés? Não porque o Verão esteja a bater à porta. Apenas porque são muito bons.

Siga-nos no Instagram
Siga-nos no Facebook
Siga-nos no LinkedIn

Escreva um comentário