Home-SliderNotícias Vinho

O costureiro da Foz do Tua

By 5 de Agosto, 2021 Sem comentários

Três hectares de vinha, num dos melhores “spots” do Douro, transformaram em realidade o sonho de um empresário têxtil de Barcelos. João Fernandes e a sua família dedicaram-se de corpo e alma àquele pequeno paraíso e, depois dos primeiros vinhos, chega agora ao mercado um tinto de “haute couture”: o Costureiro.

 Texto: Luís Lopes           

Crédito nas fotos: Foz Tua/Carlos Vinagre

Nascido e criado em Barcelos, foi naquela cidade e na indústria têxtil que João Fernandes se lançou na actividade profissional e construiu, após décadas de muito trabalho e investimento, um sólido sucesso enquanto empresário. Sempre que possível, o fim de semana era o momento de espairecer as vistas e a mente, e o Douro o destino de eleição.

Sem qualquer ligação ao mundo do vinho, João Fernandes e família acabaram por a pouco e pouco ir nele mergulhando, entre visitas a quintas, vinhas e adegas. O resultado antevia-se e era quase inevitável: a produção de um vinho a que pudessem chamar seu.

A ocasião surgiu em 2014. No concelho de Carrazeda de Ansiães estava à venda uma parcela de terreno com cerca de 6 hectares, dos quais 3 de vinha e os restantes plantados com oliveiras, amendoeiras e laranjeiras. O local, pelo menos no que ao potencial vínico diz respeito, era muito recomendável: na foz do rio Tua, mesmo na curva do último monte que confronta simultaneamente com o rio Douro a Sul e com o rio Tua a poente, com vistas para dois ilustres vizinhos, a Quinta dos Aciprestes e a Quinta dos Malvedos.

Foz do Tua vinho costureiro

Uma vinha de apenas 3 hectares, mas com tudo no sítio.

A vinha da propriedade tem várias plantações, desde o início dos anos 80 até 2004. Disposta sobretudo em patamares de dois bardos, é limitada pelas voltas da estrada que liga Foz do Tua a Carrazeda de Ansiães, e entre as cotas de 185 metros e 270 metros apresenta as castas Touriga Franca, Touriga Nacional, Tinta Roriz e Tinta Barroca. Foi uma compra de impulso, confessa João Fernandes. O filho César, acrescenta, rindo, “primeiro comprou a vinha, depois pensou no que fazer com ela.”

Mas a razão de ser daquelas uvas só poderia ser vinho, e vinho se fez logo em 2014. No mesmo ano, foi criada a empresa agrícola Foz do Tua e arranjou-se forma de contratar localmente o granjeio da vinha e o aluguer do espaço de vinificação numa adega próxima. A enologia foi entregue à empresa Duplo PR. Pisadas a pé em lagar e depois maceradas e fermentadas em cubas inox, essas uvas deram origem a um vinho estagiado em barricas de carvalho francês e engarrafado em 2016. Nascia assim o primeiro FozTua.

Logo em 2015, a família Fernandes resolveu que tinha de possuir uma adega própria. Mais uma vez o destino veio ao seu encontro sob a forma de uma adega típica do sec. XIX, com lagares em cima e toneis em baixo, localizada junto à estação de caminho de ferro do Tua (bem próximo das vinhas) e desactivada desde 1992. Um projecto à medida de César Fernandes, o filho arquitecto, que ali aplicou a sua arte no sentido de preservar o travejamento original das coberturas e outros elementos técnicos e históricos do edifício, melhorando ao mesmo tempo o isolamento térmico, as acessibilidades, iluminação e as infra-estruturas eléctricas, de água e esgotos.

Os três lagares de pedra foram mantidos e um deles adaptado, com aço inoxidável, para ali se receber e pisar as uvas. No piso inferior, instalaram-se as cubas de fermentação e armazenamento, prensa e barricas e a adega ficou operacional na vindima de 2018. As novas instalações, preparadas para 30.000 litros, permitiram igualmente a elaboração de vinhos brancos, a partir de uvas Rabigato e Viosinho adquiridas em zonas altas de S. João da Pesqueira.

Foz do Tua vinho costureiro

César Fernandes recuperou uma adega do séc. XIX

O portefólio da casa é quase tão pequeno quanto a vinha: um branco, DouTua, e depois, subindo na pirâmide, três tintos, DouTua, FozTua e o agora apresentado, Costureiro. O nome e a imagem no rótulo não podiam ser mais explícitos: o topo de gama da empresa pretende homenagear a confeção têxtil, em geral, e o trabalho e dedicação da família de João Fernandes a esta actividade. Surgirá apenas nos melhores anos (João está convicto de que este, de 2020, será um deles) a partir das uvas das parcelas mais antigas da quinta.

Uma pequena vinha, uma adega “boutique” e muita paixão e vontade são assim os ingredientes necessários para gerar um projecto vínico assente no rigor e na qualidade.  Ali, a vindima é uma festa de família onde participam o casal João e Amélia Fernandes, acompanhados de três filhos e seis netos. Como se vê numa das fotos que ilustra esta peça, os mais pequenos não são os menos empenhados. E essa é a melhor garantia de futuro que o costureiro da Foz do Tua poderia ter.

(Artigo publicado na edição de Outubro de 2020)

  • Costureiro
    Douro, Tinto, 2016

    18
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • DouTua
    Douro, Branco, 2019

    17
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Foz Tua
    Douro, Tinto, 2017

    17.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
Siga-nos no Instagram
Siga-nos no Facebook
Siga-nos no LinkedIn

Escreva um comentário