Home-SliderNotícias Vinho

O Alentejo de Manuel Lobo

By 12 de Maio, 2022 Sem comentários

Conhecido, sobretudo, pelo talento que empresta como enólogo aos grandes vinhos que faz no Douro e no Tejo, Manuel Lobo assume-se agora, também, enquanto produtor no Alentejo, liderando a casa de sua família, Lobo de Vasconcellos.

 Texto: Luís Lopes

Fotos: Lobo de Vasconcellos e Luís Lopes

 A família de Manuel Lobo de Vasconcelos possui propriedades no Tejo e no Alentejo desde há várias gerações. A vocação vitivinícola familiar vem, na verdade, desde o séc. XVIII, com maior expressão no século XIX, quando da construção da adega da Quinta do Casal Branco, em Almeirim. A chegada ao Alentejo aconteceu mais tarde: foi em 1968 que o avô de Manuel Lobo, adquiriu a Herdade da Perescuma, com 543 hectares, na Vendinha. No início dos anos 80, coube ao pai de Manuel, Francisco de seu nome, adquirir para a família a Herdade do Zambujal do Conde, perto de Évora, com 512 hectares. Cereal de sequeiro, pecuária, floresta, caça, foram as principais actividades agrícolas destas duas herdades ao longo de várias décadas. Tal como muitas outras, também estas terras foram ocupadas na sequência da revolução de 1974, tendo a última parcela sido devolvida apenas em 2014. Em 2020, fizeram-se partilhas dentro da família, tendo o tio de Manuel Lobo, José Lobo de Vasconcelos, ficado com a Quinta do Casal Branco, da qual é, desde há muitos anos, o administrador. Ao seu irmão Francisco coube o património alentejano.

Manuel Lobo tem na Herdade da Perescuma muitas das suas memórias de infância, ali passando largas temporadas em família. “Foi aqui, nas estradas de terra batida e sem trânsito, que aos 12 anos aprendi a guiar um carro”, confessa. A paixão pela agricultura ali nasceu também, mas, ao contrário das três gerações que o antecederam, não seguiu a carreira de agrónomo, optando pela enologia, concluindo o curso da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro em 1999. O gosto pela vinha e pelo vinho fê-lo plantar as primeiras videiras em Perescuma ainda durante a sua formação na UTAD. A adega foi construída em 2006, aproveitando alguns financiamentos da União Europeia. No entanto, apesar de terem, na sequência lançado o tinto Perescuma, nunca se apostou muito na marca, rentabilizando a adega através do aluguer a algumas das maiores casas do Alentejo. Hoje, para fora, fazem apenas prestação de serviços. Paralelamente, um contrato com um gigante espanhol da olivicultura ocupa parte da propriedade com olival intensivo.

As partilhas efectuadas em 2020, com a separação patrimonial entre o Casal Branco e as propriedades alentejanas, foram o “click” para o arranque de um novo ciclo vitivinícola nas Herdades da Perescuma e Zambujal do Conde, hoje reunidas debaixo da mesma empresa e assinatura: Lobo de Vasconcellos Wines.

A profunda e enriquecedora experiência de vinha, adega e negócio de vinho alcançada por Manuel Lobo ao longo da sua vida profissional, sobretudo na Quinta do Casal Branco e na Quinta do Crasto (casas onde se mantém como responsável de enologia) foi determinante para o levar a assumir este desafio de criar de raiz uma nova marca no Alentejo, espelhada, num primeiro momento, nas iniciais que representam o nome de família, LV.

Entretanto, foi necessário mexer nos vinhedos. A fase vitícola inicial da Perescuma assenta em plantações de 1995 e 2000, feitas, parte, sob orientação da ATEVA e outra parte sob nfluência dos estágios de Manuel Lobo em Austrália e Bordéus, reflectindo assim a sua cultura vínica. Dessas primeiras plantações, desapareceram, entretanto, o Castelão, e também, Trincadeira, Aragonez e Bastardo, estas últimas “com muita pena, pois a culpa não era das castas, estavam em terrenos inadequados”, diz Manuel Lobo. Mantiveram-se, porém, as parcelas de Alicante Bouschet, Cabernet Sauvignon (plantado com varas de Pauillac), Syrah (da Côte du Rhone) e Touriga Nacional (da quinta do Vale Meão). As plantações mais recentes em produção são de de 2018, e incluem Touriga Franca, Touriga Nacional e Sousão. Em 2021, foram plantados mais 10 hectares, incluindo agora castas brancas, com Touriga Nacional, Verdelho, Sauvignon Blanc e Viosinho. Na Perescuma encontramos hoje 38 hectares, aos quais se somam os 8 hectares de Zambujal do Conde, plantados em 2006 com as variedades Alicante Bouschet, Petit Verdot, Cabernet Sauvignon, Touriga Nacional, Syrah e Verdelho. No total, são 46 hectares de vinha (85% de uvas tintas), prevendo-se neste ano de 2022 a plantação de mais 23 hectares, recuperando aí as variedades tradicionais entretanto desaparecidas da herdade, nomeadamente Trincadeira e Aragonez. Enquanto as novas vinhas não estiverem a produzir, a empresa arrenda e trabalha alguns vinhedos próximos, com uvas de castas que necessitam, como é o caso da Arinto.

Ambas as propriedades estão inseridas na DOC Alentejo-Évora e, como é habitual na região, espelham uma grande heterogeneidade de solos, com diversos perfis de argilas, areias e calcários. As vinhas são tratadas em modo “eco friendly”, recorrendo à produção integrada, com o mínimo de recurso a herbicidas, e respeitando a biodiversidade, com incremento da flora natural e disponibilidade de abrigos e alimento à fauna local.

Alentejo Manuel Lobo

Manuel Lobo com a enóloga Joana Lopes, analisando um dos vários perfis de solo da propriedade.

Na Lobo de Vasconcellos, o trabalho de Manuel Lobo apoia-se numa equipa de profissionais experientes e motivados, com destaque para a enóloga Joana Lopes (que com ele trabalha também em Casal Branco) e Diogo Grilo, como enólogo residente.

Para já, a marca Perescuma ficou “congelada”, e foram colocadas no mercado em junho de 2021 quatro referências LV, dois brancos e dois tintos, Colheita e Reserva, num total de cerca de 40 mil garrafas. A casa transforma toda a sua produção de uva em vinho, mas apenas uma parte fica para as marcas LV, sendo o restante vendido a granel. Ainda assim, o volume de engarrafamento tem vindo a aumentar, acompanhando o crescimento das vendas, andando agora pelas 60 mil garrafas.

Loja e sala de provas.

Em termos de volume, o objectivo de Manuel Lobo passa por engarrafar com a sua marca todo o vinho que produz. No que ao perfil dos vinhos respeita, quer diferenciar e expressar os diferentes terroirs que ali encontra e potenciar as características que mais o entusiasmam nos vinhos na casa, em particular a acidez natural e a mineralidade. “Não me preocupo muito com a fruta”, diz, “quero vinhos sérios, frescos, que possam crescer na garrafa”. Mas quatro referências chegam para mostrar tudo isso? Manuel admite que tem alguns trunfos na manga. “Queremos ir mais além, claro. Para já, precisámos evidenciar algum volume e consistência com estes LV Colheita e Reserva. É uma marca nova, que necessita ser implementada, solidificando o nome e o posicionamento.  Mas já temos na adega algumas novidades e vinhos ainda mais ambiciosos. Aliás, para nós, a vindima de 2021 foi extraordinária, trouxe muitas coisas que vão dar que falar”. Fica a promessa.

(Artigo publicado na Edição de Março de 2022)

  • LV Lobo de Vasconcellos
    Regional Alentejano, Reserva, Branco, 2020

    18
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • LV Lobo de Vasconcellos
    Regional Alentejano, Tinto, 2018

    17
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • LV Lobo de Vasconcellos
    Regional Alentejano, Branco, 2020

    17
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • LV Lobo de Vasconcellos
    Regional Alentejano, Reserva, Tinto, 2018

    18.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
Siga-nos no Instagram
Siga-nos no Facebook
Siga-nos no LinkedIn

Escreva um comentário