Home-SliderNotíciaNotícias

Morreu Michael Broadbent, o primeiro grande crítico de vinhos

By 18 de Março, 2020 Sem comentários
Luís Lopes

No final dos anos 90, ainda antes de sonhar escrever sobre vinhos, eu lia devotamente todos os meses aquela que era para mim a bíblia do tema, a revista britânica Decanter. E a primeira coisa que procurava quando abria aquelas páginas era a coluna de notas de prova de Michael Broadbent. Impressionava-me a quantidade de vinhos que provava, a forma quase poética como descrevia cada vinho e a sua capacidade de resumir numa página toda uma região, produtor ou tendência de mercado.

Nascido em 1927, falecido no passado dia 17 de Março, Broadbent entrou no negócio do vinho em 1952, com 25 anos, num retalhista de Londres. A ideia era ser “somente” comerciante de vinhos, mas o tema tornou-se paixão e o seu especial talento levou-o a escrever uma primeira coluna numa revista de lifestyle em 1957. Nunca mais parou de o fazer, tendo publicado mensalmente na Decanter entre 1977 e 2012. Já agora, por curiosidade, a sua coluna de estreia na Decanter foi sobre Porto Vintage.

Crédito: Decanter

Paralelamente, tornou-se Master of Wine em 1960, escreveu vários livros de referência, realizou incontáveis masterclasses e trabalhou largas décadas (entre 1966 e 2009!) na leiloeira Christie’s, ali criando os primeiros leilões de vinhos raros e coleccionáveis.

Tive um dia o privilégio de conhecer pessoalmente o notável Senhor do vinho que há tanto tempo admirava. Foi num evento promovido pela Decanter, em Londres, em ano que não sei precisar, 2000 ou 2001, acho. E Michael Broadbent revelou-se tudo aquilo que eu esperava dele: afável, conversador, educadíssimo e impecável no seu fato e gravata ao melhor estilo britânico. Apenas faltava a bicicleta em que habitualmente pedalava nas ruas de Londres. Quando me apresentei, humildemente, Broadbent disse-me que já conhecia o meu trabalho (na altura fazíamos uma versão trimestral em inglês, distribuída pelo antigo ICEP) e que nele aprendia muito sobre vinhos portugueses. Pensei que fosse uma mentira piedosa, simples palavras de cortesia, mas a verdade é que o desenrolar da conversa mostrou que falava a sério. Regressei a Portugal inchado de orgulho: o grande Michael Broadbent lia o que eu escrevia!

Encontrei-o mais uma vez, de passagem, num outro evento internacional, mas aí já não houve ocasião para conversas. As suas famosas notas de prova, entretanto, também deixaram de ser publicadas. Fica a memória do grande mestre, verdadeiro pai fundador da profissão de crítico de vinhos.

Escreva um comentário