Home-SliderNotícias Vinho

Os vinhos dos nuestros hermanos

By 25 de Agosto, 2021 Sem comentários

A nossa vizinha Espanha não é só um dos principais players no mercado de vinho a nível mundial, como é um dos países do velho mundo mais dinâmicos. A diversidade climática e varietal, investimento, empreendorismo e ambição são os factores essenciais para o seu sucesso no palco internacional. A amplitude de oferta é impressionante, variando de vinhos de qualidade consistente a preços acessíveis, até vinhos de culto e colecção, cotados nos leilões especializados. As regiões de Rioja e Priorato são bons exemplos desse sucesso.

TEXTO: Valéria Zeferino

De acordo com os mais recentes dados da OIV, Espanha é o país com maior área de vinha plantada (969 mil hectares), a contribuir com 13% das plantações mundiais. Nos cinco primeiros também estão China com 12%, França com 11%, Itália com 9% e Turquia com 6%, tendo em conta que na China e na Turquia apenas 10% e 3% de uva produzida, respectivamente, é destinada à produção de vinho. Em termos de volume de produção, Espanha com 44 milhões de hectolitros ocupa o terceiro lugar, a seguir a França e Itália. Quase metade do vinho produzido vai para exportação, sendo a Espanha o maior exportador de vinho em volume, ficando no 3º lugar em valor, novamente a seguir a França e Itália.

No século passado, a partir dos anos 60 começaram as mudanças radicais em termos de enologia – cubas de inox e controlo de temperatura, o que era particularmente importante para as regiões mais quentes como La Mancha e Levante. Acontece que a modernização traz os benefícios em paralelo com uma certa desvalorização da identidade tradicional. Em muitas regiões, as castas internacionais tomaram o lugar das locais para, no futuro, dar início ao movimento inverso. Nos anos 90, as tendências internacionais assentavam em uvas sobremaduras, muita extracção, muita barrica nova (até 200%!). Ao mesmo tempo os tradicionais estágios prolongados muitas vezes não foram ditados por razões de qualidade, sendo consequência de falta de encomendas.

A produção era, e ainda é, dominada pelas grandes empresas que compram uvas e vinho em todo o país, mas recentemente desenvolveu-se uma nova geração de produtores fortemente orientados para o terroir, que cultivam a sua vinha, experimentam, encontrando o seu próprio conceito e equilíbrio entre o moderno e o tradicional. Há mais de 70 denominações de origem em Espanha, mas apenas duas são distinguidas como DOCa – Denominacione de Origen Calificada, que é considerado de qualidade superior – Rioja e Priorat.

vinhos nuestros hermanos

Paisagem de vinha das Bodegas LAN.

Rioja: história, tradição e fama

É a região vitivinícola de Espanha mais conhecida internacionalmente, com maior peso histórico, grande tradição e com movimento modernista presente. A DOCa Rioja com mais de 65.000 hectares de vinha fica no norte de Espanha, nas margens do rio Ebro, e é dividida em três sub-regiões: Rioja Alta, Rioja Alavessa e Rioja Oriental (chamada Rioja Baja até 2018).

A Rioja Alta é a parte mais ocidental da região com maior área de vinha. Tem altitude mais pronunciada e, mesmo com protecção da Serra de Cantabria, recebe alguma influência Atlântica, providenciando condições mais frescas. A Rioja Alavesa é representada por dois enclaves em Rioja Alta e fica no território de País Basco, na província Álava que originou o seu nome. A Rioja Oriental fica a sudeste da Rioja Alta, onde o clima é mediterrânico com menos precipitação e condições mais quentes.

A proximidade com Bordeaux explica a influência nas práticas de vinificação em Rioja. Na segunda metade do século XIX, quando o míldio e a filoxera devastaram as vinhas em França, os negociantes franceses passaram a comprar vinho em Rioja, onde estas desgraças chegaram muito mais tarde (só em 1901), quando já se aprendeu a lidar com filoxera, usando porta-enxertos americanos. A prática corrente em Rioja naquela altura era a maceração carbónica (hoje também é popular para obter vinhos mais frutados e menos taninosos para consumo mais rápido).

Graças aos técnicos franceses, foram introduzidas as barricas de carvalho de 225 litros. A popularidade de carvalho americano deve-se ao menor custo em comparação com o carvalho francês e ao comércio transatlântico desenvolvido. Hoje em dia, muitos produtores usam também o carvalho francês. O parque de 1.3 milhões de barricas em Rioja deve ser o maior do mundo.

Os tempos de estágio são longos e rigorosamente regulamentados para as categorias tradicionais de Crianza, Reserva e Gran Reserva. Por exemplo, para Crianza tinto é obrigatório um estágio de 2 anos, dos quais 1 ano em barrica; para Reserva – 3 anos, dos quais 1 ano em barrica; para certificar um vinho como Gran Reserva, o estágio terá de ser no mínimo de 5 anos, dos quais 2 anos em barrica. Actualmente, muito dos novos produtores que cultivam vinhas próprias, preferem nos seus vinhos de topo enfatizar o terroir do que preocuparem-se com designativos “reservas” e estágios obrigatórios.

A casta Tempranillo (que é a nossa Tinta Roriz/Aragonez) é a rainha das vinhas e dos vinhos em Rioja; ocupa 87% da plantação. Outras são Garnacha Tinta, Graciano (a nossa Tinta Miúda), Mazuelo (aka Carignan) e Maturana Tinta. Nos encepamentos brancos predomina a Viura que é o nome local para Macabeo.

vinhos nuestros hermanos

Caves da Marquês de Riscal.

Marqués de Riscal é uma das propriedades lendárias da Rioja, e uma das mais antigas, fundada em 1858. Foi o enólogo frances Jean Pineau que tratou da produção no início. O projecto actual inclui o majestoso e futurista edifício “City of Wine” desenhado pelo prestigiado arquitecto Frank Gehry, onde fica o hotel e um restaurante de estrela Michelin.

É uma empresa que concilia uma grande produção com altos padrões de qualidade e faz parte das 50 marcas de vinho mais admiradas do mundo. Para o Gran Reserva utilizam apenas uvas das vinhas com mais de 80 anos de idade (próprias e dos seus fornecedores habituais). É uma das expressões clássicas da Tempranillo. Estagia quase 3 anos em barrica de carvalho francês e mais 3 anos em garrafa antes de ser lançado para o mercado.

La Rioja Alta é também um dos produtores clássicos em Rioja. Foi fundada em 1890 por cinco famílias e gerida por uma mulher, Doña Saturnina García Cid y Gárate. Em 1904 houve uma fusão com a Bodega Ardanza. Ambas as datas são homenageadas nos seus vinhos de topo Gran Reservas 890 e 904.

Conta com 420 hectares de vinhas nas três sub-regiões da Rioja, em conversão para viticultura orgânica, e com uma tanoaria própria. Ao contrário do que é habitual nas casas clássicas da região, não compram nem um bago de uva, e, independentemente da área considerável, toda a vinha é trabalhada manualmente. O Gran Reserva é uma expressão de 90% Tempranillo com mais de 60 anos e 10% de Graciano. Estagiou em barricas de 4º ano de carvalho americano durante 4 anos e foi engarrafado em 2015.

vinhos nuestros hermanos

Vinha velha das Bodegas LAN.

Bodegas LAN foram fundadas em 1972 e em 2012 adquiridas pela Sogrape. O nome LAN representa os iniciais das províncias que compõem a denominação de origem Rioja: Logroño (agora La Rioja), Álava e Navarra.

Possuem 70 hectares de vinha e o resto das uvas compram aos produtores locais. Apostam em estágios longos e gerem o seu enorme parque de 25.000 barricas dos mais diversos tipos de madeira (carvalho francês, americano, húngaro, russo etc.) e até barricas híbridas com aduelas de um tipo de madeira e tampas de outro.

As uvas para o LAN A Mano provêm de uma parcela de 5 ha de vinha situada em Rioja Alta, a uma altitude de 491 metros acima do mar. As vinhas têm 35-40 anos de idade. Tempranillo com 87% predomina no lote, com 9% de Mazuelo e 4% de Graciano. As vinhas tradicionalmente plantadas em vaso, dão apenas 3500 kg/ha. Fez maloláctica em barricas novas de carvalho, onde depois estagiou durante 7 meses e ainda mais 4 meses em barricas novas de carvalho caucasiano.

vinhos nuestros hermanos

Priorat: uma pequena grande região

Com a sua paisagem fascinante, encostas íngremes, repleto de terraços, de relance faz lembrar o nosso Douro. É um anfiteatro formado pela serra de Montsant, que proteje a área dos ventos nortenhos. O solo pobre e bem drenado chamado llicorella, é composto por mica parcialmente fragmentada e quartzo o que lhe dá um brilho característico. Tem um pouco mais de 2000 hectares de vinhas, muitas delas velhas plantadas em vaso, sendo Garnacha e Cariñena as castas principais.

Nos anos 80 do século passado, o revolucionário enólogo e produtor René Barbier serviu de inspiração a outros enólogos talentosos que com os seus projectos colocaram o Priorat no mapa das melhores regiões mundiais. Um deles era Alvaro Palacios. É um nome incontornável quando se fala de Priorat (e também de Bierzo). Apesar de ter nascido numa família de produtores em Rioja (e com oito irmãos) Álvaro preferiu seguir o seu caminho ao invés de integrar a empresa familiar.

Estudou em Bordeaux e depois de trabalhar dois anos no Château Petrus, em 1990 comprou a sua primeira vinha no Priorat.

O seu Gratallops é um vinho de vila (vi de vila) com o mesmo nome e que faz parte das 12 zonas de produção no Priorat. As uvas vêm de seis vinhas diferentes. A maioria (85%) do lote é Garnacha com 13% de Cariñena e 2% de castas brancas (Garnacha Blanca, Macabeo e Pedro Ximénez). Estagiou 16 meses em barricas novas de carvalho francês.

Clos Figueras é um projecto do ex-proprietário da importadora de vinhos Europvin com sede em Bordeaux, Christopher Cannan, com a sua filha Anne Josephine. Tudo começou em 1997 com a compra de 10 hectares de uma vinha abandonada, a norte da Gratallops, chamada “Figueras” por ter duas magnificas árvores de figos. O sucesso começou a partir de 2000 com altas pontuações dadas por Robert Parker.

Serras del Priorat  é o mais recente vinho da Clos Figueras, de abordagem mais fácil, onde transparece mais a fruta e destinado ao consumo mais rápido, mas, no entanto, mostra as características regionais. Lote de Garnacha (55%), Cariñena (20%), Syrah (15%) e Cabernet Sauvignon (10%). Estagia 7 meses em barricas de carvalho francês de 2º ano de 300 e 500 litros.

vinhos nuestros hermanos

Daniel del Castillo, cortesia Vinalda.

(Artigo publicado na edição de Novembro de 2020)

  • Pouca Roupa
    Regional Alentejano, Tinto, 2018

    15.5
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Pousio Selection
    Regional Alentejano, Tinto, 2017

    16.5
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Senses
    Regional Alentejano, Syrah, Tinto, 2016

    16.5
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Chaminé
    Regional Alentejano, Tinto, 2018

    16.0
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Monsaraz
    Alentejo, Reserva, Tinto, 2017

    16.0
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Monte Cascas
    Regional Alentejano, Tinto, 2016

    16.0
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Sobro
    Alentejo, Tinto, 2018

    16.0
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Vidigueira
    Alentejo, Alicante Bouchet, Tinto, 2018

    16.0
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Monte da Ribeira
    Regional Alentejano, Tinto, 2018

    16.0
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Herdade Grande
    Regional Alentejano, Colheita Seleccionada, Tinto, 2017

    16.0
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Adega Mayor Dizeres
    Regional Alentejano, Tinto, 2018

    16.0
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Monte da Caçada
    Regional Alentejano, Tinto, 2017

    16.0
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Dom Martinho
    Regional Alentejano, Tinto, 2018

    15.5
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Santos da Casa
    Regional Alentejano, Tinto, 2017

    15.5
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Santa Vitória
    Regional Alentejano, Seleção, Tinto, 2018

    15.5
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Porta da Ravessa
    Regional Alentejano, Reserva, Tinto, 2018

    16.0
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Maria Mora
    Regional Alentejano, Tinto,

    16.0
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Evergreen Vegan
    Regional Alentejano, Tinto, 2018

    15.5
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Carlos Reynolds
    Regional Alentejano, Tinto, 2018

    16.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Bojador
    Regional Alentejano, Tinto, 2019

    16.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Caladessa
    Alentejo, Reserva, Tinto, 2017

    16.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Monte da Guiça
    Regional Alentejano, Tinto, 2017

    15.5
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Monte da Ravasqueira Clássico
    Regional Alentejano, Tinto, 2019

    15.5
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Comenda Grande
    Regional Alentejano, Tinto, 2017

    16.0
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Alabastro
    Regional Alentejano, Reserva, Tinto, 2017

    16.0
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • EA
    Regional Alentejano, Tinto, 2018

    15.0
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Vinha D’Ervideira
    Alentejo, Colheita Seleccionada, Tinto, 2018

    16.0
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Herdade Paço do Conde
    Regional Alentejano, Touriga Nacional e Syrah, Tinto, 2016

    16.0
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Monte Velho
    Regional Alentejano, Tinto, 2019

    15.0
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Herdade da Pimenta
    Regional Alentejano, Tinto, 2017

    16.5
    guarda inclinada
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Herdade da Bombeira
    Regional Alentejano, Tinto, 2018

    16.0
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
  • Herdade das Servas
    Regional Alentejano, Colheita Seleccionada, Tinto, 2016

    16.5
    guarda em pé
    *PVP médio indicado pelo produtor
Siga-nos no Instagram
Siga-nos no Facebook
Siga-nos no LinkedIn

Escreva um comentário