Notícias Vinho

L’and Vineyards: Terras, vinhas, vinhos, gastronomia e muito charme

By 20 Dezembro, 2019 Sem comentários

Um pequeno paraíso a apenas uma hora de Lisboa, em Montemor-o-Novo. O bem-estar e viver fora da confusão da capital, sob o sol generoso e o céu estrelado do Alentejo, com gastronomia refinada e no ambiente de luxo sóbrio. O L’and Vineyards é tudo isto e muito mais.

TEXTO Valeria Zeferino
FOTOS Ricardo Gomez e L’and Vineyards

É um projecto inovador com várias vertentes, cujo tema central é o vinho. Pertence à família Cunhal Sendim, onde um dos quatro irmãos, José de Sousa Cunhal Sendim, é responsável por este projecto que arrancou em 2008 como o primeiro condomínio do vinho em Portugal. Neste momento, estão vendidas 28 casas de diversas tipologias, das quais 4 são disponibilizadas para exploração turística sob a gestão do hotel. Os proprietários são estrangeiros e não vivem em Portugal, mas usufruem das suas casas 5 semanas por ano nas alturas escolhidas por eles.

Em 2011, ao empreendimento imobiliário juntou-se a vertente turística – hotel com um restaurante ambicioso. O projecto foi desenhado pelo reconhecido atelier de arquitectura Promontório, que faz projectos excepcionais em Portugal, Angola, Moçambique, Brasil, Estados Unidos, Suíça (entre muitos outros). A decoração dos interiores foi idealizada pelo arquitecto brasileiro Marcio Kogan. A simplicidade de linhas, a elegância de elementos decorativos e a integração com a natureza conferem distinção ao empreendimento.

Já foi considerado um dos 52 melhores novos hotéis pela revista norte-ameircana Travel&Leisure, pelo The Global Travel Experience Award na categoria de Melhor experiência de sono, entrou nos “Hot Lists” da Conde Nast Traveller dos 35 melhores hotéis e dos melhores Spas, obteve o prémio de Hotel Revelação pelo Guia Boa Cama Boa Mesa e foi distinguido pelos European Residential Property Awards nas categorias de “Melhor Arquitetura” e “Melhor Projecto”.

As estrelas do Alentejo

A vinha à volta do hotel, bem como à frente de cada suite, e a adega que pode ser observada do hall e dos corredores do hotel, criam de imediato uma ligação ao vinho. Cada hóspede, ao entrar na sua suite, encontra uma garrafa de 375 ml de vinho com o seu nome no rótulo e um bilhete manuscrito a desejar boas-vindas. Um pequeno mimo da gerência que consiste na atenção de bem receber os visitantes, fazendo-os sentirem-se únicos e importantes e que neste lugar estavam à sua espera. Como sempre, os pequenos detalhes fazem grande diferença.

As 26 suites, com decoração minimalista e conforto intrínseco, têm duas tipologias – 16 de Land View e 10 de Sky View. Fazendo jus ao nome, nestas últimas, uma parte do tecto em cima da cama abre-se com um comando, deixando o azul do céu fazer parte da decoração  e permitindo observar as estrelas e a lua a partir da cama. O vidro também se pode abrir para respirar o puro ar alentejano. Para além de uma banheira com uma dimensão considerável, cada suite tem um pátio privado com uma “plunge pool” de água aquecida.

O tema vínico está presente também no L’and Spa através de produtos Caudalie com ingredientes naturais, extraídos da vinha e do vinho, valorizados pelas suas propriedades antioxidantes, que contribuem para o bem-estar e a vitalidade. A Esfoliação Crushed Cabernet, o Envolvimento Mel e Vinho e o tratamento Vinoperfect – são apenas alguns exemplos de tratamentos de beleza. O Spa ainda conta com sauna e uma piscina interior aquecida.

Actualmente, 60% dos hóspedes são portugueses. Não é um hotel onde as famílias passem as férias de verão. É mais procurado para estadias curtas (1-2 dias) em busca de relaxamento, plena experiência enogastronómica e romantismo proporcionado pelo ambiente.

Actividades vínicas e Wine Club

Os proprietários que têm vinha, fazem parte do Wine Club (de momento são 9). Pagam um fee anual e 400 euros por ano para lhes tratarem da vinha. Têm ainda direito a uma quantia de 50 a 100 garrafas, conforme acordado na aquisição da casa. O preço por garrafa varia: 5 euros se o vinho é produzido em inox, 7,50 se o vinho é produzido em madeira e 10 euros se pretendem fazer um blend específico. Os vinhos têm rótulos personalizados, com a imagem escolhida por cada membro do Wine Club.

Há várias actividades vínicas ao longo do ano e o calendário é enviado aos proprietários logo em Janeiro. A festa de vindima é o evento de maior dimensão, e este ano bateu recordes, reunindo cerca de 150 pessoas.

A seguir à apanha de uva, quem quer pode participar na sua selecção no tapete de escolha. Quem voltar no ano seguinte, recebe uma garrafa do vinho resultante desta vindima. Uma grande jantarada finaliza o dia, com música e convívio, com a lua a subir por trás do castelo de Montemor, deixando o seu reflexo no lago.

Para os hóspedes do hotel todos os dias às 17h no bar é realizada uma tertúlia dedicada a vinhos.

Um restaurante alentejano com toque nórdico

O restaurante do L’and Vineyards é único no Alentejo que desde 2014 é destinguido com uma estrela pelo Guia Michelin (excepto o ano 2016). Com a saída do Chef Miguel Laffan, este ano o restaurante ficou liderado pelo chef José Tapadejo, que abraçou este desafio ambicioso com talento e determinação.

Os sabores regionais do Alentejo continuam a ser a inspiração principal. A localização permite o acesso fácil à matéria prima de melhor qualidade, como o peixe fresco de Setúbal e a carne de origem alentejana – o peru preto, o borrego merino, a vaca mertolenga e o porco alentejano. Mas também há novas interpretações e reinvenção dos pratos. Todas as vivências e experiências do Chef reflectem-se nas suas criações gastronómicas.

José Tapadejo é alentejano, cresceu em Castelo de Vide. A sua mãe era cozinheira de profissão, mas devido aos horários complicados de trabalho, quem cozinhava em casa para os seus irmãos era José, que na altura tinha 15 anos. Descobrindo cedo a sua vocação, estudou Gestão e Produção de Cozinha na Escola Superior de Hotelaria e Turismo de Portalegre (ESHTP), onde mais tarde regressou como professor. A sua carreira começou precisamente no L’and Vineyards com Miguel Laffan, onde chegou a subchefe. Em 2016 aceitou um convite para liderar um restaurante num pequeno hotel nos fiordes e rumou à Noruega. Foram dois anos a experienciar uma nova cultura e abordagem gastronómica. Em 2018 regressou e agora assumiu a responsabilidade pelo restaurante do L’and Vineyards. Se na Noruega trabalhou a cozinha escandinava com um toque português, agora trabalha a cozinha portuguesa com um toque nórdico.

Um dos pratos, extremamente bem conseguido, une cavala fumada com caviar, aneto e funcho – intenso no sabor e delicado na textura transparece a influência da gastronomia do norte da Europa. A atenção às raízes (no sentido literal e figurado) está representada no prato com o mesmo nome e conjuga os sabores de beterraba, aipo e tupinambor, também conhecido como alcachofra de Jerusalém (é uma planta com tubérculo comestível). O prato de porco preto é acompanhado com couve romanesco e malva-de-cheiro (influência da infância do Chef). O risoto de Lula com raíz de salsa e parmesão mostrou-se saborosíssimo. Tal como o Pregado com alho negro, lima e salicórnia (uma planta suculenta de sabor salgado). Ou ainda o Lombo de vaca no ponto com mostarda dijon, cenouras e cogumelo shitake. Tudo é finalizado com sobremesas deliciosas.

Um dos pratos, extremamente bem conseguido, une cavala fumada com caviar, aneto e funcho – intenso no sabor e delicado na textura transparece a influência da gastronomia do norte da Europa. A atenção às raízes (no sentido literal e figurado) está representada no prato com o mesmo nome e conjuga os sabores de beterraba, aipo e tupinambor, também conhecido como alcachofra de Jerusalém (é uma planta com tubérculo comestível). O prato de porco preto é acompanhado com couve romanesco e malva-de-cheiro (influência da infância do Chef). O risoto de Lula com raíz de salsa e parmesão mostrou-se saborosíssimo. Tal como o Pregado com alho negro, lima e salicórnia (uma planta suculenta de sabor salgado). Ou ainda o Lombo de vaca no ponto com mostarda dijon, cenouras e cogumelo shitake. Tudo é finalizado com sobremesas deliciosas.

A cozinha do Chef José Tapadejo é um equilíbrio de intensidades e texturas e funciona em tandem com as harmonizações propostas pelo sommelier Gonçalo Mendes, um dos poucos membros da equipa que está no restaurante praticamente desde o início. Na carta de vinhos, com fóco óbvio nos vinhos regionais e portugueses, há espaço para néctares provenientes de outros países. O resto do pessoal transparece simpatia natural e está à vontade para explicar os pormenores de pratos ou responder a alguma questão acerca dos seus ingredientes.

O preço do menu de degustação L’AND é 105 euros mais 55 pela harmonização com vinhos. O menu Viagem só com quatro momentos custa 75 euros e mais 40 euros pela harmonização.

Aqui respira-se vinho

A produção de vinho não é a principal actividade do projecto, mas a sua parte integrante e inseparável. O vinho é produzido desde 2009 sob a batuta do reconhecido enólogo da região Paulo Laureano. Em 2013 iniciou-se a conversão de vinha para produção biológica, e foi certificada em 2016. Ultimamente o enólogo residente era João Ramos, que agora foi trabalhar para a Esporão. O novo enólogo residente será anunciado muito em breve.

O L’and é, literalmente, o vinho de casa. É produzido na adega inserida no espaço hoteleiro a partir das castas Touriga Nacional (50%), Touriga Franca (25%) e Alicante Bouschet (25%) com um estágio de 12 meses em barricas de 225 litros de carvalho português de 2º ano. Pode ser adquirido no hotel pelo preço 22 euros e encontra-se na carta de vinhos do restaurante por 45 euros.

Mas há mais vinho produzido na família. O Paulo Sendim, um dos quatro irmãos, é produtor de vinhos desde 2003, plantando a sua vinha em 1999. Sempre acreditou que o trabalho principal é feito pelos agricultores e não pelos enólogos e em 2005, segundo o produtor, foi o primeiro no Alentejo a obter certificação de agricultura biológica. Nesta altura, a vinha também deixou de ser regada, pois está inserida numa zona húmida com o lençol freático muito alto. Na adega privilegia a fermentação espontânea com leveduras indígenas e tenta adicionar o menos possível de sulfuroso. No total conta com 19 hectares perto de Montemor-o-Novo, dos quais 18 são de castas tintas (Trincadeira, Aragonez, Alicante Bouschet, Touriga Nacional e um pouco de Cabernet Sauvignon) e apenas um dedicado a castas brancas (Arinto com Verdelho da Madeira) e produz cerca de 7 mil garrafas de vinho. A gama Zebro foi buscar o seu nome de uma espécie de cavalo selvagem que vivia na Península Ibérica até ao século XVII.

O Zebro branco é feito de castas Arinto e Verdelho e esteve 6 meses sobre borras finas em inox. O Zebro blanc de noirs é produzido desde 2013 e é feito da casta Aragonês, vindimada muito cedo e logo prensada para obter sumo sem ganhar cor. Amoreira da Torre tem por base Aragonez e Trincadeira com um pouco de Cabernet Sauvignon. O Quinta da Amoreira da Torre Reserva é um bem conseguido dueto de Alicante Bouschet e Touriga Nacional. Fermentou em inox, depois fez a fermentação maloláctica em barricas usadas de 300 litros, onde estagiou um ano e mais um ano em garrafa.

VINHOS EM PROVA

  • L’and
    Regional Alentejano, Reserva, Tinto, 2016

    17.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Zebro
    Regional Alentejano, Branco, 2018

    16.0
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Amoreira da Torre
    Regional Alentejano, Tinto, 2017

    16.0
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Quinta da Amoreira da Torre
    Regional Alentejano, Reserva, Tinto, 2015

    17.0
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Zebro Blanc de Noir
    Regional Alentejano, Aragonez, Tinto, 2018

    15.5
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor

Edição Nº31, Novembro 2019

Escreva um comentário